Navigation – Plan du site

Resgatando a política na pesquisa sobre redes no turismo

Dianne Dredge
Traduction de Rita de Cassia Ariza da Cruz
Cet article est une traduction de :
Rescuing policy in tourism network research [en]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Pour une approche politique des réseaux dans la recherche en tourisme [fr]

Résumé

As redes fornecem uma lente poderosa para entender as relações complexas que estão transformando a vida social, econômica e política. Por meio de uma discussão sobre os vários caminhos da pesquisa sobre redes no turismo, este artigo argumenta que as questões políticas passam através e ao longo dessas vertentes. Em vez de defender um interesse crescente na pesquisa sobre redes na política de turismo como um sub-campo separado, o artigo defende um envolvimento teórico mais profundo com as dimensões políticas da pesquisa sobre redes no turismo. Ao adotarem uma ontologia de rede, pesquisadores poderiam obter percepções consideráveis e abrir novas linhas de investigação sobre o que realmente está acontecendo se eles se envolverem, desvelarem e criticarem teorias, ferramentas, estruturas e conceitos da política e da ciência política.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1As redes fornecem uma lente poderosa para entender as relações que transformam a vida social, econômica e política (Eriksson, 2005; Roelofs, 2009). Nos estudos sobre turismo, a metáfora da rede foi adotada, adaptada e hibridizada para refletir diversas influências disciplinares como negócios ou sociologia, e as contribuições variaram de investigações descritivas, exploratórias e explicativas sobre redes de turismo a recomendações prescritivas e normativas sobre "boa" governança de rede. (Peterson, 2003). No processo, a pesquisa sobre redes no turismo se diversificou e novas abordagens surgiram, incluindo a Actor Network Theory (ANT) (p. ex., Johannesson, 2005; van der Duim, Ren e Johannesson, 2013), redes de políticas (eg Pavlovich, 2003, 2014; Dredge , 2006a, 2006b; Duffy, 2006), redes de governança interorganizacionais (por exemplo, Beaumont & Dredge, 2010; Volgger & Pechlaner, 2015) e redes de negócios (por exemplo, Thomas, 2012).

2Este artigo examina o atual estado da arte na pesquisa sobre redes no turismo. Busca consolidar a literatura relativamente fragmentada sobre redes nas políticas de turismo, a partir de minhas próprias contribuições e outras literaturas. Este paper argumenta que o problema não é que a política está faltando, mas que a pesquisa em rede tornou-se tão preocupada com a descrição de questões relacionais que os efeitos e conseqüências mais profundos das redes na formulação de políticas e na condução do turismo se tornaram menos importantes. Minhas contribuições iniciais para a pesquisa sobre redes no turismo, junto com Pavlovich (2003), procuraram usar as redes como uma lente ontológica para explorar o que realmente estava acontecendo na elaboração de políticas de turismo. No entanto, uma década de pesquisa revela que a descrição tem dominado a pesquisa sobre redes no turismo, e a compreensão dos efeitos das redes, suas operações, fluxos e conseqüências em termos do que acontece no turismo foi negligenciada. No processo, os conhecimentos teóricos sobre o poder, a política, a influência e a dinâmica do conhecimento são minimizados. No lugar de defender um interesse crescente na pesquisa sobre rede na política de turismo como um sub-campo separado, o artigo defende um envolvimento teórico mais profundo com as dimensões políticas na pesquisa sobre redes no turismo. Pesquisadores adotando uma perspectiva de rede poderiam obter percepções consideráveis e abrir novas linhas de investigação sobre o que realmente está acontecendo se eles se envolverem, desvelarem e criticarem a política de turismo através de uma lente de rede. O objetivo deste trabalho é, então, explorar a origem, a evolução e as possibilidades de pesquisas futuras relacionadas a questões políticas na pesquisa sobre redes no turismo. O paper baseia-se em um pequeno conjunto de pesquisa em rede sobre política de turismo, incluindo minhas próprias contribuições durante um período de 10 anos (ver Dredge 2006a, 2006b; Dredge & Pforr, 2008; Dredge e Thomas, 2009; Beaumont & Dredge, 2010) e que fornece a base para o trabalho mais recente sobre complementaridades da política (DRAGY, 2015a) e governança em rede (DRAGGE, 2015b) e dinâmicas do conhecimento sobre redes no turismo (DRAGEM 2015c).

Definindo o domínio das redes nas políticas de turismo

3Dada a natureza difusa de conceitos-chave, incluindo turismo, política e redes, o foco aqui está nas redes concebidas como constelações de relações sociais que contribuem para a elaboração de políticas de turismo. É importante ressaltar que essas ecologias relacionais geralmente se estendem além do turismo e da política, portanto, qualquer tentativa de definir as redes de políticas de turismo de qualquer maneira rígida é fútil. A própria política de turismo também é difícil de definir, mas é amplamente concebida como processos, decisões, ações e resultados de colaborações voltadas à condução do turismo (Hall & Jenkins, 1995). Essas redes também podem se estender aos campos de políticas aliadas, incluindo planejamento do uso da terra, transporte, desenvolvimento econômico e comunitário, que se sobrepõem ou implicam em turismo (DRAGGE, 2015a).

4Nessa concepção é importante não assumir quem é responsável pela política ou traçar limites conceituais em torno das redes que, inadvertidamente, incluem e excluem os atores. A política já foi considerada top-down e uma responsabilidade do setor público (Powell, 1990; Hall e Jenkins, 1995). No entanto, a visão atual de política inspirada no neoliberalismo sugere que a política de turismo é o resultado da colaboração entre governo, empresas e sociedade civil e a responsabilidade é dispersa (Dredge e Jenkins, 2006). Como resultado, os pesquisadores em rede interessados na formulação de políticas de turismo devem seguir o fluxo das idéias, influência, poder e conhecimento na formulação da política, e como esses fatores moldam a condução do turismo.

5Estudos sobre redes políticas buscam escavar as características, os impactos e as conseqüências dessas ecologias relacionais (c.f. Hajer, 2003; Rochelaeu, 2008). A pesquisa sobre redes na política extrai inspiração teórica de uma ampla gama de modelos, estruturas e teorias da política e da análise da política (policy analysis), e se estende desde prescrições normativas de redes "boas" ou eficazes até explorações críticas sobre poder, idéias, recursos e autoridade (Dredge & Pforr, 2008). A pesquisa inspirada na Actor Network Theory (ANT) também pode buscar romper as formas de entender a política, buscando, por exemplo, novos tipos de atores não humanos, como risco, impacto, inovação e bem público, conceitos que se tornam tão emaranhados em termos sócio-materiais que podem levar uma vida própria nas discussões sobre política (Am, 2015). Nesse sentido, é importante estar aberto a diferentes abordagens ontológicas e epistemológicas para a pesquisa sobre redes no turismo e as contribuições desses diversos desenvolvimentos na compreensão, explicação e execução de políticas de turismo.

Origem e evolução do pensamento sobre redes

6A metáfora da rede tem vários antecedentes históricos nas ciências sociais (por exemplo, na teoria dos grafos, ver Baggio, Scott & Cooper, 2010); em sistemas de infra-estrutura (ver Borgatti, Mehra, Brass & Labianca, 2009); na sociologia (Mitchell, 1974); e na ciência política (ver Heclo, 1978). Nos estudos organizacionais, as redes podem ser rastreadas até o pensamento sistêmico no final do século XIX e início do século XX, em que a "hierarquia" forneceu uma metáfora para representar a organização estruturada, multinível e multissetorial dos governos. Sob o influente trabalho de Frederick Winslow Taylor, Principles of Scientific Management (1919), formas hierárquicas de organização dos setores público e privado, baseadas na especialização da força de trabalho e das tarefas, foram consideradas altamente eficientes e mais produtivas. Essa metáfora da hierarquia dominou a maior parte do século XX, mas em 1981 o termo "sociedade em rede" foi cunhado como uma metáfora que captava a complexa organização social, econômica, espacial, cultural, ambiental e política das sociedades modernas (van Dijk, 1991 / 2012).

7Neste contexto, uma série de reviravoltas ontológicas ocorreram nas ciências sociais ao longo do último século, contribuindo para conceituações mais reflexivas, complexas e dinâmicas sobre a formulação de políticas. Entre elas estão a virada pós-estrutural, a virada relacional, a virada deliberativa, a virada comunicativa, a virada do novo institucionalismo e os sistemas de virada (ver Dryzek & Niemeyer, 2010). Juntas, essas mudanças contribuíram com reflexões sobre a natureza do poder, da política, do governo e de relacionamentos entre governo e empresas, onde as principais contribuições para o entendimento da política incluem:

8Mudanças na conceituação de espaços da política. Os espaços políticos tornaram-se mais fluidos, temporais e dinâmicos. O papel e o poder investidos nas pequenas políticas informais e nas redes informais tornaram-se cada vez mais reconhecidos ao lado do papel tradicional das políticas formais de grande porte na formulação de políticas (Flint, 2003). No turismo, Dredge e Thomas (2009) observaram que os processos relacionais de formulação de políticas transcendem diferentes fóruns, incluindo arenas de políticas formais para espaços informais, como estações de esqui e bares.

9Organização e coordenação complexas. A formulação de políticas é menos estruturada, coordenada e hierárquica do que se pensava anteriormente (Fischer, et al. 2015). A ação política nem sempre é de cima para baixo (top down), nem se conforma às estruturas e práticas formais do governo. Os atores promovem agendas diferentes baseadas em interesses próprios e mútuos, às vezes de forma simultânea (Beaumont & Dredge, 2010).

10Responsabilidades distribuídas. As responsabilidades são diferenciadas, distribuídas e negociadas (Rhodes, 1990; van Buren, Klijn & Koppenjan, 2003). Houve uma mudança de uma visão de responsabilidade top-down centralizada no governo para uma visão em que atores interdependentes público-privados compartilham, negociam, co-criam e assumem responsabilidades, que podem ser formalmente reconhecidas ou informais (Dredge & Jenkins, 2012).

11Compressão de tempo e espaço. As redes são fluidas ao longo do tempo e do espaço (Eriksson, 2005). Tempo e espaço são duas lógicas organizadoras que sustentam os entendimentos tradicionais da formulação de políticas. Por exemplo, a política tem sido tradicionalmente discutida e analisada usando-se ferramentas, teorias ou conceitos com uma dimensão de tempo inerente (isto é, ciclos da política, processos e cronogramas) e uma dimensão espacial (por exemplo, formulação de políticas nacionais, regionais e locais). No entanto, a pesquisa em rede conclui que a formulação de políticas raramente é linear ou seqüencial (Jann & Wegrich, 2007) e, muitas vezes, não há começo nem fim (Pavlovich, 2014). A fluidez de atores e questões do global para o local significam que a formulação de políticas é melhor descrita como não-escalar e líquida (DRAGGE & JAMA, 2013).

12Co-produção de conhecimento. A (co) criação do conhecimento na formulação da política é um exercício sociocultural (Sabatier & Jenkins-Smith, 1993). O conhecimento no processo político foi historicamente conceituado como um exercício técnico racional e um input constante. No entanto, passou a ser visto como co-produzido dinamicamente na problematização de questões, na negociação de responsabilidades e na co-criação de ações.

13A conseqüência dessas mudanças na maneira como os governos governam é que as teorias científicas racionais e top-down sobre a elaboração de políticas de turismo foram postas de lado em favor de formas relacionais negociadas de formulação de políticas público-privadas. Noções de formulação de políticas como um processo científico racional compreendendo estágios claros foram rejeitadas (por exemplo, Hogwood & Gunn, 1984), e a realidade confusa do desenvolvimento de políticas contribuiu para explicações de processos políticos dinâmicos, complexos e desordenados (Rhodes, 1990; Hall, 2011; Pierce, Martin & Murphy, 2011). Não surpreende que as redes e sua linguagem (por exemplo, nós, redes, vínculos fortes / fracos, links, clusters etc.) tenham se tornado cada vez mais úteis para entender as ecologias relacionais que produzem políticas e orientam o turismo.

Visão geral da pesquisa sobre redes no turismo

14Redes no turismo têm recebido atenção variada de pesquisa nos últimos 20 anos. van der Zee e Vanneste (2015) realizam uma revisão sistemática de literatura e análise de citações relacionais de pesquisas sobre negócios turísticos e rede de política de turismo. Sua pesquisa revela grupos de pesquisa temáticos (baseados em palavras-chave) com ênfase em políticas, ênfase nos negócios, uma ênfase de "cooptação" relacional e ênfase na configuração da rede. Eles observam, em primeiro lugar, que falta uma ênfase holística e que há pouca fertilização cruzada entre esses grupos de pesquisa. Em segundo lugar, eles argumentam que a atenção explícita aos métodos está faltando e que os artigos muitas vezes não fornecem evidências firmes das alegações feitas (van der Zee & Vanneste, 2015). Embora a revisão bibliográfica de van der Zee e Vanneste (2015) seja extensa, eles não explicam os diferentes fundamentos ontológicos, epistemológicos ou axiológicos que sustentam a pesquisa em rede. No entanto, essas buscas poderiam revelar diferenças e semelhanças na forma como vários fluxos de redes são enquadrados; eles poderiam iluminar os valores e pressupostos que sustentam diferentes abordagens de pesquisa; e eles poderiam ajudar a iluminar os diferentes tipos de conhecimento produzidos sobre as redes no turismo.

15Em outra análise do campo, Volgger e Pechlaner (2015) realizam uma “revisão seletiva e crítica do estado da arte” das redes de governança do turismo. Eles fornecem uma reflexão temática sobre o uso de redes como uma ferramenta de gestão, mas não articulam claramente as características e diferenças ontológicas e epistemológicas da pesquisa sobre redes no turismo. Eles assumem que as redes de turismo têm o propósito de organizar e direcionar os destinos para uma maior competitividade, inovação e eficiência, e não se engajam crítica ou teoricamente com as conseqüências, impactos ou objetivos finais das redes como construções sociopolíticas.

16Em outra revisão de literatura, Baggio, Scott e Cooper (2010) esboçam uma posição epistêmica para a pesquisa sobre redes sociais de turismo. Esses autores são influenciados pela ciência em rede, inspirando-se na modelagem matemática associada à teoria dos grafos e análise de redes sociais (SNA). Eles reconhecem as características complexas, dinâmicas e escalares das redes, embora seus métodos tendam a favorecer o regional e um nível relativamente local de análise. Sua adoção de metodologias positivistas que empregam a física estatística para analisar a estrutura e os relacionamentos da rede leva a metodologias estruturadas de modo fortemente quantitativo e conhecimentos produzidos como topologias de rede. A interpretação dessas topologias exige, então, a coleta de dados de entrevistas qualitativas para obter uma explicação mais profunda. Seu trabalho é amplamente voltado para a captura de insights sobre as características da rede de destino. Sua perspectiva científica e escolhas metodológicas revelam descrições instantâneas de redes delimitadas por tempo e espaço. Entrevistas são usadas para revelar conexões relacionais dinâmicas. Além disso, essas abordagens são menos sensíveis a interconexões espaciais, físicas e temporais indiretas ou invisíveis que podem ser perdidas como resultado da escolha da escala, de respondentes e de processos de coleta de dados. Essa pesquisa tende a concentrar-se na estrutura atual de constelações relacionais de atores humanos e não trata diretamente de questões políticas, fluxos de poder, recursos e influência. Como resultado, este tipo de pesquisa sobre redes no turismo revela pouco sobre como as relações de rede sócio-econômico-políticas mais amplas constituem uma ação política e como, em um processo interativo, as ações políticas constituem redes relacionais.

17As explorações de turismo da ANT podem questionar a constituição da política de turismo e, inversamente, como a formulação de políticas de turismo contribui para a constituição de relações (p. ex., Johannesson, 2005; Ren, Bjørst & Dredge, 2016). A ANT certamente tem seus críticos. Ela foca em traduções etnográficas que seguem atores humanos ou não humanos (van der Duim, Ren & Jóhannesson, 2017). Ela tende a “pegar leve” em teoria e, em minha própria leitura deste trabalho, tende a emprestar, às vezes superficialmente, construtos teóricos e disciplinares mais profundos, presentes na política, sem assumir a responsabilidade de onde essas idéias vieram. A ANT pode, portanto, deixar de atender à necessidade dos pesquisadores de políticas de entender e teorizar concretamente sobre a formulação de políticas, o papel do governo, o poder e assim por diante. Além disso, a ANT tem sua própria linguagem, utiliza metáforas como nós, laços, links, malha e fixidez / fluidez e é criticada por ser densa e especializada (Law & Callon, 1988; van der Duim, et al., 2017). Ela também se afasta de termos e conceitos teóricos, incluindo aqueles comumente usados no estudo da política e da formulação de políticas (por exemplo, público / privado, governo / não-governo, poder / conhecimento, materialidade / sociabilidade, estrutura / agência) (Law, 1999), e ao fazê-lo, pode reproduzir entendimentos semelhantes àqueles já produzidos na política, mas usando um jogo de linguagem diferente. A ANT pode oferecer, no entanto, entendimentos altamente contextualizados sobre o estabelecimento de políticas questionando “... a maneira pela qual [atores em contextos específicos] definem e distribuem papéis e mobilizam ou inventam outros para desempenhar esses papéis” (Law & Callon, 1988, p.285). ). Como resultado, as explorações da ANT oferecem insights criativos e altamente específicos (e potencialmente fragmentados) sobre aspectos como risco, interesses dos atores, impactos ou estratégias-dimensões às quais uma análise da formulação de políticas poderia ser atrelada (Am, 2015).

18Esta breve revisão sobre várias abordagens para analisar as redes de turismo revela divergências consideráveis ​​e ênfases distintas sobre como a política - definida como ações público-privadas direcionadas para a condução do turismo - é operacionalizada (ou não) na pesquisa sobre redes. Por exemplo, como o espaço é tratado; como os fluxos materiais e não materiais são reconhecidos; como atores humanos e não humanos são contabilizados; como a noção de fronteiras e infinitude de relações são tratadas; e como a escala é tratada, são todos os pontos de diferença (ver Pierce et al., 2011; Wittle & Spicer, 2008). Essas diferenças resultam na adoção de diferentes métodos, e produzem diferentes percepções e afirmações de conhecimento. Como resultado, os pesquisadores de redes costumam dedicar uma quantidade considerável de tempo à definição do conceito de rede e suas aplicações empíricas (Petersen, 2003; Beard, Scarles & Tribe, 2016). Questões políticas são tecidas através dessas discussões, mas raramente os autores contemplam o que essa coisa chamada política realmente é, e como as discussões teóricas de poder, influência, conhecimento e política podem ajudar a explicar o que eles observam. Preferem, em vez disso, não problematizar a política e, ao fazê-lo, conhecimentos mais profundos sobre a ação política e o “quem”, “como” e “por que” da direção do turismo permanecem inexplorados.

Resgatando a política na pesquisa sobre redes

19Então, por que a política permanece obscura na pesquisa sobre rede, apesar de haver um crescente consenso em torno de uma visão em rede do mundo? Verdade seja dita, muitos pesquisadores e estudantes pensam que a política é alienante e que a política é desinteressante (Wittenberg, 2013). Tais atitudes fazem com que a relevância e a contribuição de muitas pesquisas de turismo sejam interrompidas se pesquisadores e estudantes não puderem interpretar suas pesquisas dentro do contexto político e identificar percepções politicamente astutas sobre as ações público-privadas necessárias para orientar o turismo. Claramente, precisamos resgatar a política de tais suposições inúteis e reabilitar tanto o interesse em quanto o potencial da pesquisa sobre redes na política de turismo como um meio de revelar o que realmente está acontecendo e o que nós, atores de um mundo relacional , podemos fazer sobre isso.

20Este artigo conceituou a política como um conjunto de relações confusas, dinâmicas, não-escalares e carregadas de valores, questões, agendas e ações nas quais os atores se envolvem, direta e indiretamente, na condução do turismo. Entender como funciona essa direção, a distribuição de benefícios, quem ganha e quem perde são questões importantes para a pesquisa. Então, como podemos resgatar a política de mal-entendidos antiquados e a condição ultrapassada de ser modernista, técnica e responsabilidade do Estado? Como podemos resgatar a política e torná-la relevante novamente? Podemos revitalizar questões políticas e preocupações na pesquisa sobre redes de turismo? Como podemos liberar a política de ser uma questão tangencial ou periférica na pesquisa sobre rede no turismo?

21Conforme explorado acima, uma série de razões amplas sustentam a pesquisa sobre rede no turismo. Essas perspectivas podem nos fornecer as ferramentas para resgatar a política na pesquisa sobre redes no turismo. Uma ênfase gerencial se concentra na produção de recomendações, como boas configurações e práticas de rede. Uma ênfase técnica aplica critérios, muitas vezes derivados de valores neoliberais, como governança eficaz, responsabilidade, competitividade e eficiência, para identificar ações e estratégias para melhorar a governança. Algumas pesquisas sobre rede enfocam questões epistemológicas e os métodos e abordagens de desenvolvimento para entender os aspectos relacionais do desenvolvimento do turismo. Esta é de fato um amplo templo de pesquisa que pode se inspirar, por exemplo, em estudos críticos de políticas, geografia econômica evolucionária e sociologia política. Essas perspectivas têm sido utilizadas para entender melhor quem ganha e perde, a relacionalidade dos atores, os fluxos de conhecimento e idéias, a dependência da trajetória e a plasticidade da trajetória da política, quais atores são centrais, periféricos e / ou marginalizados e quais são as conseqüências de suas ações, comportamentos e práticas na formulação de políticas. Outras pesquisas, como a ANT, enfocam as rupturas ontológicas, adotando formas radicais de entender as redes (por exemplo, atores humanos e não humanos, a sócio-materialidade, etc.).

22Em minhas próprias contribuições, sempre procurei agregar valor à pesquisa sobre redes no turismo, adotando diferentes ferramentas teóricas e temáticas, e para explorar a natureza e a influência do governo, do setor privado e das relações com a comunidade na orientação do turismo. Os seguintes temas continuam a representar potenciais lifelines para o resgate de políticas, para revitalizar e tornar a política importante na pesquisa sobre redes:

23Poder, conhecimento e influência. As raízes tradicionais dos estudos de políticas são encontradas na compreensão de como poder, interesses e conhecimento influenciam as decisões e têm um efeito geral na direção das sociedades (Hill & Varone, 2016). Estudar o poder, o conhecimento e a influência nas redes no turismo pode revelar importantes insights sobre como, por que e onde o turismo está sendo conduzido (DRAGGE, 2006b).

24Política e valores. A política é carregada de valores, mas tem sido frequentemente disfarçada de isenta de valores e objetiva sob as noções modernistas científicas racionais de política. O estudo das redes de turismo pode revelar conhecimentos sobre como os valores emergem dinamicamente na política, como são traduzidos, recebem significado e progridem nas relações sociais para influenciar quais ações são tomadas. Análises comparativas de redes formadas sob diferentes sistemas de valores podem revelar pontos fortes e fracos de diferentes resultados de políticas (Dredge & Thomas, 2009; Beaumont & Dredge, 2010).

25Papel do governo, atores não governamentais e interesse público. Apesar de os governos terem sido descentralizados na política, eles ainda têm um papel central, pelo menos teoricamente, na proteção do interesse público e na administração dos bens comuns. A revitalização de preocupações políticas na pesquisa sobre redes no turismo pode revelar conhecimentos importantes sobre a mudança do papel do governo e na proteção do interesse público e recursos comuns (Dredge & Thomas, 2009).

26A constituição dinâmica do lugar, significado e ação. Estudos sobre rede nas políticas de turismo têm um potencial significativo para revelar a interação entre as características estruturais do turismo e a dinâmica relacional do lugar. A adoção de uma lente política na pesquisa de redes no turismo pode nos levar a pensar além das características de atores individuais ou grupos de atores (por exemplo, coalizões de defesa), levando em consideração as tecnologias, dinâmicas e práticas de formulação de políticas, a influência do conhecimento embutido e as ideologias cambiantes como neoliberalismo e gestão pública (Dredge & Jamal, 2013).

27Práticas dos stakeholders. A pesquisa sobre redes no turismo com foco em política pode desmembrar como a política de turismo é constituída por meio de constelações de redes interdependentes heterogêneas e sem escala, formadas por atores governamentais, empresariais e da sociedade civil. Estudos também buscaram compreender aspectos específicos da formulação de políticas, incluindo o papel e a influência de redes sobre democracia participativa, sistemas de governança (DRAGGE, 2006a; Anastasiadou, 2008), gatekeepers e chaves fronteiriças (Presenza & Cipollina, 2010) sobre acesso à formulação de políticas. e inovação na política de turismo (Halkier, 2014).

28Características de policyscapes de turismo. Uma lente política na pesquisa sobre redes no turismo nos permite traçar mudanças de visão do mundo social e mapear uma visão fluida e descentralizada do turismo. Isso representa um ponto de partida de uma visão centrada no estado que muitas vezes emerge das análises que adotam uma lente organizacional (p. ex., DMO) (Dredge & Jenkins, 2007, 2012; Dredge & Jamal, 2013).

29Mobilidades de política de turismo. O aumento dos estudos de mobilidades nos últimos 10 anos estimulou o interesse em compreender como as idéias e abordagens de políticas são transferidas, como elas se transformam, são montadas e enxertadas em diferentes sistemas e culturas institucionais. Os estudos de política de turismo adotando uma lente de mobilidades também nos permitiram descobrir o fluxo de idéias, conhecimento e soluções, mas também levantaram questões sobre a eficácia das estruturas de governança existentes, onde as partes interessadas, capital e comunidade são altamente móveis (Dredge & Jamal, 2013).

30Em retrospectiva, minhas próprias contribuições para esses temas foram fragmentadas, impulsionadas por conversas colegiais vibrantes (identificadas por co-autoria), compromisso com o envolvimento teórico em estudos críticos de gestão, políticas e estudos de governo e observações reflexivas in-situ durante o trabalho de consultoria política. Recursos suficientes e sustentados para a pesquisa de políticas de turismo são quase impossíveis de se assegurar em um mundo cada vez mais impulsionado por trabalhos por projeto e pela pesquisa baseada em questões. Os formuladores de políticas vinculados à prática dos mundos e conjuntos de valores, e desconfortáveis por não terem um controle rígido sobre os resultados da pesquisa, criam um desafio adicional. Dito isso, um tema importante emergente nas ciências sociais em geral, e na pesquisa sobre rede em particular, é a necessidade de desacelerar o processo de pesquisa, e ouvir e apreciar os valores, comportamentos, esperanças e desenvoltura dos atores, e capturar como política e ação são constituídas reiterativamente.

31Enquanto consumidores de tempo e de trabalho intensivo, estudos de caso no interior de comunidades utilizando etnografias políticas, etnografias institucionais e histórias permitem aos pesquisadores se envolver em e se posicionar como atores dentro das redes que estão estudando, e através de investigação colaborativa, co-criar entendimentos e ações (Scott & Davis 2003; Dredge & Hales, 2012). Metodologias quantitativas que empregam muitos dados fornecem outro meio de compreender como, onde e por que as redes estão moldando os discursos sobre políticas de turismo. Por exemplo, as mídias sociais estão tendo um impacto significativo na forma como as questões de economia colaborativa são enquadradas no turismo (p. ex., Dredge et al, 2016). Big Data pode ajudar os formuladores de políticas a entender como as questões políticas se formam, baseando-se em conceitos tradicionais, como as coalizões de defesa, para revelar o impacto das bolhas de informação e “tempestades de informação” (Wiewiura & Hendriks, 2017). O design centrado no ser humano e as metodologias experimentais que empregam mecanismos de incentivo também podem fornecer oportunidades de pesquisa para avaliar a aceitação da ação em diferentes redes no turismo.

Conclusões

32O objetivo deste artigo foi explorar a origem, a evolução e as possibilidades de pesquisa na pesquisa sobre rede no turismo e sobre política. Isto também forneceu a oportunidade para esta autora refletir criticamente sobre uma década de pesquisa sobre redes na política de turismo e considerar futuras direções. O artigo revelou que as redes são mais do que uma ferramenta conceitual ou um meio de análise, elas se tornaram “um horizonte de pensamento e ação” (Erikkson, 2005a, p.218). As redes tornaram-se uma pré-condição para a forma como pensamos sobre a sociedade; elas nos dizem que não há sistema fechado, nem interior e exterior; o mundo não é estático, nem podemos concebê-lo como um sistema estruturado de regras e relações pré-formuladas. Isso sugeriria que nada é realmente governável em um mundo fluído em rede sem escala. Além disso, à medida que os processos de globalização e mobilidades de capital, trabalho, negócios, turistas e residentes se aceleram, a formulação de políticas de turismo continuará a ser um desafio. Sob essa luz, este texto defendeu o revigoramento da política na pesquisa sobre redes no turismo. No lugar de defender um interesse crescente na pesquisa sobre rede na política de turismo como um sub-campo separado, o paper defendeu um envolvimento teórico mais profundo com as dimensões políticas na pesquisa sobre redes no turismo. Especificamente, os pesquisadores que adotarem uma ontologia de rede poderiam obter conhecimentos consideráveis ​​e abrir novas linhas de investigação sobre o que realmente está acontecendo se eles se envolverem, desvelarem e criticarem teorias, ferramentas, estruturas e conceitos de política e ciência política. Revitalizar a política na pesquisa sobre rede no turismo nos permite construir um quadro complexo, dinâmico, multi-ator e relacional de como a política é formulada e como o turismo é dirigido por meio das ecologias colaborativas dos setores público-privado.

Haut de page

Bibliographie

Am, H. (2015). Coproduction of public policy: evidence, uncertainty and socio-materiality. Fischer, F., Torgerson, D., Durnová, A., & Orsini, M. (Eds). Handbook of critical policy studies. (pp.297-315)

Anastasiadou, C. (2008). Tourism interest groups in the EU policy arena: Characteristics, relationships and challenges. Current Issues in Tourism, 11(1), 24–62. http://doi.org/10.2167/cit326.0

Baggio, R., Scott, N., & Cooper, C. (2010). Network Science: A review focused on tourism. Annals of Tourism Research. 37(3), 802-827.

Beard, L., Scarles, C., & Tribe, J. (2016). Mess and method: Using ANT in tourism research. Annals of Tourism Research, 60, 97–110.

Beaumont, N. & Dredge, D. (2010). Local tourism governance: A comparison of three network approaches. Journal of Sustainable Tourism, 18, 7–28.

Borgatti, S. P., Mehra, A., Brass, D. J., & Labianca, G. (2009). Network analysis in the social sciences. Science, 323, 892–895. http://doi.org/10.1126/science.1165821

Dredge, D. (2006a). Networks, Conflict and Collaborative Communities, Journal of Sustainable Tourism, 14(6): 562-581.

Dredge, D. (2006b). Policy Networks and the Local Organisation of Tourism. Tourism Management, 27(2): 269-280.

Dredge, D. (2015a). Short-term versus long-term approaches to the development of tourism-related policies. In Haxton, P. (2015), “A Review of Effective Policies for Tourism Growth”, OECD Tourism Papers, 2015/01, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5js4vmp5n5r8-en

Dredge, D. (2015b). Tourism and Governance. In Moscardo, G. & Benckendorff, P. (eds.), Education for Sustainability in Tourism: A Handbook of Processes, Resources, and Strategies, Springer (pp.75-90).

Dredge, D. (2015c). Tourism-planning network knowledge dynamics, In Knowledge Networks and Tourism, McLeod M., and Vaughan, R. (Eds). Routledge: Abingdon. (pp.9-27).

Dredge, D., Gyimóthy, S., Birkbak, A., Jensen, T. E., & Madsen, A. K. (2016). The impact of regulatory approaches targeting collaborative economy in the tourism accommodation sector: Barcelona, Berlin, Amsterdam and Paris. Impulse Paper No.9. Brussels.

Dredge, D. & Hales, R. (2012). Community case study research. In Handbook of Research Methods in Tourism: Quantitative and Qualitative Approaches. Dwyer, L., Gill, A. & Seetaram, N. (Eds). pp.417-437. Edward Elgar Publishing

Dredge, D. & Jamal, T. (2013). Mobilities on the Gold Coast, Australia: Implications for Destination Governance and Sustainable Tourism, Journal of Sustainable Tourism. 21(4), 557-559.

Dredge, D. & Jamal, T. (2015). Progress in tourism planning and policy: A post-structural perspective on knowledge production, Tourism Management. 51, 285-297

Dredge, D. & Jenkins, J. (2007). Tourism planning and Policy. Wiley & Sons: Brisbane.

Dredge, D. & Jenkins, J. (2012). Australian National Tourism Policy: Influences of reflexive and political modernization. Tourism Planning and Development, 9(3), 231–251.

Dredge, D. and Pforr, C. (2008). Tourism policy networks. In Network Analysis and Tourism: From theory to Practice. Channel View Publications. C. Cooper, N. Scott & R. Baggio (eds). pp.58-78

Dredge, D. & P. Thomas. (2009). Mongrel Management, Public Interest and Protected Area Management in the Victorian Alps, Australia, Journal of Sustainable Tourism, 17(2): 249-267.

Dryzek, J.S. & Niemeyer, S. (2010). Deliberative turns. Foundations and frontiers of deliberative governance. Oxford: Oxford University Press.

Duffy, R. (2006). Global environmental governance and the politics of ecotourism in Madagascar. Journal of Ecotourism, 5(1–2), 128–144.

Erickson, M. (2012) Network as metaphor. International Journal of Criminology and Sociological Theory, Vol. 5, No.2, August 2012, 912-921

Erikksson, K. (2005). On the ontology of networks. Communication and Critical/Cultural studies, 2(4), 305-323.

Fischer, F., Torgerson, D., Durnová, A. & Orsini, M. (Eds). (2015). Introduction to critical policy studies, In Handbook of critical policy studies. Cheltenham: Edward Elgar. (pp.1-25)

Flint, C. (2003). Dying for a "P"? Some questions facing contemporary political geography. Political Geography, 22(6): 617-620.

Hall, C.M. & Jenkins, J. (1995). Tourism and public policy. Thomson: London.

Hall, C. M. (2011). A typology of governance and its implications for tourism policy analysis. Journal of Sustainable Tourism, 19(4/5), 437–457.

Halkier, H. (2014). Innovation and Destination Governance in Denmark: Tourism, Policy Networks and Spatial Development. European Planning Studies, 22(8), 1659–1670.

Hajer, M. 2003. A frame in the fields: policymaking and the reinvention of politics, In Hajer, M & Wagenaar, H. (eds) Deliberative policy analysis: Understanding governance in a networked society. Cambridge University Press: Cambridge & New York. (pp.88-110).

Heclo, H. (1978). Issue networks and the executive establishment.” In The New American Political System, A. King. (ed). Washington: American Enterprise Institute. (pp.87–123).

Hill, M. & Varone, F. (2016). The public policy process. 7th edition. Routledge: London & New York.

Jann, W. & Wegrich, K. (2007). Theories of the policy cycle. Fischer, F., Miller, G. & Sydney, M. (eds). Handbook of policy analysis: theory politics and methods, CRC publications: Boca Raton. (pp.43-62)

Johannesson, G.T. (2005). Tourism translations Actor–Network Theory and tourism research, Tourist Studies, 5(2) 133–150.

Kahler, M. (2009). Networked politics: agency, power and governance. In Kahler, M. (Ed) Networked politics: agency, power and governance. New York: Cornell University (pp.1-20).

Klijn, E., & Skelcher, C. (2007). Democracy and governance networks: compatible or not. Public Administration, 85(3), 587–608.

Law, J. (1999). After ANT: Complexity, naming and topology. In Hassard, J & Law, J. (ed.) Actor-Network Theory and After. Oxford: Blackwell Publishers.

Law, J. & Callon, M. (1998/95). Engineering and sociology in a military aircraft project: a network analysis of technological change. In Ecologies of knowledge: work and politics in science and technology. Star, S.L. (Ed.) pp.281-301. Albany: State University of New York Press.

Mitchell, C. (1974). Social Networks. Annual Review of Anthropology, 3, 279-299.

Pavlovich, K. (2003). The evolution and transformation of a tourism destination network: the Waitomo caves, New Zealand. Tourism Management, 24(2), 203-216.

Pavlovich, K. (2014). A rhizomic approach to tourism destination evolution and transformation. Tourism Management, 41, 1–8. http://doi.org/10.1016/j.tourman.2013.08.004

Peterson, J. (2003). Policy Networks. Institut für Höhere Studien (IHS), Wien Institute for Advanced Studies, Vienna.

Pierce, J., Martin, D. G. & Murphy, J. T. (2011). Relational place‐making: the networked politics of place. Transactions of the Institute of British Geographers, 36(1), 54–70. http://doi.org/10.1111/j.1475-5661.2010.00411.x

Powell, W. (1990). Neither market nor hierarchy: Network forms of organization. Research in Organizational Behavior, 12: 295–336.

Presenza, A. & Cipollina, M. (2010). Analyzing tourism stakeholder networks, Tourism Analysis, 65(4), 17-30.

Ren, C. Bjørst, L.R. & Dredge, D. (2016). Composing Greenlandic tourism futures: An Integrated Political Ecology and Actor-Network Theory Approach. In M Mostafanezhad, R Norum, EJ Shelton & A Thompson-Carr (eds), Political Ecology of Tourism: Community, Power and the Environment. London: Routledge. (pp.284-301).

Rhodes, R. A. W. 1990. Policy networks: A British perspective.” Journal of Theoretical Politics, 2 (3), 293–317.

Rocheleau, D. E. (2008). Political ecology in the key of policy: From chains of explanation to webs of relation. Geoforum, 39(2), 716–727. http://doi.org/10.1016/j.geoforum.2007.02.005

Roelofs, J. (2009). It Ain’t Necessarily So. American Behavioral Scientist, 52(7), 990–1005.

Sabatier, P. A., & Jenkins-Smith, H. C. (Eds.). (1993). Policy change and learning: An advocacy coalition approach. Westview Press.

Scott, W. R. & Davis, G. F. (2003). Networks in and around organizations. Organizations and Organizing. Pearson Prentice Hall.

Taylor, F. W. (1919). The principles of scientific management. Harper & brothers: Chicago.

Thomas, R. (2010). Academics as policy-makers: (not) researching tourism and events policy formation from the inside. Current Issues in Tourism, 14(6), 493–506. http://doi.org/10.1080/13683500.2010.534770

Thomas, R. (2012). Business elites, universities and knowledge transfer in tourism. Tourism Management, 33(3), 553–561. http://doi.org/10.1016/j.tourman.2011.06.009

van Buren, E. M., Klijn, E. H., & Koppenjan, J. F. M. (2003). Dealing with Wicked Problems in Networks: Analyzing an Environmental Debate from a Network Perspective. Journal of Public Administration Research and Theory, 13(2), 193–212.

van der Duim, R., Ren, C., & Johannesson, G. (2013). Ordering, materiality, and multiplicity: Enacting Actor-Network Theory in tourism. Tourist Studies, 13(1), 3–20. http://doi.org/10.1177/1468797613476397

van der Zee, E., & Vanneste, D. (2015). Tourism networks unravelled; a review of the literature on networks in tourism management studies. Tourism Management Perspectives, 15, 46–56. http://doi.org/10.1016/j.tmp.2015.03.006

van Dijk, J. (1981/2012). The Networked Society. Third Edition. Sage: Thousand Oaks.

Volgger, M., & Pechlaner, H. (2015). Governing networks in tourism: what have we achieved, what is still to be done and learned? Tourism Review, 70(4), 298–312. http://doi.org/10.1108/TR-04-2015-0013

Wittenberg, D. (2013) Most young people are interested in politics but alienated by politicians. The Guardian, November 1, 2013. https://www.theguardian.com/commentisfree/2013/oct/31/young-people-interested-politics-alienated

Whittle, A. & Spicer, A. (2008). Is Actor Network Theory Critique? Organization Studies, 29(4), pp. 611-629.

Wiewiura, J. S., & Hendricks, V. F. (2017). Informational pathologies and interest bubbles: Exploring the structural mobilization of knowledge, ignorance, and slack. New Media and Society, (first print) https://doi.org/10.1177/1461444816686095

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Dianne Dredge, « Resgatando a política na pesquisa sobre redes no turismo », Via [En ligne], 13 | 2018, mis en ligne le 01 septembre 2018, consulté le 21 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/2441 ; DOI : 10.4000/viatourism.2441

Haut de page

Auteur

Dianne Dredge

Department of Culture & Global Studies, Aalborg University, Copenhagen, Denmark.

Articles du même auteur

Haut de page

Traducteur

Rita de Cassia Ariza da Cruz

Universidade de São Paolo

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals