Navigation – Plan du site

O Patrimônio - Paisagem: Origens, Intervenções Teóricas e Recepção Crítica para a Compreensão do Programa do Patrimônio Mundial da UNESCO

Michael A. Di Giovine
Traduction de Frederico Marinho
Cet article est une traduction de :
The Heritage-scape: Origins, Theoretical Interventions, and Critical Reception of a Model for Understanding UNESCO’s World Heritage Program [en]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Le heritage-scape : origines, éléments théoriques et examen critique d’un modèle de compréhension du Programme du patrimoine mondial de l’UNESCO [fr]

Résumé

Escrito pelo autor de O Patrimônio - Paisagem: UNESCO, Patrimônio Mundial e Turismo (Lexington 2009), este artigo é uma reflexão crítica do conceito de patrimônio histórico cerca deuma década da sua introdução na literatura. Incluindo histórias pessoais que apresentam um panorama das origens intelectuais e inspirações para o termo, o artigo discute a teoria que sustenta o Património - Paisagem, a contribuição do conceito para a literatura e sua recepção por teóricos do turismo e patrimônio. Como um conceito teórico idiossincrático destinado a descrever um modelo particular e utópico da ordem geopolítica, ele ainda assumiu vida própria, e o artigo aborda alguns desses equívocos, bem como os esclarecimentos feitos pelo autor, ao longo da última década. Articulando um modelo mais holístico do Programa do Patrimônio Mundial, o autor também apresenta futuras áreas de pesquisa – mais estudos sobre a inter-relação entre turismo e patrimônio e uma melhor integração com a sustentabilidade e a ética. O artigo conclui com uma nota de encorajamento aos jovens pesquisadores, que se identificam com as contribuições do autor, que sentiram que havia algo instigante a ser debatido no mundo acadêmico.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1Quando meu primeiro livro, O Patrimônio - Paisagem: UNESCO, Patrimônio Mundial e Turismo, foi publicado no final de 2008, foi um dos primeiros estudos a analisar de forma abrangente o programa do Patrimônio Mundial da UNESCO e suas conexões como turismo. Misturando teorias antropológicas dos rituais, globalização e estudos de casos etnográficos de todos os sítios do Patrimônio Mundial no Vietnã e no Camboja na época (alguns foram adicionados na última década, incluindo o contestado Preah Vihear em disputa na fronteira tailandesa-cambojana, que integrei ao livro próximo da publicação), representou o ponto alto de oito anos de trabalho profissional na indústria do patrimônio e do turismo, em estudos acadêmicos e pesquisa etnográfica e arquivística. Entre outros, o livro introduziu o conceito de Patrimônio - Paisagem, que eu defini como uma comunidade mundial que visa produzir "paz na mente dos homens" (UNESCO 1945) através da apropriação ritual e da justaposição de distintos sítios de patrimônios em torno do qual o mundo designa como tendo "valor universal" por formas como eles revelam a meta-narrativa da UNESCO da "unidade na diversidade" (Di Giovine 2009, pp. pp. 41-42, pp. 399-400).

2Com base na noção de aventura de Arjun Appadurai (1996) e informada por minhas viagens através de diversos locais com diferentes turistas para sítios designados de forma semelhante, vi o patrimônio como "não simplesmente um mosaico de sítios individuais agregados, uma rede de destinos com suas próprias relações sociais locais, mas antes... [como] um lugar único com seu próprio contexto social que está em constante evolução e expansão à medida que a UNESCO continua suas atividades, integrando cada vez mais lugares, objetos e agora até costumes intangíveis dentro de fronteiras nebulosas"(Di Giovine, 2009, pp 41-42). No meu trabalho na indústria do turismo, percebi que havia algo interligado e fluido sobre esses sítios aparentemente dispares e os significados que os turistas atribuem a eles. Ofereci o conceito de Patrimônio - Paisagem como modelo para compreender o programa bem sucedido da UNESCO e seus objetivos de longo prazo de uma perspectiva mista de etic-emic.

I. Origens e Intervenções Teóricas

A. Trabalhar na indústria do turismo e do patrimônio

3Após me formar na Escola de Serviço Estrangeiro da Universidade de Georgetown em 2000, eu sabia que queria ir para a faculdade de graduação e não para o corpo diplomático dos EUA. Mas eu não sabia o que era um doutorado. Só sabia que queria viajar. Devido ao acaso, fui contratado pelo Centro Internacional de Design, Inc., um operador educacional em Washington, DC, que planeja, desenvolve, comercializa e implementa passeios culturais para organizações de ex-alunos universitários, membros de museus, docentes, colecionadores de arte e outros grupos sem fins lucrativos. Dado o meu histórico de viagens familiares na Itália durante os verões da minha juventude, originalmente fui contratado para trabalhar nas muitas excursões italianas da CID - o que eu fiz -, mas na minha segunda semana eu estava em um avião para o Japão, o que a indústria do turismo chama de "VFAV" (viagem de familiarização para agentes de viagens) paga pela prefeitura da cidade de Quioto.

4Depois de dirigir uma turnê de ex-alunos para o Japão em 2001, viajei para o Vietnã de forma independente com amigos. Lembro-me de voltar ao escritório depois dessa viagem ter me transformado, impressionado não só pela beleza e vitalidade do lugar, mas também pela energia notável em torno do impulso do desenvolvimento do turismo de patrimônio do governo. Comecei a desenvolver passeios para o Sudeste Asiático; nós fomos uma das primeiras operadoras de turismo high-end nos Estados Unidos a trabalhar na região. De 2001 a 2004, assisti a abertura de novos destinos no Vietnã e no Camboja, especialmente associados a sítios do Patrimônio Mundial, e seu crescimento em função do turismo. Lembro-me quando o primeiro semáforo foi instalado em Siem Reap, a cidade turística fora do Parque Arqueológico Angkor do Camboja; tornou-se necessário à medida que mais e mais turistas se reuniam no sítio do Patrimônio Mundial. Todos os anos, ao que parece, o governo e os guias turísticos individuais contam até a próxima chegada de turistas em Angkor, sem nenhuma discussão crítica sobre os impactos do turismo de massa: um milhão ... 1,5 milhão ... 2 milhões ... 3 milhões. Eles atribuíram explicitamente o aumento dos turistas ao "valor universal excepcional" de seu patrimônio, que eles interpretaram como sendo finalmente "reconhecidos" pela UNESCO (em vez de serem criados através do próprio processo da UNESCO).Mas enquanto a população local e os guias se orgulhavam de falar da UNESCO e do Patrimônio Mundial, meus viajantes em grande parte não sabiam o que era a UNESCO ou seu programa, e muitas vezes me perguntaram sobre isso. O fato de serem da classe alta, com educação e experiência em viagens internacionais me deixou mais curioso; enquanto a população local, os turistas, gerentes e praticantes foram igualmente afetados pelo projeto, o conhecimento e os impactos da UNESCO, assim parecia ser distribuído de forma desigual. Então eu decidi retornara-os estudos para compreender esse fenômeno, começando com uma pós-graduação em ciências sociais interdisciplinares na Universidade de Chicago, seguido por um doutorado em antropologia na mesma instituição. Ao ler a literatura sobre patrimônio e turismo no início da pós-graduação, percebi, em primeiro lugar, que os dois temas não estavam tão integrados quanto deveriam estar; e em segundo lugar que os livros fundamentais na antropologia do turismo foram em grande parte críticas de estudiosos que operam no "exterior" da indústria. Por exemplo, na minha leitura inicial do clássico de Dean MacCannell, O Turista (1976) e do artigo de Dennison Nash "Turismo como forma de imperialismo" (1977), fiquei surpreso com o que eu interpretei na época como uma denúncia da produção da indústria do turismo de experiências inautênticas com fins lucrativos. Certamente, no papel de "insider" como operador turístico, não havia nada de nefasto sobre o que estava fazendo; me esforcei em busca da autenticidade e queria desfrutar da experiência tanto quanto os turistas. (Em retrospectiva, os guias e operadores locais às vezes me colocavam na mesma categoria que os turistas, mas mesmo assim acho que a maioria visava apresentar experiências locais que acreditavam que os turistas apreciariam, sobre práticas historicamente autênticas - algo que Ed Bruner aponta em uma entrevista (Di Giovine, na imprensa)). Em suma, meus colegas e eu também estamos consumindo os imaginários do turismo (Salazar e Graburn, 2014) oferecidos pela UNESCO.

5A dissertação de mestrado resultante, e a sua encarnação amplamente divulgada, O Patrimônio - Paisagem, visavam examinar o processo de criação do patrimônio pela UNESCO a partir da perspectiva, de certa forma, dos turistas que a encontraram. Eu desenhei nas revistas detalhadas que fiz em turnê, juntamente com mais visitas aos sítios entre 2004 e 2008 e uma grande quantidade de pesquisa de arquivos em documentos públicos, artigos de notícias e sites produzidos por e para a UNESCO, para entender como o turismo e o patrimônio estavam envolvidos na missão global da UNESCO de promover a "paz nas mentes dos homens". Não se destinava a ser uma etnografia das negociações que ocorrem nos bastidores do Centre Mundial do Patrimônio (ver, por exemplo: Smith e Akegawa, 2009), mas sim um modelo mais teórico para o que a UNESCO queria alcançar.

6Eu argumentava que, embora cada sítio fosse diferente, o processo da UNESCO destruiria seus significados e os re-contextualizava em uma reivindicação meta-narrativa, utópica, de "unidade na diversidade". Ao empregar a teoria do ritual e da performance, mostrei que os sítios individuais são submetidos a uma transformação ritual em "herança mundial" com base em um processo de avaliação de como seus atributos únicos se encaixam em um conjunto de critérios padronizados, mas nebulosos, e como eles finalmente ganham o significado através da justaposição uns com os outros na lista e nas mentes dos turistas que visitam vários sítios, às vezes na mesma viagem O turismo, pareceu-me, foi a cola entre esses sítios, ordenando-os em um sistema, construindo e transferindo significados entre os nós no Patrimônio - Paisagem. Escrevi: "Ao conceituar o Patrimônio - Paisagem, o Programa do Patrimônio Mundial da UNESCO é orientado predominantemente para os turistas móveis, os "estrangeiros" temporários que podem trazer seus próprios entendimentos únicos de "cultura" e "diversidade cultural" para o sítio, experiência de um encontro transformador e retornar a sua casa como missionários seculares, espalhando seu novo conhecimento do sítio em relação à diversidade cultural"(Di Giovine, 2009, p. 6).

B. Base teórica do patrimônio

7Mas qual é o propósito desse processo? Embora os sítios do Sudeste Asiático possam tenham recebido mais publicidade devido a designação da UNESCO, certamente os destinos que visitei na Itália não precisaram, e ambos são igualmente valorizados como Patrimônio Mundial. Ao analisar os objetivos da UNESCO e os valores declarados do patrimônio mundial, tornou-se claro que a intenção a longo prazo do programa era popularizar esses sítios - o que muitas vezes gerava divisões entre aqueles que buscam traçar reivindicações patrimoniais e aqueles que não buscam - e recontextualizá-los em uma meta-narrativa da "unidade na diversidade" que celebra a universalidade das diferenças que marcam a vida humana; nós somos unificados como seres humanos precisamente por nossa variedade vibrante.

8O patrimônio-merchandising, então, foi, em última instância, um empreendimento de aparência global que apelou emocionalmente a sensibilidade daqueles que entram em contato com eles. Quanto mais eles visitam os sítios valorizados por essa reivindicação ideológica, mais eles assumiriam um senso de propriedade coletiva sobre os sítios que transcende as fronteiras geopolíticas. "Se um objeto de herança conecta temporariamente indivíduos com o meio socio espacial do qual eles vieram, os objetos do Patrimônio Mundial da UNESCO destinam-se a transcender a situação temporal e espacial das reivindicações patrimoniais de uma cultura, assegurando que todos possuam igualmente um sítio do Patrimônio Mundial; ao invés de basear as identidades no antagonismo coletivo em relação à diferença, os turistas que consomem a narrativa do Patrimônio Mundial podem comemorar e internalizar a diversidade "(Di Giovine 2010, p. 9). Este imaginário, meio socio espacial é o patrimônio-merchandising.

9A minha definição do patrimônio foi fundamentada em teorias antropológicas de globalização, especialmente o modelo de uma paisagem de Arjun Appadurai: "uma ordem disjuntiva complexa, sobreposta e que não pode mais ser entendida em termos de modelos existentes de centro-periferia" (1996, p. 32). Ele postula cinco tipos de paisagens que se sobrepõem e existem simultaneamente (pp 33-35).Embora os críticos dos neologismos de Appadurai argumentem que são teoricamente imprecisos, o paradigma da paisagem é bastante convincente para aqueles que concordam com a noção clássica de Benedict Anderson de uma "comunidade imaginada" (1998) e a ideia de Roland Robertson de globalização como imaginada e centrada na agência individual acima dos estados-nação (1995). A paisagem de Appadurai refere-se a um espaço social em que as estruturas de poder são marcadamente deslocalizadas. Em tal lugar, não há um único centro, foco ou área central delimitada, onde aqueles incluídos ditam políticas ao resto do público, ou podem se definir em oposição aos que estão fora (Di Giovine, 2009, pp. 93- 94). Evocando noções de expansividade, idealização e morfismo, o sufixo-paisagem transmite essa sensação de uma área desterritorializada, ou pelo menos, um pouco demarcada, onde as noções de "insiders" e "estranhos" são desfocadas (pág. 95).

10A noção de uma paisagem foi usada, e às vezes de maneira abusiva, por muitos de dentro e de fora da indústria do patrimônio que desejam transmitir uma sensação de magnitude, uma expansão infinita ou até mesmo a temporalidade em seu sítio. Na literatura acadêmica, Mary-Catherine Garden empregou o termo "patrimônio-paisagem" se referindo a "paisagens do patrimônio" (2004, p. 1), sítio patrimoniais que existem dentro de extensões físicas e sociais mais amplas. Este neologismo é, portanto, um descritor e uma metodologia para analisar os processos vivos que circulam nesses lugares históricos: "Ao pensar no patrimônio como patrimônio-paisagem - ou seja, como paisagens - chama a atenção para suas qualidades como espaços dinâmicos e em mudança. Isso oferece a oportunidade de localizar sítios no contexto mais amplo e chama a atenção para a importância da configuração... Aceitando o sítio do patrimônio como uma paisagem localizada em seu lugar legítimo como um espaço fluído e em mudança com o qual as pessoas interagem regularmente" (Jardim, 2006, p. 407).Embora o modelo de Garden confunda em grande parte o patrimônio e a paisagem - "o patrimônio paisagem herdado são paisagens; eles são sobre o lugar físico visível e também sobre as experiências que as pessoas têm com esse lugar", escreve ela (2004, pp. 208-209) - ela faz" iniciar um diálogo sobre o que se entende por "sítio herança" (2006, p. 395). O ponto é claro: um patrimônio, seja uma vasta paisagem cultural ou um monumento solitário, é uma construção cultural; tem uma história de vida que se estende ao longo do tempo; seu significado é sempre variável; e está sempre sob a pressão da mudança. O conceito de Garden, de fato, parece assemelhar-se à noção de paisagem cultural da UNESCO, "as obras combinadas da natureza e do homem" (UNESCO, 1972), que está "na interface entre a natureza e cultura, patrimônio tangível e intangível, diversidade biológica e cultural - representam uma rede de relacionamentos, a essência da cultura e a identidade popular " (Rössler, 2006, p. 334).

11Tomando uma perspectiva oriental (por meio de Carl Jung), a geografia Rana Singh também empregou a noção de um patrimônio-paisagem, argumentando que o termo mais utilizado na Índia para denotar o patrimônio, dharohara, "deveria ser melhor traduzido como "patrimônio-paisagem" e ser explicado no âmbito da "ecologia do patrimônio" em corroboração com a "geografia profunda [e espiritual" " (Singh 1995, p. 197): a conjunção de dharã ("mãe Terra "para usar um idioma facilmente acessível) , com o sufixo -ihara, "esforço de identidade ao longo do tempo" (Singh, Rana, 2011, pp. 88-89; Singh, 2011, p. 8) pinta uma imagem linguística de uma ampla concorrência de ser e tornar-se, espacialmente e temporariamente concebido. Dharohara, então, transmite a sensação de que um sítio está em perpétualiminaridade; conjugando mundos ou estados de ser, é, portanto, um eixo mundi onde o tempo e o espaço combinam para os visitantes que interagem com ele. Em vez de ser traduzido como "herança" ou "patrimônio", que muitas vezes é erroneamente concebido como uma coisa estagnada e imutável, fixada em um ponto no tempo, dharohara literalmente transmite a realidade da herança como em perpetua mudança (Di Giovine, 2011, pp 67-68).As contribuições de Singh e Garden enfatizam os aspectos dinâmicos, fluidos e socialmente mediados de um sítio de patrimônio - ou qualquer lugar para esse assunto - através do idioma de uma paisagem. Isso é significativo, pois achei que certos grupos (particularmente profissionais, organizações promocionais, guias turísticos e alguns acadêmicos em áreas profissionais ou interdisciplinares) podem frequentemente falar de patrimônio como uma coisa monolítica e imutável, de modo a implantar uma narrativa ideológica de um grupo particular.

12Mas o patrimônio é realmente um esforço interpretativo para criar o significado de um sítio e para implantar seletivamente esse monumento recentemente contextualizado na sociedade, obscurecendo os significados e usos de outros interessados (Di Giovine, 2009, p. 329; Di Giovine, Cowie, 2014). Referenciando a "natureza intrinsecamente contextual do termo", argumentei que seu significado muda de acordo com o ambiente social mais amplo no qual é invocado; pode ser entendido como uma memorialização conceitual de uma reivindicação ideológica específica sobre o passado e a relação particular de um grupo no presente e no futuro. Eu vi que o patrimônio se encaixa no projeto de globalização pela UNESCO precisamente por essa razão: embora se refira claramente ao passado, não conhece limites espaciais ou temporais definitivos, mas pode ser aplicado em uma ampla variedade de contextos sociais com a mesma facilidade (Di Giovine, 2009, p. 91).

II. Recepção crítica para compreensão do modelo do Programa do Património Mundial da UNESCO

A. Recepção e Engajamento Crítico

13Na década em que este neologismo foi cunhado, o interesse no processo de criação do patrimônio da UNESCO cresceu, e os pesquisadores se comprometeram criticamente com o conceito de herança cultural de várias maneiras. Primeiro, o patrimônio foi citado como um novo modelo teórico para a compreensão do esforço do Patrimônio Mundial da UNESCO e seu funcionamento. Ao escrever O Patrimônio-Paisagem, os únicos recursos que encontrei eram panfletos e artigos publicados pela própria UNESCO (veja, por exemplo: UNESCO, 2005). Hoje, existem várias monografias excelentes que complementam minhas análises, focadas em temas diferentes e em meios de coleta de dados.

14Meu conceito de Patrimônio-Paisagem foi o resultado do que pode ter chamado de "etnografia do meio", de vários lugares, nem dos locais, nem dos níveis superiores da UNESCO, mas os turistas e profissionais da indústria do turismo que se moveram entre eles. No entanto, as monografias subsequentes dos estudiosos que realizam a observação participante no Centro do Patrimônio Mundial em Paris (Labadi, 2013; Joy, 2012; Smith, Akegawa, 2009; Meskell, 2013b, 2014) fornecem uma visão valiosa do "topo" desse processo e as negociações dos bastidores que produziram as iniciativas que analisei; de fato, a obra de Christina Cameron e Mechtild Rössler (2013) a história da Convenção do Patrimônio Mundial surgiram da experiência de primeira mão da diretora do Centro. O volume editado de Amariswar Galla (2012), publicado pela UNESCO, incluiu contribuições daqueles que trabalham na UNESCO ou agências de financiamento intergovernamentais, bem como acadêmicos. Outros (Smith, 2006; Harrison, 2013, Adell et al., 2015), discutiriam os empreendimentos no patrimônio da UNESCO, suas análises resultaram de interações com os representantes da UNESCO, na medida em que realizaram a observação participante ou o trabalho arqueológico em locais particulares. Outros ainda usaram o modelo de patrimônio para fornecer um contexto mais amplo em suas etnografias de patrimônio particular e / ou sítios do turismo, ou de empreendimentos de desenvolvimento turístico de países específicos (ver Brumann, Berliner, 2016, para patrimônio intangível, ver Foster, Gillman, 2015).

15Em segundo lugar, o conceito de Patrimônio - Paisagem articula o fenômeno de que os significados dos sítios patrimoniais não são fixos, mas negociados e mudam de significado ao longo do tempo. Estes sítios têm significados diferentes para diferentes atores chave, mas, no entanto, são unificados através do que eu chamei, de acordo com Bourdieu (1993), um "campo de produção do patrimônio" (Di Giovine, 2009, pp. 8-9). Os estudiosos construíram isso para demonstrar como os países membros manipulam uma designação do Patrimônio Mundial para um "padrão nacional" (del Marmol et al., 2016) ou agendas de desenvolvimento nacionais (veja, por exemplo: Shepherd, 2013); as comunidades indígenas e as populações locais reclamam que são marginalizados através desses processos (Logan, 2013; Meskell, 2013a). Na verdade, essas designações são inerentemente o resultado de discussões e negociações políticas (Harrison, 2010), onde a retórica patrimonial é importante (Smith, 2006; Lafrenz, Lafrenz, 2015), embora os atores chaves de poder sejam geralmente ocultos. Como Meskell et al. argumentam, dentro da UNESCO, muitas vezes, os sítios individuais "funcionam como dispositivos de transação, pelo qual o reconhecimento cultural e, portanto, político, encoberta e possibilita uma rede multifacetada de valores econômicos" (2014, p 427; Salazar, 2010; Reyes, 2014).

16Em terceiro lugar, o patrimônio é usado como modelo para ilustrar a interconectividade do turismo e do Patrimônio Mundial. Eu escrevi em um momento em que o interesse na conexão entre patrimônio e turismo estava crescendo (veja, por exemplo: Boniface, Fowler, 1993; Timothy, Boyd, 2003; Bruner, 2005; Basu, 2007), com poucos trabalhos focando especificamente o Patrimônio Mundial (Kirshenblatt-Gimblett, 1999; Harrison, Hitchcock, 2005). Descobri que os profissionais do turismo e do patrimônio muitas vezes defendem percepções muito diferentes da conexão entre os dois, e muitos na indústria de viagens veem o turismo como motor de benefícios comerciais enquanto aqueles da preservação veem o turismo como uma pressão indesejada sobre a integridade dossítios. A própria UNESCO teve uma relação notoriamente ambivalente com o turismo; embora eu argumentasse que os turistas eram o principal público do patrimônio, isso certamente não é articulado na Convenção do Patrimônio Mundial. De fato, o termo "turismo" nem sequer é mencionado no texto da Convenção, e a frase "projetos de desenvolvimento turístico" aparece apenas em uma lista de possíveis ameaças aos patrimônios mundiais que poderiam constituir a base para a inscrição na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo (UNESCO, 1972, p. 6). Contudo, isso mudou radicalmente na última década, já que a UNESCO buscou um maior envolvimento com o setor de turismo. Em 2011, o Centro do Patrimônio Mundial iniciou o seu Programa de Patrimônio Mundial e Turismo Sustentável, que se dedica a "uma interpretação e implementação da Convenção do Patrimônio Mundial que abrange o turismo sustentável" e garantindo que "os visitantes entendam e apreciem o significado do Valor Universal do Património Mundial e adotem comportamentos responsáveis​​" nos sítios (UNESCO nd, p 2). O crescente foco no estudo do turismo patrimonial em geral (ver, por exemplo: Staiff et al., 2013; Robinson, Silverman, 2015), juntamente com o próprio abraço da UNESCO ao fenômeno, levou a um crescente interesse acadêmico em entender melhor os efeitos do turismo especificamente em sítios do Patrimônio Mundial, particularmente nas formas como as comunidades locais são impactadas e envolvidas (ver, por exemplo: Bourdeau et al., 2015, 2017).

B. Adaptações e modificações

17Um equívoco que parece surgir na literatura é que, de alguma forma, estou propondo ou promovendo o patrimônio como um meio viável para criar a paz, ou que estou escrevendo uma apologia da UNESCO - e não estou. Nos estudos de caso no meu livro e nas muitas contribuições etnográficas do campo, é claro que o processo da UNESCO cria consequências, disparidades e tensões não intencionais. O patrimônio-paisagem é a minha modelagem da visão utópica da UNESCO, de como esses sítios se encaixam em um esquema maior para "responsabilizar" (Ilcan e Philips 2006) as populações. Em escritos subsequentes, tentei esclarecer isso de duas maneiras. Primeiro, o programa do Patrimônio Mundial da UNESCO pode ser apresentado no contexto de metas de curto, médio e longo prazos, com a criação da paz como objetivo final a longo prazo (ver Di Giovine 2014). No curto prazo, a inscrição dos sítios do Património Mundial tem como objetivo aumentar a conscientização sobre o sítio individual, seu valor e sua necessidade de proteção; da importância de visitar esses sítios coletivos; e da própria organização e suas iniciativas. Estes são fundamentalmente atos de criação e divulgação de conhecimento e, de fato, os desembolsos primários do Fundo do Patrimônio Mundial são utilizados para financiar a troca de conhecimento entre os gerentes do sítio para fins promocionais. Essas campanhas de conscientização também são direcionadas a população local, "para fortalecer a apreciação e o respeito ... do patrimônio cultural e natural, conforme definido nos artigos 1 e 2 da Convenção" (1972, p. 13). Com base em campanhas de sucesso que salvaram Abu Simbel e Veneza na década de 1960 - o que levou à Convenção de 1972 - acredita-se que essas campanhas de conscientização inspirarão apoio político e econômico internacional para a conservação, bem como o desenvolvimento do turismo, como metas de médio prazo; com movimentos transnacionais de ideias, informações e pessoas se movendo entre esses sítios, o Patrimônio - Paisagem é criado.

18Mas a UNESCO tem pouco poder para afetar esses movimentos; eles usam ações normativas (ações contratuais para preservar o sítio, produzir relatórios e gerenciar o turismo que um país concorda em receber quando tem um sítio nomeado pela UNESCO) e o que poderia ser considerado ações coercivas (ameaça de cancelar o sítio do país se não houver a preservação) para obrigar os Estados Partes a agir de forma responsável em relação ao seu patrimônio mundial. O poder de seu prestígio para criar imaginários sedutores para turistas (Di Giovine, Picard, 2013) pode ser visto como ações persuasivas, embora a UNESCO não possa controlar a miríade de imaginários que circulam em torno de um sítio, nem os significados finais que os turistas vão fazer (e transmitir para outros). Apesar da dificuldade em controlar as práticas de preservação e de turismo - especialmente porque as duas não são mutuamente intercambiáveis -, argumento que a UNESCO pretende aproveitar estas para fins de pacificação. O estabelecimento da paz é, em última instância, um objetivo de longo prazo da UNESCO: "A missão da UNESCO é contribuir para a construção de uma cultura de paz, erradicação da pobreza, desenvolvimento sustentável e diálogo intercultural através da educação, da ciência, da cultura, da comunicação e da informação" (UNESCO, 2010, p 2). Para satisfazer este objetivo de paz, a Convenção do Patrimônio Mundial baseia-se na perspectiva do que pode ser considerado uma ação inspirada –de longo prazo, muitas vezes mudanças sutis nas formas como os indivíduos e os grupos percebem o significado e o valor não apenas dos sítios do patrimônio mundial, mas a universalidade da diversidade cultural para a qual esses monumentos representam de forma ilustrativa. Como eu comento:

"Este objetivo final é claramente utópico, e enquanto a UNESCO e seus representantes falam sobre a pacificação em alguns de seus documentos e decretos, é claro que um objetivo tão elevado é, em grande parte, implícito e contingente nos resultados bem-sucedidos de múltiplos objetivos de médio prazo que são difíceis de cumprir. Embora apenas o tempo dirá se um plano tão amplo pode funcionar, o principal desafio da UNESCO - além de garantir o sucesso nos objetivos igualmente idealistas de criar iniciativas de desenvolvimento sustentável e inclusivo para o desenvolvimento do turismo - é garantir que a lista permaneça atual e representativa da audiência do patrimônio, que está se expandindo sempre para que novas populações desfrutem de maior mobilidade, comunicação global e conectividade"(Di Giovine, 2014, p. 7900).

19Na sequência desta necessidade reconhecida pela UNESCO continuar a ser relevante, uma segunda modificação do conceito de patrimônio coloca a Convenção do Património Mundial em uma perspectiva mais ampla com as outras iniciativas focadas no patrimônio e no turismo. O modelo original explicitamente postulou que os sítios de patrimônio eram "nós" materiais em uma sociedade em constante mudança e imaginada e faziam referência apenas à Convenção do Patrimônio Cultural Intangível de 2003, que cresceu em amplitude, alcance e influência na última década. Como mostra Hafstein em 2009, a Convenção de 2003 foi o produto da negociação entre os Estados membros da UNESCO tanto os países desenvolvidos como os grupos indígenas - cuja produção cultural não está em conformidade com a estética monumental ocidental que a UNESCO e seus órgãos assessores avaliam os sítios - poderia ser incluído no Patrimônio - Paisagem. No entanto, existem também outras iniciativas globais importantes que receberam comparativamente menos atenção dos estudiosos, mas ampliam o "público" do patrimônio e como eles podem participar dele; estas variam de declarações que reconceitualizam a autenticidade, o patrimônio e comunidades para a promoção do desenvolvimento turístico responsável (Di Giovine, 2015, págs. 94-95).Uma iniciativa particular de mudança de paradigma é a rede de cidades criativas da UNESCO, uma associação de áreas urbanas em todo o mundo que são designadas não só pelo seu patrimônio cultural, mas pelas formas como eles integram a criatividade em seus projetos de desenvolvimento sustentável (Butler, 2007; Mabry et al. no prelo). Uma cidade pode candidatar-se ao reconhecimento como um centro criativo em uma das sete categorias: artesanato e arte popular, design, gastronomia, literatura, cinema, artes da mídia e música. Ao contrário das outras convenções do patrimônio mundial, este programa é impulsionado pela cidade (e não pelo Estado-nação), se concentra na preservação da inovação cultural e da criatividade (em vez de uma noção estática de patrimônio material ou imaterial) está explicitamente preocupado com o desenvolvimento do turismo sustentável (UCCN, 2016ª). No entanto, uma vez que é facilitada pela UNESCO, ela se enquadra nos mesmos objetivos finais: conscientizar a paisagem urbana e a criatividade cultural historicamente rica, que levaria a salvaguardar as iniciativas e ao turismo e, em última análise, sob uma meta-narrativa pacificadora da unidade na diversidade - objetivo declarado a longo prazo da UNESCO. Juntos, essas e outras iniciativas semelhantes relacionadas com o patrimônio formam o que eu chamo de Programa do Patrimônio Mundial da UNESCO, "um conjunto estruturado de iniciativas interligadas pela UNESCO que, através de convenções, declarações, proclamações, normas e projetos, representam um esforço coordenado e em evolução pela UNESCO para universalizar o discurso e as práticas relativas ao patrimônio, à sua preservação e à sua utilização, pelo objetivo ético de promover a "paz na mente dos homens" através de uma apreciação ativa e a internalização da natureza histórica da diversidade humana " (Di Giovine, 2015, p 84). Importante que, turistas, população local, ministros e até gestores de sítios interagem com elementos de todos esses projetos. Assim, este conjunto totalizante é o Programa do Patrimônio Mundial, e o Patrimônio - Paisagem continua sendo um modelo geo-espacial.

C. Futuras Áreas de Pesquisa

20Uma contribuição do modelo do Patrimônio - Paisagem é a ênfase na interconectividade de lugares, práticas e atores chave aparentemente díspares, nos níveis local e internacional. A pesquisa que surgiu em relação à natureza glocal (Bauman, 1998; Robertson, 1995) do patrimônio e do turismo é rica e frutífera. Seria igualmente benéfico para estudos futuros se concentrar também em uma melhor compreensão da interconectividade das iniciativas da UNESCO no âmbito do Programa do Patrimônio Mundial e como sítios patrimoniais e sua preservação são impactados pelos fluxos de interações de turistas, doadores, políticos e a indústria em eventos do patrimônio imaterial e nas "cidades criativas". Particularmente como a rede Cidades Criativas - inerentemente mais alinhadas comercialmente com o turismo do que as Convenções WH e ICH –que crescem em escopo, são mais de um bilhão de turistas viajando pelo mundo anualmente (veja http://1billiontourists.unwto.org/​), é igualmente necessário dedicar mais atenção ao exame da interconectividade da sustentabilidade no patrimônio e no turismo (Di Giovine, 2017). A sustentabilidade – garante que as necessidades ambientais, econômicas e sociais da população sejam atendidas sem sacrificar as gerações futuras - é uma preocupação crescente, particularmente entre os pesquisadores e praticantes do turismo.

21Já existe um sentido entre os profissionais da preservação de que o turismo em massa é incompatível com a preservação da estrutura socioculturale física dos monumentos. No entanto, organizações como a Comissão Internacional de Turismo Cultural (ICTC) e o órgão consultivo ICOMOS-UNESCO para a preservação do patrimônio material - estão debatendo como os dois podem ser mutuamente sustentáveis, embora as soluções sejam evasivas. Por último, e inexoravelmente ligado a estes, é a necessidade de continuar focando na ética das práticas do patrimônio mundial. Certamente, há pesquisas críticas sobre os impactos negativos do patrimônio desenvolvida sobre os povos indígenas e muitas associações profissionais têm códigos de conduta éticos, mas há poucas análises sistemáticas atualizadas onde diferem e convergem com o trabalho da UNESCO (ver Logan, 2012; Di Giovine, Majewski no prelo). Isso é importante, uma vez que, em última instância, o modelo do Patrimônio - Paisagemestabelece um projeto ético específico - sempre utópico e evasivo. Estudos mais focados sobre a ética das práticas do patrimônio mundial são essenciais, particularmente nesses tempos turbulentos.

D. Postscript: uma declaração para os jovens pesquisadores

22Acredito que muitos não sabem que O Patrimônio – Paisagem era em essência minha dissertação de mestrado, expandida com novas pesquisas e reescrita nos primeiros anos do meu doutorado. Eu me sinto incrivelmente afortunado de que a editora, Lexington Books - uma divisão de Rowman e Littlefield - tenha me dado uma chance tão cedo na minha carreira. Durante minha formação acadêmica e agora na minha carreira profissional, encontrei jovens pesquisadores brilhantes que se sentem sobrecarregados ou intimidados pelas publicações acadêmicas.Quando escrevi O Patrimônio - Paisagem, senti que tinha algo a dizer: também incentivei jovens pesquisadores que acreditam que têm contribuições para as publicações da área. No domínio dos estudos do turismo, existem muitas revistas diferentes - algumas, como a Via @, são de acesso aberto, garantindo uma grande difusão para os pares. Muitas organizações profissionais solicitam conteúdo de blog de seus membros; são amplamente lidos e produzem pesquisas de alto nível. E há várias séries de livros excelentes com grandes editoras que se concentram nos aspectos sociais e científicos do patrimônio e do turismo. Noel Salazar e eu recentemente iniciamos uma série de livros com a editora Lexington, A Antropologia do Turismo: Herança, Mobilidade e Sociedade, na qual destacamos especificamente, encorajar submissões e de pesquisadores jovens e experientes. De forma adequada, não só esse é o mesmo editor que teve uma chance em O Patrimônio - Paisagem, mas nosso primeiro livro da série (Hill, 2017) foi uma tese de mestrado reformulada, assim como minha.

Haut de page

Bibliographie

Adell, N., Bendix, R., Bortolotto, C., Tauschek, M. (eds.), 2015, Between Imagined Communities and Communities of Practice, Göttingen, UniversitätsverlagGöttingen.

Anderson, B., 1998, Imagined Communities, New-York, Verso.

Appadurai, A., 1996, Modernity at Large, Minneapolis, University of Minnesota Press.

Basu, P., 2007, Highland Homecomings, London, Routledge.

Boniface, P., Fowler P., 1993, Heritage and Tourism in The Global Village, London, Routledge.

Bourdeau, L., Gravari-Barbas M., Robinson M., 2015, World Heritage, Tourism, and Identity, London, Routledge.

Bourdeau, L., Gravari-Barbas M., Robinson M., 2017, World Heritage Sites and Tourism: Global and Local Relations, London, Routledge.

Bourdieu, P., 1993, The Field of Cultural Production, New York, Columbia University Press.

Brumann, C., Berliner, W. (eds.), 2016, World Heritage on the Ground: Ethnographic Perspectives, Oxford, Berghahn.

Bruner, E., 2005, Culture on Tour, Chicago, University of Chicago Press.

Butler, B. 2007, Return to Alexandria, Walnut Creek, Left Coast Press.

Cameron, C., Rössler, M., 2013, Many Voices, One Vision: The Early Years of the World Heritage Convention, Farnham, Ashgate.

del Mármol, C., Siniscalchi V., Estrada F., 2016, « Reflecting on heritage and power: dynamics, strategies and appropriations in the Catalan Pyrenees and the French Alps », International Journal of Heritage Studies 22, 5, 341-354.

Di Giovine, M., 2009, The Heritage-scape: UNESCO, World Heritage, and Tourism, Lanham, Lexington Books.

Di Giovine, M., 2010, « World Heritage Tourism: UNESCO’s Vehicle for Peace? », Anthropology News, 8-9.

Di Giovine, M., 2011, « UNESCO’s Heritage-scape: A Global Endeavor to Produce ‘Peace in the Minds of Men’ through Tourism and Preservation », In Rana, P.B. S. (ed), Heritagescapes and Cultural Landscapes, New Delhi, Shubhi Publications, 57-86.

Di Giovine, M, 2014, « World Heritage Objectives and Outcomes », In Smith C. (ed.) Encyclopedia of Global Archaeology, New York, Springer, 7894-7903.

Di Giovine, M., 2015, « UNESCO’s World Heritage Program: The Challenges and Ethics of Community Participation », In Adell, N., Bendix, R., Bortolotto, C., Tauschek, M. (eds.), Between Imagined Communities and Communities of Practice, Göttingen, Universitätsverlag Göttingen, 83‒108.

Di Giovine, M., 2017, « The Anthropological Perspective on Sustainable Tourism: In Members’ Own Words », Anthropology News.

Di Giovine, M. (in press), « A Conversation with Edward Bruner », In Leite, N., Castaneda, Q., Adams, K. (eds.), Taking Tourism Seriously: Edward Bruner and the Anthropology of Tourism, Lanham, Lexington Books.

Di Giovine, M., Cowie S., 2014, « The Definitional Problem of Patrimony and the Futures of Cultural Heritage », Anthropology News.

Di Giovine, M., Majewski, T. (forthcoming), « Ethics in Conservation », In Lopez Varela, S. (ed), The SAS Encyclopedia of Archaeological Sciences.

Foster, M., Gilman L., 2015, UNESCO on the Ground, Bloomington, University of Indiana Press.

Galla, A. (ed.), 2012, World Heritage: Benefits Beyond Borders. Paris, UNESCO Publishing.

Garden, M.-C., 2004, The Heritagescape: Exploring the Phenomenon of the Heritage Site, Unpublished Ph.D. thesis, Cambridge, Cambridge University.

Garden, M.-C., 2006, « The Heritagescape: Looking at Landscapes of the Past», International Journal of Heritage Studies, 12, 5, 394–411.

Hafstein, V., 2009, « Intangible Heritage as a List: From Masterpieces to Representation », In Smith L., Akagawa N. (eds), Intangible Heritage, London, Routledge.

Harrison, D., Hitchcock M., 2005, The Politics of World Heritage, Clevedon, Channel View.

Harrison, R., 2013, Heritage: Critical Approaches, London, Routledge

Harrison, R. (ed.), 2010, Understanding the Politics of Heritage, Manchester, University of Manchester Press.

Hill, S., 2017, Alternative Tourism in Budapest, Lanham, Lexington Books.

Ilcan, S., Phillips, L., 2006, « Governing Peace: Global Rationalities of Security and UNESCO’s Culture of Peace Campaign », Anthropologica, 48, 1, 59–71.

Joy, C., 2012, The Politics of Heritage Management in Mali: From UNESCO to Djenné, Walnut Creek, Left Coast Press.

Kirshenblatt-Gimblett, B., 1999, Destination Culture, Berkeley, University of California Press.

Labadi, S., 2013, UNESCO, Cultural Heritage and Outstanding Universal Value, Lanham, AltaMira Press.

Lafrenz Samuels, K., Rico, T. (eds.), 2015, Heritage Keywords, Denver, University of Colorado Press.

Logan, W., 2012, « Cultural Diversity, Cultural Heritage and Human Rights: Towards Heritage Management as Human Rights-Based Cultural Practice », International Journal of Heritage Studies, 18, 231–244.

Logan, W., 2013, « Australia, Indigenous Peoples and World Heritage from Kakadu to Cape York: State Party Behaviour under the World Heritage Convention », Journal of Social Archaeology, 13, 2, 153–176.

Mabry, J., Di Giovine, M., Majewski T., 2016, « Universal Value Added: Recontextualizing and Leveraging Tucson’s Intangible Food Heritage as a UNESCO City of Gastronomy », Paper presented at the Association of Critical Heritage Studies biennial meeting, Montréal, Canada.

MacCannell, D., 1976, The Tourist. Berkeley, University of California Press.

Meskell, L., 2013(a), « UNESCO and the Fate of the World Heritage Indigenous Peoples Council of Experts (WHIPCOE) », International Journal of Cultural Property, 20, 2, 155–174.

Meskell, L., 2013(b), « UNESCO’s World Heritage Convention at 40: Challenging the Economic and Political Order of International Heritage Conservation », Current Anthropology 54, 4, 483–494.

Meskell, L., 2014, « States of Conservation: Protection, Politics and Pacting within UNESCO’s World Heritage Committee », Anthropological Quarterly, 87, 1, 267–292.

Meskell, L., Liuzza C., Bertacchini E, Saccone, D., 2015, « Multilateralism and UNESCO World Heritage: Decision-Making, States Parties and Political Processes », International Journal of Heritage Studies, 21,5, 423-440.

Nash, D.,1977, « Tourism as a Form of Imperialism », In Valene Smith (ed.), Hosts and Guests. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 37-52.

Reyes, V., 2014, « The Production of Cultural and Natural Wealth: An Examination of World Heritage Sites », Poetics, 44, 42–63.

Robertson, R., 1995, « Glocalization: Time-Space and Homogeneity-Heterogeneity », In Featherstone M., Lash S., Robertson R. (eds.), Global Modernities, London, Sage, 25‒44.

Robinson, M., Silverman H., 2015, Encounters with Popular Pasts, New-York, Springer.

Rössler, M., 2006, « World Heritage Cultural Landscapes: A UNESCO Flagship Programme 1992–2006 », Landscape Research, 31, 4, 333–353.

Salazar, N., 2010, « The Glocalisation of Heritage through Tourism », In Labadi, S., Long,C. (eds.), Heritage and Globalisation, London, Routledge, 131–145.

Salazar, N., Graburn N., 2014, Tourism Imaginaries: Anthropological Approaches, Oxford, Berghahn.

Shepherd, R., 2013, Faith in Heritage, Walnut Creek, CA, Left Coast Press.

Singh, Rana P.B., 1995, « Heritage Ecology and caring for the Earth: a Search for Preserving Harmony and Ethical Values », National Geographical Journal of India, 41, 2, 191-218.

Singh, Rana P. B., 2011, « Heritagescapes and Cultural Landscapes: An Appraisal; In, Singh, Rana P.B. (ed.) Heritagescapes and Cultural Landscapes, Shubhi Publications, Gurgaon & New Delh, 7-56.

Singh, Rana P.B., Rana, Pravin S., 2011, « Heritagescapes of India: Appraising Heritage Ecology », In, Singh, Rana P.B. (ed.) Heritagescapes and Cultural Landscapes, Shubhi Publications, Gurgaon & New Delhi, 87-128.

Smith, L., 2006, Uses of Heritage, London, Routledge.

Smith, L., Akagawa, N. (eds.), 2009, Intangible Heritage, London, Routledge.

Staiff, R., Bushell, R., Watson S., 2013, Heritage and Tourism, London, Routledge.

Timothy, D., Boyd, S. W., 2003, Heritage Tourism, NY, Prentice Hall.

UCCN, 2016(a), Creative Cities for Sustainable Development, Paris, UNESCO.

UCCN, 2016(b), UNESCO Creative Cities Network: Creativity for Sustainable Urban Development, Brochure, Paris, UNESCO.

UNESCO, 2004, Mission Statement of Creative Cities Network (accessed on June 1, 2016) https://en.unesco.org/creative-cities/sites/creative-cities/files/Mission_Statement_UNESCO_Creative_Cities_Network.pdf

UNESCO, 2005, World Heritage Information Kit, Paris, World Heritage Center.

UNESCO, 2010, UNESCO: What is it? What does it do?, Brochure, Paris, UNESCO

UNESCO (n.d.), A Proposed Framework for the Development of Joint Cooperation on Nature Conservation and Sustainable Tourism at World Heritage Natural Sites between the Tourism Industry and the UNESCO World Heritage Centre, Paris, World Heritage Centre.

UNESCO, 1945, Constitution of the United Nations Education, Science and Cultural Organization, Paris, UNESCO.

UNESCO, 1972, Convention Concerning the Protection of the World Cultural and Natural Heritage, Paris, UNESCO.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Michael A. Di Giovine, « O Patrimônio - Paisagem: Origens, Intervenções Teóricas e Recepção Crítica para a Compreensão do Programa do Patrimônio Mundial da UNESCO », Via [En ligne], 13 | 2018, mis en ligne le 01 septembre 2018, consulté le 20 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/2073 ; DOI : 10.4000/viatourism.2073

Haut de page

Auteur

Michael A. Di Giovine

West Chester Universidadeda Pensilvânia (EUA)

Articles du même auteur

Haut de page

Traducteur

Frederico Marinho

Universidade Federal Minas Gerais, Brésil

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals