Navigation – Plan du site

AccueilNuméros7Lugares e fluxos do turismo nacio...

Lugares e fluxos do turismo nacional brasileiro

Hervé Théry
Traduction de Hervé Théry et Leonor Bertone
Cet article est une traduction de :
Lieux et flux du tourisme intérieur brésilien [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Orte und Reiseströme des brasilianischen Binnentourismus [de]

Résumé

O Brasil não é um importante destino turístico internacional, com menos de 6 milhões de turistas por ano. Em contrapartida o turismo nacional é muito ativo, 59 milhões de turistas e 190 milhões de viagens, graças a um mercado nacional de 200 milhões de habitantes, aos progressos do padrão de vida e ao consequente aumento dos gastos para turismo nas últimas décadas. Isso ajudou a construir um setor de turismo poderoso e bem estruturado, que pode ser analisado precisamente através de publicações oficiais, disponíveis on-line. Eles contêm números abundantes e que permitem desenhar mapas que ajudam a localizar os pontos fortes e os fluxos induzidos.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

1O Brasil não é um importante destino turístico internacional. Segundo a Organização Mundial do Turismo, em 2012 ele ocupava apenas o 38° lugar no mundo, em número de turistas (5,6 milhões de turistas) e também em receitas com (6,6 bilhões de dólares). Neste mesmo ano a França, primeiro destino mundial, recebeu 83 milhões de turistas e os Estados Unidos estavam na liderança dos gastos com 128 bilhões de dólares. Globalmente, o Brasil está, como toda a América do Sul, muito atrás da Europa, da Ásia e do Caribe (figura 1) isto porque o país sofre com a distância em relação aos grandes países emissores de turistas, aliada a uma imagem de violência endêmica que preocupa os potenciais visitantes, além da competição com outros países semelhantes, particularmente o turismo balneário, cujas praias tropicais no Brasil são muito parecidas com as do Caribe ou da Tailândia. Cabe, porém, constatar que despesas para turismo cresceram na China (+ 31 %), na Rússia (+ 28 %) e no Brasil (+ 15 %), o que indica que, também neste domínio, o peso dos chamados países emergentes está aumentando.

2O motor do crescimento do turismo no Brasil não é, portanto, o fluxo de visitantes estrangeiros, mas o mercado interno dos 200 milhões de brasileiros, cujo padrão de vida melhorou muito nas últimas décadas, e permitiu a emergência de uma clientela capaz de estimular a construção de uma indústria turística já poderosa e bem estruturada. Exemplos disso são Gramado, Camboriú, Nossa Senhora Aparecida, Caldas Novas, entre outros lugares, pouco conhecidos fora do Brasil. O sector de turismo no Brasil pode, contudo, ser analisado com precisão através de publicações oficiais, disponíveis on-line, que incluem abundantes figuras e que permitem construir mapas que ajudam a localizar seus pontos fortes e os fluxos induzidos.

Figura 1 : O Brasil no turismo mundial

Figura 1 : O Brasil no turismo mundial

Hervé Théry

Turismo nacional, lugares sonhados e lugares visitados

3Um estudo realizado pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) permite avaliar o peso do turismo nacional, suas características sociais e seus principais fluxos. Intitulado “Caracterização e Dimensionamento do Turismo Doméstico no Brasil – 2010/2011″, ele está disponível on-line, sendo a quinta pesquisa sobre o turismo nacional.

4A primeira foi realizada em 1998, abrangendo 9.000 entrevistas e estava focada sobre 96 municípios com mais de 200.000 habitantes. Em 2002 e 2006, respectivamente, a segunda e terceira edições da pesquisa foi realizada com uma expansão gradual da amostra geográfica, a quarta edição em 2008, foram baseada em uma amostra aleatória de 137 municípios e mais de 37.000 entrevistas. Na quinta edição, a amostra manteve os 137 municípios selecionados na pesquisa de 2008, mas desta vez com setores censitários estratificados para levar em conta as disparidades de renda. Os setores foram divididos, de acordo com a renda e com os padrões de pesquisa em turismo no Brasil, em três níveis de rendimento expresso em múltiplos do salário mínimo (SM) : 0-4 SM, 4-15 SM, 15 SM e mais.

5As principais características dos respondentes são chefes de família (63,0 %), do sexo masculino para 39,1 % e feminino para 60,9 % ; a sua idade média é de 47,4 anos ; a sua renda familiar mensal média é de 2.395 Reais. Para 44,0 % dos domicílios na amostra, pelo menos um de seus habitantes fez uma viagem em 2011, a taxa sendo naturalmente mais elevada em classes com rendimentos mais elevados, a proporção de domicílios que viajou varia de 35,7 % nos estratos mais baixos de renda, para 68,9 % no último estrato.

Tabela 1 : Viagens e renda da família

Viajou em 2011

(%)

Classe de renda da familia

De 0 até 4 SM

De 4 até 15 SM

Mais de 15 SM

Total

Não

64,3

43,3

31,3

56,0

Sim

35,7

56,7

68,9

44,0

Total

100,0

100,0

100,0

100,0

Hervé Théry

6Para aqueles que viajaram, o número médio de viagens por domicílio é estimado em 2,6 deslocamentos, os resultados aqui também variam de acordo com a renda. A análise dos resultados por renda mostra uma clara influência no número de viagens. A percentagem de famílias que têm apenas uma viagem por ano é de 56,9 % no primeiro grupo de renda para 31,9 % no último, enquanto que para 11 viagens ou mais varia de 1,0 % a 4, 0 % de famílias.

7Entre os destinos turísticos “sonhados” pelos entrevistados, a região Nordeste ocupa o primeiro lugar, com 54,2 % das citações, seguido pelo Sudeste (20,4 %) e pelo Sul (14,1 %). Distinguindo as respostas, por região de origem, a segunda mais desejada é a região Sudeste – região que inclui grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo – especialmente para os Nordestinos (33, 6 %), o Nortistas (23,4 %) e Sulistas (19,1 %).

Photo 1 : La plage de Guarujá, litoral nord de São Paulo

Photo 1 : La plage de Guarujá, litoral nord de São Paulo

Hervé Théry

Photo 2 : La plage populaire de Barra do Ceará, Fortaleza, en semaine

Photo 2 : La plage populaire de Barra do Ceará, Fortaleza, en semaine

Hervé Théry

Photo 3 : Le parc thématique Beach Park, près de Fortaleza, le même jour

Photo 3 : Le parc thématique Beach Park, près de Fortaleza, le même jour

Hervé Théry

Tabela 2 : Lugares de férias desejados, por região de origem e destino

Região de origem

Região de destino desejada

Total

Centro-Oeste

Nordeste

Norte

Sudeste

Sul

Centro-Oeste

8,2

59,6

3,3

17,5

11,4

100,0

Nordeste

5,8

41,6

3,9

33,6

15,2

100,0

Norte

5,4

50,1

9,0

23,4

12,1

100,0

Sudeste

7,5

62,7

4,7

11,6

13,6

100,0

Sul

6,4

54,6

4,0

19,1

16,1

100,0

Total

6,7

54,2

4,5

20,4

14,1

100,0

Hervé Théry

8O trabalho da Fipe analisa a relação entre regiões que fornecem (“emissoras”) e regiões que recebem turistas (“receptoras”). A região Sudeste representa 40,8 % das partidas e é também o principal destino dos fluxos de turistas no interior do país, com 36,5 % do total de turistas. A região Nordeste é responsável por 25,8 % dos turistas e 30,0 % das estadias : se calcular a taxa de origem / destino de turistas do Sudeste, a região mais rica do país aparece como um centro de emissão (rácio 1.1) e região Nordeste, as mais pobres, como muito receptiva (0,9). As regiões Centro-Oeste e Sul têm uma proporção equilibrada de 1,0, enquanto o Norte, apesar de seus pontos fortes no ecoturismo é, com uma taxa de 1,1, um emissor líquido de turistas interessados nas praias do Nordeste e nas grandes cidades do Sudeste.

Tabela 3 : Regiões emissoras e receptoras

Região

% emissivo

% receptivo

Centro-Oeste

9,9

9,9

Nordeste

25,8

30,0

Norte

5,9

5,1

Sudeste

40,8

36,5

Sul

17,7

18,5

TOTAL

100,0

100,0

Hervé Théry

9Quando a análise é realizada em termos de despesas de viagem, a região Sudeste continua sendo o principal centro emissor do país (43,8 %), mas vê reduzida a sua quota de receptivo (35,0 % contra 36,5 % em número de turistas), enquanto que a do Nordeste é bem equilibrada (30,0 % do número de turistas e 30,8 % dos gastos). Obviamente, os turistas que visitam as grandes cidades não têm os mesmos orçamentos para viagens que os seus habitantes quando eles viajam para áreas periféricas.

10Uma situação similar é observada para os Estados da União, os mais desenvolvidos também são os mais importantes centros de recepção e de emissões de turistas. Em número de turistas 5 dos 27 Estados – São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia – concentram mais de 50 % dos fluxos turísticos do país e quase 50 % das estadias. Se somarmos os estados do Paraná, Pernambuco, Santa Catarina e Goiás, chegamos a cerca de 70 % dos turistas e fluxos. Os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, o mais populoso do país, são essencialmente emissores, enquanto Santa Catarina, Ceará, Bahia e Goiás, menores em termos absolutos, são principalmente receptores.

11Em termos de lugares (Figuras 2 e 3), os dois destinos mais populares estão localizados na região Nordeste, a ilha de Fernando de Noronha e Fortaleza. Além destes, sete outras cidades da região (Salvador, Natal, Recife, Porto Seguro, Ipojuca, Maceió e São Luís) estão entre as vinte cidades citadas como as mais desejadas, cinco no Sul (Gramado, Florianópolis, Foz do Iguaçu, Curitiba e Porto Alegre), três no Sudeste (Rio de Janeiro, São Paulo e Aparecida), duas no Centro-Oeste (Bonito e Brasília) e uma do Norte (Manaus). Fora das capitais dos Estados são resorts (Porto Seguro, Ipojuca), são lugares notáveis por seus atrativos naturais (clima – relativamente – frio em Gramado, cataratas em Foz do Iguaçu e águas cristalinas de Bonito) e ainda o cultural (basílica de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil).

Figura 2 : Lugares sonhados e visitados

Figura 2 : Lugares sonhados e visitados

Hervé Théry

12Fernando de Noronha, Natal, Gramado, Florianópolis, Manaus, Maceió, Porto Alegre e Bonito são os destinos mais atraentes para as famílias com maiores rendimentos. E fácil de entender por que no caso de Fernando de Noronha, uma ilha localizada a 345 quilômetros da costa, com quotas de acesso por razões ecológicas e, portanto, cara. É o mesmo para Gramado, resort chique, e para Bonito, onde o ecoturismo destina-se a clientes ricos, com atividades caras como rafting e mergulho.

Figura 3 : Lugares sonhados e visitados por classe de renda

Figura 3 : Lugares sonhados e visitados por classe de renda

Hervé Théry

Foto 4 : Chalê em (Rio Grande do Sul).

Foto 4 : Chalê em (Rio Grande do Sul).

Hervé Théry

Foto 5 : A basílica de Nossa Senhora Aparecida, (São Paulo)

Foto 5 : A basílica de Nossa Senhora Aparecida, (São Paulo)

Hervé Théry

Foto 6 : Balneário Camboriú (Santa Catarina)

Foto 6 : Balneário Camboriú (Santa Catarina)

Hervé Théry

13Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Brasília e Aparecida despertam mais interesse em classes com baixos rendimentos, são grandes cidades onde não é muito difícil ficar com parentes e amigos que tenham migrado para lá, enquanto Porto Seguro e a Basílica de Aparecida são organizados para o turismo de massa.

14Os lugares realmente visitados não coincidem completamente com aqueles sonhados pelos entrevistados, os últimos são em sua maioria localizados em regiões “exóticas” para a maioria da população brasileira (Amazônia, Sul e Nordeste). Na realidade, os mais pobres frequentam principalmente a sua própria região, acessível de carro e onde eles podem ficar com parentes ou amigos. Os destinos mais populares estão localizados perto do local de residência, e cerca de 70 % dos fluxos ocorrem na região de residência. Portanto, as principais capitais brasileiras aparecem no topo da lista, notadamente as grandes cidades costeiras onde a atratividade e amenidades da cidade coincidem.

15A demanda daqueles que têm mais recursos permitiu a criação de zonas turísticas bem equipados próximos das grandes cidades, como Porto Seguro, na Bahia (que também atrai turistas do Sudeste e do Sul), Balneário Camboriú, em Santa Catarina para clientes do Sul (e Argentinos), e especialmente o litoral norte de São Paulo. A abertura da estrada costeira Rio-Santos criou uma série de estâncias turísticas entre Praia Grande e Santos, e o limite do Estado do Rio de Janeiro, como Guarujá e Ubatuba, que aparecem no mapa, e outros que também estão nele, Bertioga, Maresias, São Sebastião e Caraguatatuba.

16Uma ideia da massividade do fenômeno cabe em um único dado : no longo feriado da Semana Santa, de 18 a 20 de abril de 2014, não menos de dois milhões de carros desceram do planalto de São Paulo para o litoral. Como de costume nestas ocasiões as rodovias que ligam a capital ao litoral foram quase totalmente unidirecionais, uma única faixa das oito disponíveis sendo mantida aberta para a subida no início do período e uma para descida no final do período do referido feriado.

Massas e fluxos do turismo nacional

17Para estimar o volume global de turismo nacional brasileiro, cujo caso citado acima mostra a sua importância, os resultados do trabalho da Fipe foram aplicados pelos seus autores ao número total de domicílios urbanos no país, conhecido pelo censo realizado pelo IBGE, em 2010 (últimos dados disponíveis). Como os dados da Fipe têm a vantagem de ter uma boa cobertura geográfica e de faixas de renda, podem ser extrapolados para todo o país as principais características das viagens, regionais e inter-regionais, detectadas no estudo.

18Com base na proporção de responsáveis de domicílios que viajaram no ano anterior, estabelecida através da pesquisa e estimada em 44,0 %, fez-se uma extrapolação para a população total. Como o Brasil tem 49.22 milhões de domicílios urbanos, pode-se deduzir que em 21,6 milhões deles pelo menos um de seus moradores fez uma ou mais viagens dentro do Brasil em 2011. Como a pesquisa de 2005 havia estabelecido que uma média de 2,7 pessoas realizaram estas viagens, o número de turistas pode ser estimado em 58,9 milhões de pessoas. Com base no número médio de viagens, também dado pela pesquisa de 2005, da ordem de 3,24 vezes por ano, chega-se a um total de 190,8 milhões de passageiros-viagens.

19Observamos, em relação a 2007, uma proporção crescente de responsáveis de domicílios urbanos que viajaram, de 38,2 % para 44,0 %, um aumento de 15,2 %. Isto significa um aumento no número de passageiros de 49,7 para 58,9 milhões, um aumento do número total de viagens de 161,1 para 190,8 milhões em 2011, ou seja, um aumento de 18,5 %. Este crescimento é causado por dois componentes, o crescimento do número de famílias (+ 2,9 %) e aumento da propensão a viajar na população urbana (15,2 %).

Figure 4 : Nombre de touristes nationaux par classes de revenus en 2012

Figure 4 : Nombre de touristes nationaux par classes de revenus en 2012

Hervé Théry

20No total, o turismo nacional brasileiro representa mais de dez vezes o número de visitantes estrangeiros, ou mesmo trinta vezes já que eles fazem, em média, um pouco mais de três viagens por ano, sendo raro o caso de estrangeiros que veem várias vezes por ano ao Brasil. A distribuição territorial e social (Figura 4) é muito desigual, como da própria população brasileira em geral, os clientes mais abastados concentram-se no Sul e Sudeste, incluindo a nova classe média, cujo crescimento tem sido uma das mudanças mais notáveis ​​na sociedade brasileira na última década. Este grupo central, cujos rendimentos se situam entre 3 e 10 salários mínimos, é aquele cujo poder de compra aumentou mais nos dois mandatos do presidente Luís Inácio “Lula” da Silva (2003-2010) e no primeiro mandato da sua sucessora, Dilma Rousseff (2011-2014). Isto, obviamente, abre boas perspectivas para o turismo nacional no Sul e Sudeste já que comprar um carro – e fazer as viagens que ele permite – é um dos primeiros sonhos realizados por esses novos consumidores. Todavia essa situação mudou sensivelmente no cenário atual brasileiro.

Figura 5 : Fluxos do turismo nacional em 2012

Figura 5 : Fluxos do turismo nacional em 2012

Hervé Théry

Figura 6 : Principais fluxos do turismo nacional em 2012

Figura 6 : Principais fluxos do turismo nacional em 2012

Hervé Théry

21Os fluxos resultantes desses 191 milhões de viagens de passageiros, vistos globalmente (Figura 5) estão concentrados principalmente ao longo de um eixo paralelo à costa, uma vez que 80 % da população vive a menos de 200 km do mesmo, com incursões menores para o Centro-Oeste e a Amazônia. No entanto, nota-se o papel central do Distrito Federal, Brasília, que acrescenta ao seu papel de capital política, o papel de hub para o transporte aéreo inter-regional. Os fluxos turísticos são organizados principalmente em torno de dois polos de atração, o Nordeste e São Paulo, onde chegam turistas vindos de todo o país. Em detalhe, se analisarmos os fluxos dos oito principais estados (Figura 6), mais uma vez vemos o peso de São Paulo, principal polo emissor – especialmente para o Nordeste – e receptor para todos os outros, o norte a sul.

Equipamento turístico e tipologia regional do turismo nacional

22Outra vertente do turismo nacional consiste em examinar os equipamentos e as ocupações que lhe estão subjacentes e que lhe tornam possível. Baseamo-nos em uma publicação oficial da Secretaria Nacional de Políticas de Turismo do Ministério do Turismo, o Anuário Estatístico de Turismo, que levanta por Estado da federação, os prestadores de serviços turísticos e os equipamentos disponíveis, ou, pelo menos, registrados pelo Ministério do Turismo. O Anuário compila dados sobre o número de estabelecimentos e serviços turísticos : agências de viagens, alojamento (hotéis, apartamentos, apart-hotéis), parques temáticos, transporte turístico, organizadores de eventos (convenções, congressos, etc.), os organizadores de feiras, exposições e outros prestadores de serviços especializados na organização de eventos, graduados em turismo e guias de turismo. O último volume disponível cobre os anos de 2011 e 2012.

23Os dados analisados, no Anuário, refletem apenas uma parte da atividade turística pois o estudo da Fipe indica que, na sua amostra de viajantes, o principal meio de alojamento permanece a casa de familiares ou de amigos, e mais de 90 % dos turistas não utilizam os serviços da agência de turismo para organizar a sua viagem. No entanto, este inventário, pôde ser traduzido em mapas (Figura 7 e 8) e mostra mais uma vez a concentração de recursos na região Sul e Sudeste, dimensionadas para servir os turistas regionais que viajam a curta distância, e aqueles que vêm de outras regiões.

24Para certos serviços mais específicos são as agências de viagens, com profissionais locais, que organizam viagens empreendidas pelos demandantes dessas regiões para o resto do país e para o exterior. É o caso da mais rica e populosa região, São Paulo, seguida de Brasília, onde são viabilizados os movimentos de dignitários e funcionários brasileiros e internacionais que trabalham na capital e dos parlamentares que visitam frequentemente suas bases eleitorais. Outros profissionais, como dos hotéis e guias, também trabalham para turistas estrangeiros e estão concentrados em torno dos sites que os mesmos visitam, particularmente numerosos no Rio de Janeiro, o principal destino e porta de entrada para o Brasil e para os turistas de outros países.

Figura 7 : Principais equipamentos e serviços turísticos

Figura 7 : Principais equipamentos e serviços turísticos

Hervé Théry

Figura 8 : Anamorfose do turismo, leitos de hotel e guias turísticos

Figura 8 : Anamorfose do turismo, leitos de hotel e guias turísticos

Hervé Théry

25Mais recentemente, começam a aparecer outras alternativas ao turismo balneário e hoteleiro, embora estes continuem a ser dominantes. Estas incluem, por exemplo, o turismo cultural em torno do património histórico das cidades do ouro de Minas Gerais, como Ouro Preto, ou antigas fazendas de café no vale do Paraíba do Sul. Da mesma forma, o turismo rural se desenvolve nas pequenas fazendas do Sul, organizado pelos descendentes de colonos europeus, principalmente alemães ou italianos, que chegaram no final do século XIX. O ecoturismo é praticado não só na Amazônia, ou no Pantanal, mas também nos remanescentes da Mata Atlântica, poucos permanecem, mas eles têm a vantagem de estarem localizados perto das grandes metrópoles.

Foto 7 : Ouro Preto (Minas Gerais)

Foto 7 : Ouro Preto (Minas Gerais)

Hervé Théry

Foto 8 : Tourisme rural dans le Santa Catarina

Foto 8 : Tourisme rural dans le Santa Catarina

Hervé Théry

Foto 9 : Écotourisme à Ilha Bela (São Paulo)

Foto 9 : Écotourisme à Ilha Bela (São Paulo)

Hervé Théry

26Em conclusão, podemos tentar uma tipologia do turismo nacional brasileiro tratando sinteticamente os dados disponíveis nos Estados da federação, privilegiando os mais característicos e os mais relevantes para o assunto.

Figura 9 : Uma tipologia do turismo nacional nos Estados brasileiros

Figura 9 : Uma tipologia do turismo nacional nos Estados brasileiros

Hervé Théry

27Submetendo esses dados a uma classificação ascendente hierárquica (CAH) – ou análise de clusters – associa-se Estados com perfis semelhantes, formando grupos que podem ser analisados (figura 9). Para cada um desses grupos o gráfico abaixo e o mapa indicam se o Estado está acima (barra para a direita) ou abaixo (barra à esquerda) da média nacional, o comprimento da barra indica a magnitude do desvio em relação à média.

28Neste caso, o grupo 1 está abaixo da média para todos os indicadores escolhidos : são os Estados – a maioria – onde o turismo é baixo, tanto em número de turistas como em número de viagens, o montante das despesas feitas e os indicadores que podem ser construídos com base nestes dados. Estes indicadores são muito acima da média para o Grupo 2, que conta apenas o Estado de São Paulo, excepcional em todos os sentidos. O grupo 3 segue em ordem menor (os indicadores sendo alí quase todos ligeiramente acima da média), que reúne quase todos os outros estados do Sul e Sudeste, além de Goiás, muito parecido com eles.

29O grupo 4 é caracterizado pelos indicadores mais baixos devido as viagens mais longas e mais caras, já que somente podem ser feitas de avião, como nos estados da Amazônia, Acre e Amapá, podendo apenas ser utilizado pela população mais abastada. É também o caso para o Distrito Federal, Brasília. No grupo 5, no entanto, os habitantes têm a vantagem de viverem nos Estados mais procurados para o turismo nacional e não precisarem procurar lugares mais distantes para fazer turismo.

30São, portanto, muitas situações que sugerem estratégias turísticas diferentes aos atores e empreendedores do turismo nacional que pesa de dez a trinta vezes mais do que o turismo internacional, como foi dito anteriormente. Os pontos fortes constituem-se em novas oportunidades a serem estabelecidas, fortalecidas e ampliadas. Os pontos fracos são desafios estimulantes à imaginação empreendedora, a superar e a explorar para desenvolver o enorme potencial turístico, que no Brasil lhe dão a natureza exuberante, a história rica e as características múltiplas e peculiares da sociedade brasileira no território nacional.

Haut de page

Bibliographie

Brazidec, Nicolas Le, « Une approche géographique du tourisme intérieur dans un pays émergent : l’exemple du Brésil », Confins 10 | 2010, consulté le 20 mai 2014. URL : http://confins.revues.org/6714; DOI : 10.4000/confins.6714

FIPE, Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Caracterização e dimensionamento do turismo doméstico no Brasil – 2010/2011. Relatório executivo – Principais resultados selecionados, São Paulo setembro/2012. http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/dadosefatos/demanda_turistica/domestica/

Le Figaro, http://www.lefigaro.fr/conjoncture/2014/01/29/20002-20140129ARTFIG00471-tourisme-la-france-reste-en-tete-des-destinations.php, consulté 22/4/2014.

Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Ministério do Turismo, Anuário Estatístico de Turismo – 2013, Volume 40, Ano base 2012, http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/dadosefatos/anuario/index.html

UNTWO, http://www2.unwto.org/fr/press-release/2013-10-17/essor-du-tourisme-international-dope-par-de-bons-resultats-en-europe, consulté 22/4/2014

Haut de page

Notes

1 Untwo 2014 et Le Figaro 2014.

2 O primeiro tratamento estatístico e cartográfico dos mapas deste artigo foi feito usando os softwares Cartes et Données (Articque, http://www.articque.com) e Philcarto (http://philcarto.free.fr/).

3 Organização sem fins lucrativos criada em 1973 para auxiliar o Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP-FEA)

4 Fipe 2012, ver bibliografia.

5 Deve-se notar que a pesquisa considera apenas os deslocamentos do chefe da família ou cônjuge e que o cálculo do número médio de viagens, sendo realizado no final do ano sobre os últimos doze meses, pode ter omissões ou erros de memória.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 : O Brasil no turismo mundial
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-1.png
Fichier image/png, 88k
Titre Photo 1 : La plage de Guarujá, litoral nord de São Paulo
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Photo 2 : La plage populaire de Barra do Ceará, Fortaleza, en semaine
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Photo 3 : Le parc thématique Beach Park, près de Fortaleza, le même jour
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 2 : Lugares sonhados e visitados
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-5.png
Fichier image/png, 75k
Titre Figura 3 : Lugares sonhados e visitados por classe de renda
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-6.png
Fichier image/png, 103k
Titre Foto 4 : Chalê em (Rio Grande do Sul).
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Foto 5 : A basílica de Nossa Senhora Aparecida, (São Paulo)
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Foto 6 : Balneário Camboriú (Santa Catarina)
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figure 4 : Nombre de touristes nationaux par classes de revenus en 2012
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-10.png
Fichier image/png, 136k
Titre Figura 5 : Fluxos do turismo nacional em 2012
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-11.png
Fichier image/png, 295k
Titre Figura 6 : Principais fluxos do turismo nacional em 2012
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-12.png
Fichier image/png, 198k
Titre Figura 7 : Principais equipamentos e serviços turísticos
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-13.png
Fichier image/png, 87k
Titre Figura 8 : Anamorfose do turismo, leitos de hotel e guias turísticos
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-14.png
Fichier image/png, 64k
Titre Foto 7 : Ouro Preto (Minas Gerais)
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Foto 8 : Tourisme rural dans le Santa Catarina
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Foto 9 : Écotourisme à Ilha Bela (São Paulo)
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 9 : Uma tipologia do turismo nacional nos Estados brasileiros
Crédits Hervé Théry
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/572/img-18.png
Fichier image/png, 125k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Lugares e fluxos do turismo nacional brasileiro », Via [En ligne], 7 | 2015, mis en ligne le 01 juillet 2015, consulté le 04 août 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/572 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.572

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

Creda, UMR7227 CNRS-Université - Sorbonne Nouvelle Professor visitante à l’Universidade de São Paulo (USP)

Articles du même auteur

Haut de page

Traducteurs

Hervé Théry

Creda, UMR7227 CNRS-Université - Sorbonne Nouvelle Professor visitante à l’Universidade de São Paulo (USP)

Leonor Bertone

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search