Navigation – Plan du site

A fabricação dos conceitos turísticos

Jean-Michel Decroly et Anya Diekmann
Traduction de Larissa Alves de Lira et Rita de Cassia Ariza da Cruz
Cet article est une traduction de :
La fabrique des concepts touristiques [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
The production of tourism concepts [en]
La fábrica de los conceptos turísticos [es]
La fabbricazione dei concetti turistici [it]
La fàbrica de conceptes turístics [ca]
Die Entstehung von touristischen Konzepten [de]

Texte intégral

Introdução

1Desde o fim dos anos 1960, o campo dos tourism studies é embalado por uma longa e dolorosa melodia que sublinha a falta de ambição teórica e a dispersão disciplinar desse domínio de estudos, o que contribuiria para sua falta de visibilidade científica e, para retomar a expressao de J. Tribe (1997), sua indisciplina. A propósito desse ponto de vista, A. Franklin e M. Crang (2001, p. 5) erigem um balanço inabalável no artigo que inaugura a aparição da revista Tourist Studies. Sempre ressaltando o caráter estimulante e pertinente da análise das práticas e das atividades turísticas, notadamente para fornecer uma melhor compreensão do processo de transnacionalização, os autores notam que, na falta de teorização, « os estudos turísticos são ultrapassados, fora de moda, repetitivos e sem vida ». Aos olhos dos dois autores, esta triste situação tem origem na combinação de muitos fatores. Os tourism studies sofreriam de uma orientação excessivamente operacional e, consequentemente, de uma forte dependência em relação às prioridades e aos interesses de curto prazo de financiadores de fundos públicos ou privados. Essa orientação teria sido reforçada pela influência crescente exercida pelas ciências da gestão e do planejamento sobre esse campo de pesquisa. Com efeito, de maneira sintomática, mais de 70% dos programas das escolas de turismo (e, portanto, da pesquisa) encontram-se sob o abrigo institucional de Business schools (Ateljevic, 2014). Num mesmo movimento, essa influência teria conduzido a uma fetichização do turismo enquanto produto e atividade econômica, a uma obsessão pelas classificações e taxonomias e a um tropismo para o positivismo, entendido como condição para o reconhecimento científico, em detrimento de concepções alternativas de abordagem intelectual. Enfim, a sub-teorização que caracterizaria os estudos turísticos resultaria de uma percolação muito lenta da teoria social em seu interior, sobretudo no que concerne às vertentes críticas dessa teoria.

2Recorrente na literatura anglo-saxã, essa reclamação é igualmente retomada pelos colegas oriundos de outras culturas científicas e linguísticas, notadamente de obras de alcance epistemológico (ver por exemplo Ethier, Morisset et Sarrasin, 2012). Portanto, é uma constatação largamente compartilhada. Contudo, se observarmos com mais detalhe, percebemos que a pesquisa em turismo não é um deserto teórico e que viu emergir novos conceitos próprios a seu objeto de estudo. O “sistema turístico”de J. Jafari (1985), o “Olhar do turista” (literalmente ‘o olhar fixo do turista’ ou o ‘olhar turístico’) de J. Urry (1990) ou ainda “o habitar poli tópico” de M. Stock (2006) testemunham, entre muitos outros conceitos, a vitalidade teórica nas pesquisas em turismo. Na linha dessas contribuições e animados por um desejo de participar do desenvolvimento da teorização dos estudos turísticos, trazemos o presente número da Via Tourism Review. Com este objetivo, solicitamos a colaboração de duas dezenas de colegas, de variadas origens, tanto sob o plano linguístico quanto disciplinar, que tenham forjado em seus trabalhos um novo conceito ou adaptado ao turismo um conceito pré-existente.

Uma abordagem reflexiva sobre a conceitualização

3Para proceder à seleção dos conceitos que desejávamos que figurassem neste número estivemos atentos a dois critérios.

4Primeiro, procuramos na produção científica contemporânea em turismo termos ou expressões (saídos de vocabulário corrente, neologismo ou combinações de palavras) que respondessem a dois atributos principais identificados por Ogden e Richards (1923) para definir um conceito: deveriam ter como objetivo a compreensão de fenômenos estudados (mais do que etiquetas colocadas sobre os fatos) [grifos do tradutor] e dispor sobre um universo empírico válido. Dito de outra maneira, termos ou expressões que jogassem um papel de ferramenta intelectual suscetível de contribuir com interpretações de observações ou experiências. A título de exemplo, e sem que tivéssemos tido a possibilidade de o incorporar, devido à morte recente de J. Urry, o conceito de « Tourist Gaze » responde plenamente a esses critérios, visto que contribuiu, tendo como base numerosos exemplos empíricos, à compreensão, não somente da emergência de um nova relação dos indivíduos com o mundo fundada sobre o visual, mas ainda da influência crescente do olhar turístico sobre a maneira de construir e produzir espaços materiais e imateriais.

5Segundo, no curso de nossa pesquisa, estivemos atentos em revelar conceitos que tomassem o turismo seriamente, seja por aportarem uma melhor compreensão da influência que este exerce sobre os valores, as normas, as condutas sociais, as relações sociais, as relações econômicas ou políticas, seja por fornecerem chaves de interpretação sobre maneiras de ser e de fazer próprias do turismo e de seus atores.

6Uma vez identificados os conceitos, assumimos a tarefa de suscitar um trabalho reflexivo por parte de seus autores. Nessa ótica, convidamos esses últimos a construir um exame detalhado da abordagem científica que contribuiu para forjar o conceito escolhido. Por esta via, desejamos colocar acento em certos aspectos do processo de produção do saber, examinando como se construíram as ferramentas intelectuais que permitiram uma melhor compreensão dos fenômenos turísticos. Cada autor recebeu especificações precisas em que era solicitado a explicitar de uma forma sintética (5.000 palavras no máximo), a gênese do conceito produzido, sua recepção na comunidade científica e sua evolução ulterior, seguida de novas observações empíricas ou de reações dos colegas. Pensamos com efeito que um conceito é mais que um ponto de chegada, mas um ponto de partida da atividade intelectual: cristalizando-se em um termo ou uma expressão para realizar interpretações prévias de um fenômeno, ele abre uma via para novos desenvolvimentos, pela confrontação com o terreno ou com concepções de outros pesquisadores.

Um desafio

7No momento em que a pesquisa científica é regida por princípios neoliberais de maximização da produtividade, de concorrência interpessoal e interuniversitária generalizada, além do recurso à bibliometria como única ferramenta de avaliação, nossa abordagem se revela um desafio. De fato, Via Tourism Review não figura, longe disso, nos « top journals » em tourism studies, não é publicada por uma grande editora privada e repousa sobre a contribuição voluntária de colegas preocupados em fazer progredir a compreensão do turismo por intermédio de uma revista plurilíngue, interdisciplinar e de livre acesso. Quando nos dirigimos aos autores, temíamos ver se multiplicarem as recusas educadas ou, mais prosaicamente, a ausência de resposta. No entanto, mesmo que alguns convites tenham restado letra morta, a maioria dos autores contatados demonstraram interesse pela abordagem. Bem entendido, registramos algumas desistências por razões de calendário, mas a maioria dos colegas não declinou do convite e se colocou, com entusiasmo, a realizar o exercício.

8Os leitores irão descobrir neste conjunto de artigos que tratam sobre conceitos tão variáveis quanto a invenção do lugar turístico, o turismo em si, a heritage scape, o pós-turismo, o potencial de justiça social pelo turismo ou a idéia de gentrificação turística.

9Este conjunto forma, à primeira vista, uma reunião aparentemente incoerente. Todavia, os conceitos apresentados se inscrevem no seio dos principais questionamentos sobre o turismo, que emergiram a partir dos anos de 1970, quando antropólogos, sociólogos e psicólogos sociais participaram da irrupção do campo do tourism studies. Na linha dos trabalhos de E. Cohen (1972) e D. Nash (1978) emergiu então uma concepção de turismo como um sistema contendo três dimensões em interação permanente: os visitantes e sua cultura, os lugares e as sociedades visitadas, e os múltiplos atores que contribuem para relacioná-los (Decroly, 2010). O primeiro desses componentes é abordado aqui pela via do artigo do sociólogo Dean MacCannel em que expõe a maneira pela qual, desde o fim dos anos de 1960, ele questionou os elementos sociopsicológicos determinantes do deslocamento e o levou, mobilizando ferramentas do cultural studies, a fazer da procura de uma experiência autêntica a motivação central dos turistas. Como ele nos lembra em sua contribuição, essa busca de autenticidade é em si guiada por um processo de caráter simbólico que conduz a que, entre inúmeros objetos que poderiam ser visitados, somente alguns tornam-se turísticos. Uma segunda vertente da análise de D. MacCannel retoma interrogações recorrentes a propósito do modo como se moldam os lugares turísticos e como estes e as sociedades são transformados pelo turismo. Três dos artigos reunidos inscrevem-se nessa linha. No primeiro, o antropólogo Michael Di Giovine retoma a gênese de sua análise sobre os sítios do patrimônio mundial e o modo como foram simbolicamente construídos pela UNESCO a fim de difundir um discurso simbólico « de unidade na diversidade ». O artigo do geógrafo Rémy Knafou, em seguida, estabelece a genealogia do seu conceito de invenção do lugar turístico, segundo o qual a utilização de um lugar existente pelo turismo resulta de uma nova leitura, de um novo olhar sobre este local, e conduz ao mesmo tempo a subvertê-lo e a ampliá-lo. Enfim, o sociólogo Kevin Fox-Gotham explica como foi conduzido a alargar o conceito de gentrificação, incorporando o processo de investimento turístico localizado, em  particular nos centros urbanos, que podem produzir tanto os efeitos de evicção das classes populares como de mutações residenciais.

10O terceiro elemento que compõe o sistema turístico é abordado pela via da contribuição de Dianne Dredge, doutora em tourism planning and policy, que concerne na análise das redes de atores turísticos e clama por uma melhor tomada de consciência da dimensão política dessas redes. Por meio de seu artigo sobre o potencial de justiça social alcançado pelo turismo, Freya Higgins-Desbiolles, doutora em relações internacionais, trata da interação entre os visitantes e os visitados e das condições para que esta interação tenha um caráter emancipador, tanto para uns, quanto para os outros, uma vez que esta interação se realiza em um “mundo mal” (de Lagasnerie, 2017). Enfim, no cruzamento desses diferentes componentes do sistema turístico, o geógrafo Philippe Bourdeau nos conta sobre o seu caminho intelectual que o levou a forjar o conceito de “pós-turismo”.

11Além dessas contribuições de caráter reflexivo, os autores são convidados a alimentar a rubrica « Fotografias », cara aos membros do comitê de redação da Via Tourism Review, propondo cada um deles uma fotografia comentada que ilustre seu modo de trabalho. Trata-se de uma outra maneira de mostrar a pesquisa tal como ela se produz.

Chaves de leitura

12Cada leitor, seja ele estudante, doutorando ou pesquisador experiente, encontrará nos artigos aqui reunidos matéria de reflexão. Descobrir o caminho tomado por colegas para fazer nascer os conceitos leva com efeito a se interrogar sobre seus próprios modos de produção do conhecimento e a de sacralizar a pesquisa teórica. Além disso, através dos textos apresentados neste número desenham-se como pano de fundo as condições de fabricação dos conceitos turísticos. Essas condições formam três famílias distintas, segundo diferentes graus de capacidade que o pesquisador tem de controlá-las.

13A primeira família constitui a tela de fundo do trabalho científico sobre o turismo. Reúne elementos do contexto sobre os quais o pesquisador não tem- ou tem muito pouco- controle. No momento da elaboração de um conceito, através do qual o pesquisador visa compreender a realidade e a maneira pela qual ele a formaliza, depende do que é o turismo neste exato momento, mas também, e mais largamente, quais são as relações sociais globais. Da mesma maneira, a conceitualização é influenciada pelo estado da arte do conhecimento sobre o turismo e mais amplamente sobre o mundo social. A segunda família de condições do trabalho científico sobre turismo compreende todos os aspectos que o pesquisador reúne, dando-lhe condições de imprimir sua marca, em particular a escolha das fontes de inspiração intelectual, o tempo e o espaço que ele dedica ao empírico e/ou ao terreno ou ainda a maneira de articular a pesquisa ao ensino. A terceira família de condições, enfim, reúne os elementos contextuais sobre os quais o pesquisador tem um domínio parcial, neste caso, os enquadramentos temporais, espaciais e relacionais de seu trabalho: o tempo que ele pode consagrar a seu objeto de estudo, o estabelecimento ao qual ele é ligado, as equipes e os colegas com os quais ele tem o hábito de partilhar e realizar suas pesquisas.

14Curiosamente, a primeira família de condições de realização da pesquisa é pouco evocada pelos contribuintes deste número. De fato, D. MacCannel constata que o modesto desenvolvimento do tourism studies no fim dos anos de 1960 condicionou parcialmente sua escolha de tomar o turismo como objeto de estudos. Sobre um outro plano, F. Higgins-Desbiolles sublinha que a concepção estreita de turismo em vigor no momento de ascensão do neoliberalismo foi um estímulo para forjar uma concepção alternativa, fundada sobre os princípios da justiça e da emancipação. Todavia, no seu conjunto, os autores apresentam principalmente as condições de pesquisa as quais eles (parcialmente) escolheram.

15Sobre um plano heurístico, a maioria dos autores sublinha a influência decisiva de certas fontes de inspiração intelectual. Essas fontes são, às vezes, tiradas de suas disciplinas de origem, como nos diz R. Knafou, que foi inspirado pelos trabalhos de geógrafos (por exemplo C. Raffestin, 1987, e B. Debarbieux, 1988), que se consagraram nos anos de 1980 ao estudo dos conceitos de território e de territorialidade. O mais comum, porém, é que essas fontes provenham de outras disciplinas, com um tropismo marcado por autores que cobrem um largo espectro no campo das ciências sociais, tais como C. Lévi-Strauss e E. Goffman, cujos ensinamentos constituíram a matriz intelectual de pesquisadores como D. MacCannel ; à imagem também de A. Appaduraï, cujo conceito de scape inspirou fortemente M. Di Giovine ; e tomando como exemplo a influência de B. Latour, cuja teoria do ator-rede impregnou a pesquisa sobre as redes de atores do turismo. A grande maioria dos autores que figuram para nós como contribuintes são originários do mundo ocidental e construíram suas carreiras em universidades ocidentais. Poderíamos acrescentar que são frequentemente autores do gênero masculino. A abertura às ferramentas forjadas em outros contextos culturais continua rara, salvo por M. Di Giovine, que reconhece sua dívida com o geógrafo indiano Rana Singh, a quem se deve a introdução da ideia de que, por natureza, o patrimônio é mudança perpétua. Faz-se exceção também a P. Bourdeau, que colocou acento na influência essencial que seus escritos sofreram das ideais do filósofo argentino Enrique Dussel sobre a trans-modernidade.

16Sem surpresa, as pesquisas entabuladas no seio mesmo do campo dos estudos turísticos são igualmente uma importante fonte de inspiração. Entram aqui, sejam as heranças de trabalhos anteriores, sejam os debates alavancados pelos avanços teóricos formulados pelos próprios autores. P. Bourdeau revela, por exemplo, que suas ideias foram alimentadas por uma literatura crítica sobre o turismo, tanto anglófona, com contribuição dos textos de D. Fennell (2006) e J. Tribe (2009) sobre a ética e a filosofia do turismo, alemãs, com os trabalhos de J. Krippendorf (1982, 1986, 2010) sobre os impactos ambientais e sociais do turismo, ou francófona, com a tese de G. Cazes sobre o turismo em países em desenvolvimento. Ele evoca igualmente a influência exercida pelas publicações não acadêmicas, notadamente aquelas de F. Michel e R. Christin, cujo caráter polêmico foi propício à reflexão. F. Higgins-Desbiolles evoca igualmente o impacto sobre seu trabalho de textos críticos sobre o turismo, em particular os de J. Krippendorf e, ainda, de D. McLaren (2003). Para completar, muitos autores constatam que as reações suscitadas no campo dos tourism studies pelos seus próprios trabalhos foram também uma fonte de inspiração, conduzindo-os a reavaliar a formulação, o conteúdo ou os exemplos empíricos do conceito inicial.

17O principal denominador comum das cristalizações teóricas evocadas nesse número reside, todavia, no papel essencial jogado pela confrontação com as realidades empíricas, no quadro de questionários, pesquisas aplicadas levadas a cabo pelos poderes públicos ou operadores privados, ou ainda por um operador turístico. F. Higgins-Desbiolles e M. Di Giovine apresentam ainda o efeito maior exercido pela experiência profissional vivida antes do início de suas teses, a primeira como colaboradora ou voluntária de organizações não governamentais australianas, e o segundo como guia para uma empresa educacional estadunidense. Nos dois casos, os contatos iniciais com o terreno, nos quadros de uma atividade não acadêmica, contribuíram para orientá-los na pesquisa, tanto por questionamentos que foram suscitados, quanto pelos exemplos empíricos que foram fornecidos. Além disso, como notam D. Dredge, P. Bourdeau e R. Knafou, as trocas com atores e operadores no terreno constituíram uma ocasião privilegiada para testar as ferramentas intelectuais elaboradas e para fazer emergir novas ideias. Enfim, por um viés mais clássico, D. MacCannel e K. Fox-Gotham mostram que o seu trabalho conceitual não poderia ter nascido sem uma investigação prévia.

18Diferentemente do trabalho de campo, o ensino é raramente evocado pelos autores reunidos neste número. P. Bourdeau mostra, contudo que as trocas com os estudantes, em particular nos quadros de seminários e ateliês ou excursões, jogaram um papel central na evolução de seu pensamento. Eles lhe deram a possibilidade de colocar suas ideias sob teste, de esboçar terminologias ou classificações e de clarificar suas intuições ou questionar aquilo que pensava inicialmente.

19Enfim, os artigos reunidos neste número testemunham o impacto dos quadros temporais, espaciais e relacionais no processo de condução da pesquisa. Certos momentos, lugares ou contribuições, mostraram-se mais propícios à conceitualização que outros. Pela sua duração, mas também pela liberdade de pensamento que permitiram, as teses de doutorado ou habilitação a dirigir pesquisas ofereceram a M. Di Giovine, F. Higgins-Desbiolles e P. Bourdeau momentos privilegiados para fazerem emergir os conceitos apresentados aqui. Ademais, como nota R. Knafou, os objetos e maneira de construir suas pesquisas em laboratórios ou departamentos universitários frequentados influenciaram inevitavelmente o seu percurso intelectual. Sem esquecer que as trocas com os colegas próximos, aqueles com quem estiveram em contato regularmente, seja em suas equipes, seja nos quadros de colaborações externas, foram fundamentais. Trocas que, como observa P. Bourdeau, formam a base da atividade intelectual e de sua conceitualização.

20Para terminar, gostaríamos de salientar que os conceitos evocados neste número resultam cada um deles de um longo processo de maturação intelectual. Foram forjados, frequentemente, durante muitos anos, e pela confrontação repetida com [outras] ideias ou ideias surgidas no terreno. A conceitualização requereu tempo, muito tempo. Nesse sentido, essa reunião de artigos confirma a proposição de Eugene Garfield (1990, p. 14), que, ao fustigar a representação popular de um progresso científico ligado a uma sucessão de esclarecimentos geniais e descobertas fortuitas, salienta que avanços importantes provêm frequentemente de pesquisadores « que labutam obstinadamente um campo maduro por uma descoberta, e que são preparados intelectualmente a reconhecer e explorar resultados inesperados ». Como nota Olivier Gosselain (2011 : 131), « em matéria de pesquisa, a lentidão e a constância importam mais do que a velocidade e a versatilidade ». A injunção produtivista sobre a qual insistem os defensores da excelência científica opõe-se radicalmente à temporalidade longa da fabricação dos conceitos. Resistindo a esta injunção, os pesquisadores deram-se os meios não somente de limitar os sofrimentos humanos associados a esta pressão produtivista, como também de perseguir os próprios ritmos, com toda serenidade, do longo percurso intelectual que permite forjar as ferramentas capazes de melhorar a compreensão do turismo... ou de qualquer outro fato social.

Haut de page

Bibliographie

Ateljevic I., 2014, « Mapping a history and development of tourism studies field », Turizam: međunarodni znanstveno-stručni časopis, 62(1), 75-101.

Cohen E., 1972, « Toward a Sociology of International Tourism », Social Research, 39(1), 164–189.

Debarbieux B., 1988, Territoires de haute montagne : recherches sur le processus de territorialisation et d’appropriation sociale de l’espace de haute montagne dans les Alpes du Nord, Université de Grenoble I, Institut de géographie Alpine, Thèse de doctorat en géographie,

Decroly J.-M., 2010, « Un cuadro de analisis de la valorizacion turistica », in : De Myttenaere B. et E. Rozo Bellon (eds) Desarrollo territorial y tourismo : una approximacion a partir de la valorizacion turistica, Bogota, Universidad Externado de Colombia, 41-62

de Lagasnerie G., 2017, Penser dans un monde mauvais, Paris, Presses Universitaires de France

Éthier G., Morisset L. K., Sarrasin B., 2012, Épistémologie des études touristiques, Québec, Presses de l’Université du Québec.

Fennell, D. A., 2006, Tourism ethics (Aspects of tourism), Bristol, Channel View Publications.

Garfield E., 1990, « Fast Science vs. Slow Science, Or Slow and Steady Win the Race », The Scientist, 4(18), 14.

Franklin A., Crang, M., 2001, « The trouble with tourism and travel theory? », Tourist Studies, 1(1), 5–22.

Gosselain O. P., 2011, « Slow Science – La désexcellence », Uzance, 1, 128-140.

Jafari J., 1987, « Tourism models: The sociocultural aspects », Tourism management, 8(2), 151-159.

Krippendorf J., 1982, « Towards new tourism policies: The importance of environmental and sociocultural factors », Tourism management, 3(3), 135-148.

Krippendorf J., 1986, « Tourism in the system of industrial society ». Annals of Tourism Research, 13(4), 517-532.

Krippendorf J., 2010, Holiday makers, Abingdon-on-Thames, Routledge.

McLaren, D., 2003, Rethinking tourism and ecotravel, Boulder (Ca), Kumarian Press.

Nash D., 1981, « Tourism as an Anthropological Subject », Current Anthropology, 22 (5), 461-481.

Ogden C. K., Richards I. A., 1923, The Meaning of Meaning, New York, Harchourt, Brace & World.

Raffestin C., 1987, « Repères pour une théorie de la territorialité humaine », FLUX - Cahiers scientifiques internationaux Réseaux et Territoires, 3(7), 2-22.

Stock M., 2006, « L’hypothèse de l’habiter poly-topique: pratiquer les lieux géographiques dans les sociétés à individus mobiles », EspacesTemps. Net, https://www.espacestemps.net/articles/hypothese-habiter-polytopique/

Tribe J., 1997, « The indiscipline of tourism », Annals of Tourism Research, 24 (3), 638-657.

Tribe J. (Ed.), 2009, Philosophical issues in tourism, Bristol, Channel view publications.

Urry J., 1990, The Tourist Gaze. Leisure and Travel in Contemporary Societies, London, Sage Publications.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Jean-Michel Decroly et Anya Diekmann, « A fabricação dos conceitos turísticos », Via [En ligne], 13 | 2018, mis en ligne le 01 septembre 2018, consulté le 19 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/2751

Haut de page

Auteurs

Jean-Michel Decroly

IGEAT, Universidade Livre de Bruxelas

Articles du même auteur

Anya Diekmann

IGEAT, Universidade Livre de Bruxelas

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals