Navigation – Plan du site

Introdução do dossier

Jean-François Staszak
Traduction de Frederico Couto Marinho
Cet article est une traduction de :
Introduction du dossier [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Introducción dossier [es]
Einleitung des Themenhefts [de]
Introducció al dossier [ca]
Editoriale [it]

Texte intégral

1As ligações entre turismo e cinema deram origem recentemente a várias explorações sistemáticas. Por um lado, mostramos como o cinema - em particular, mas não apenas o cinema antigo - jogava com a atração de viagens virtuais, a ponto de a experiência fílmica ser relacionada a uma experiência turística (Gunning 1995, Peterson 2017). Por outro lado, analisamos como o cinema influenciou ou determinou certas práticas turísticas (turismo induzido por filmes), seja promovendo destinos ou estabelecendo os locais de filmagem como atrações turísticas (ver, por exemplo, Beeton, 2016). ).

2Esta edição da Via@ propõe explorar uma terceira margem, examinando como o cinema de ficção representa e encena os atores, as práticas e os lugares turísticos. De European Rest Cure (ES Porter. 1904) a trilogia de Camping (Ontenniente F. (2006, 2010, 2016) passando por Férias romanas (B. Wilder), Férias em Veneza (D. Lean, 1955) e as Férias do Sr. Hulot (Tati J., 1953) Tubarão (S. Spielberg, 1975) a Pauline na praia (Rohmer E., 1987), muitos filmes fazem do turismo e dos turistas seu tema principal e ainda mais numerosos são aqueles onde aparece como tema secundário. Muitos são comédias (Férias frustradas, H. Ramis, 1983; Férias de agosto, P. Virzì, 1995) mas há também turismo no drama ( Sol e sombra, J. Roques, J. Lasseyne de 1922, Encontros e Desencontros, S. Coppola, 2003), na ficção científica (Passageiros, Mr. Tyldum, 2016) eno cinema pornográfico (Ein lasterhafterSommer, G. Loubeau, 1982).

3Uma primeira questão é examinar quais atores, práticas e destinos turísticos o cinema - de acordo com a época, o lugar ou o gênero - escolhe mostrar. Trata-se de identificar e caracterizar certos temas turísticos recorrentes ou não, provavelmente estereotipados, presentes no cinema e que talvez llhe sejam próprios, para examinar de onde eles vêm e como eles evoluem.

4Uma vez que essas razões tenham sido identificadas, uma segunda questão está na análise do filme. Como são encenados os turistas, suas práticas eos locais turísticos nesses filmes, e por quê? Quais são seus papéis na dramaturgia? Quais são os recursos do filme e para quê? Quais são as visões do turismo que o cinema nos oferece? A palavra visão é a correta?

5Uma terceira questão é, então, perguntar em que medida e de que maneira os filmes que mostram os turistas têm, ou tiveram, consequências sobre os atores, as práticas e os próprios lugares turísticos. O que o Camping mudou no acampamento, os Bronzeados no costume do bronzeamento, Manolo à noite (M. Ozores, 1973) nas casas noturnas da Costa do Sol ou Eat Pray Love (R. Murphy, 2010) nas refeições, orações e amores dos turistas durante suas férias? Quais são os atores, lugares ou práticas que esses filmes foram capazes de transformar, baseados no papel do turista "made in Hollywood", analisado por R. Tzanelli (2007)? Em que medida os filmes que retratam os motivos turísticos mudaram suas representações (?) seja dos turistas, das práticas ou dos locais turísticos, ou mesmo os julgamentos sobre eles e as atitudes em relação a eles reproduzidos durante suas viagens (Sr. Morimoto, N. Sornaga, 2008, Meia-noite em Paris, W. Allen, 2011)? Essas questões convidam a completar a análise dos filmes por meio de sua recepção e dos seus possíveis efeitos em seus públicos.

6O objetivo não é nos fazer conhecer melhor o cinema (mesmo que o cinema tenha algo a compartilhar com a viagem, podemos esperar que a encenação do viajante / espectador em um filme seja traduzida por uma encenação que coloque em prática uma reflexividade que questiona o que o cinema é), mas para nos fazer entender melhor o turismo. Mas o que o turismo nos diz sobre sua encenação no cinema? Na expectativa de que valor agregado? A análise dessas obras de ficção pode revelar sobre o turismo os elementos que a observação de lugares "reais", atores e práticas turísticas deixariam na sombra? Há ainda uma questão final, de ordem metodológica e epistemológica.

7Este dossier não pretende responder a estas perguntas, mas abrir algumas pistas. Ele abrange quatro textos.

8Patrice Leconte, o famoso diretor da série de filmes cult Os Bronzeados (1978, 1979, 2006) que representa de maneira típica (exagerada ?) os turistas franceses na Costa do Marfim, nos Alpes e depois na Sardenha nos concedeu uma entrevista, na qual ele retorna à gênese das condições de filmagem e do impacto dessas três comédias, que constituem no mundo francófono as referências absolutas sobre o turismo no cinema.

9O artigo de Marie-Hélène Chevrier e Chloé Huvet questiona a série de James Bond do ponto de vista do turismo. Os 24 filmes da série geraram muitas análises, mas nenhuma focou nesse aspecto: James Bond assume as características do turista (é uma boa camuflagem), ele freqüenta as infra-estruturas turísticas (aeroportos, hotéis, casinos, etc.) e seus movimentos levam-no frequentemente as estâncias turísticas (a ilha tropical, a estação de esqui, etc.), onde ele encontra turistas. Os autores mostram que a série James Bond atesta representações do turismo e suas evoluções.

10O texto de Salvador e Antonio Martínez Puche abrange três filmes - Fim do curso (School’s Out, 2005), Atasco en la nacional (Traffic Jam, 2007) e Benidorm, meu amor (2015). Esses filmes aparecem com uma paródia e criticam as configurações estereotipadas do turismo litorâneo na Espanha, criadas na década de 1960 e no contexto da propaganda franquista e celebradas pelo cinema da época. Os clichês deste sobrevivem em forma de pastiche no cinema de hoje.

11O artigo de Parcale Argod centra-se em Into the Wild (S. Penn, 2007) e Wild (J.-M. Vallée, 2015). Baseados em "histórias verdadeiras", estes dois filmes - que também devem muito ao trabalho de Jack Kerouac - encenam em uma espécie de diário de viagem o périplo solitário de seu herói em uma natureza mais ou menos selvagem, para enfrentar seus próprios limites. A "viagem extrema" é uma jornada sobre si mesmo, que serve como modelo para o turismo de aventura e o turismo iniciático, que esses filmes estimulam.

12O cinema é (O ?) um lugar central na fabricação dos imaginários geográficos; portanto, não é surpreendente que tenha um impacto significativo na escolha dos destinos turísticos. Faz sentido que algumas autoridades locais façam tudo para atrair turistas, e alguns diretores, todos para desfrutar - como W. Allen, cujos filmes recentes são verdadeiros anúncios para Paris, Roma ou Barcelona. Mas este dossier atesta que o cinema também permite analisar o turismo: ao fazê-lo, propõe modelos que se pode tentar imitar (se são positivos) ou dos quais se afastar (se são negativos). O cinema não se contenta em apenas descrever: ele prescreve.

Haut de page

Bibliographie

Beeton S., 2016, Film-induced tourism, Bristol, Channel View Publications.

Gunning, T., 1995, “The Whole World Within Reach : Travel Images without Borders”, in Cosandey R. Et Albera F. (dir), Cinéma sans frontières 1896-1918. Images Across Borders, Lausanne : Ed. Payot.

Peterson J. L., 2013, Education in the School of Dreams : Travelogues and Early Nonfiction Film, Durham, Duke Univ. Press.

Tzanelli, R. (2007). The Cinematic Tourist : Explorations in Globalization, Culture, and Resistance, London : Routledge.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Jean-François Staszak, « Introdução do dossier », Via [En ligne], 14 | 2018, mis en ligne le 20 décembre 2018, consulté le 21 novembre 2019. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/2910

Haut de page

Auteur

Jean-François Staszak

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals