Navigation – Plan du site

Texte intégral

INTRODUÇÃO1

  • 1 Esta edição da revista Via @ Tourism, como a de Teoros publicada em 2018, vem de um colóquio sobre (...)

1Alguns lugares são eróticos ou mais eróticos do que outros? Podemos ter relaçoes sexuais mais intensas ou diferentes do que em outros lugares - comona vida cotidiana ? Seu suposto caráter erótico influenciaria as escolhas dos turistas e os incentivaria a visitá-los? Essa questão parece a priori surpreendente pela humanização que ela induz (como podemos atribuir um caráter erótico a lugares, espaços ou destinos turísticos?) ou pela essencialização dos lugares que ela implica. No entanto, a multiplicidade de exemplos de lugares escolhidos pelos turistas para sua carga erótica nos permite fazer a pergunta nestes termos: é assim que as pessoas às formulam.

2O ponto aqui é focar nos lugares que parecem ser capazes de permitir, ou pelo menos facilitar, experiências eróticas diferentes ou amplificadas, porque criam um espaço-tempo que abre aos turistas uma brecha de liberdade, permissividade, fantasia ou desvio que não se permitem, ou que não são permitidos, nos lugares e nos momentos de sua vida cotidiana. É também sobre a compreensão dos processos pelos quais este imaginário erótico foi produzido e o que ele produz, por sua vez, como um efeito sobre o lugar da fantasia.

3Estas questões são todas geográficas no sentido de que tratam o lugar como "condição da experiência humana" (Entrikin, 2003, p. 557) e interrogam a forma como os lugares, com ocorrência turística interfere nas experiências humanas. São históricos porque o erotismo dos lugares procede de uma construção que segue um ritmo próprio, inscrito num contexto - às vezes cambiante - e uma cronologia precisa, que tem uma origem e, às vezes, um fim. Eles também são antropológicos, pois exploram como o ser humano constrói um contexto real e/ou fantasioso sobre sua libido em relação a determinados lugares em particular. Eles também são sociológicos e políticos porque fazem parte das relações sociais e de poder entre parceiros (entre turistas e locais, entre turistas e outros turistas e entre locais em um lugar turístificado), mas também entre lugares (do cotidiano e do destino turístico). Finalmente, são econômicos, já que a geografia dos lugares e destinos erotizados é também uma geografia econômica formada gradualmente pelos fluxos emissores e receptores do turismo internacional.

4Esta edição especial sobre "a erotização dos lugares turísticos" tem como objetivo explorar como certos lugares podem ser produzidos, transformados ou investidos pelas imaginações e práticas eróticas dos turistas. Não se trata de essencializar o erotismo dos lugares como um dado invariável e objetivado, mas de apreender as modalidades (geográficas, históricas, culturais, econômicas, etc.) de sua erotização, de identificar suas lógicas, os atores e suas conseqüências.

5A erotização é aqui definida como o processo largamente discursivo pelo qual certos atores, jogando em um imaginário geográfico preexistente ou criando do zero, erguem certos destinos como objetos de desejo sexual ou como lugares privilegiados para a realização destes, suscetíveis a atraircertos turistas que possam experimentar práticas eróticas específicas.

6Devemos, portanto, evitar falar de lugares eróticos ou do erotismo de lugares, expressões que levam a crer que se trata de uma qualidade própria, e falar de lugares erotizados ou de sua erotização, para destacar o processo de contrução e o papel de certos atores. Mas é fácil, até mesmo prático, escondê-lo, esquecê-lo ou ignorá-lo e (preferir) acreditar que o erotismo dos lugares e seus habitantes constituem suas qualidades, no âmbito de uma estratégia de inocência (Pratt 1992) para livrar os turistas de qualquer responsabilidade ou culpa no assunto, ou seguindo a tendência comum de naturalizar os fatos sociais e essencializar lugares. Assim, o erotismo do Taiti é mais facilmente atribuído à naturalidade dos Vahines do que ao romance de Loti ou às pinturas de Gauguin.

7A ignorância dos processos de criação não é apenas uma estratégia; ela condiciona seu sucesso. Por um lado, a erotização dos lugares é baseada em fantasias (estereótipos exóticos) que veriam sua efetividade erótica comprometida se os atores envolvidos tivessem consciência de sua natureza imaginária. Os taitianos Vahines perdem seu charme quando perdemos suas ilusões sobre eles. Por outro lado, esse imaginário funciona como uma profecia auto-cumprida. As expectativas eróticas dos turistas levam (i) eles a adotarem em seu lugar de destino que é objeto tanto de fantasias como de comportamentos abertamente sexuais, (ii) atores locais a proporem uma oferta comercial para satisfazer esses clientes muito disponíveis, (iii) e, assim, para uma série de escolhas que levam à formação de uma paisagem sexual (Brennan 2004), de modo que o lugar, em última análise, corresponde ao que os turistas tinham em mente. De certa forma, basta que os turistas imaginem que, no ato, garotas se entregarão para que algo assim aconteça, mesmo que as razões dessas garotas se oferecerem aos turistas não sejam aquelas que eles gostariam de acreditar. Os sonhos de alguns, talvez sejam os pesadelos de outros, detêm força para sua realização.

8Se os destinos privilegiados do turismo sexual, nos quais os turistas vão consumir uma oferta sexual comercializada, identificada e muitas vezes pré-organizada, estão entre esses lugares erotizados, não estamos falando aqui apenas desses destinos. É claro que o turismo é uma prática altamente erotizada onde o sexo comercial e a recreação sexual se tornam amplamente disseminados e praticados (Frohlick, 2016). No entanto, ao contrário dos destinos de turismo sexual que ligam os turistas "consumidores" aos locais "provedores" [embora os pesquisadores (Brennan, 2004) tenham mostrado que essa relação é muito mais complexa do que costumamos imaginar] destinos eróticos sugerem um "erotismo mágico" que diz respeito às práticas e ao imaginário dos próprios turistas. Também são lugares onde os casais procuram porque se acredita que a experiência erótica, romântica, sexual ou libertina, será diferente. Eles também implicam um eros do lugar que é jogado entre o lugar visitado e o turista que o visita.

Figura 1: Turismo sexual-turismo erótico.

Figura 1: Turismo sexual-turismo erótico.

Elaboração dos autores a partir de Prat Forga (2010)

9Este capítulo introdutório está organizado em três partes.

  • A primeira analisa a natureza supostamente erótica de certos lugares. Isso pode ser abordado como um gradiente de "cinquenta tons de cinza", entre os lugares "românticos" (Pruitt, LaFont, 1995) em que alguém se apaixona, por sua lua-de-mel ou por seu aniversário de casamento; aqueles onde se vai com um parceiro para desfrutar de experiências diferentes da vida cotidiana; e lugares de turismo sexual, alguns dos quais oferecem práticas específicas (Ryan, Kinder, 1996, Jeffreys, S. 2003) e onde o turista está procurando principalmente relacionamentos baseados no sexo comercial com novos parceiros.

  • O segundo olha para o imaginário turístico dos lugares. O gradiente é aqui também importante entre o imaginário de lugares românticos, capitalizando na carga emocional dos lugares (por figuras literárias como os amantes de Verona ou figuras históricas como Casanova em Veneza) e o imaginário doslocais do turismo sexual.

  • A terceira enfoca o processo de erotização de lugares introduzidos pelos atores locais, por campanhas de marketing ad hoc ou pela criação e promoção de produtos turísticos eróticos. Explora a questão dos legados históricos (guerras, colonização) e a maneira como eles produziram, assumido ou não, o caráter erótico dos lugares.

1-Lugares turísticos eróticos?

Paixão e ódio, amor e dominação nos lugares turísticos

10O turismo tem com o erotismo uma relação múltipla.

11Para começar, a personificação de vários pontos turísticos, sejam eles latentes ou consolidados por turistas ou atores do turismo, estabelece em um nível metafórico uma relação romântica entre os lugares e os turistas. Às vezes o destino turístico (e em particular a cidade) é feminizado; é tomada pelo turista em uma relação de dominação de gênero. A visita turística é assimilada a uma penetração em um território (Sanoussi, este número). A descrição das paisagens, seu relevo, suas curvas e suas formas, muitas vezes é feita por analogia com o corpo feminino. Esta personificação do lugar é na maioria dos casos heterossexual e destina-se principalmente ao público heterossexual branco e masculino (Pritchard e Morgan, 2000). A campanha publicitária das Ilhas Virgens Britânicas é, portanto, baseada em alusões à virgindade e posse sexual, encorajando os turistas a descobrir um "território de férias virgens" (Pritchard and Morgan 2000: 894-895); "as representações da paisagem baseiam-se nas relações de poder entre os sexos que caracterizam as sociedades" (Pritchard e Morgan, 2000, p. 126). Os lugares feminizados são às vezes equiparados a presas tomadas por hordas de turistas sem o seu consentimento. Como Trask (1991: 28) coloca no caso do Havaí, a ilha "como uma mulher adorável, está lá para ser tomada. Quem tem pouco dinheiro consegue um breve encontro, quem tem muito dinheiro, como os japoneses, ganha mais ".

12O turismo também pode ser comparado a prostituição dos lugares ou a prostituição da cultura (Graburn 1983 Trask, 1991), pela abertura via mercado dos lugares para um público não-residente. Como Sanoussi (este número) escreve sobre Tânger, os pontos turísticos "pertencem a todos". No caso de Veneza, Gault (2014) evoca a mudança que ocorreu nas representações da cidade: ir do fascínio pela cidades das prostitutas a denúncia da cidade prostituída: "A cidade que tem experimentado a prostituição secular está agora vazia de prostitutas (relegadas a periferia (...) onde permanecem invisíveis como acompanhantes fugazes no rastro de estrelas e do jet-set. No entanto, uma revezamento ocorreu em Veneza entre "a prostituição de massa" e turismo de massa, com a ajuda de representações sucessivas que construíram os mitos e ajudou a dar suas vidas para que analogias possam ser tentadas quando evocamos os dois fenômenos e sua relação com Veneza ".

13Se esta relação lugar-turismo é supostamente consensual, porque baseada em uma relação de preços (turismo paga para comprar a cidade), no entanto, exige uma luta de poder construindo uma relação desequilibrada favorecendo as ânsias e desejos do turista pagante às custa dos lugares. As duas metáforas de estupro e prostituição de lugares significam a relação sexualizada entre lugares e turistas e contribuem para a criação de uma dominação imaginária de lugares pela indústria do turismo. Dizem respeito mais genericamente aos lugares que supostamente sofrem com o turismo - seja pelo número excessivo de turistas ou por concessões que o local precisa fazer para acomodá-los. Mas às vezes, em um relacionamento inverso, é o lugar turístico que, como uma mulher sedutora, deve seduzir. Assim, a campanha de Barcelona posa’t guapa (1993) mostrou a cidade de Barcelona como uma mulher que é bonita para receber seus visitantes.

  • 2 Termo dado por Graziella Magherini, que trabalha no Hospital Santa Maria Nuova, em Florençahttp://w (...)

14Além e quase o oposto da metáfora do amor e da posse de um lugar turístico por aqueles que a visitam, abordam, praticam, amam ou maltratam, os lugares turísticos são o objeto de uma paixão real por parte dos turistas, que são dominados por suas emoções. O que hoje é chamado Síndrome de Stendhal2 descreve essa relação apaixonada e patológica de alguns turistas com o local visitado. Stendhal descreve o que ele experimentou depois de visitar a igreja de Santa Croce em Florença: "Eu cheguei a este ponto de emoção onde as sensações celestiais dadas pelas artes plásticas e sentimentos apaixonados se encontram. Deixando Santa Croce, tive uma batida do coração, a vida estava esgotada em casa, andei com medo de cair "(Stendhal, 1826). Essa síndrome e as formas de descompensação mais ou menos graves que estão relacionadas a ela têm sido observadas em destinos que geram expectativas importantes, como a Índia (falamos da "louca Índia" [Airault 2000]), Paris ou Jerusalém.

O caráter erótico dos lugares turísticos

15O caráter erótico dos lugares turísticos pode ser abordado de maneira micro e macro-escalar. Alguns lugares (cidades como Paris, Veneza, Roma ou Bangkok, ilhas como Ibiza ou Taiti) têm uma conotação romântica, erótica ou sexual. Em algumas cidades, como Amsterdã, os distritos da luz vermelha estão polarizando o caráter erótico dos lugares. Certos tipos de lugares também, como a praia (Coëffé, 2016) ou as estâncias balneares e termais (Férérol, nesta edição), caracterizam-se pela permissividade erótica. De modo mais geral, também é o caso em alguns contextos cujos contornos geográficos são difíceis de definir: a leste, os trópicos, o sul, ilhas ou países latinos... (Sanoussi Fuentes Vega, neste número) pode ser percebido - obviamente de fora - como eróticos. Finalmente, o caráter erótico do lugar é relacionado a algum temporalidade mais precisa como Tânger sob o protetorado francês (Sanoussi nestenúmero), a Paris da Belle Epoque (Montmartre, a boêmia, o Moulin Rouge) ou sob a ocupação alemã (Gordon, este número) ou, na base de uma temporalidade cíclica, Veneza ou Rio na época do carnaval. Por outro lado, um destino pode perder seu potencial erótico. No século XIX, a Espanha de Carmen, a de Mérimée ou Bizet, seduziu visitantes amadores da Andaluzia; Argélia, aqueles fascinados pelos mouros; é menos o caso hoje. Está tão ligada à evolução da imaginação dos turistas quanto às realidades dos países de destino.

16Longe de serem impermeáveis, essas escalas espaço-temporais se entrelaçam e produzem "momentos de lugares turísticos" (MIT, 2003) com particular carga erótica: nas esatções termais dos anos vinte (Férérol, este número), tal cidade tem um momento de perturbação de sua história (Sanoussi, este número) ou um bairro urbano durante a guerra (Gordon, este número) são autorizados, às vezes instituídos ou ritualizados, diferentes práticas eróticas - permissivas ou mesmo desviantes.

17Assim, se o número de destinos turísticos que oferecem passeios "eróticos" como "produtos padronizados" é relativamente limitado (a ponto de dizer Evans et al [2000: 538], certamente de maneira reducionista, que "os passeios eróticos ocorrem principalmente em dois lugares ; no Sudeste asiática e no Caribe, numa extensão menor na Holanda » o caráter erótico dos lugares é multiforme e diz respeito a uma infinidade de lugares no planeta, refletindo a diversidade dos olhares e dos imaginários dos turistas que os investem.

Cidades eróticas, entre romance e sexualização

18As cidadessão os lugares mais populares da indústria turística global, e são também, muitas vezes, por seu caráter erótico. No caso de Veneza, a indústria do turismo atua e reproduz a imaginação erótica da cidade, afirmando assim que "desde os primórdios do mito, ela é a cidade do amor, da sedução, da sensualidade3". A imaginário da "festa de Veneza" e sua dimensão erótica tornariam Veneza uma "cidade-mulher4". A indústria do turismo oferece Veneza, "a libertina perversa ", "amorosa", de dia e de noite. Ele afirma seguir "os traços da evidência histórica da tradição erótica veneziana entre anedotas, lendas, cultura popular e poesia erótica veneziana5". Como lembra Lazzarotti (2011), Veneza é um desses lugares "afrodisíacos", oferecendo um "efeito de lugar" singular: "o amor que acontece em Veneza não é comparável a nenhum outro amor, que teria lugar ou teria ocorrido em outro lugar "(Lazzarotti, 2011). Como especifica o autor, o efeito veneziano não é apenas sentimental, porque "estando em Veneza dá ao casal um reconhecimento social e uma visibilidade únicos (...) onde o outro me vê, na forma em que ele me vê "(idem). Assim, e à maneira de lugares turísticos e dessa dinâmica, a presença em Veneza pode trazer para aqueles que se amam um excedente existencial notável, stricto sensu.

  • 6 A história da cidade, transformada durante séculos em comércio em grande escala, nos mares e na ter (...)

19Gault (2014) estabelece a ligação, ou mesmo a complementaridade "entre uma certa singularidade histórica da prostituição em Veneza e o mito turístico de Veneza" cidade do amor ", onde se chega a casar, para sua lua de mel ou fazer a promessa de um amor fiel e único, embora Veneza fosse a cidade da libertinagem e do erotismo "(Gault, 2014). A autora destaca como Veneza integrou a prostituição no "tecido oculto" de sua história6 a serviço da construção de seu próprio mito turístico. A ambivalência desse imaginário é bem ilustrada pela comédia de D. Lean (Holidays in Venice, 1955). Katherine Hepburn desempenha o papel de um turista americano tão entusiasmado, tão ingênua quanto a sua imaginação e expectativas colocados em uma posição para ser seduzido ao mesmo tempo pelo encanto da cidade e dos seus habitantes. Ela inevitavelmente acaba cedendo aos avanços destes, tocada em particular por seu romantismo, para descobrir em fim, com grande horror, que se trata de um homem casado e pai de família.

20No entanto, Veneza está ausente da maioria dos censos das cidades mais eróticas oferecidas por vários sites e blogs como: "Os 8 destinos mais eróticos do mundo", o "Top 10 destinos sensuais", o "20 Destinos estritamente para Adultos"ou os"25 Destinos de Férias Mais Sexy da Terra ". Estes descrevem uma geografia urbana polarizada em torno de certas cidades européias, americanas e asiáticas (tabela N° 1). Nesta seleção - que só vale por sua capacidade de oferecer discursos estereotipados sobre estes locais - o caráter romântico de Veneza ou Roma desaparece em favor das atrações eróticas oferecidas por outras cidades "a mais sexy ".

21Somente Paris parece poder jogar neste duplo registro da cidade mais romântica e mais sexy do mundo. Se Bangkok também é um destino conhecidodo turismo sexual, não é o mesmo para cidades como Atlanta, mais frequentemente equiparadas a um destino de negócios. A natureza sexual das cidades oscila entre uma oferta de sexo comercial, acessível e/ou legalizada, e "atrações" (espetáculos, cabarés, bairros da luz vermelha, praias urbanas, etc.) onde o consumo erótico permanece predominantemente visual. A visita aos bairros reservados, como os de Amsterdã (Chapuis 2016, Aalbers e Sabat 2012) ou Bangkok (Prideaux et al, 2004, Roux, 2011) não resulta necessariamente do turismo sexual, no sentido de que muitas de seus visitantes não vieram pelo sexo comercial. Muitos escolheram a Tailândia ou Amsterdã por outras razões, e vagam pelas ruas de De Wallen ou Patpong simplesmente observando o que está acontecendo lá, a partir de uma perspectiva puramente voyeurista onde os trabalhadores do sexo (encenados nas vitrines de Amsterdã), ospasseios e o balé dos clientes constituem um espetáculo a parte. A visita destes bairros é recomendada pelos guias mais sérios, organizados no caso de Amsterdã pelas autoridades municipais; a multidão de turistas no local também banaliza a visita, a presença deles parece autorizara visista dos outros. No entanto, o lugar é erótico porque existem práticas sexuais permitidas e visíveis em outros lugares proibidas ou invisíveis.

Praias do desejo e paraíso erótico

22Andriotis (2010) usa o termo "oásis erótico" para os lugares que "reúnem ambientes sexuais que proporcionam aos indivíduos oportunidades para ter interações sexuais mutuamente desejadas". A praia, em particular, destaca-se como o lugar erótico por excelência: "As praias, como espaços espacialmente especializados de liberdade e não-regulação, permitem aos usuários temporariamente suspender as normas da expressão de práticas e relações sociais" Andriotis (2010)7.

23No censo em blogs e páginas da web de destinos eróticos (tabela n ° 2), a praia e a ilha exótica ocupam um lugar importante. As ilhas são microcosmos, cada um com sua própria fisionomia e até sua especialidade erótica ou sexual. Lugares para lua de mel (como Seychelles) não parecem muito, em favor de ilhas com um conjunto de lugares permissivos (bares, clubes, praias de nudismo).

24A geografia de destinos turísticos eróticos como aparece em blogs e sites é polarizada regionalmente (concentração em certas regiões do mundo e ausência ou quase ausência em outros: para a África, apenas territórios insulares como Cabo Verde ou Seychelles são mencionados). Também é em grande parte uma geografia de imaginários eróticos que repousa apenas parcialmente em uma "oferta" erótica e sexual. O caráter "exótico" de certos lugares (a praia e o coqueiro, as "roupas leves" e a "joie de vivre" como é dito, por exemplo, para a Ilha da Reunião) parece representar em si um apelo erótico a esses lugares, confirmando a associação erótico-exótico estabelecido por Staszak (2008).

25Esta geografia é significativamente diferente daquela dos destinos de turismo sexual. Staszak (2012), citando o trabalho de Brennan (2004), relembra as três principais características dessas "sexscapes". "eles estão localizados em países em desenvolvimento, mas a clientela vem de países ricos; o consumo sexual é precificado pela prostituição; há fortes desigualdades entre clientes e vendedores (em termos de "raça", gênero, classe, nacionalidade). A geografia dos destinos eróticos, ao contrário, inclui amplamente destinos europeus e norte-americanos. Se nos destinos eróticos ocidentais a segunda e terceira característica podem estar presentes, a escolha de seus destinos pelos turistas parece muito mais complexa.

2-Osimaginários eróticos dos lugares, como instituinte dos destinos turísticos.

26O imagináro turístico pode ser definido como imaginário espacial (um sistema de representações social e culturalmente relevantes para apreender um objeto geográfico[Staszak, 2012]), que referem-se à virtualidade de um lugar como destino turístico (Gravari-Barbas, Graburn, 2012). O imaginário do turismo representa uma parte específica da visão de mundo dos indivíduos ou dos grupos sociais, em relação a outros lugares que não os da sua residência principal ou referindo-se a contextos em que certos tipos de atividades de lazer podem ocorrer (Gravari- Barbas, Graburn, idem). Como afirma Staszak (2012) "aplicado ao turismo sexual, eles dizem respeito tanto ao país de origem quanto ao país de destino, e dizem respeito a três elementos, que provavelmente serão construídos e percebidos de maneira diferente: o corpo, o encontro e o ambiente. - incluindo paisagem - em que ocorre ".

27A imaginação erótica dos locais turísticos não é universal: a dos países ocidentais sobre os destinos de seus desejos não é necessariamente compartilhada pelos habitantes destes, exceto quando os estereótipos são internalizados pelos primeiros. Embora os principais destinos do turismo sexual sejam hoje facilmente identificáveis, a "geografia" dos destinos eróticos é tanto móvel quanto os imaginários turísticos aos quais ela se refere.

28Este imaginário erótico, polissêmico e fragmentado, é hoje um dos principais motores da indústria turística globalizada (Evans et al, 2000). Para a compreensão dos fenômenos turísticos contemporâneos, é interessante identificar e caracterizar o imaginário de lugares considerados em um ou mais títulos como eróticos por diferentes categorias de turistas.

Turismo romântico, turismo erótico

29O imaginário turístico de certos lugares está intimamente ligado à busca romântica por uma aventura erótica. Diversas obras, que se referem mais especificamente a turistas do sexo feminino, citam seus comentários sobre o efeito do lugar: "A bela paisagem funciona como um poderoso afrodisíaco para as mulheres em busca de romance" (Belliveau, 2006: 99). O trabalho de Wickens (1994, 1999, 2000), por exemplo, descobriu que as mulheres que viajavam na Grécia buscavam e alcançavam graus de intimidade com os amantes que não costumavam ser encontrados na vida cotidiana. (citado em Trauer e Ryan, 2005).Pruitt e LaFont (1995) estudam o turismo romântico na Jamaica, onde mulheres turistas estabelecem relações com homens na área, o que pode incluir, mas não necessariamente, intimidade sexual. Seu estudo mostra que pagamentos financeiros indiretos, em vez de imediatos, são preferidos. Herold, Garcia e DeMoya (2001) sugerem que, para mulheres norte-americanas e européias que viajam para a República Dominicana, o termo "relações românticas consensuais" descreve melhor a interação turista-local (citado em Theobald, 2012). Os autores relatam que "mais mulheres foram motivadas pelo romance e mais homens motivados pela parte sexual". Para Bauer e McKercher (2003), o turismo e a viagem podem ser um facilitador único das relações sexuais, mas em alguns casos isso pode ir tão longe quanto o casamento e a fundação de uma nova vida no local visitado (Loloum, 2018).

30De acordo Selänniemi (2003, citado em Theobald, 2012) o anonimato, estimulação sensorial, a redução do controle social e novos potenciais parceiros têm o efeito de ampliar a gama de encontros entre pessoas do mesmo sexo e do sexo oposto. Em muitos casos, os relacionamentos são breves e bem definidos financeiramente (Opperman 1998, Truong 1990). Herold, Garcia e DeMoya (2001) descreveram detalhadamente como essas relações de turismo são gerenciadas em seu estudo com garotos de praia dominicanos. Os garotos da praia disseram que nunca pedem diretamente uma quantia específica de dinheiro, como fazem as profissionais do sexo. Em vez disso, eles usam estratégias diferentes para indicar sua falta de dinheiro para pagar por bebidas, entrada em discotecas ou pegar táxis. Cohen (1982) observou estratégias quase idênticas em estudos anteriores de mulheres tailandesas e homens ocidentais, Zinovieff (1991) identificou padrões de exploração semelhantes na Grécia (1991), e Bras e Dahles (1999) identificaram conjuntos de homens indonésios que "trabalhavam" os turistas como recursos para explorar em Yogykarta.

31Após a queda da União Soviética, Cuba teve que depender de seus escassos recursos, principalmente a exportação de açúcar que a Rússia havia anteriormente subsidiado, pagando um preço mais alto do que o preço mundial. O açúcar foi substituído pelo turismo. Na nova economia informal do turismo, os turistas foram pela primeira vez autorizados a ficar em casas particulares. A prostituição, tolerada pelo governo, teria florescido como nunca antes, fornecendo uma renda indispensável para os subempregados. O número de turistas aumentou dez vezes e uma nova geração de turistas jovens e mais exploradores, evitando guias pagos e acomodação em hotéis administrados pelo governo, descobriu a oportunidade de relações "genuínas" com os cubanos (Simoni 2015, 2016). Na imaginação dos turistas europeus do sexo masculino, as mulatas pareciam particularmente atraentes e, para as mulheres estrangeiras, os cubanos eram procurados como companheiros. Sob a capa da autenticidade, a economia informal desenvolveu o jineterismo, uma forma de empreendedorismo onde os cubanos criaram laços de amizade com os turistas por meio de reuniões informais, acesso a locais caros ou proibidos, apoio financeiro e, para alguns, parcerias de longo prazo ou mesmo um convite para o país do turista.

32Há uma tendência geral na pesquisa em analisar em termos diferentes o encontro erótico entre turistas e nativos de acordo com o gênero: quando os primeiros são homens e o segundo são mulheres, é a dimensão sexual que é apresentada; no caso oposto, a importância do romance é frequentemente enfatizada. Muitos depoimentos colhidos tanto de profissionais do sexo quanto de turistas parecem, de fato, ir nessa direção. Esses turistas "românticos" procurariam - e às vezes tinham sucesso - para estabelecer relacionamentos mais duradouros, remotamente ou repetidamente voltando ao mesmo lugar para encontrar os mesmos parceiros, ou convidando-os a migrar para o mesmo lugar. seu país de residência (Pruitt e LaFonte 1995).

33Deve-se tomar cuidado para atribuir esses resultados não a improvável natureza feminina e masculina, mas a normas de gênero socialmente construídas, internalizadas e essencializadas, tanto por homens quanto por mulheres, e provavelmente pelos próprios pesquisadores, que correm o risco de reproduzir uma visão estereotipada e redutora da sexualidade masculina e feminina. Outra pesquisa mostra que alguns homens ocidentais também estão procurando uma experiência sentimental(uma GFE, girl friend experience) com trabalhadores do sexo nativos, cuja performance também é emocional, e que algumas mulheres ocidentais estão muito felizes com essas performances sexuais dos homens nativos, sobre os quais desenvolvem fantasias que não incluem uma dimensão romântica.

Os imaginários de lugares historicamente ancorados

34O imaginário erótico dos lugares cristaliza um conjunto de estereótipos que parecem ter a capacidade de se reproduzir com pouca inflexão no tempo. Assim, para Mykonos, o caráter homossexual do lugar deve ser baseado na antiguidade: "Aqui nós respeitamos a antiguidade grega: ser gay é quase um sinal de refinamento8". A história explica o caráter erótico e permissivo de Berlim : a República de Weimar (1918-1933) (Gordon, 2008; Smith, Fisher, Mennel, 2010; Smith, 2014), que teria "desencadeado um certo hedonismo em Berlim9". Em Nova Orleans, seriam "as prostitutas da prisão de La Salpêtrière10" relacionadas à história da fundação da cidade que explicariam a atmosfera erótica da cidade. Quanto a Tóquio, é "a profunda e complexa história do erotismo no Japão, iniciada no período Edo11 (1600-1868)", que estaria na origem do caráter erótico da cidade.

  • 12 Perrottet (2011) evoca a legendária "Stufetta del Bibbiena", uma salade banho coberta de pinturas p (...)

35O Grand Tour, do qual uma das principais motivações foi a educação sexual de jovens aristocratas (Pop, 2014), cria ou reativa sua própria imaginação erótica dos destinos europeus. Em um contexto previtoriano de glorificação do sexo libertino por Casanova em Veneza e afrescos eróticos de Rafael, o Grand Tour é, portanto, semelhante a uma vasta peregrinação em lugares eróticos europeus12. Desde a sua criação, portanto, o turismo também tem sido entendido como um meio que permite fazer em outro lugar aquilo que não é tolerado no seu local de residência.

  • 13 The Pretty women of Paris. Their Names and Addresses, Qualities and Faults, being a Complete Direct (...)

36Em Paris, para tomar este exemplo emblemático de um destino erótico, o imaginário de um lugar desobediente e libertino é formado desde o início do turismo. Uma oferta erótica é assim constituída no final do século XVIII. Um guia de prostitutas de 1883 lista os bordéis mais exclusivos da capital, como os famosos Chabanais13. Este livro de prazeres é um guia confidencial que lista as cortesãs mais famosas da capital com seu nome, endereço, mini-biografia, seus encantos, especialidades eróticas.

  • 14 Remerowski Ted, CanellMarrin, (2005) Legendary Sin Cities" 1) Berlin - Metropolis of Vice 2) Paris (...)

37Os imaginários geográficos dos lugares (Bédard et al, 2012) marcam os destinos de forma significativa. O documentário Legendary Sin Cities14 destacou os mecanismos que permitiram que algumas cidades se tornassem um ímã para almas perdidas e refugiados de todo o mundo. Empurrando os limites da tolerância e da liberdade, eles definiram a cultura social, política e sexual do século XX. Assim, a Paris da década de 1920, a Berlim dos anos 1920 e 1930 e a Xangai da década de 1930. Mas o imaginário também está vivo e evoluindo. A comparação dos imaginários de Paris e Berlim, como emergem da análise de blogs e sites especializados contemporâneos, é instrutiva: em Paris, o romance permissivo e libertino; em Berlim, o látex, fetichismo e sadomasoquismo. No final do século XIX, Berlim estava desenvolveu uma reputação de liberdade sexual que era conhecida como "a prostituta da Babilônia" (Smith, 2014). Já em 1930, Moreck (1931) publicou Ein Führer durch das lasterhafte Berlin (Um guia pela viciosa Berlim), que mostra o lado oposto da cena berlinense. Este imaginário permanece atual e caracteriza os sites e guias especializados.

Quadro No 1 : Os locais e imaginários eróticos das cidades turísticas « mais sexy » segundo os blogs15

Lieu

Lieux proposés

Discours sur le lieu

Paris

Museu do Erotismo, o Moulin Rouge, o Lido e o Crazy Horse (1).

O Cancan Francês, o Folies Bergeres, o Moulin Rouge; grandes clubes de strip-tease como o Secret Square ou clubes de swingers famosos e reputados como o Chandelles no 2º distrito (2).

Museu do erotismo (exposições permanentes de arte erótica contemporânea e histórica, bem como uma coleção de documentos raros, fotos e desenhos relacionados a bordéis do final do século XIX até 1946).

Praça Pigalle (Aqui você encontrará clubes de strip, sex shops e os cabarés franceses sensuais) (5).

"Cidade do amor"; libertinagem viva e próspera em Paris (1).

Paris tem uma tradição de ser sexy!

Paris é mágica ... (2).

A cidade do amor (3).

Não pode ser sexy sem sexo - então vamos nos aventurar no lado de Paris quando ser uma aberração é a norma (5).

Berlin

Cafés, bares e clubes privados de alimentação para homens homossexuais, travestis, lésbicas e sadomasoquistas; todos os tipos de estabelecimentos sexuais e fetichistas como o Kit Kat Club (1).

Os 1001 clubes de fetiche da cidade (2).

O Bar Gargoyle (uma boate de masmorra na cidade dedicada as pessoas que fantasiam com torturas da Idade Média) (5).

O teatro de tudo relacionado à decadência, ao subversivo, ao criativo e ao desinibido (1).

Couro, vinil e gaudrioles estão no menu (2).

Não fique tímido em Berlim se você não faz parte do circuito fetiches e aberrações, praticamente tudo que você quiser em relação ao sexo estará aqui, desfrute o máximo ou o mínimo que quiser (5).

Amsterdam

O Red Light District, o Museu Erótico, sex shows, seus cafés e extravagâncias (1).

Distrito Vermelho (2).

O bairro quente, muitos shows burlescos na cidade, o Museu do Sexo (3).

Wallen, o maior distrito da luz vermelha em Amsterdã (5).

Ruas De Wallen, Singelgebied e Ruysdaelkade (5).

A legalização da prostituição, Amsterdã oferece espetáculos em torno do sexo (2).

Amsterdã é também uma cidade romântica como Veneza (1).

Famosa por sua vizinhança calorosa (e suas leis frouxas sobre o uso da maconha) esse espírito de pensamento livre se aplica a casais que procuram inspiração (3).

Budapest

Banhos termais ao ar livre, atmosfera sensual (2).

Não há muitas coisas mais do que toda a arquitetura elaborada da Europa (5).

Nouvelle Orléans

Sex-shops.

A« Babilônia» do sul.

Atlanta

Shows éroticos no trapézio. O famoso Frolicon ; as festas du Studio Eris (4).

Você nunca fica sem coisas ruins para fazer quando estiver em Atlanta (4).

Uma «masmorra íntima e espaço para eventos (4).

Não é chamado o sul sujo por nada. É a cidade «onde os jogadores jogam», onde amam as strippers, e a palavra «thick» pode ser bem recebida. Atlanta é uma cidade que tem um certo tipo de magia ... (5).

Las Vegas

A avenida principal, os espetáculos dos casinos, a sensualidade das dançarinas ultra flexíveis do Cirque du Soleil, os cabarets (2).

A cidade de todos os vícios (2).

É chamada «Cidade do Pecado» por uma razão. Tente derrubar alguns dos sete pecados mortais enquanto estiver lá. Pode-se sugerir que você comece com a ganância e a cobiça? (5).

Carthagène

des Indes

Praias tropicais ; Plaza de los Coches onde as prostitutas entretêm os homens a preços imbatíveis (1).

Paraíso marinho para prazeres efêmeros (1).

Rio de Janeiro

Uma atmosfera de festa à noite, música e uma energia que é muitas vezes chamada de "sexual" (2).

Pense na cidade sexy e você pensa imediatamente no Rio de Janeiro(6). 

Bangkok

GoGo bars et Ladyboy mostra desde as cabines de massagem intimistas até as raves que duram a noite toda (4)

O bairro KhaoSanh Road (5).

 Os tailandeses não têm escrúpulos em serem sexualmente liberais. Os clubes de go-go estão em toda parte e, se você tiver dores em alguns pontos especiais, alguém em uma das muitas casas de massagem pode ser capaz de resolver esses problemas para você (5).

Shanghai

A "Ponte dos Amantes"; o Hotel Manoir (uma mansão restauradados anos 30 e famosa por suas orgias). Muitos bordéis disfarçados de bares de karaokê (1).

« Paris oriental» (1).

Tokyo

Love hotels, quartos com temas eróticos e acessórios (1).

Tokyo’s Kabukicho area (5).

Clubs coquins et Love Hotels (2).

O fenômeno das gueixas;

O Japão também é conhecido por sua inocente colegial e fetichista Buru-Sera (1)

Os japoneses são famosos por sua imaginação transbordando de fetichismo e fantasias (2)

  • 16 Source : Idem Tableau N°1

Quadro No 2 : Os Imaginários éroticos das estações e ilhas turísticas « mais sexy » segundo os blogs16

Lieu

Attractions présentées

Discours sur le lieu

Saint Tropez

A famosa praia do Taiti (5)

O pavilhão de festa dos super ricos (4)

Se é sexy o suficiente para as celebridades mais quentes do mundo, então é sem dúvida um hot spot de viagens sexy (5)

Cap D’Agde

13 swingersclubs (4). A única cidade do mundo de nudistas (4)

Maravilhosas semanas de banho de sol e sexo;

Clubes amontoados por libertinos cosmopolitas (4)

Negril, Jamaïca

Resort Hedonism II (4)

Neste resort all-inclusive para nudistas e os «puritanos» que os amam, estejam preparados para ver muitas partes íntimas, participem de noites de fantasia e fetiche (5)

Mykonos

Os muitos clubes da ilha. Uma de suas belas praias (2).

Uma ilha onde é bom dar rédea solta aos seus desejos, seja você hetero ou gay (2).

Mykonos, também é conhecida como playground dos adultos, é um lugar no Mediterrâneo, onde a multidão cosmopolita sexy e sofisticada migram para quando precisam de algum R & R (5).

L’Ile de la Réunion

Praias, coqueiros … (2)

Na opinião dos habitantes, há uma certa energia quase sexual: roupas leves, uma alegria de viver, uma certa mente aberta, um entrelaçamento de influências indianas, asiáticas e francesas (2).

Imaginários dos lugares sexuais

  • 17 O nome deriva de Sotades, um poeta grego do século III aC, representando um grupo de escritores de (...)

38Os imaginários eróticos dos lugares, como mostrados nos blogs e sites, esboçam uma geografia um tanto hetero e homo-normativa. Desde o início do turismo e do Grand Tour, o Mediterrâneo se tornou "o tema central na escrita e arte homoerótica entre os anos de 1750 a 1950 e essa geração corajosa de homens homossexuais dos países do norte menos hospitaleiros viajam para o sul buscando expressar sua sexualidade e seu senso de identidade"(Aldrich 1993: 145). O sul da Europa e, em segundo lugar, o norte da África, tornam-se a terra prometida para os homossexuais ocidentais (Boone, 1995).Assim, Tânger se constitui como um "santuário" da cultura homoerótica (Boone, 1995: 100, Waitt e Markwell, 2006: 51, Sanoussi, nesta edição). O orientalista e explorador britânico Sir Richard Francis Burton (1821-1890), apresenta a hipótese da existência de uma zona geográfica "sotadique17", que inclui o norte e sul do Mediterrâneo, em que a homossexualidade (chamado por Burton "pederastia") é difundida e celebrada entre os habitantes nativos. No entanto, de acordo com Aldrich (1993: 145) "o mito do Mediterrâneo homoerótico começou a perder potência") no século XX, e esta relacionadoao desenvolvimento de novos destinos gays fora da Europa. Se Mykonos, Sitges e Ibiza permanecem destinos gaysreconhecidos "uma nova cultura, uma América urbana gay triunfou sobre o antigo Mediterrâneo da década de 1970" (Holcomb e Luongo, 1996) em torno de destinos ocidentais gay-friendly (São Francisco, Tel Aviv, Sidney, Paris, Berlim), cuja atratividade não é baseada na erotização dos nativos, mas na permissividade de uma cultura urbana e na presença de uma comunidade gay.

Um imaginário erotizando o habitante

39Graburn (1983) mostrou que no início do turismo nos países em desenvolvimento (frequentemente países recentemente descolonizados, com economias rudimentares e sem indústrias exportadoras), o turismo era visto como um setor de atividade fácil de implementar. Isso exigia pouco investimento tecnicamente avançado ou uma força de trabalho altamente qualificada. As atrações já estavam no lugar: os moradores só tinham que vender a beleza de suas paisagens e sua juventude. Os anúncios turísticos comunicavam sobre esta provisão aos corpos erotizados dos habitantes locais aos turistas ricos do mundo desenvolvido.

40Em qualquer caso, o turismo é uma prática incorporada. É uma performance do corpo, em um lugar turístico e em uma interação com outros corpos. Como lembram Frohlick e Johnston (2011: 1093) "Os corpos são sempre mais do que simplesmente corpos sexuados e de gênero. Diferenças corporais, como idade, etnia, nacionalidade e habilidades e relações de poder, como o colonialismo, o capitalismo e o patriarcado, também determinam quem somos, o que fazemos e como somos representados.

41Tem sido sugerido por Schein (2000) que os povos minoritários étnicos da China são "feminizados" em relação à maioria dos chineses da etnia han. Em shows turísticos, eles são representados principalmente por mulheres (jovens), e certos grupos étnicos estão sujeitos a fantasias sexuais generalizadas por homens Han (Graburn 2015).

  • 18 Varanda aberta, característica dos hotéis no Havaí.

42Vincent Coëffé (2014) mostra como as pessoas locais no Havaí são erotizadas através da figura de beachboy e hula girl. Ele cita o Havaí Travel Bureau (HTB) que, em 1929, solicita a imaginação do visitante evocando a pele bronzeada dos habitantes locais: "Os havaianos com a pele bronzeada lhe ensinarão como se equilibrar em pranchas de surfe girando Allure [...] Você vai tremer, mesmo olhando a elegante varanda18 do seu hotel "(Desmond 1999: 125, Coëffé, 2014).

43A erotização dos habitantes não é reservada para o turismo sexual. Diz respeito ao turismo "romântico", como no caso das mulheres que viajam para a Jamaica em parte por causa da imaginação de Rastaman. Mas não é todo o setor turístico que se mobiliza para destinos onde o corpo nativo, em sua beleza e nudez, é instituído como recurso paisagístico? Assim, os casais que vão para o Taiti para sua lua de mel ou aniversário de casamento, que é a parte mais importante de turistas na Polinésia não parecem preocupados a priori pelas oferta da prostituição local (mesmoque reduzida) nem pela erotização dos Vahines. No entanto, escolher este destino e o imaginário que faz do Tahiti a ilha do amor está seguraramenteancarada no mito da beleza e da disponibilidade dos Taitianos, cujaa supostaa qualidades transbordamsobre a Polinésia e constituem uma grande parte da atratividade "a sexualmente saturada da mulher polinésia, conecta a generosidade ea beleza de suas ilhas com a beleza e sexualidade de seus corpos" (Jolly 1997: 100, citado no Frohlickand Johnston de 2011 :. 1093).

44Staszak (2012) confirma: "O corpo exótico fascina. Muitos turistas sexuais dizem que se declaram deslumbrados com a beleza exótica, declinam em termos raciais: a cor e a textura da pele (muitos turistas insistem nesse ponto), a maleabilidade, a pilosidade (ou melhor, a ausência dela), o cheiro corporal, a silhueta, a forma dos órgãos sexuais primários ou secundários, etc., são valorizados como diferentes das mulheres ocidentais ". Pritchard e Morgan (2005) mostraram que as revistas de turismo tendem a retratar de maneira estereotipada mulheres asiáticas e eurasianas como mulheres exóticas e hiper-femininas. Anúncios e folhetos turísticos que vendem o destino do Tahiti não deixam de destacar jovens vahinés, despidos e agradáveis. Lisa Grotenhuis (neste número), mostra como o imaginário exótico e erotizado da mulher oriental é usado para promover o cigarra que evoca os sonhos, alucinações e práticas sexuais.

45A erotização dos turistas pelos habitantes do local de destino mobiliza muitas vezes um imaginário cujas raízes mergulham na cultura colonial, sendo comum os turistas serem habitantes das antigas metrópoles, e o seu destino, uma ex-colônia. Sem que os turistas sejam conscientes disso, as categorias e os estereótipos raciais postos em prática séculos atrás estruturam profundamente suas representações, suas expectativas e até mesmo seus comportamentos. Tanto no imaginário mobilizado quanto nas relações de poder que foram postas em prática, há nas paisagens sexuais (Brennan 2005) uma conexão, ou melhor, uma continuidade entre a prostituição colonial e o turismo sexual. Staszak (2015) mostra que a visita do bairro sexual de Casablanca na década de 1920 revela bem e de maneira indiferenciada a similaridade da prostituição colonial e do turismo.

Um imaginário erótico os turistas

46Em alguns casos, a natureza erótica do destino está mais relacionada aosencontros com outros turistas. Durante muito tempo, as aldeias de férias, especialmente as do Club Méditerranée, eram famosas pela permissividade, se não pela promiscuidade que ali prevalecia (a ponto de provocar zombaria, como no filme de grande sucesso Les Bronzés, P. Leconte, 1978). Os destinos das férias de primavera dos estudantes americanos, como a Flórida, são eróticos devido ao fato de que esses turistas fazem mais do que se relacionar com os locais. A maioria dos destinos turísticos homossexuais promete encontros entre turistas e nativos, mas também encontros entre turistas, como claramente demonstrado pelo desenvolvimento de cruzeiros gays.

47Em um resort como o de Cap d’Agde, o imaginário erótico dos lugares é o dos turistas que investem no resort nudista. Aárea naturista, criadarecentemente (1970), é uma cidade pequena, com chalés, grandes prédios de apartamentos, hotéis, campings, lojas de todos os tipos, restaurantes, bares, praia, estacionamentos particulares, jardins e caminhadas, farmácias, supermercados, correios, primeiros socorros, locais de oração ... tudo acompanhado por uma rede discreta mas eficaz de guardas de segurança e policiais privados (Prat Forga 2010). É um recinto fechado e hermético, bem marcado, cercado por uma muralha, pelo mar e um pequeno porto, com barreiras de passagem e cartões de entrada: um lugar, afinal, banal. O forte erotismo do lugar está principalmente relacionado com os colegas turistas de todo o mundo e a libertinagem declarada e praticada lá, especialmente em torno de práticas de swingers com as trocas temporárias de parceiros, homossexuais ou heterossexuais.

48Na Cuba contemporânea, destino com forte imaginário erótico para os jovens turistas (Simoni 2015), o imaginário heterossexual dominante é complementado pela disponibilidade de contatos homossexuais, especialmente para homens europeus ricos, mas não tão jovens. Os pingueros cubanos costumam desempenhar o papel passivo dos turistas do sexo masculino, mas a maioria são heterossexuais que encontram uma maneira de ganhar dinheiro fácil.

  • 19 SuperClubs, 1999, "Brochura de viagens do SuperClub Resorts".

49No Hedonism II em Negril, o protótipo dos resorts all-inclusive na Jamaica, os turistas também são a principal atração e os criadores da fantasia erótica dos lugares: "Deixe suas inibições na porta. No Hedonismo II, existem poucas regras e não há limites. Assuma a liberdade para fazer o que quiser, quando quiser, com quem quiser19 "(SuperClubs 1997: 47). Hawkings (1999: 97) menciona um casal de turistas de São Francisco, na época de seus trinta anos, que vinham a Negril há mais de dez anos, principalmente para observar outros turistas. Nesta inversão da situação, o objeto de curiosidade, e possivelmente de desejo, são os turistas: "Os hóspedes tomando banho de sol em jangadas e na praia eram, eles próprios, uma atração turística para barcos carregados de jamaicanos que desciam perto da costa para ver os estrangeiros nus "[Hawkings, 1999: 96-97]

50Estas práticas erotizando os turistas e graças aos olhos de outros turistas criam nestes enclaves (resorts, ilhas, áreas nudistas, spas termais [Férérol, este número]) uma atmosfera de liberdade sexual e transgressão. Eles produzem "espaços de performance erótica", onde a erotização dos lugares se deve em grande parte ao modo como os turistas são encenados nesses espaços liminares. Segundo Edensor (2000), « regras internalizadas e rotinas habituais que incorporam noções de disposição ‘apropriada’ (...) influenciam o comportamento dos turistas. (...) práticas sobre o que fotografar, como olhar, como modular a voz e o que vestir são frequentemente sujeitas ao automonitoramento e ao olhar disciplinar do grupo ». Na cidade naturista de Cap d’Agde, performances eróticas, incluindo práticas sexuais permissivas no espaço público, produzem uma imaginação erótica onde os turistas são consumidores e produtores.

51Podemos falar de uma erotização dos turistas pelas populações locais, especialmente aquelas que são objeto de erotização turística e provavelmente estão envolvidas em sua exploração? Alguns turistas são alvos sexuais, por causa dos estereótipos e da fantasia sexual sobre eles: às vezes são mulheres ocidentais, conhecidas por sua disponibilidade sexual - especialmente se são jovens, solitárias e loiras, e se seu comportamento ou a maneira como se vestem são vistas como expressões de luxúria. Eles podem ser objeto de abordagens que são bem-vindas, mas também olhares insistentes, gestos sugestivos, propostas inadequadas e assédio real, se não estritamente falando, violência sexual. No contexto de sociedades muito moralistas, onde o sexo fora do casamento é estritamente proibido, as mulheres turistas constituem uma verdadeira saída erótica para uma população masculina jovem e frustrada. Da mesma forma, em sociedades homofóbicas, às vezes, com turistas gays, os homens podem esperar ser mais discretos e menos propensos a se envolver em reações violentas. Paradoxalmente, a permissividade que faz o erotismo de certos destinos também pode fazer a dos turistas.

A erotização do deslocamento

52Para completar o quadro do imaginário, deve-se mencionar que a erotização do turismo diz respeito, independentemente do local de destino, a própria viagem. O fato de estar longe de casa, onde as normas são diferentes e onde escapamos aos olhos de familiares ou colegas, um momento à parte e atemporal, abre em si possibilidades eróticas, para além das qualidades que nós emprestamos ao lugar turístico. Por um conjunto de razões, que foram estudadas por pesquisadores de diferentes disciplinas (Ryan e Martin 2001, Taylor 2000, Eiser e Ford 1995), o movimento turístico parece funcionar como um amplificador dos sentidos. Como Beaulieu e Lévy (2003) nos lembram, "a desinibição situacional, ligada ao sentimento de ser uma pessoa diferente durante as férias, facilita a transgressão das proibições sexuais vigentes no país de origem". Está também ligada ao contexto local: as regras e leis do país de destino podem ser (ou percebidas como) mais flexíveis, e a distância garante, em qualquer caso, aos visitantes uma certa impunidade moral, se não for legal. : "O que acontece em Vegas fica em Vegas".

53Além disso, o transporte em si é um lugar e um momento à parte, especialmente se for feito de barco, avião ou trem, que também tem sua imaginação erótica. O luxo de longas viagens no Expresso Oriente ou transatlânticos deram origem a muitas fantasias; hoje, o Mile High Club reúne aqueles que alegam ter relações sexuais na cabine (ou no banheiro!) de um avião.

3-A produção erótica dos lugares turísticos. Atores e Processos.

A erotização do destino

54Owsianowska (este número) analisa a campanha promocional de Boas-Vindas à Polôniade 2005, articulada em torno de uma dupla de homens e mulheres que busca seqüestrar positivamente as imagens-clichê do país. De um lado "um homem musculoso de macacão acenando um sugestivo cachimbo cinza na virilha, com cenas de fundo de montanhas e cachoeiras" (Rettman, 2005) do outro lado "uma enfermeira atraente" (Owsianowska, este número). Isso não significa que a Polônia se destaca como um destino erótico elevado na mídia impressa e na internet. A situação é assim contrastada entre destinos que flertam com o erotismo e a sexualidade em sua comunicação (e que são reconhecidos - ou não - como destinos eróticos) e aqueles que buscam mudar uma imagem de destino sexual que não mais se ajusta às ambições turísticas do local. As partes interessadas do turismo e os decisores locais encontram-se num processo de construção de um destino erótico e na desconstrução de um imaginário erótico herdado e sofrido.

Legados Históricos

55O caráter erótico dos lugares está ligado a imaginários turísticos que os definem como tais e aos atores e práticas que os produziram, às vezes deliberadamente. É dinâmico, uma vez que evolui no tempo. Resulta de tempos de paz, bem como de tempos de guerra, ocupação colonial ou ocupações no contexto de conflitos e guerras. O turismo sexual no sudeste da Ásia tem suas raízes na Guerra do Vietnã e no estabelecimento do R&R (Centro de Repouso e Recreação) para as tropas americanas, onde desenvolveu um importante comércio sexual (prostituição, shows eróticos ou pornográficos) (Evans, Forsyth, & Wooddell, 2000, Bryant, Forsyth, 2005). Cerca de 700.000 militares dos EUA passaram pelo R&R da Tailândia; seus gastos com bordéis, bares e hotéis foram estimados em 40% das receitas de exportação da Tailândia durante esse período (Clift e Carter, 2000). Após a Guerra do Vietnã, os bairros vermelhos de Bangcoc se diversificaram em outros mercados (Cohen, 1982; Roux, 2011), incluindo circuitos de comércio sexual para os mercados europeu e japonês antes de novos resorts como Pattaya e Phuket surgirem (Prideaux et al, 2004).

56Várias campanhas promovem o turismo sexual na Tailândia. O Thailand Express Sex Tour promove Bangkok com um "grande bordel" (Hantrakul, 1988). A Tailândia é frequentemente associada à indústria do sexo, incluindo aqueles que não conhecem o país. Mudar essa imagem sexual é difícil porque o sexo continua sendo um assunto tabu na sociedade tailandesa (Nuttavuthisit, 2007, Bishop e Robinson, 1998). Aceitar a imagem sexual é reconhecer o fato de que a Tailândia está associada a problemas de sexo e prostituição. Nenhuma campanha de marketing financiada pelo governo da Tailândia explorou sua imagem como um destino para experiências eróticas. Pelo contrário, a Autoridade de Turismo da Tailândia (TAT) tem procurado tornar o país conhecido como um destino exótico, concentrando-se na diversidade cultural do país, sua beleza pitoresca, suas praias, sua ampla gama de oportunidades de compras e sua cultura. No entanto, a imagem da Tailândia como um destino erótico continua proeminente e rivaliza com o exotismo como uma motivação para viajar para a Tailândia. As leis anti-prostituição foram reforçadas em 1986, com penas severas para clientes, compradores, donos de bordéis e até para os pais das prostitutas, mas até agora isso não levou ao fim do turismo erótico em escala industrial na Tailândia (Nuttavuthisit, idem).

O Marketing dos destinos eróticos

57Se o imaginário erótico ou sexual de certos lugares não foi necessariamente desejado e antecipado, em muitos casos é produzido e acompanhado por atores do turismo que usam imagens sexuais idealizadas para vender um lugar.

58Desde o início do turismo, a iconografia de certos lugares brinca com a figura erotizada da mulher, não só numa relação de personificação do lugar (cidade ou balneário, por exemplo), mas também numa abordagem de destacar a permissividade que reina nesses lugares. Esta imagem feminina (mundana, esportiva e acima de tudo a banhista) "deve primeiro encantar o turista homem, que possui o dinheiro, dando-lhe o desejo de viajar e chegar no lugar. Quem melhor do que um banho nu e elegante para exortar esse desejo de fazer parte da aristocracia costeira? "(Pecout et al, 2010, 17).

59A erotização dos lugares é também o resultado do trabalho de profissionais de marketing que costumam usar imagens e informações sexualizadas idealizadas para vender destinos. "Sol", "areia" e "sexo" são usados ​​juntos para construir uma imagem de um destino "sol, areia e sexo" ou individualmente para descrever uma característica particular de um destino. Corpos femininos atraentes (e mais e mais masculinos) são usados ​​na iconografia promocional para criar um imaginário hedonista. O uso de imagens sexuais para atrair turistas não é novo. Como diz Prideaux et al (2004), na década de 1920, num momento em que o traje normal de nadar, cobria o corpo do pescoço aos joelhos, folhetos promocionais produzidas pela Pan Am para o Havaí mostraram imagens de mulheres nativas em topless convidando os turistas para visitar a ilha. Em seu estudo sobre a comunicação oficial do turismo no Havaí, Goss (1993: 663) identifica os termos paraíso, marginalidade, liminaridade, feminilidade e aloha como temas remanescentes do discurso no local. Sua análise do material promocional daAgêcnia de Turismo do Havaí mostrou que imagens e textos "verdes, exuberantes, ricos e férteis" ajudam a estabelecer um conjunto de expectativas sexualizadas sobre o lugar (Goss, 1993: 676). , citado em Frohlick, 2011).

60O que parece mais interessante apreender através da análise do papel dos atores na comunicação e / ou marketing com conotações eróticas e sexuais são os momentos de bifurcação: um destino tão "sábio" que se enriqueça, esse outro um destino sulfuroso que quer se comportar ... Essas mudanças de imagem nem sempre são fáceis ou estão ao alcance de todos os destinos porque envolvem uma estratégia de imagem longa e constante. Las Vegas talvez seja também um dos exemplos mais interessantes de sua capacidade de manter uma imagem (e um produto turístico) com conotações sexuais, ao mesmo tempo em que aparece como um playground de alta qualidade para adultos. Mas a onipresença da imagem tem seus limites: Las Vegas teve que promover rapidamente um espaço para um público familiar (Gravari-Barbas, 2001).

Conclusão

61Os textos desta edição oferecem variadas perspectivas para os locais de erotismo (estações [Férérol]sites[Vijayakumar] cidades [Sanoussi], países[Owsianowska], contextos regionais mais amplos [Grotenhuis Fuentes Vega]) ou períodos mais específicos (Gordon, Fererol). Alguns são provocativos: falam do turismo, a fortiori erótico ou sexual, para os soldados alemães durante a ocupação, podemser ofensivos (Gordon, estenúmero). Outros, estabelecem desvios surpreendentes para falar sobre o erotismo de alguns destinos, como o fez Grotenhuis (neste número) através da prática do cigarro, substituto eróticona boca da mulher oriental. Vijayakumar estabelece um paralelo entre as representações eróticas de um importante patrimônio (Khajuraho, Índia) e as práticas da comunidade local Bedia. Sanoussi destaca a evolução de um único destino, Tânger, nas suas relações com o imaginário e hetero e homo-orientado. Férérol mostra o caráter subversivo de certos lugares, os spas termais do início do século XX, onde, dentro de uma situação teatralizadaocorrem perfrpmances de transgressões eróticas . Fuentes Vega (nestenúmero) desconstrói o mito do amante latino como imaginário internacional e mostra o seu caráter quase auto-eróticoda mesma forma que Owsianowska demosntra, através de campanhas de marketing turístico na Polônia, o olhar erótico que um país tem sobre si mesmo.

62Todos os textos são caracterizados por posições que mostram a complexidade das questões que associam erotismo, turismo e lugares, em uma infinidade de abordagens que vão desde a erotização excitante de lugares para fins de marketing turístico para o turismo sexual. Longe de esgotar a questão de como o turismo interfere na imaginação erótica dos lugares, ou práticas eróticas relacionadas a determinados locais turísticos, ou a erotização de lugares pelo turismo, os textos oferecem um conjunto de situações cruzadas. Encorajamos o leitor desta edição a tirar proveito de uma leitura cruzada dos artigos que, além de seu próprio interesse, lido separadamente, oferecem uma leitura caleidoscópica da erotização de locais turísticos.

Haut de page

Bibliographie

Aalbers M.B, Sabat M., 2012, « Re-making a landscape of prostitution: the Amsterdam Red Light District », City, 16, 1-2, 112-128.

Aldrich R., 1993, The seduction of the Mediterranean. Writing, Art and homosexual fantasy, London, Routledge.

Airault R., 2000, Fous de l’Inde - Délires d’Occidentaux et sentiment océanique, Paris, Payot.

Andriotis K., 2010, « Heterotopic eroticoases. The public nude beaches », Annals of Tourism Research, 37(4), 1076–1096.

Beaulieu I., Lévy J.L., 2003, « Tourisme, sexualité et érotisme dans quelques romans contemporains », Téoros, 22(1), 44-50. http://journals.openedition.org/teoros/1837

Bédard M., Augustin, J.-P., Desnoilles R., 2012, L’imaginaire géographique. Perspectives, pratiques et devenirs, Québec, Presses Universitaires du Québec.

Belliveau J., 2006, Romance on the Road. Traveling women who love foreign men, Baltimore, Beau Monde Press.

Black, P., 2000, « Sex and Travel: Making the Links », in Clift S., Carter S. (dir.), Tourism and Sex: Culture, Commerce and Coercition, Pinter, London, New York, 250–264.

Boone J.A., 1995, « Vacation cruises; or, the homoerotics of orientalism », Publications of the Modern Language Association (PMLA), 110 (1), 89-107.

Bras K., Dahles H., 1999, « Pathfinder, Gigolo, and Friend: Diverging Entrepreneurial Stratégies of Tourist Guides on Two Indonesian Islands », inDahles H., Bras K. (eds.), Tourism and Small Entrepreneurs. Development, National Policy, and Entrepreneurial Culture: Indonesian Cases, New York, Cognizant Communication Corporation, 128-145.

Brennan D., 2004, What’s love got to do with it?, Durham, Duke University Press.

Bryant C.D., Forsyth C.J., 2005, « Carpe Diem (or the hour or minute) and wretched excess. Some conceptual notes on temporal opportunity structure, deviance compression, and bingeing behavior», Free Inquiry In Creative Sociology, 33 (1), 21-33.

Chapuis A., 2016, « Touring the immoral». Affective geaographies of visitors to the Amsterdam Red-Light District », Urban Studies, 54 (3), 616-632.

Clift S., Carter S., 1999, Tourism and Sex: Culture, Commerce and Coercion, London, New York Pinter.

Coëffé V., 2014, Hawaï: La fabrique d’un espace touristique, Rennes, Presses universitaires de Rennes.

Cohen, E., 1982, « Marginal paradises: Bungalow tourism on the islands of Southern Thailand », Annals of Tourism Research, 9(2), 189-228.

Desmond J., 1999, Staging Tourism. Bodies and display from Waikiki to Sea World, Chicago, University of Chicago Press.

Edensor T., 2000, « Staging Tourism. Tourists as Performers », Annals of Tourism Research, 27 (2), 322-344.

Evans, R.D., Forsyth C.J., 2010, « Macro and micro views of erotic tourism », Deviant behavior, 21 (6), 537-550.

Frohlick S., 2016, 2013, Sexuality, Women, and Tourism. Cross-border desires through contemporary travel, London, New York Routladge.

Frohlick S., Johnston L., 2011, « Naturalizing Bodies and Places. Tourism Media Campaigns and Heterosexualities in Costa Rica and New Zealand », Annals of Tourism Research, 38(3), 1090–1109.

Eiser, J. R., Ford N., 1995, « Sexual Relationship on Holidays – A Case of Situational Disinhibition », Journal of Social and Personal Relationships, vol. 12, 323- 329.

Gault I., 2014, « Venise et la prostitution, deux thèmes propices aux topoï », Contreville. http://contreville.hypotheses.org/444

Gordon, M., 2008, Voluptuous Panic: The Erotic World of Weimar Berlin (Expanded Edition), Port Townsend, Feral House.

Goss, J.D.,1993, « Placing the Market and Marketing Place: Tourist Advertising of the Hawaiian Islands, 1972–92 », Environment and Planning D: Society and Space, 11(6), 1 663 - 688

Graburn, N., 1983, « Tourism and prostitution », Annals of Tourism Research, 10 (3), 437–443.

Gravari-Barbas M., 2001, « La leçon de Las Vegas : le tourisme dans la ville », Géocarrefour, Le tourisme et la ville, 76 (2), 159-165. 

Gravari-Barbas M., Graburn N., 2012, « Imaginaires touristiques », Via@tourism review, 1. http://journals.openedition.org/viatourism/1178

Hantrakul S., 1988, « Prostitution in Thailand », in Chandler G., Sullivan N., Branson J., Development and displacement: Women in Southeast Asia, Melbourne, Centre of Southeast Asian Studies, Monash university, 115-136.

Hawkins M.J., 1999, Tourism and Place in Treasure Beach, Jamaica: Imagining Paradise and the Alternative, Louisiana State University, LSU Historical Dissertations and Theses. http://digitalcommons.lsu.edu/gradschool_disstheses/7044

Herold E., Garcia R., DeMoya T., 2001, « Female tourists and beach boys. Romance or sex tourism? », Annals of Tourism Research, 28 (4), April, 978-997.

Holcomb B., Luongo M., 1996, « Gay Tourism in the United States », Annals of Tourism Research, 23(3), 711-713

Jeffreys, S., 2003, « Sex Tourism: Do Women Do It Too? », Leisure Studies 22, 223-238.

Jolly M., 1997, « White Shadows in the darkness: representations of Polynesian women in early cinema », Pacific Studies, 20 (4), 125-150.

Lazzarotti O., 2011, « Venise est-elle en Italie ? Lieux, amours et chansons », Espace-Temps Travaux. https://www.espacestemps.net/articles/venise-est-elle-en-italie/

Loloum, T., 2018, « Investissements par amour. Économies intimes de l’immobilier touristique au Brésil » Téoros, 37(2).

Entrikin, J.N., « Lieu », in Lévy J., Lussault, M., Dictionnaire de Géographie, Paris, Belin, 555-563.

Bauer T.G., McKercher B., 2003, Sex and Tourism: Journeys of Romance, Love, and Lust, Oxford, Haworth Hospitality Press.

MIT, 2003, Lieux communs, Paris, Belin.

Moreck K., 2018 (1931), Ein Führer durch das lasterhafte Berlin, Das deutsche Babylon, Berlin, bebra verlag.

Morgan N., Pritchard A., 2000, « Privileging the male gaze: Gendered tourism landscapes », Annals of Tourism research, 27(4), 884-905.

Nuttavuthisit K., 2007, « Branding Thailand: Correcting the negative image of sex tourism », Place Branding and Public Diplomacy, 3 (1), 21–30.

Oppermann M., 1999, « Sex tourism », Annals of Tourism Research, 26 (2), 251-266.

Pearsall, J. 2002, Concise Oxford English Dictionary, Oxford University Press.

Paz, O., 1998, An Erotic Beyond: Sade, Harcourt Brace.

Pop L., 2014, « Le Grand tour de Shelley et la poésie de la Méditerranée », Babel, Horizons des mondes méditerranéen et atlantique : imaginaires comparés, 161-179.

Pecout Ch., Birot L., Bohuon A., 2010, « La représentation de la femme sur les affiches touristiques balnéaires Le cas de la Normandie (1880-1960) », Teoros, 29 (2), 112-118.

Perrottet T., 2011, The Sinner’s Grand Tour. A journey through the historical underbelly of Europe, Broadway Books.

Prat Forga J.M., 2010, « Turismo Naturista. Una apuesta por el tourismo marginal. El caso del barrio naturista de Cap d’Agde en Francia », Cuadernos de Turismo, nº 26, 201-216.

Pratt M.-L., 1992, Imperial Eyes. Travel Writing and Transculturation, New York, Routledge.

Prideaux B., Agrusa J., Donlon J.G., Curran Ch., 2004, « Exotic or erotic – contrasting images for defining destinations », Asia Pacific Journal of Tourism Research, 9(1), 5-17.

Pruitt, D., LaFont S., 1995, « For Love and Money: Romance Tourism in Jamaica », Annals of Tourism Research 22, 422-440.

Rettman, A., 2005, « Sexy Polish Plumber to Woo French », Euobserver, juin. https://euobserver.com/social/19355.

Ryan Ch., Martin A., 2001, « Tourists and strippers: Liminal theater », Annals of Tourism Resaerch, 28(1), 140-163.

Ryan Ch., Kinder R., 1996, « Sex, tourism and sex tourism: fulfilling similar needs? », Tourism Management, 17(7), 507-518.

Schein, L., 2000, Minority Rules: The Miao and the Feminine in China’s Cultural Politics, Durham, Duke University Press

Selänniemi T. 2003, « On holiday in the liminoid playground: place, time and self in tourism », in Bauer Th., McKerchner B., Sex and tourism. Journeys of Romance, Love and Lust, Oxford, Haworth Hospitality Press, 19-33.

Simoni, V., 2015, « Breadwinners, Sex Machines and Romantic Lovers: Entangling Masculinities, Moralities, and Pragmatic Concerns in Touristic Cuba », Etnografica 19(2), 389-411.

Simoni, V., 2016, Tourism and Informal Encounters in Cuba, Oxford and New York, Berghahn Books.

Smith J. S., Fisher, J.; Mennel, B., 2010, « Just How Naughty was Berlin? The Geography of Prostitution and Female Sexuality in Curt Moreck’s Erotic Travel Guide », Amsterdamer Beiträge zur Neueren Germanistik, 75, 53-77.

Smith J.S., 2014, Berlin Coquette: Prostitution and the New German Woman, 1890–1933, Ithaca New York, Cornell University Press.

Staszak J.-F., 2008, « Danse exotique, danse érotique », Annales de géographie, mai-juin, 560-561 (2), 129-158.

Staszak, J.-F., 2012, « L’imaginaire géographique du tourisme sexuel », L’Information géographique, 76(2), 16-39.

Staszak, J.-F., 2015, 2015, « Tourisme et prostitution coloniales : la visite de Bousbir à Casablanca (1924-1955) », Via@tourism review, 2, 8.

Stendhal, 1826, Rome, Naples et Florence, Paris, Delaunay.

Taylor, J. S., 2000, « Tourism and Embodied Commodities: Sex Tourism in the Carribean », in Clift S. et Carter S. (dir.), Tourism and Sex: Culture, Commerce and Coercition, London, New York Pinter.

Theobald W. F., 2012, Global Tourism, Routledge.

Trask H-K., 1991, « Lovely Hula Lands: Corporate tourism and the Prostitution of Hawaian Culture », Border/Lines, journals.lib.unb.ca. https://journals.lib.unb.ca/index.php/bl/article/view/24958

Trauer B., Chris Ryan Ch., 2005, « Destination image, romance and place experience—an application of intimacy theory in tourism », Tourism Management 26, 481–491.

Urbain J.D., 2017, Une histoire érotique du voyage, Paris, Payot.

Waitt G., Marwell K., 2006, Gay Tourism. Culture and Context, New York, Haworth Hospitality Press.

Wickens, E., 1994, « Consumption of the authentic: The hedonistic tourist In Greece », in Seaton A. V. et al. (Ed.), Tourism, the state of the art, Chichester, Wiley, 818–825.

Wickens, E., 1999, Tourists’ voices: A sociological analysis of tourists’ experiences in Chalkidiki, Northern Greece, unpublished Ph.D thesis, Oxford Brookes University.

Wickens, E., 2000, « Rethinking tourists’ experiences », in Robinson M., Long P., Evans N., Sharpley R., Swarbrooke J. (Eds.), Motivations, behaviour and tourist types, Morpeth, The centre for travel and tourism, University of Northumbria and Sunderland: Business Education Publishers Ltd, 455–472.

Zinovieff S. 1991, « Hunters and hunted. Kamaki and the ambiguities of sexual predation in a Greek Town », in Loizos P., Papataxiarchis E. (ed.), Contessted identities: Gender and kinship in modern Greece, Princeton, Princeton University press, 203-220.

Haut de page

Notes

1 Esta edição da revista Via @ Tourism, como a de Teoros publicada em 2018, vem de um colóquio sobre "A Fábrica de Lugares dos Desejos: Erotização Turística", organizado pelos signatários desta introdução em Genebra em junho 2015.

2 Termo dado por Graziella Magherini, que trabalha no Hospital Santa Maria Nuova, em Florençahttp://www.lemonde.fr/societe/article/2009/09/01/ces-syndromes-qui-frappent-les-touristes- etrangers_1234348_3224.html

3 http://www.tourisminvenice.com/blog/tag/venise-insolite/

4 Idem

5 https://www.venise-acqua-vite.com/visites-guidees/venise-en-amoureux

6 A história da cidade, transformada durante séculos em comércio em grande escala, nos mares e na terra e nas características de uma sociedade comercial e empreendedora, teria contribuído para impor uma forma de moralidade desinibida, permitindo à cidade escapar, por vários séculos, das oposições usuais ou juízos moralistas do passado como de nosso presente (Gault, Idem).

7 https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0160738310000447

8 Top 10 des destinations sexy: https://www.voyage-insolite.com/2013/01/28/top-10-destinations-villes-sexy-pour-adulte-coquin/

9 Os 8 destinos mais eróticos do mundo: http://www.edreams.fr/blog/les-destinations-les-plus-erotiques-du-monde/

10 Idem.

11 Idem

12 Perrottet (2011) evoca a legendária "Stufetta del Bibbiena", uma salade banho coberta de pinturas pornográficas de Rapael em 1516.

13 The Pretty women of Paris. Their Names and Addresses, Qualities and Faults, being a Complete Directory or Guide to Pleasure for Visitors to the Gay City, 1883 (anônimo, editadopeloautor)

14 Remerowski Ted, CanellMarrin, (2005) Legendary Sin Cities" 1) Berlin - Metropolis of Vice 2) Paris - The Crazy Years 3) Shanghai - Paradise for Adventurers. Documentaire, Canadian Broadcasting Corporation (CBC)

15 Fontes: (1). Os 8 destinos mais eróticos do mundo: http://www.edreams.fr/blog/les-destinations-les-plus-erotiques-du-monde/ (2).Top 10 destinos sexy: https://www.voyage-insolite.com/2013/01/28/top-10-destinations-villes-sexy-pour-adulte-coquin/ ; (3).Top 10 destinos mais sexy : http://selection.readersdigest.ca/voyage/destinations-de-voyage/top-10-des-destinations-les-plus-sexy/view-all/ ; (4). 20 Destinos estritamente para adultos ao redor do Mundo que você precisa visitar antes de morrer https://www.scoopwhoop.com/AdultOnly-Travel-Destinations/#.ca7vd0809(5). Os 25 destinos mais sexys do mundo:http://www.complex.com/pop-culture/2013/07/the-25-sexiest-vacation-destinations-on-earth/st-tropez (6) As 10 cidades mais sexys do mundo

https://www.wanderlust.co.uk/content/10-sexiest-cities-in-the-world/

16 Source : Idem Tableau N°1

17 O nome deriva de Sotades, um poeta grego do século III aC, representando um grupo de escritores de poesia satírica obscena e às vezes pederasta.

18 Varanda aberta, característica dos hotéis no Havaí.

19 SuperClubs, 1999, "Brochura de viagens do SuperClub Resorts".

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Turismo sexual-turismo erótico.
Crédits Elaboração dos autores a partir de Prat Forga (2010)
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1866/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Gravari-Barbas, Jean-François Staszak et Nelson Graburn, « A erotização dos lugares turísticos. Espaços, atores e imaginários », Via [En ligne], 11-12 | 2017, mis en ligne le 14 mai 2018, consulté le 16 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/1866

Haut de page

Auteurs

Maria Gravari-Barbas

Professeure, Université Paris Panthéon-Sorbonne

Articles du même auteur

Jean-François Staszak

Professeur, Université de Genève

Articles du même auteur

Nelson Graburn

Professor Emeritus, Berkeley University

Articles du même auteur

Haut de page

Traducteur

Frederico Couto Marinho

Universidade Federal Minas Gerais, Brésil

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals