Navigation – Plan du site
Cartes

A Produção Científica no campo do turismo (Tourism Studies) : uma abordagem bibliométrica

Bertrand Réau
Cet article est une traduction de :
Les communautés de recherche dans le champ des Tourism Studies : une approche bibliométrique [fr]

Texte intégral

1O presente ensaio representa é uma versão intermediária e resumida de um artigo publicado na revista Zilsel (Réau, 2017). Os gráficos originais aqui apresentados integram um programa de pesquisa inclinado a entender as transformações ocorridas no campo das ciências humanas e sociais no meio acadêmico anglo-saxônico a partir da análise dos Tourism Studies que originaram grande número de publicações (Réau, 2015; 2016).

  • 1 Esse recorte corresponde aos dados disponíeis no Web of Science. As primeiras revistas científicas (...)
  • 2 Contudo, é necessário prudência nas interpretações dos resultados. De fato, no caso das Ciências So (...)

2A Sociologia e a História da ciência mobilisam há algum tempo redes bibliométricas (Social Science Citation Index) a fim de analisar as abordagens assumidas pela ciência nos diferentes domínios (Gingras, 2013, 2014). O objetivo da abordagem é considerar as citações como um intrumento analítico da visibilidade científica, assim como busca compreender o alcance dos trabalhos nos diferentes domínios das Ciências Humanas e Sociais. A abordagem que se realizou aqui tomou em conta autores citados em três períodos1 (1980-1991 ; 1992-2002 ; 2003-2013), mas poderia ser igualmente conduzida para disciplinas, instituições de vínculo dos pesquisadores e países nos quais se encontram, por exemplo. Se a bibliometria não explica a evolução das relações de força em termos de visibilidade e produção científica, assim que as conexões estabelecidas, ela permite por outro lado mapeá-las2. Uma primeira lista de autores foi obtida a partir de um apanhado historiográfico dos Tourism Studies nos campos da Antropologia e da Sociologia anglo-saxônicas (consultar notadamente as obras que reunem testemunhos dos “fundadores” do domínio Nash, 2007, Dann e Parrinello 2009) a fim de analisar, a partir do Web of Science, as cocitações desses autores no conjunto das revistas de Ciências Sociais (Réau, 2017). Essa primeira análise se revelou insuficiente para abordar as relações entre as Ciências Humanas, Sociais e Ciências da Administração. Por essa razão, extendi a lista de autores aos membros do IAST (International Academy for the Study of Tourism) que reune, por cooptação, os pesquisadores “mais reconhecidos” no campo do turismo. Fundada em 1988, a Académia tem como vantagem reunir os “pioneiros” bem como os membros recém integrados. O sistema de cooptação supõe o reconhecimento mútuo entre os membros.

3A extensão do numéro de membros contribui assim para a mudança de configurações no campo de pesquisa, cujos pesquisadores são provenientes de todas os domínios das Ciências Humanas, Sociais e Ciências da Administração (75 membros).

  • 3 « The data suggest that the power of the tourism industry in the research process has increased rec (...)

4Dennison Nash comparou a composição do IAST em dois períodos. Em 1998-1999, a Geografia é a mais representativa, a Sociologia ocupa a terceira posição e a Antropologia a quinta posição, sendo os pesquisadores do campo dos negócios raramente representados. Ao contrário, desde 2002-2003, os pesquisadores das áreas de marketing/gestão são os mais representados, seguidos pelos pesquisadores do campo da Geografia, Sociologia e Antropologia. Essa condição se revelará permanente desde então. Outro indicador a considerar são os departementos de origem dos autores dos Annals of Tourism Research. Entre 1974-1986, a Gografia, seguida pela Antropologia, Economia e Sociologia, é a disciplina mais representada entre os autores. Inversamente, en 2001-2003, são os autores provenientes dos departamentos de gestão os que mais se destacam, seguidos pelo campo do « turismo », do marketing et negócions, da Geografia, da Sociologia e da Anthropologie3. A análise bibliométrica confirmaria tais contatações ? Quais são as conexões de cocitações estabelecidas entre os autores?

5A partir da lista de autores estendida aos membros do IAST, obtemos os seguintes gráficos ao longo dos três períodos.

Figura 1. Autores cocitados em todos os artigos de revistas da lista publicados entre 1980 e 1991. Limitado aos autores cocitados três vezes ou mais.

Figura 1. Autores cocitados em todos os artigos de revistas da lista publicados entre 1980 e 1991. Limitado aos autores cocitados três vezes ou mais.

Figura 2: Autores cocitados em todos os artigos dos periódicos publicados entre 1992 e 2002. Limitado aos autores cocitados cinco vezes ou mais.

Figura 2: Autores cocitados em todos os artigos dos periódicos publicados entre 1992 e 2002. Limitado aos autores cocitados cinco vezes ou mais.

Figura 3. Autores cocitados em todos os artigos das revistas listadas entre 2003 e 2013. Limitado aos autores citados dez vezes ou mais

Figura 3. Autores cocitados em todos os artigos das revistas listadas entre 2003 e 2013. Limitado aos autores citados dez vezes ou mais
  • 4 No que diz respeito à metodologia foi realizada a aplicação do algoritmo de modularidade de Louvain (...)

6As diferentes cores representadas permitem identificar (em linhas gerais) as "comunidades científicas", ou seja, os grupos de autores que citam uns aos outros e que fazem uso de referências comuns4. O "tamanho" dos nomes dos autores é proporcional ao peso do pesquisador no espaço das cocitações.

  • 5 O fenômeno não é exclusivo ao estudos de turismo, mas diz respeito a todos os campos da ciência (Yv (...)

7As análises deste corpo de autores mostram que (1) comunidades científicas com pouca conexão se desenvolveram nos períodos iniciais, (2) o crescimento quantitativo no número de trabalhos5 foi acompanhado por uma gradual ligação entre essas comunidades, (3) autores da Sociologia e Antropologia são marginalizados (com exceção de Erik Cohen e John Urry cujos trabalhos são também reapropriados pelo marketing), (4) autores da Administração, Economia, Marketing (como Chris Ryan e Michael Hall) tornam-se centrais. Essas poucas observações mais gerais não esgotam as análises possíveis a partir desse material. Elas instigam, por sua vez, a dar prosseguimento a uma leitura mais detalhada dos dados. Poderíamos, por exemplo, isolar subgrupos de autores para descrever suas interelações e, em seguida, identificar seus respectivos perfis acadêmicos (em termos de carreiras, disciplinas, afiliações institucionais, correntes de pensamento).

8Por fim, é importante não confundir uma ferramenta, que é a bibliometria, com a análise dos dados propriamente. Se a bibliometria permite descrever as áreas de produção intelectual, ela nada informa sobre a natureza das ligações entre os autores ou ainda acerca dos conteúdos cintíficos. No entanto, a abordagem oferece a possibilidade de "mapear" um sub-campo de pesquisas para melhor definir seus contornos. Este ensaio é um convite ao aprofundamento dessas análises, combinando a bibliometria com outros métodos, a fim de contribuir para reflexões coletivas sobre as reorganizações disciplinares em termos de Tourism Studies. Para uma reflexão mais aprofundada sobre o assunto, o leitor poderá consultar o seguinte artigo, que é uma versão mais desenvolvida destas primeiras observações: Bertrand Réau, "Esquisses pour une analyse critique des Tourism studies", Revista Zilsel, setembro de 2017.

Haut de page

Bibliographie

Dann, G. M. S., Parrinello, G. L., 2009, The Sociology of Tourism. European Origins and Developments, Bingley, Emerald.

Gingras, Y., 2013, Sociologie des sciences, PUF.

Gingras, Y., 2014, Les dérives de l’évaluation de la recherche. Du bon usage de la bibliométrie, Raisons d’agir.

Khurana, R., 2007, From Higher Aims to Hired Hands. The social transformation of American Business Schools and the unfulfilled promise of management as a profession, Princeton University Press.

Kosmopoulos, C., Pumain, D., 2008, « Révolution numérique et évaluation bibliométrique dans les sciences humaines et sociales », Revue européenne des Sciences sociales, 2008, XLVI, XLVI, 141, 73-86

Larivière, V. et al., 2006, "The place of serials in referencing practices: Comparing natural sciences and engineering with social sciences and humanities", Journal of the American Society for Information Science and Technology, 57(8), 997-1004. 

Nash, D., 2007, The Study of Tourism. Anthropological and Sociological Beginnings,: Elsevier.

Pavis, F., 2008, "L’évolution des rapports de force entre disciplines de sciences sociales en France : gestion, économie, sociologie (1960-2000)", Regards sociologiques, 36, 31-42.

Réau, B., 2015, "Les Tourism studies : excursions épistémologiques ou séjours disciplinaires ?", Espacestemps.net.

Réau, B., 2016, "Is There a Field of Tourism Studies", European Journal of Tourism Research, 14, 5-15.

Réau, B., 2017, "Pour une sociologie des Tourism studies", In, Taunay, B., Guibert, C., Epistémologie des études sur le tourisme, Presses Universitaires de Rennes.

Réau, B., 2017, « Esquisses pour une analyse critique des Tourism studies », Revue Zilsel.

Wallace, M.L, Gingras, Y., Duhon, R., 2009, "A new approach for detecting scientific specialties from raw cocitation networks", JASIST, 60, 2, 240-246.

Haut de page

Notes

1 Esse recorte corresponde aos dados disponíeis no Web of Science. As primeiras revistas científicas sobre turismo são criadas na segunda metade dos anos de 1970. Não existem portanto lacunas cronológicas aqui.

2 Contudo, é necessário prudência nas interpretações dos resultados. De fato, no caso das Ciências Sociais, o WoS ( Web of Science) possui importntes limitações. Consultar Christine Kosmopoulos e Denise Pumain, « Révolution numérique et évaluation bibliométrique dans les sciences humaines et sociales », Revue européenne des Sciences sociales, 2008, XLVI, XLVI, 141, 2008, p. 73‑86 ; Vincent Larivière et al., « The place of serials in referencing practices: Comparing natural sciences and engineering with social sciences and humanities », Journal of the American Society for Information Science and Technology, vol. 57, no 8, 2006, p. 997‑1004. ; Yves Gingras, Les dérives de l’évaluation de la recherche. Du bon usage de la bibliométrie, Raisons d’agir, 2014. Agradeço a Yves Gingras e sua equipe pela construção dos gráficos, assim que pelos preciosos conselhos.

3 « The data suggest that the power of the tourism industry in the research process has increased recently. How all this shaped the quality of knowledge production would be important to know ». (Nash, 2007, p. 272). Esta nova repartição é também um inidicador de um novo recorte institucional sobre o qual seria necessário um apanhado histórico. E necessário interrogar-se notadamente sobre as condições de institucionalização de uma disciplina, sobre a posição dos “departamentos” na hierarquia institucional de acordo com o país, os períodos, etc.

4 No que diz respeito à metodologia foi realizada a aplicação do algoritmo de modularidade de Louvain. Consultar Matthew L. Wallace, Yves Gingras e Russell Duhon, "A new approach for detecting scientific specialties from raw cocitation networks", JASIST, vol. 60, n ° 2, 2009, p. 240-246. O software Gephi foi utilizado para limitar a importância dos autores de acordo com o seu peso nas cocitações para cada período (como indicado na legenda de cada gráfico).

5 O fenômeno não é exclusivo ao estudos de turismo, mas diz respeito a todos os campos da ciência (Yves Gingras, Sociologia das Ciências, PUF, 2013). Em relação aos estudos de turismo no mundo anglo-saxão, saltamos de duas revistas no início dos anos 1980 para 79 referenciadas em 2017 (http://www.scimagojr.com), incluindo 18 na Web of Science e 11 revistas pluridisciplinares. Para esses 11 últimos periódicos, passamos de 30 artigos em 1980 para 5853 em 2013, dos quais cerca de 3400 para duas revistas (Anais de Pesquisa Turística e Gestão de Turismo).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Autores cocitados em todos os artigos de revistas da lista publicados entre 1980 e 1991. Limitado aos autores cocitados três vezes ou mais.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/2369/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 2: Autores cocitados em todos os artigos dos periódicos publicados entre 1992 e 2002. Limitado aos autores cocitados cinco vezes ou mais.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/2369/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 3. Autores cocitados em todos os artigos das revistas listadas entre 2003 e 2013. Limitado aos autores citados dez vezes ou mais
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/2369/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Bertrand Réau, « A Produção Científica no campo do turismo (Tourism Studies) : uma abordagem bibliométrica », Via [En ligne], 13 | 2018, mis en ligne le 01 septembre 2018, consulté le 16 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/2369

Haut de page

Auteur

Bertrand Réau

Mestre de conferência em Sociologia, Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Pesquisador no Centro Europeu de Sociologia e Ciências Políticas (CNRS-EHESS-Paris 1)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals