Navigation – Plan du site

Macau pós-colonial: esperança e desespero em um Centro Mundial de Turismo e Lazer

Michael O’Regan
Traduction de Carina Amorim Dutra et Rita de Cássia Ariza da Cruz
Cet article est une traduction de :
Post-Colonial Macau: hope and despair in a World Centre of Tourism and Leisure [en]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Macao à l’ère postcoloniale : espoir et désespoir dans un centre mondial du tourisme et des loisirs [fr]

Résumé

A expansão das concessões de cassinos, como o subsequente crescimento do emprego e do produto interno bruto (PIB) per capita em Macau após a sua transferência de Portugal em 1999 criou uma ilusão de prosperidade em um território pós-colonial de menos de 30 km2. Região administrativa especial (SAR1) da República Popular da China (PRC2), Macau é o único território chinês onde se joga legalmente em cassinos. Utilizando de entrevistas com residentes locais, este artigo argumenta que a categoria imaginada de "Centro Mundial de Turismo e Lazer", cunhada pelas autoridades locais, mascara uma economia oculta ilícita. O artigo argumenta que o rápido e milagroso crescimento do PIB per capita, emprego e superávit orçamentário é fruto do olhar de uma nova elite pós-colonial voltada para o passado colonial. Argumenta-se que embora o “Centro Mundial de Turismo e Lazer” seja um constructo político e um projeto hegemônico essencial para manter os cidadãos em um mundo hiper-real de simulacros e controle, isso se faz através de boatos cotidianos, avisos, autocensura e desmoralização.

Haut de page

Notes de l’auteur

Com a colaboração do Dr. Jaeyeon Choe

Texte intégral

1Localizada no delta do Rio das Pérolas a oeste de Hong Kong e limitada ao norte pela província de Guangdong, Macau tornou-se uma Região Administrativa Especial (SAR) da República Popular da China (PRC) em dezembro de 1999, quando a soberania do território foi transferida de Portugal para a China. Sob o modelo “um país, dois sistemas” estabelecido pela Declaração Conjunta Sino-Portuguesa de 1987, a Constituição de Macau também conhecida como Lei Básica afirma que com exceção dos assuntos externos e de defesa, o território de Macau manterá um alto grau de autonomia até 2049 quando deverá passar ao total controle chinês. Antes da transferência de soberania, a manufatura era a indústria predominante em Macau, notadamente através da produção de brinquedos, sapatos, flores artificiais, fogos de artifício, fósforos, incensos e têxteis, representando, em 1988, 37,8% do Produto Nacional Bruto (PNB) de Macau e 45% dos empregos (Sit et al., 1991). O fim das cotas fornecidas pela Organização Mundial do Comércio sob o Arranjo de Múltiplas Fibras (1974-2005) levou os industriais de Hong Kong que estabeleceram bases de fabricação de tecidos e roupas em Macau a buscarem por territórios de mais baixo custo, levando o setor ao declínio.

2Dado que grande parte das exportações e empregos provenientes das manufaturas dependia das cotas, o setor declinou logo após supressão das mesmas para a fabricação têxtil e de vestuário em Macau. A contribuição dessa indústria para o Produto Interno Bruto (PIB) decresceu a menos de 1%, empregando apenas 3,4% da força de trabalho em 2011 (Mieiro et al., 2012). Embora a taxa de desemprego fosse de 1,5% em 1989, os números alcançaram um recorde de 7,1% no segundo trimestre de 2000. Os esforços das autoridades coloniais em desenvolver vínculos econômicos externos não obtiveram êxito notadamente quando a recém-criada SAR entrava na arena pós-colonial com distintas estruturas, desvantagem, portanto, se comparada a SAR Hong Kong com seus importantes portos e maior população. Sendo que menos de 10% da população empregada possuía qualificações terciárias em 1999 e contando com 28,2 km2 de terras não aráveis, pastagens, florestas ou bosques, Macau estava em crise. Entretanto, em 2003, Macau atingiu um excedente orçamentário substancial, bem como um crescimento considerável do PIB que passou a 27,5% em 2010. O PIB per capita de Macau, que somava US$ 13.000 no ano 2000, saltou para US $ 73.376 em 2016. O fluxo de turistas passou de 7,44 milhões em 1999 (1,63 milhão na parte continental) para 39,4 milhões em 2019 (28 milhões de visitantes na parte continental). O PIB per capita de Macau atingirá aproximadamente US $ 143.000, de acordo com o FMI. Isto a faria a localidade com maior PIB per capita em termos de paridade de poder de compra no mundo. Não possuindo dívida pública, tendo as reservas fiscais saudáveis e uma baixa taxa de desemprego (1,9% em 2018), tratou-se de uma reviravolta "milagrosa" para a pequena colônia portuguesa.

3Este "milagre" ocorreu depois que Edmund Ho, primeiro Chefe do Executivo (CE) da RAEM, que garantiu o apoio de Pequim às "medidas neoliberais de reestruturação dos cassinos" (Liu, 2008) em dezembro de 2000. Enquanto as autoridades coloniais legalizaram o jogo em 1847, quando pequenos cassinos não registrados eram predominantes, o setor não havia se desenvolvido completamente devido às restrições de viagens impostas pela China continental. Os jogos representavam menos de 26% do PIB de Macau em 1999 (Ho, 2005), sendo a receita bruta calculada no valor de US$ 1,6 bilhão. As autoridades de Macau expandiram o número de licenças de jogos em 2002 concedendo três concessões e três subconcessões por meio de uma Comissão para Jogos de Azar (Simpson, 2018). Isto permitiu à Sociedade de Jogos de Macau (SJM), uma subsidiária da STDM, Galaxy Casino, S.A. (Galaxy), Wynn Resorts, Sands China Ltd, MGM Grand Paradise, S.A,. and Melco Crown Jogos adentrarem o mercado de cassinos de Macau que fora monopolizado pela STDM desde 1962. O Acordo de Parceria Econômica Reforçado (CEPA) assinado em 17 de outubro de 2003, levou Pequim a introduzir o chamado “Esquema de visitas individuais” (IVS) que atualmente permite que moradores de 49 cidades da China Continental solicitem vistos de turista para visitar Macau individualmente.

4A fim de explorar as experiências vividas, bem como a qualidade de vida em um “Centro Mundial de Turismo e Lazer” foram realizadas entrevistas semiestruturadas em profundidade com os moradores locais (N = 22) entre outubro de 2014 e maio de 2015. Os entrevistados nasceram, cresceram, viveram e mantêm residência em Macau. O autor principal contratou e treinou dois estudantes de turismo e hotelaria do último ano de formação para conduzir entrevistas em cantonês com os residentes. As entrevistas foram então traduzidas para o inglês, verificadas e confirmadas através da tradução reversa de três entrevistas. Os entrevistadores foram instruídos a fim de não produzirem interpretações próprias durante as entrevistas. Visando reunir dados mais aprofundados, os entrevistados foram incentivados a falar sobre sua vida em Macau. Todas as entrevistas foram gravadas (áudio) com a permissão dos entrevistados. As transcrições identificaram a ideia de uma economia “mágica” notadamente quando os informantes tocavam em temas como direitos sociais, sobre as poderosas elites políticas e empresariais ou ainda sobre as condições materiais, sociais e espaciais anormais observadas em Macau. Seguindo o desafio proposto por Comaroff e Comaroff (1999; 2003) aos pesquisadores de investigar em uma “escala embaraçosa”, que não seria inequivocamente “local” nem obviamente “global”, mas inscrito em uma escala intermediária, o tema foi desenvolvido pelos autores em uma investigação antropológica sobre a relação entrelaçada entre a história de Macau, a colonização e a sua auto-proclamada imagem como centro mundial de turismo e lazer. Diferentemente de uma análise temática dos entrevistados, o artigo segue o paradigma pós-colonial de Comaroff e Comaroff acerca da “economia oculta” descrita e definida como o “fascínio pela acumulação fácil de riqueza” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 313). As características desse tipo de economia transgridem frequentemente o convencional, o racional e o moral. Assim, Comaroff e Comaroff definem tais "economias" como sendo "a conjuração de riqueza recorrendo a técnicas inerentes de cunho misterioso, cujos princípios não são transparentes ou explicáveis em termos convencionais" (p. 297).

5Este artigo descreverá o colapso na relação racional entre meios e fins à medida que Macau se transformou de um território colonial em um centro mundial globalizado de turismo e lazer. O artigo visa ir além dos discursos que entendem o turismo e o desenvolvimento do turismo na Ásia como uma forma de “autenticidade” mediada, atuando por assim dizer como um catalisador para o desenvolvimento econômico duradouro ou um meio de afirmar a legitimidade (Burns, 2008). Argumentamos que o paradigma da economia oculta oferece uma estrutura interpretativa que tem seu foco sobre os ricos e poderosos e não sobre os pobres e impotentes (Nader, 1972) de modo a compreender como o turismo, um termo altamente ambíguo, foi estruturado por aqueles em posições de poder como base do seu sucesso.

6Essa abordagem requer o estudo “dos colonizadores ao invés dos colonizados, da cultura de poder no lugar da cultura dos oprimidos”, perguntando-se ao “senso comum” questões ao contrário como sobre porque governo, empresas, tomadores de decisão, e criadores de criadores de políticas econômicas falharam ao apostar em mercados mais convencionais quando procuravam encontrar as necessidades de seus cidadãos, e porque a introdução da categoria de “Centro Mundial de Turismo e Lazer” como um barômetro do “crescimento econômico” e estabilidade social oculta transações nefastas, rumores, especulação, rituais misteriosos e desejos irracionais, e frustram as chances de melhorar a qualidade de vida. Como uma estratégia para acrescentar riqueza e cor a esta pesquisa e propiciar ao leitor tirar suas próprias conclusões a partir das palavras dos participantes, são utilizadas citações verbais dos informantes.

I. Legados coloniais

7Como muitas cidades e territórios coloniais orientados para o comércio e assumindo a lógica consumidora das forças do mercado, a acumulação ilícita pode sobrecarregar as bases civis dos países pos-coloniais e alimentar uma “economia imoral e vibrante, pulsando a um ritmo lento” (Comaroff e Comaroff, 1999, p. 285). Comaroff e Comaroff (2000, p. 310) descrevem essas economias com base em "modos de especulação baseados em conexões pouco racionais entre meios e fins". Essas economias, eles argumentam, podem atrair populações inteiras impulsionadas pelo acúmulo de “riqueza sem produção; valor sem esforço” (pp.313-314). O conceito veio a ser usado para descrever a ascensão e queda da Nigéria nos anos setenta (Apter, 2005), Haiti (James, 2012), Irlanda (Coen e Maguire, 2012) e o México na década de 1980 (Cahn, 2008).

8Ao permitir que imigrantes empreendedores chineses sobrevivessem às margens de uma ordem capitalista racial discriminatória, a cadáveres no freezer de um cassino na África do Sul, sendo vinculados à criação de riqueza (Comaroff e Comaroff, 20002b), os cassinos são há muito relacionados à acumulação ilícita. Explicar por que razão Macau deveria recorrer à expansão de concessões de cassinos e à acumulação ilícita como uma “fórmula mágica” reflete um conjunto específico de experiências coloniais históricas. Sob a administração portuguesa e em parte devido ao legado do próprio domínio colonial português, havia uma mistura ambígua de “possibilidade e impotência, desejo e desespero” (Gluckman, 1963, pp. 3-4) durante o Período de transferência colonial, quando Macau foi atormentada por um incêndio criminoso, assassinatos, atentados a bomba e tiroteios entre gangues rivais. Enquanto Macau não estava sujeito à pobreza ou privação material, muitos se preocupavam com a deterioração da ordem social (Hing, 2005). As autoridades, de várias maneiras, perderam efetivamente o controle (Chou, 2013), dada a autonomia limitada em relação às associações tradicionais apoiadas por Pequim nascidas da Revolução Cultural e o poderoso grupo STDM. Macau também sofreu uma recessão econômica após as crises financeiras asiáticas de 1997-1998, com o PIB real declinando por quatro anos consecutivos até 1999, o que, por sua vez, levou ao aumento do desemprego e à queda do mercado imobiliário. Devido à crise financeira regional e ao limitado reinvestimento do grupo STDM, houve uma queda de 9,1% na receita do governo produzida pelo imposto direto sobre jogos de azar em 1999. Isso significou que aqueles que experimentaram a transição em 1999 o fizeram durante um período de instabilidade, com jovens que frequentemente têm as maiores expectativas, negada a distribuição de riqueza esperada (Liu, 2009). Ao invés de enfrentar a incerteza e investir em mercados convencionais para potencialmente prosperar a partir de novos propósitos, criatividade e vitalidade, o novo governo rejeitou o lento crescimento que geralmente ocorre como parte de uma parcela da economia pós-colonial (Grier, 1999). Em vez disso, adotou externamente a livre empresa, a acumulação flexível e a especulação financeira para acumular riqueza. Mais que uma captura pelo “Feitiço Capitalista” (Pignarre e Stengers, 2011), a decisão de expandir as concessões dos cassinos e de depender dos jogadores do continente para gerar recursos refletiu os resíduos do domínio colonial (Godinho, 2014).

9Historicamente, as autoridades de Macau reabasteceram seus cofres esgotados recorrendo a técnicas que desafiam a explicação em termos convencionais. Maneiras não convencionais de enriquecer muitas vezes surgiam durante períodos de transição e oportunistas. Uma política do Xogunato Tokugawa em 1640 encerrou o comércio japonês e a perda de Malaca para os holandeses em 1641 encerrou o comércio de Macau-Goa (Índia). O fim da dupla monarquia ibérica em 1668 interrompeu o comércio Macau-Manila e a ascensão de Hong Kong como um importante porto comercial depois que o governo Qing o cedeu em 1842 aos britânicos, levando Macau à marginalização. Durante esses tempos turbulentos, as autoridades facilitaram o jogo, a prostituição, os mercenários, o tráfico de armas, o tráfico de seres humanos, bem como o comércio de ópio e do “trabalho escravo” (Pinheiro, 2002). Enquanto Hong Kong proibiu o jogo em 1870, como o Cantão fez em 1911 (Ho, 2005), Macau o facilitou e atraiu novos negócios e jogadores. O ópio estrangeiro, introduzido pela primeira vez pelos portugueses a partir de Goa no início do século XVIII, foi proibido na China durante 1796, levando Macau a se tornar um local de transbordo do opium por traficantes, com comerciantes e moradores locais participando e lucrando (Garrett, 2010; Puga, 2013). Depois que o envolvimento britânico no comércio de bebidas da China terminou em 1854, o comércio se transferiu para Macau (Meagher, 2008). Isso foi eliminado somente em 1873, após pressão e do governo Qing (Pinheiro, 2002). Mesmo após a revolução comunista na China em 1949, Macau manteve seu status de pólo de comércio ilícito, pois supostamente servia de canal para contrabandear ouro, gasolina, metais e automóveis para a China, bem como armas durante a Guerra da Coréia, em um esforço para contornar os mandatos da ONU (Dicks, 1984).

  • 3 Os operadores de lançament de Macau trabalham com os cassinos para atrair jogadores VIP, organizand (...)

10Embora muitas vezes não diretamente envolvidas, as autoridades coloniais, depois de 1846, nutriram essas atividades, abrindo fluxos rápidos e imateriais de bens e pessoas e fluxos imateriais de serviços e informações e tributando-os de modo a produzir “imensa riqueza e poder sem trabalho regular contra todas as probabilidades, em velocidade sobrenatural e com impressionante ingenuidade” (Comaroff e Comaroff, 1999, p. 284). Essas atividades levemente regulamentadas serviram aos interesses das autoridades locais, comerciantes estrangeiros, tríades e elites locais, mas excluíram a grande maioria dos cidadãos étnicos chineses da integração econômica, social e política (Cheng, 1999; Clayton, 2010). A escolha por buscar a liberalização do mercado através de concessões de cassinos foi sancionada pelas elites locais e por um estabelecimento apoiado por Pequim uma vez que Macau se encontrava em uma situação econômica “ambivalente” com o desaparecimento da antiga administração colonial e o novo governo da RAE se refez como um porto franco, uma zona tarifária separada sem controle de câmbio e uma “Meca” para os jogadores do continente. Enquanto a decisão lidava com as deformidades consistentes com uma economia pós-colonial, tais como as dificuldades de estabelecer princípios normais de mercado e buscando investimentos transnacionais na esteira de um crash das propriedades locais e uma crise financeira regional (Zheng e Wan, 2014), Macau tornou-se um espaço de exceção “neoliberal” (Ong, 2006) na agora expandida “um país, dois sistemas”, RPC. O fascínio mágico de "ganhar dinheiro do nada" atraiu jogadores transitórios, trabalhadores migrantes, magnatas imobiliários, empresários, profissionais do sexo, funcionários corruptos, investidores, criminosos e operadores de caixas eletrônicos3. Criar e dispor de súbita riqueza significava muito, como o operador de cassino “Broken Tooth” (Hing, 2005; Simpson, 2019), e o Diretor de Viagens de Macau, Alvin Chau, de Suncity, que se tornaram objetos de fama e admiração. Circulando de maneira desigual, e muitas vezes sem clara relação com produção, trabalho, lei ou esforço, tais fluxos materiais e imateriais foram constituídos para e por elites locais, atores não estatais e uma crescente população multinacional transitória. Eles foram a base para a prosperidade, que alimentou novas rodovias, um sistema de trilhos leves, prédios de universidades, esquemas de benefícios e enormes complexos de resorts de cassinos. Ao prometer colocar a riqueza nas mãos dos residentes através de cassinos para visitantes do continente e de Hong Kong, o governo defendeu os benefícios de uma riqueza massiva e não merecida do jogo de cassino, atividade proibida no continente desde 1949.

11De uma cultura supostamente dedicada ao trabalho e enraizada na comunidade local, com fortes laços étnico-familiares e “valores conservadores de trabalho duro e confiabilidade” (Sit et al 1991, p. 85), uma mudança histórica ocorreu “na relação constitutiva da produção com o consumo e, portanto, do trabalho com o capital”(Comaroff e Comarof, 2000, p. 293). A incapacidade do governo de controlar entradas e saídas rápidas por meio de uma economia desregulada refez, recuperou, reproduziu, projetou e comoditizou a paisagem, o tecido social, o lazer, as condições de emprego, as universidades, a estrutura corporativa e a vida cotidiana de Macau (Blackburn Cohen, 2019; Hall et al., 2017; Hao, 2005), transformando seus jovens e migrantes em um exército de trabalhadores de cassino, o que prejudica os valores tradicionais e a qualidade de vida.

II. Governança e sociedade civil em um destino turístico

12Enquanto governos de todo o mundo tentam freqüentemente se beneficiar do produto do jogo (Leiper, 1989), Macau o incorporou ao seu coração material e fiscal. A dependência direta e indireta de atividades relacionadas a cassinos por meio de taxas e impostos sobre jogos de azar é praticamente o único meio de encher seus cofres, sendo a receita bruta de cassinos de US $ 38 bilhões em 2018. Embora apenas seis licenças de 25 anos tenham sido emitidas, uma avaliação soberana da Fitch de 2012 estimou que 87,7% do PIB de Macau deriva de jogos de azar (e atividades relacionadas, como hotéis); e conta com esse setor para 85% de sua receita fiscal. A pesquisa de contas satélite do turismo em 2010 constatou que o jogo depende em grande parte dos visitantes do continente, que representam cerca de 70% do total de visitantes. Cerca de 97,3% das receitas da indústria de jogos vieram de visitantes e 84% do que os turistas gastam em Macau são gastos em jogos de azar (Bland, 2015). A indústria de jogos representou 75,8% dos empregos na cidade em 2015, de acordo com o Serviço de Estatística e Recenseamento de Macau (DSEC).

13A sociedade civil é frágil, sem sérias tentativas de refletir sobre a economia dependente de cassinos (Liu, 2008). As 1.720 associações civis que existiam em 1999, embora representassem uma diversidade de interesses, incluindo grupos de interesse pró-Pequim, foram trazidas para os trabalhos do governo após a transferência. Edmund Ho, um participante importante nos círculos empresariais locais e líder de grupos locais pró-China antes da transferencia, tornou-se o primeiro CE (Choi, 2008). O número de associações aumentou para mais de 5.000 em 2011 (Zheng e Wan, 2014), com a maioria dos grupos, incluindo a Federação dos Sindicatos de Macau, a União Geral das Associações de Vizinhança de Macau, a Associação Geral de Mulheres de Macau, a Associação Geral de Chineses. Estudantes de Macau e da Associação Geral de Voluntários de Macau recebem financiamento através da Fundação de Macau, controlada pelo governo, cujo dinheiro provém de uma taxa de 1,6% sobre a receita bruta de jogos. A fundação serve como um local de distribuição com os US $ 284,5 milhões distribuídos em 2018, garantindo a cooptação da sociedade civil (Chou, 2012). A cobertura da mídia relacionada ao jogo em si e suas desvantagens são raramente mencionadas, com a autocensura prevalecendo devido ao medo de perder publicidade dos departamentos da SAR e da indústria de cassinos (Su, 2017).

14A opacidade das práticas burocráticas em Macau (James, 2012; Press, 2007) é um impedimento para promover a sociedade civil e, portanto, a boa governança. Desde acordos de terra secretos para resorts de cassino, questões de compras governamentais, uso de incentivos fiscais, alocação e subsídios a indivíduos e associações importantes, a capacidade dos residentes de questionar seu governo ou sistema político é significativamente restringida devido ao sistema de eleição/nomeação, e um sistema político baseado em laços entre empresários, membros da Assembleia Legislativa (LA) e funcionários do governo. O consenso é geralmente coordenado entre o governo, as elites locais e Pequim. O governo é chefiado por secretarias, sendo a primeira nomeada pelo Governo Popular Central em Pequim através de um Comitê Eleitoral de 300 membros, composto por chefes de cassinos como Pansy Ho da MGM e Francis Lui da Galaxy, além de líderes empresariais, sindicatos e outros grupos nomeados pelo governo central. A Assembleia Legislativa (LA) é um órgão com 33 membros, composto por 14 membros eleitos diretamente, 12 membros indiretamente eleitos representando grupos funcionais e 7 membros nomeados pelo Diretor Executivo (CE). A Lei Básica de Macau não prevê sufrágio universal ou eleição direta do legislativo ou da CE.

III. Ansiedade, desconfiança e insegurança em um destino turístico

15Os cassinos, ao mesmo tempo em que oferecem oportunidades, aumentaram as incertezas, desconfianças, descontentamento e ansiedade sobre a identidade em Macau, com os informantes se sentindo deixados à margem das promessas de uma vida melhor e preocupados com o futuro. John, 40 anos, se preocupa com as autoridades do continente e se as mesmas continuarão apoiando o jogo: “Só o que eu posso prever é que Macau manterá suas vantagens nos próximos cinco anos, mas depois disso, eu realmente não tenho ideia. Temos que aguardar as decisões do governo central”. Jennifer, 32 anos, argumentou da mesma forma que se a “China continental se esforçar mais no combate à corrupção aqui, reduzirá o número de turistas do continente e as empresas estrangeiras deixarão Macau”. Jane, 32, assim como os outros, espera que “existam outros setores para ajudar a equilibrar essa situação”.

16A dependência do jogo minou os valores da produtividade e da acumulação racional e aumentou a ansiedade sobre a produção e reprodução de riqueza em uma sociedade que combina a “estranha fusão entre o moderno e o pós-moderno, de esperança e desesperança, de utilidade e futilidade, de promessa e suas perversões” (Comaroff e Comaroff, 1999, p. 283). Existe um “senso generalizado de valor falso, de excedente acumulado sem produção adequada” (Comaroff e Comaroff, 1999, p. 281), com condenação, ciúme e inveja “daqueles que enriquecem de maneiras não tradicionais” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 316), mesmo enquanto buscam novos meios mágicos para fins que, de outro modo, seriam inatingíveis.

17As economias ocultas, então, “oferecem vastas riquezas quase instantâneas àqueles que dominam suas tecnologias espectrais - e, simultaneamente, ameaçam a própria existência daqueles que não o fazem” (Comaroff e Comaroff, 1999, p. 298). Esses sentimentos florescem em um território, dependente do jogo, onde “a possibilidade de uma conquista rápida, de acumular uma fortuna por métodos amplamente invisíveis, está sempre palpavelmente presente” (Comaroff e Comaroff, 1999, p. 293). Apesar das numerosas pesquisas lideradas por órgãos governamentais, estatísticas e relatórios, há uma escassez de informações sobre os atores e as decisões mais influentes em Macau. Da inteligência artificial e da tecnologia digital que rastreia os jogadores mais atraídos pelo risco, as lojas de penhores que ajudam os chineses continentais a contrabandear ativos através da fronteira (Varese et al., 2019), os verdadeiros acionistas por trás de alguns grupos de cassinos, até os operadores de pacotes apoiados por sindicatos asiáticos do crime organizado (Lo e Kwok, 2017), existe um mundo invisível misterioso por trás do Centro Mundial de Turismo e Lazer (McKenzie et al., 2019) que cria e reforça a riqueza real para poucos (West e Sanders, 2003). Os moradores que se sentem sem poder e em desvantagem lutam contra boatos, superstições, paranoias, conspirações, rumores e ciúmes, para entender e agir sobre o mundo (Zhu, 2019).

18Histórias e rumores estão relacionados principalmente à incerteza, escassez e risco em uma sociedade em que poderes invisíveis às vezes produzem resultados visíveis. Existem muitas histórias sobre empresários “desaparecendo” da China através de Macau com milhões de dólares, vizinhos administrando pousadas ilegais para jogadores, bancos subterrâneos, espiões estrangeiros e a detenção ilegal de jogadores (para pagamento de empréstimos). Histórias sobre os "deuses do jogo", como Sheldon Adelson (Sands) e Lui Che Woo (Galaxy Entertainment), que possuem cassinos, são conversas diárias. Muitos são vistos como possuidores de poderes extraordinários por meio de vínculos nefastos com autoridades e crime organizado (Lo, 2005). Como nenhum dos principais jogadores de cassino mora em Macau, e as ações do cassino são negociadas em Hong Kong e nos EUA, os magnatas do cassino se infiltraram no fluxo da economia global, frequentemente esquivando-se do conhecimento de seus custos assim como escapando à maioria das sanções ou controle. Embora muitas vezes sejam acusados ​​de vários atos nefastos, seus funcionários estão ameaçados, enquanto escapam de qualquer processo criminal grave (Lintner, 2016; McKenzie et al. 2019). Da mesma forma, aqueles que ajudam os jogadores do continente a contornar os rígidos controles de exportação de moeda ou os que administram bordéis nos cassinos (Fraser, 2019) continuam sendo parte da vida cotidiana (Pomfret, 2014; Wang e Eadington, 2008; Wang e Zabielskis, 2010).

19Nos boatos cotidianos, questões relacionadas à distribuição desigual de recursos como riqueza, emprego e infraestrutura e recursos sociais como serviços de saúde, educação, transporte e moradia estão fortemente presentes. Para cada história sobre os residentes ou jogadores que se tornaram milionários (ou perderam tudo) por meio de programas de recompensa de jogos ou cassinos, há outras histórias sobre desigualdades, injustiças, corrupção e violência provocadas pelo jogo. Resorts com cassinos integrados que promovem desigualdades sociais e espaciais são construídos rapidamente; mesmo “magicamente da noite para o dia”, enquanto a infraestrutura pública não conseguiu acompanhar ou abrir caminhos. O sistema de transporte coletivo de Macau (LRT), vários projetos de habitação pública e a abertura de um segundo hospital público, entre outras iniciativas, foram repetidamente adiados ou multiplicados em custos. Ao invés de atuar como um provedor de serviços de infraestrutura, o governo priorizou os espaços para os jogadores. O sistema de transporte ferroviário leve de 20 quilômetros, proposto pela primeira vez pelo governo da RAE em 2003, foi parcialmente concluído em 2019, mas servirá principalmente aos cassinos da Cotai Strip e contornará áreas residenciais de baixa renda. Jennifer, 32 anos, observa que o “LRT é conveniente para o turista, mas não foi projetado para uso dos residentes”.

20Com uma população de 632.418 pessoas em 2018 ( 430.000 em 1999) e uma força de trabalho com menos de 400.000 pessoas, o mercado de trabalho e os termos de emprego convencionais foram destruídos, com "trabalhadores qualificados", como os construtores de navios substituídos por menos trabalhadores qualificados e imaturos para garantir mais trabalhadores não adaptativos para o setor de turismo. Não há liberdade de associação universal, direitos de negociação coletiva, proteção contra a lista negra e demissão de grevistas e salário mínimo padrão. Como 40% dos estudantes do ensino médio repetem pelo menos um ano escolar (OCED, 2011), os adolescentes locais abandonam seus estudos pela atração dos generosos pacotes de remuneração inicial nos cassinos. Isso significa que há uma escassez considerável de professores, enfermeiros, engenheiros e médicos qualificados. Embora os trabalhadores possam se sentir no controle, dada a baixa taxa de desemprego e o sistema de cotas para os locais, a maioria, dada a falta de uma economia diversificada, apenas passa de um grupo de cassinos para outro. John, 40 anos, argumenta que não importa em qual cassino você trabalha, pois "as empresas de jogos compartilham os mesmos princípios e valores de gestão" e, como consequência, acabou perdendo parte de sua saúde e juventude. Ele observa que “fumar e trabalhar à noite são realmente prejudiciais para mim, e eu posso ter perdido dez anos de longevidade por causa desse trabalho”. Esses trabalhadores são definidos por Comaroff e Comaroff (2002a), como "trabalho fantasma" considerando que as empresas de cassinos sugam a essência de seus trabalhadores e até se apropriam das futuras opções de trabalho de seus filhos. Muitos informantes trabalham em turnos de 24 horas nos cassinos. Jane, 22 anos, observou: “Trabalhamos no turno da manhã às 6 da manhã. Isso significa que precisamos acordar por volta das 3 ou 4 da manhã e nos preparar para o trabalho”. Mesmo sendo uma negociante, posição relativamente bem remunerada no cassino, a maioria dos treinamentos está relacionada a jogos de mesa como o Baccarat. John, 40, aponta que “eu tenho que aceitar quase qualquer comportamento que os hóspedes executem, mesmo que as palavras e os comportamentos sejam muito rudes e insanos”. Isso sugere que as posições de negociante de cassino, embora bem pagas e reservadas para os locais, são muito estressantes (Chau, 2019).

  • 4 As notas especiais são impressas pela Autoridade Monetária de Macau (AMCM), mas disponíveis apenas (...)

21Os aproximadamente 188.4800 “trabalhadores não residentes” imigrantes (2018) em Macau, dos quais o setor de cassinos é fortemente dependente, estão em uma posição muito mais precária e sob formas básicas de proteção negadas, como a transferência para outras categorias de emprego, férias ou compensação por acidentes de trabalho. Se eles perderem o emprego, deverão deixar a cidade dentro de dois dias, se empregados por menos de um ano. Enquanto a LA votou pela rejeição de uma lei sindical pela sétima vez em 2019, os ricos e poderosos têm liberdade para promover seus próprios interesses e, possivelmente, levando a um aumento da desigualdade (Carvalho, 2018). A desigualdade e a falta de mercados especulativos convencionais, como o mercado de ações, levaram os cidadãos a serem apanhados pelas correntes especulativas. A ausência de uma ideologia abrangente e consistente internamente permitiu às elites locais nutrir um ethos competitivo em uma população que buscava um retorno aceitável. A falta de um currículo padrão unificado aprovado pelo governo, poucas instituições de ensino de terceiro nível e a posição de Macau como SAR significam que muitos cidadãos se preocupam em “perder” ou em ser “espremidos” pela propriedade da casa, estabilidade financeira, progressão na carreira e até casamento. Isso levou alguns cidadãos a especularem com cédulas de dinheiro4, propriedade de estacionamento de carros ou se esforçarem para uma ocupação que possa explorar economicamente a população transitória de não residentes, jogadores e trabalhadores (agências de emprego, farmácias que oferecem produtos seguros para os continentes, lojas de penhores que contornam controles cambiais e corretores de imóveis que oferecem acomodação de curto prazo a trabalhadores não residentes). Como a confiança dos cidadãos sobre processos outrora legíveis, como a propriedade de casas e a distribuição de fragmentos de riqueza, as pessoas sentem que o cumprimento das regras as destruirá. Para Billy, 22 “o preço de cada mercadoria vendida aqui é ridiculamente alto, mas a maioria dos moradores locais, inclusive eu, fica gradualmente entorpecida porque você precisa aceitar a realidade, quer goste ou não”. Para a maioria dos informantes que participaram deste estudo, os custos médicos e de moradia foram uma questão importante. Jane, 32 anos, argumentou que “os preços das casas e o preço das mercadorias aumentaram muito, como loucos, realmente loucos! Portanto, mesmo se você pagar entre US $ 2.500 e US $ 3.750, ainda assim não poderá pagar”. John, 40, assinalou os "preços ridiculamente altos da habitação". Mary, 23 anos, argumenta que “embora o governo ofereça muitos benefícios monetários aos cidadãos, os benefícios e compensações brutos não são suficientes. A qualidade do tratamento médico em Macau é tão terrível que as pessoas precisam ir a Hong Kong e China para tratamento quando ficam doentes. E mesmo que você esteja resfriado, passa muito tempo aguardando tratamento nos hospitais públicos”. Chris, 59 anos, afirma que “é muito difícil consultar um médico, pois leva muito tempo, até para marcar uma data [para ver um médico]”.

IV. Ajuda Divina e Ciclos de Instabilidade

22Após o desenvolvimento vertiginoso dos recursos sociais esgotados que “anteriormente serviram para moldar o consentimento popular” (Liu, 2008, p. 23), problemas e contradições surgiram em Macau. Após uma série de manifestações sociais em 2006, 2007 e 2014 por trabalhadores da construção civil, funcionários locais e outros, a credibilidade e a integridade do governo foram prejudicadas (Lao e Siu, 2013; Liu, 2008). Mais de 20.000 pessoas se uniram em maio de 2014 contra um projeto de lei que isentaria o CE de responsabilidade criminal durante seu mandato. No entanto, apesar dos ajustes políticos/econômicos, qualquer dissidência de residente ou qualquer sinal de resistência em Macau é entendido como censura e bênçãos "divinas" à população residente, por meio de novos subsídios, concessões, bolsas de estudo e cassinos para passar o tempo livre. Duas manifestações de 2007 levaram o governo a anunciar que os titulares de um Cartão de Identidade de Residente de Macau receberiam quase US $ 1.000 por ano como parte de um "esquema de distribuição de riquezas". Esse valor aumentou para US $ 1.250. Protegidos por sistemas de cotas de emprego, habitação social e pagamentos anuais, são concedidos subsídios para eletricidade e água, enquanto subvenções anuais são pagas a trabalhadores mal remunerados, professores, estudantes, funcionários públicos aposentados e idosos. Os cassinos geralmente fornecem aos empregados dois meses adicionais de salário por ano para sobrepor “confiança e segurança” aos funcionários e suas famílias em um futuro que talvez não exista. Sheila, 60, por exemplo, sentiu que “nunca pensei em imigrar para outros países porque o governo concedia subsídios anuais para os moradores”. Para Tracy, 24 anos, no entanto, “o governo apenas nos envia dinheiro, mas não pode resolver completamente os problemas [transporte, custos médicos e moradia]”.

23Embora seja pequena, essa “ajuda divina” torna tangível a ideia de que a nova prosperidade está sendo compartilhada. A autonomia na expressão cultural, cotas de trabalho, subsídios e técnicas de redistribuição do governo não pode compensar as restrições institucionais e o descontentamento público. Ele rouba o “público” de sua “vitalidade e, reciprocamente, vulgariza a política - com ela também a nação - reduzindo-a a uma quimera, que cria a necessidade de ainda mais mágica” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 328). O poder executivo (e os cassinos) procura "ocultar" os impactos sociais negativos líquidos por trás dos ativos culturais e sociais gerados pelos cassinos (eventos, galerias de arte, shows gratuitos, seminários sobre pais para funcionários e descontos para os residentes) e evitar o descontentamento, minimizar as manifestações, perturbações no local de trabalho ou qualquer pessoa que interrompa atos de consumo excessivo (Buhi, 2019; Strauss, 2015). É extremamente difícil obter permissão para qualquer tipo de manifestação pública. De gastar dinheiro público através da Fundação Macau em um mês de festival de compras de Macau a proibir a entrada de legisladores, ativistas e acadêmicos de Hong Kong em Macau, o sistema político ficou comprometido com decisões cada vez mais centradas em salvaguardar as operações do mercado de jogo e das empresas transnacionais. O governo recorreu ao “ritual mediado em massa para produzir poder estatal e unidade nacional e persuadir os cidadãos de sua realidade” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 327). Isso ocorreu através de exuberantes fogos de artifício (custando US $ 3 milhões em 2018), vários festivais (comida, cinema, luz), que meramente chamam a atenção para sua fragilidade e “as inelutáveis ​​diferenças nas quais o corpo político é construído, para a divergência de interesses que deve abraçar” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 328).

V. O turismo e o hiper-real

24Para as autoridades de Pequim, a economia oculta está escondida pelo verniz da prosperidade liderada pelo turista, pela arquitetura icônica e pelas promoções de turismo. O turismo é rotineiramente pronunciado, como se recorrer a esse conceito escondesse a constelação hiper-real de atrações de cassino e o hiperconsumo que gera grandes perdas financeiras pessoais no jogo como consumo "turístico" (Hom, 2015). Os cassinos disfarçam uma atividade humana problemática que se baseia na promessa de enriquecimento instantâneo por meios alternativos, como magia, habilidades, intuição e herança ancestral (Hamilakis, 2016). Embora criticado como degenerado por sua natureza improdutiva em muitas partes do mundo (Reith, 2007), o cortejo de forças irracionais do acaso e o foco na entrega no “aqui e agora” deixam Macau suscetível a pressões e incentivos de Pequim, especuladores, blocos políticos e atores transnacionais não estatais. Comaroff e Comaroff (2000, p. 295) descrevem o jogo como uma prática “pária” situada nos lugares liminares de “lazer e/ou refúgios daqueles (aristocratas, profligates, “aventureiros”) acima e ao lado do trabalho honesto” e a “epítome da acumulação imoral” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 295). Embora dependente do jogo e da riqueza que ele produz, o discurso oficial raramente menciona o jogo, pelo menos, fornece um lembrete ao governo do continente sobre as obscuras transações em que a economia de Macau se baseia. Pelo menos para quem está de fora, a economia oculta é consignada à periferia, ocultando-a na conflituosa categoria “Centro Mundial de Turismo e Lazer”. Após um relatório realizado em 2008 pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Pequim procurou posicionar Macau como um Centro Mundial de Turismo e Lazer (a frase na época era “Macau como um Centro Global de Turismo e Recreação”). O 12º Plano Nacional Quinquenal de 2011 anunciou o apoio a esse posicionamento/aspiração e, em 2015, o Governo da RAE de Macau apresentou uma proposta específica para o 13º Plano Nacional Quinquenal. Em outubro de 2015, o CE estabeleceu a Comissão para a Construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer. Essa ilusão de Macau como um novo Centro Mundial de Turismo e Lazer busca obscurecer o jogo e outras atividades especulativas, com o plano diretor de 2017 sem mencionar os cassinos ou o jogo como uma atividade no território (DST, 2017).

25O turismo tornou-se uma espécie de esquema de pirâmide de forma que “quanto mais é tolerado, mais é necessário” (Comaroff e Comaroff, 2000, p. 328). Apesar de ter identificado uma capacidade de carga entre 32,62 milhões e 33,7 milhões em 2014 (IFT, 2015), o Escritório de Turismo do Governo de Macau (DST, 2017) está planejando aumentar para 40 milhões o número de visitantes em 2025 - quase alcançado em 2019 (veja abaixo). A ilusão do conceito de “Centro Mundial de Turismo e Lazer” significa que capacidade de carga também é uma construção política e um número fictício, com as previsões de outros atores, visíveis e invisíveis, com o poder de produzir e definir a natureza do turismo e manter vivo o projeto hegemônico. Hoje, os moradores tentam viver suas vidas em uma economia que trabalha com probabilidade e confiança e oculta a rápida acumulação de riqueza por poucos (Coen e Maguire, 2012), mas às custas de aspiração, controle e distanciamento frustrados por forças invisíveis. Em vez de números de turismo, Macau permanece fixo em previsões e números que adquiriram um significado místico: valores mensais da receita de jogo. A categoria Centro Mundial de Turismo e Lazer também obscurece outros números ilícitos, como o número de trabalhadores sem licença, das populações desempregadas das províncias de Guangdong e Fujian, o número de mulheres que trabalham em bordéis. Incapaz de exercer controle estável sobre espaço, tempo ou fluxos, houve 39,4 milhões de chegadas de turistas em 2019. Os fluxos descontrolados de capital, risco e pessoas que buscam retornos instantâneos danificaram a esfera civil de Macau, o corpo político, a saúde econômica e a integridade social. Para Tracy, 24 “Macau não é um lugar para morar. Esta cidade possui apenas cassinos, hotéis e turistas”.

26A “democracia cega do risco no jogo recompensa divorciada da recompensa por esforço ou mérito” (Reith, 2007, p.34) prejudicou a meritocracia nas escolas, universidades, local de trabalho e corpo político e criou novos riscos, como um “estado de sombra” ( Reno, 2000) por trás da fachada da soberania do Estado e a chance de intervenção de Pequim. Embora estatisticamente, com uma das mais altas rendas per capita do mundo, as pessoas veem a vida como uma loteria ao buscar promoções de emprego, moradias (subsidiadas), jardins de infância, escolas e universidades, transporte e acesso a subsídios do governo. Jane, 32 anos, por exemplo, sentiu que a promoção no cassino era difícil, pois “já existem muitos colegas que tentaram muitas vezes lutar por uma promoção, que participaram do teste em papel e entrevistaram várias vezes. Mas eles falharam tanto quanto tentaram. ... porque suas redes sociais não são amplas o suficiente”.

27O discurso oficial de futuros igualitários ou do futuro de Macau após 2049 já se foi. Não há respostas sobre se as fronteiras serão totalmente abertas para o continente, se a moeda (MOP) será dissolvida ou se o SAR será amalgamado em uma área maior da baía de Guangdong-Hong Kong-Macau. Existem apenas planos escassos ou discussões preliminares das autoridades de Macau para combater a igualdade das mulheres, organização do trabalho, um salário mínimo padrão para todos, direitos LGBT, monopólios, justiça social, assistência médica, previdência social, direitos dos migrantes e imigrantes e liberdade de imprensa. Venus, 24 anos, observa que “a discriminação contra casais do mesmo sexo realmente existe em Macau. Como eu estudava na escola de garotas, sei que alguns casais do mesmo sexo estão sob alta pressão social por causa da etnia tradicional chinesa”.

28Eles se sentem realmente envergonhados e humilhados quando enfrentam suas famílias e amigos. Como Macau corroeu seu controle sobre a oferta de moeda e sua capacidade de regular e controlar fluxos financeiros, mercados imobiliários, comunicações, moedas, pessoas, informações, riqueza e trabalho, tornou-se uma zona de instabilidade oculta, levando a uma fusão dentre privação e limitação.

29Como a população está inserida “nas funções culturais e ideológicas do mercado” (Liu, 2008, p. 118), a falta de transparência, responsabilidade e estabilidade significa que alguns residentes de Macau buscam “lucro rápido” sem objetivo a longo prazo, paixão ou plano, que resultaram em aumentos dramáticos de preços nos serviços de saúde e na habitação. Os habitantes locais veem qualquer aumento de riqueza entre os trabalhadores não residentes como ilegítimo (Zhu, 2019). O “medo de invasão por estrangeiros encerrado em uma forma corporal monótona” (281) significa que os trabalhadores locais estão sempre procurando trabalhadores não residentes no continente que fingem ser locais em empregos reservados para eles; e cada vez mais buscam incursões para forçar o “mal subterrâneo à visibilidade pública, de reverter a alienação misteriosa que cria trabalhadores fantasmas [zumbis]” (Comaroff e Comaroff, 2002, p. 789). Como observam Comaroff e Comaroff (2000, p. 326), as economias ocultas levam os residentes a exigir:

30parem a entrada de imigrantes e outros que desviam a comunidade dos autóctones; para encarcerar criminosos … … outros personagens nefastos que estragam o mundo para pessoas retas e trabalhadoras.

31Os informantes costumavam culpar os trabalhadores migrantes de "nações alienígenas", como as Filipinas, que deixam suas casas, famílias e comunidades pelo crime, aceitando empregos, mentindo sobre seus antecedentes e impedindo o avanço de sua carreira. Essas divisões éticas são amplamente baseadas em sistemas classificatórios que governam a diversidade étnica instituídos sob o domínio português (Clayton, 2019) e ajudaram a moldar a “discriminação positiva” em favor dos residentes de Macau e as preocupações com estrangeiros nas mídias sociais e informalmente (Zhu, 2019 ). Uma lei de 2018, por exemplo, cobra dos não residentes que dão à luz nas taxas de parto dos hospitais de Macau três vezes mais do que o que os residentes pagam (Clayton, 2019). Para muitos informantes, trabalhadores estrangeiros ameaçam “deixar os outros de fora, diminuindo rapidamente a prosperidade da população indígena” (Comaroff e Comaroff, 2002a, p. 789). Para Sean, 23 anos, “há mais trabalhadores estrangeiros vivendo em minha região que podem aumentar a taxa de criminalidade”, enquanto Sally, 21, observou que “pessoas do Nepal, Filipinas e outros países do Sudeste Asiático podem levar a um aumento na taxa de criminalidade”. Chris, 59 anos, achava que o crime era alto com “muitas prostitutas estrangeiras” e “policiais corruptos, que não os prendiam”. Vênus, 24 observa que “devo dizer que sinto que não posso aceitar os comportamentos e valores de alguns chineses da China continental, embora também eu seja de ascendência chinesa”.

32O futuro de Macau é baseado na confiança, previsões e probabilidade em uma economia, que pode ser destruída por uma assinatura em Pequim ou simplesmente falando sobre isso de uma maneira negativa (por exemplo, levando os valores das ações a cair). Os cassinos chegam às casas de todos em Macau e estão corporalmente presentes, mas simultaneamente opacos e misteriosos. Atualmente, Macau não possui uma identidade cultural ou política forte ou instituições capazes de resistir a um afastamento do corte deliberado e da promoção de forças irracionais do acaso. Os cassinos são a atração principal, tentadores e sedutores, já que “acenam daquela coisa longínqua que chamamos de futuro” (Bauman, 2013, p. 78). Se alguma parte da população transitória de investidores, trabalhadores, jogadores e elites perderem a confiança e a fiabilidade neste mundo mágico, no qual especularam sua riqueza, identidade e futuro, a prosperidade econômica e a estabilidade social de Macau poderão decair. Com 30% da população trabalhadora não-residente, 25% da população, incluindo profissionais, juízes, políticos e funcionários públicos seniores com passaporte português (Chou, 2011), e mais de 40% dos diplomados do ensino médio de Macau indo para o exterior para o ensino superior (O'Keefe, 2013), os cidadãos não confiam, embora as autoridades reforcem a ideia de que a fé de Macau no turismo de alguma forma superará uma infinidade de deficiências.

33Histórias externas sobre bilhões de boatos serão canalizadas por Macau a cada ano (Comissão Anual-Comissão do Congresso sobre a China, 2013) e a prostituição (Departamento de Estado dos Estados Unidos, 2018) causam angústia e tensão. Isto lembra aos cidadãos o quão pouco a economia se diversificou e o quão vulnerável é a rumores, atores externos e choques. Os mesmos fluxos globais que criaram crescimento do PIB são susceptíveis a mudanças nas políticas de vistos e / ou transferência de renda pelo continente; disponibilidade de crédito e condições macroeconômicas globais adversas. Um surto de gripe aviária ou uma epidemia, como o mais recente coronavírus, 2019-Covid de Wuhan, um aumento nas taxas de juros do Federal Reserve, ataques cibernéticos, catástrofes naturais, uma desvantagem ao estímulo do banco central e da liquidez global, e alterações no IVS podem encerrar o boom especulativo e levar à consolidação. A crescente inquietação com os bancos subterrâneos, a lavagem de dinheiro e o desvio de fundos públicos e o fracasso político em introduzir diversificação significa que Pequim pode fechar a torneira tão facilmente quanto a ligou (Chou, 2011).

34Dada a incerteza em torno de um possível limite para o turismo de Pequim e as restrições às extensões de concessão de cassinos; os grupos de cassinos, que não são responsáveis ou diretamente responsáveis por Macau, começaram a mudar sua atenção para as jurisdições vizinhas. À medida que “as margens antigas se tornam novas fronteiras, lugares onde o capital móvel competitivo globalmente encontra zonas minimamente reguladas” (Comaroff e Comaroff, 2012, p. 121), Filipinas, Coréia do Sul, Taiwan, Camboja e Vietnã se tornaram novos destinos de apostas.

Algumas Conclusões

35Macau, sempre no turbilhão de mudanças econômicas, políticas e sociais regionais, acolheu a transferência de Portugal para a China em 1999. Embora nunca fosse uma democracia, a política de “um país, dois sistemas” conferia um alto grau de autonomia à cidade para formuladores de políticas para introduzir ajustes econômicos racionais antecipados, para permanecer em uma encruzilhada. Contudo, Macau tornou-se uma nova fronteira minimamente regulamentada através da liberalização e desregulamentação; oferecendo operações de cassino no exterior e capital sombrio, uma casa e um portal. Coincidindo com um excesso de liquidez global desencadeado pelos principais bancos centrais do mundo e a abertura da China, Macau prosperou com fluxos de capital anormais de entrada e saída. Como o governo parece incapaz ou não quer se afirmar ou permitir que os padrões normais da economia se reafirmem, a história pode se repetir, a menos que Pequim busque um processo descolonizador que rompa os ciclos de instabilidade. Assim como Macau se beneficiou dos retornos instantâneos do comércio de ópio, coolie, ouro e armas para evitar se tornar uma economia falida, seu destino atual precisa ser trabalhado por atores que não sugam a vitalidade, a criatividade e a confiança real necessárias para quebrar o feitiço visando a uma emancipação mais ampla. Há poucas razões para acreditar que a SAR reduzirá sua dependência do jogo. Com uma sociedade política fraca e uma sociedade civil cooptada, pode-se argumentar que Macau facilita o comércio global sem "produzir" nada tangível e serve apenas como fronteira para mais especulações financeiras de curto prazo no Leste e Sudeste da Ásia.

Haut de page

Bibliographie

Apter, A. (2005), The Pan-African Nation: Oil and the Spectacle of Culture in Nigeria, The University of Chicago Press, Chicago.

Bauman, Z. (2013), Globalization: the human consequences, 2nd edition, Polity, Cambridge.

Blackburn Cohen, C. (2019), "Obstacles to Excellence: Academic Freedom and China's Quest for World-Class Universities”, Conference: The Social Practice of Human Rights, No.12, Available at: https://ecommons.udayton.edu/human_rights/2019/events/12

Buhi, J. (2019), “Corporate Social Responsibility, Casino Capitalism, and the Constitution of Macau “, UCLA Pacific Basin Law Journal, Forthcoming. Available at: https://ssrn.com/abstract=3246095

Burns, P.M, (2008), “Tourism, political discourse, and post-colonialism”, Tourism and Hospitality Planning & Development, Vol. 5 No. 1, pp.61-71.

Cahn, P. (2008), “Consuming class: multilevel marketers in neoliberal Mexico”, Cultural Anthropology, Vol. 23 No. 3-4, pp. 29–52.

Carvalho, R. (2018), “Macau: the incredible poverty at the heart of world’s richest place”, South China Morning Post, August 18, Available at: https://www.scmp.com/week-asia/society/article/2160251/macau-incredible-poverty-heart-worlds-richest-place

Chau, S.L. (2019), "The impact of work-family conflict on work stress and job satisfaction among Macau table game dealers", International Journal of Tourism Sciences Vol. 19, no. 1, pp. 1-17.

Cheng, CMB. (1999), Macau: A Cultural Janus, Hong Kong University Press, Hong Kong.

Congressional-Executive Commission on China Annual Report. (2013), Annual Report, Available at: www.cecc.gov/sites/chinacommission.house.gov/files/AR13DJ.PDF

Choi, H.K. (2008), “Labour Rights and the Political Economy of Growth: Migrant Workers and Labour Informalization in Macau”, in Lee, D., Leung, A., Ofreneo, R. and Sukumaran, A. (Eds.), Rights for Two-Thirds of Asia: Asian Labour Law Review, Asia Monitor Resources Centre, Hong Kong, pp. 57 -76.

Chou, B. (2011), “Local Autonomy Matters: One-Country Two-System Policy in Macao and Its Implications to China’s Policies Towards Borderlands”, In Hao, Y. and Chou, B. (Eds.), China’s policies on Its borderlands and International relations, World Scientific, Singapore, pp. 225–52.

Chou, B. (2012), “Getting Away with it”, Macau Business (September, 2012), pp. 25, Available at: http://issuu.com/macaubusiness/docs/mb101

Chou, B. (2013), “Local Autonomy in Action: Beijing’s Hong Kong and Macau Policies”, Journal of Current Chinese Affairs, Vol. 42 No. 3, pp. 29–54.

Clayton, C. (2010), Sovereignty at the edge: Macau and the question of Chineseness, The Harvard University Asia Center, Cambridge (Mass.) and London.

Clayton, C. (2019), “Multi-ethnic Macao: from global village to migrant metropolis”. Social Transformations in Chinese Societies, Available at: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/STICS-01-2019-0003/full/html

Comaroff, J. and Comaroff, J. (1999), “Occult economies and the violence of abstraction: Notes from the South African postcolony”, American Ethnologist, Vol. 26, No. 2, pp. 279–303.

Comaroff, J. and Comaroff, J. (2000), “Millennial capitalism: First thoughts on the second coming”, Public Culture, Vol. 12 No. 2, 291-343.

Comaroff, J. and Comaroff, J. (2002), “Alien-Nation: Zombies, Immigrants, and Millennial Capitalism”, The South Atlantic Quarterly, Vol. 101 No. 4, pp.779-805.

Comaroff, J. and Comaroff, J. (2002b), “Millennial Capitalism, Occult Economies, and the Crisis of Reproduction in South Africa: Further Notes from the Postcolony”, In Ellingson, S. and Green, M.C. [Eds.], Religion and Sexuality in Cross-Cultural Perspective, Routledge, New York and London. pp. 223-250.

Comaroff, J. and Comaroff, J. (2003), “Ethnography on an Awkward Scale: Postcolonial Anthropology and the Violence of Abstraction”, Ethnography, Vol. 4 No. 2, pp. 147-80.

Comaroff, J. and Comaroff, J. (2012), “Theory from the South: Or, how EuroAmerica is Evolving Toward Africa”, Anthropological Forum: A Journal of Social Anthropology and Comparative Sociology, Vol. 22, No. 2, pp. 113-31.

Dicks, A. (1984), “Macao: legal fiction and gunboat diplomacy”, in Goran, A. (Ed.), Leadership on the China coast, Curzon, Richmond, Surrey, pp. 90-127.

Fraser, N. (2019), “Sex for sale: what happened to Macau casinos’ new family-friendly image?” South China Morning Post, October 20, Available at: https://www.scmp.com/week-asia/politics/article/3032604/sex-sale-what-happened-macau-casinos-new-family-friendly-image

Garrett R., (2010), Defences of Macau, The: Forts, Ships and Weapons over 450 years, Hong Kong University Press, Hong Kong.

Godinho, J. (2014), "Casino gaming in Macau: evolution, regulation and challenges." UNLV Gaming LJ, Vol. 5, pp. 1-26.

Grier, R.M. (1999), “Colonial legacies and economic growth”, Public choice, Vol. 98 No. 3-4, pp. 317-335.

Hall, B.J, Lam, A.I.F., Wu, T.L., Hou, W.K., Latkin, C. and Galea, S. (2017), “The epidemiology of current depression in Macau, China: towards a plan for mental health action”, Social psychiatry and psychiatric epidemiology, Vol. 52 No. 10, pp.1227-1235.

Hing, L.S. (2005), “Casino politics, organized crime and the post-colonial state in Macau”, Journal of Contemporary China, Vol. 14 No. 43, pp. 207-224.

Hao, Z. (2005), "Social problems in Macau”, China Perspectives, No. 62.

Ho, W.S. (2005), “Macao’s economy since the handover. Boletim Trimestral da AMCM, nº 14“, Monetary Authority of Macao, Available at: www.amcm.gov.mo/publication/quarterly/Jan2005/5yearReview_en.pdf

Hamilakis, Y. (2016), “Some debts can never be repaid: the archaeo-politics of the crisis,” Journal of Modern Greek Studies, Vol. 43 No. 2, pp. 227-264.

Hom, S.M. (2015), The Beautiful Country: Tourism and the Impossible State of Destination Italy, University of Toronto Press, Toronto.

IFT. (2015), “Findings of the annual study of Macao’s Tourism Carrying Capacity, 2013 and 2014”, Institute for Tourism Studies (IFT), Available at: www.gcs.gov.mo/files/news/20150326/E09.pdf

James, E. (2012), “Witchcraft, bureaucraft, and the social life of (US) aid in Haiti”, Cultural Anthropology, Vol. 27 No. 1, pp. 50-75.

Lao, H.M. an Siu, P. (2013), “A Study on the Establishment and Problems of Macau’s Financial Reserve System, 2013”, Cross-strait Academic Conference on Enhancement of Public Governance, University of Macau, 09 October, 2013, available at: www.umac.mo/fss/src/conf_2013_governance/papers/panel_b_lao_hei_meng_siu_yeung_fai.pdf

Leiper, N. (1989), “Tourism and gambling”, GeoJournal, Vol. 19 No. 3, pp.269-275.

Lintner, B. (2016), “Blood brothers: The criminal underworld of Asia”, Springer, New York.

Liu, S.D. (2008), “Casino colony, Metropolitan Disorders-5”, New Left Review, Vol. 50 (March/April), pp. 109-24.

Lo, H.H. (2005), “Casino Politics, Organized Crime and the Post-Colonial State in Macau”, Journal of Contemporary China, Vol. 14 No. 43, pp. 207-24.

Lo, T.W. and Kwok, S.I. (2017), “Triad organized crime in Macau casinos: Extra-legal governance and entrepreneurship”, British Journal of Criminology, Vol. 57 No. 3, pp. 589-607.

Louw, S. (2019), “Chinese Immigrants and Underground Lotteries in South Africa: Negotiating Spaces at the Cusp of a Racial–Capitalist Order”, Journal of Southern African Studies, Vol. 45 No. 1, pp. 49-68.

Maguire, M. and Coen, C, (2012), “Death of a tiger: The collapse of Irish property dreams”, Anthropological Notebooks, Vol 18 No. 1, pp. 5–22.

McKenzie, N., Toscano, N, and Tobin, G. (2019), “Gangsters, gamblers and Crown casino: How it all went wrong”, The Age, July 27, Available at: https://www.theage.com.au/business/companies/gangsters-gamblers-and-crown-casino-how-it-all-went-wrong-20190725-p52aqd.html

Meagher, A. (2008), The Coolie Trade: The Traffic in Chinese Laborers to Latin America 1847-1874, Xlibris, Philadelphia.

Mieiro, S., Ramos, P.N. and Alves, J. (2012), “Gaming Tourism Boom, Foreign Currency Inflows, and Dutch Disease Effects: an Empirical Model for Macau”, International Journal of Trade, Economics and Finance, Vol. 3 No. 6, pp. 421-427.

MGTO, (2017), “Macao Tourism Industry Development Master Plan”, Macao Government Tourism Office (MGTO), Available at: https://masterplan.macaotourism.gov.mo/home-en/index.html

Nader, L. (1972), “Up the Anthropologist—Perspectives Gained from Studying Up”, in Hymes D. (Eds.), Reinventing Anthropology, Pantheon, New York, pp. 284–311.

OECD. (2012), “Pisa in Focus report”, OECD Publishing, 6 (July), Available at: https://www.oecd.org/pisa/pisaproducts/pisainfocus/48363440.pdf

O'Keeffe, K. (2013), “Macau Parlays Casino Cash for Renewal”, Wall Street Journal, Available at: http://online.wsj.com/news/articles/SB40001424127887324755104579070991473562028

Pignarre, P. and Stengers, I. (2011), Capitalist Sorcery: Breaking the Spell, Palgrave Macmillan, Basingstoke and New York.

Pinheiro, F.V. (2002), “Macao’s Coolie Trade: One City, Two Cultures, Three Communities”, Review of Culture, Parallel Cultures and Transcultural Processes, Vol. 35, pp. 60-91.

Pomfret, J. (2014), “Special Report: How China's official bank card is used to smuggle money”, Chicago Tribune, Available at: http://articles.chicagotribune.com/2014-03-11/business/sns-rt-us-china-unionpay-special-report-20140311_1_bank-card-special-report-peoples-bank

Puga, R.M. (2013), The British Presence in Macau, 1635-1793, Hong Kong University Press, Hong Kong.

Reith, G. (2007), “Gambling and the contradictions of consumption: a genealogy of the ‘pathological’ subject”, American Behavioral Scientist, Vol. 50 No. 13, pp. 1-23.

Simpson, T. (2018), “Neoliberal exception? The liberalization of Macau’s casino gaming monopoly and the genealogy of the post-socialist Chinese subject”, Planning Theory, Vol. 17 No. 1, pp. 74-95.

Simpson, T. (2019), “From Casino Wars to Casino Capitalism: Sovereignty and Gaming in Macau”, Center for Gaming Research Occasional Paper Series: Paper 46, pp. 1-7. Available at: https://digitalscholarship.unlv.edu/occ_papers/46

Sit, V., Cremer, R.D. and Wong, S-l. (1991), Entrepreneurs and Enterprises in Macau: A Study of Industrial Development, Hong Kong University Press, Hong Kong.

Su, C. (2017), “The Roles of Online Alternative Media in Facilitating Civil Society Development in Macau: The Case Study of Macau Concealers and All About Macau Media”, in Tong, ‎J. and Lo, S-H (Eds.), Digital Technology and Journalism, Springer, Cham. pp. 237-259.

Strauss, J.R. (2015), Challenging corporate social responsibility: Lessons for public relations from the casino industry, Routledge, London.

United States Department of State, (2018), “Trafficking in Persons Report – Macau”, 28 June 2018, Available at: https://www.refworld.org/docid/5b3e0aea3.html

Varese, F., Wang, P., and Wong, R.W. (2019), “Why should I trust you with my money?’: Credible commitments in the Informal Economy in China”, The British Journal of Criminology, Vol. 59 No. 3, pp. 594-613.

Wang, W. and Eadington, W. (2008), “The VIP-Room Contractual System and Macao’s Traditional Casino Industry”, China: An International Journal, Vol. 6 No. 2, pp. 237-260.

Wang, W. and Zabielskis, P. (2010), “Making Friends, Making Money: Macau’s Traditional VIP Casino System”, in Kingmaed, S. (Ed.), Global Gambling: Cultural Perspectives on Gambling Organizations, Routledge, New York, pp. 113-143.

West, H. and Sanders, T. (2003), Transparency and conspiracy: Ethnographies of suspicion in the new world order, Duke University Press, Durham.

Wong, I.L.K. and Lam, P. (2013), “Work stress and problem gambling among Chinese casino employees in Macau”, Asian Journal of Gambling Issues and Public Health, Vol. 3 No. 1, pp. 1-16.

Zheng, V. and Wan, P.S. (2014), Gambling dynamism: The Macao miracle, Berlin: Springer-Verlag.

Zhu, J. (2019), “Local sore loser”, Macau Daily Times, March 26, Available at: https://macaudailytimes.com.mo/our-desk-local-sore-loser.html

Haut de page

Notes

1 Nota da Tradutora : sigla referente a Special Administrative Region, conforme original.

2 Nota da Tradutora : sigla referente a People’s Republic of China, conforme original.

3 Os operadores de lançament de Macau trabalham com os cassinos para atrair jogadores VIP, organizando transporte e acomodação, além de oferecer crédito e cobrar dívidas.

4 As notas especiais são impressas pela Autoridade Monetária de Macau (AMCM), mas disponíveis apenas para residentes, para fins de investimento.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Michael O’Regan, « Macau pós-colonial: esperança e desespero em um Centro Mundial de Turismo e Lazer », Via [En ligne], 16 | 2019, mis en ligne le 30 mars 2020, consulté le 05 août 2020. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/4542

Haut de page

Auteur

Michael O’Regan

Bournemouth University (UK)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals