Navigation – Plan du site

AccueilNuméros18Reinvenção dos territórios turíst...

Texte intégral

1Esta edição traz contribuições sobre as diferentes facetas da transição em curso nos resorts turísticos de montanha. De maneira geral, esse processo de transição surgiu após a aceleração dos efeitos concomitantes das mudanças climáticas e das mudanças sociais, que impactaram as trajetórias dos territórios turísticos nas montanhas como em outros lugares. Após uma introdução que questiona a aplicação do conceito de transição ao turismo de uma perspectiva territorial, apresentamos brevemente os artigos que irão compor este número, todos focados numa área geográfica delimitada, a dos Alpes francófonos.

2O desenvolvimento do turismo de massa foi amplamente inspirado por conceitos desenvolvidos pela indústria e o termo "indústria do turismo" é um indicativo dessa linhagem. O resort turístico está em linha direta com este conceito. Além disso, a questão de sua adaptação vem sendo levantada há muito tempo (Clivaz et al., 2015; Lapointe et al., 2015). No entanto, o turismo é antes de tudo uma atividade de serviços, por mais pesada que seja a infraestrutura necessária à sua produção. Assim, a questão da adaptação é inerente a dinâmica do turismo. Como Gadrey et al. (1992), a concomitância da produção e do consumo de serviços contribui para um ajuste permanente da oferta à demanda, longe da lógica da padronização, produção em massa e economias de escala que prevalece nas economias industriais. Ao longo dos anos, o incremento dessas mudanças na oferta turística, em pequenas etapas sucessivas, constitui o alicerce das mudanças estruturais.

3Essa constatação vai ao encontro do que Butler (1980) formula com seu ciclo de vida, por meio da questão do rejuvenescimento, ou renovação, do destino. Como a dinâmica da transição difere dos desenvolvimentos comuns no setor turístico? Esta é uma ruptura clara em face das mudanças cuja velocidade e soma excedem o ritmo normal de desenvolvimento do turismo? O conceito de transição (Salvatore et al., 2018; Corneloup, 2017) surge, portanto, como uma abordagem transversal às diferentes formas de adaptação. Nesse sentido, a transição permite questionar como um todo a evolução do turismo decorrente de respostas adaptativas concebidas como pontuais. Nesse sentido, é necessário ampliar nosso campo de visão e considerar que o resultado da transição turística vai além dos conceitos que presidiram seu desenvolvimento.

4O desenvolvimento do turismo de montanha é relativamente recente e adquiriu sua amplitude e forma atual a partir de meados do século XX. O modelo fordista que então se desenvolveu (Cuvelier, 1999) passou por múltiplas evoluções, transformações e sofreu muitos impactos, desde o choque do petróleo até a crise de Covid-19 passando pelo desenvolvimeto da concorrência internacional. O questionamento do modelo de polarização do turismo de massa e, em última instância, a diluição do turismo no território são questões centrais levantadas pelas pesquisas sobre a transição do turismo (Salvatore et al., 2018), particularmente relevantes no caso dos resorts de montanha (François, 2007).

5O turismo estaria, portanto, melhor preparado do que outros setores para enfrentar os desafios da transição? Na verdade, até agora, os desafios enfrentados pela indústria do turismo afetaram principalmente o desenvolvimento da demanda turística à qual a oferta foi capaz de se adaptar (Langenbach et al., 2017). Algumas das questões que atualmente emergem afetam mais diretamente o contexto produtivo: no caso do turismo de verão, a redução do litoral ameaça a atividade turística e fragiliza suas infraestruturas, enquanto o turismo de inverno é afetado pela redução das áreas de neve para a prática de esportes. Na verdade, esta precarização põe em xeque a capacidade do turismo de contribuir para o desenvolvimento econômico dos territórios. Na França, isto assume um significado especial na sua política de gestão dos territórios, tal como previsto pelas autoridades públicas.

6Uma solução contemporânea para relançar o desenvolvimento local no contexto da desindustrialização e do deslocamento industrial, o turismo frequentemente assume um papel importante nas economias locais, seja de forma respectiva ou sucessiva, mais ou menos difuso ou polarizado. Além dos destinos turísticos claramente identificados, todos os territórios são afetados pelos impactos do turismo. Nesse sentido, concordamos com o questionamento levantado por Ph. Bourdeau (2009) que, desde 2009, questiona o lugar da transição do “tudo é neve” para a exploração de alternativas de desenvolvimento local.

7Em seu trabalho sobre as trajetórias de desenvolvimento das estações de esqui, Darbellay et al. (2011) conceituaram esse campo em três trajetórias típico-ideais, a do revezamento, equivalente à capacidade das estações de se adaptarem constantemente à demanda e se recuperarem de choques externos (crises econômicas globais, guerras, etc.), a do abismo que corresponde ao desaparecimento da função turística sem substituição por outra atividade econômica e, finalmente, a da metamorfose em que a atividade turística perde o seu carácter dominante para ser gradualmente substituída por outras atividades, principalmente relacionadas à economia imobiliária (Guex, Crevoisier, 2017).

8O confronto entre turismo e habitação permanente não é novo. É indicativo de um paradoxo interno do turismo que permite às populações locais obter rendimentos e dar um novo valor aos territórios turísticos que podem vir a ser exclusivos para essas mesmas populações. Esta é a questão que A. Barrioz propõe abordar pelo prisma da gentrificação tal como é revelada pelo mercado imobiliário e como o turismo contribui assim para uma determinada organização socioespacial em relação aos fatores da atratividade turística dos lugares. A. Friedli sugere inverter a questão e lidar com ela à luz da migração e fixação de novas populações que entram em conflito com o desenvolvimento do turismo. Como a atratividade turística cria fluxos populacionais, é a apropriação de imóveis turísticos para fins de residência permanente que limita a capacidade de acomodação dos turistas e, portanto, de fato, o consumo de bens e serviços que tinha sido projetado para eles. Essas duas visões fornecem um contraste instigante sobre um elemento central e simbólico para o turismo. A promoção pelo turismo passa pelo desenvolvimento da atratividade dos territórios, que pode potencialmente ultrapasar os objetivos iniciais do desenvolvimento local. Isso também pode excluir os atores do desenvolvimento do turismo cujo objetivo era permitir “viver e trabalhar no campo”. Isso confirma que a dinâmica de transição nos coloca no fio da navalha e questiona a atratividade de lugares fora do contexto turístico que tem contribuído para o seu reconhecimento.

9Além da identificação dos pontos de inflexão, isso nos lembra a importância desse fator de atratividade para avaliar o imperativo e as formas de transição do turismo. Uma maneira de abordar a atratividade, pela natureza subjetiva, é inquirir sobre a reputação dos destinos, o que C. Desmoulins propõe na sua contribuição. Ela desenvolveu uma escala de mensuração da reputação que possibilita uma avaliação objetiva dessa noção. A aposta não é apenas quantitativa, mas também qualitativa. A questão da reputação encontra aplicação imediata em pontos turísticos como Chamonix e Mont-Blanc. Como todos os destinos de montanha, Chamonix e Mont-Blanc estão entre os primeiros afetados pelas mudanças climáticas não só nas práticas esportivas mas também nas práticas de montanhismo transformando as paisagens emblemáticas marcadas pela forte presença de geleiras. É com base neste estudo de caso que C. Clivaz e A. Savioz mostram que a apropriação do fenômeno da mudança climática pelos atores do turismo local não é tão direta e óbvia apesar da visibilidade das geleiras derretendo marcando a paisagem “no dia a dia”.

10Os artigos que compõem esse número exploram certas facetas da transição: a (multi) residencialidade e a gentrificação que põe em xeque as relações entre “antigos” e “novos” habitantes e entre estes e os visitantes; a manutenção da reputação do destino como centro da atratividade, entre o imaginário percebido e a realidade infraestrutural local; as questões decorrentes das mudanças climáticas que ainda são difíceis de lidar “de frente” pelos atores locais do turismo, mesmo quando operam em paisagens muito impactadas. Para além destes temas, dos quais as contribuições neste número não se esgotam, há outros que lançam luz sobre a questão da transição das estações de esqui e que demandam contribuições adicionais. Nós pensamos especialmente nas seguintes: digitalização e as modificaçoes profundas da comunicação e venda dos produtos turísticos; a diversificação das práticas e produtos, uma convergência das lógicas políticas, comerciais, gerenciais ou territoriais; o futuro da locação imobiliária de lazer, verdadeiro motor do desenvolvimento das estações no passado, que tem de enfrentar o anacronismo e a multiplicação das ofertas informais e das plataformas que concectam turistas e proprietários; a criação experiências turísticas customizadas no lugar das ofertas padronizadas, típicas do modelo funcional, para uma oferta personalizada como experiências memoráveis que desconectam o turista da rotina; a gestão do desenvolvimento e planejamento turístico num contexto de forte fragmentação dos atores no nível local que põe a questão da escala territorial em que se "organiza" o turismo.

11Por fim, parece-nos importante abordar a transição turística tendo em mente as fortes incertezas que pairam sobre o desfecho dessa transição, seja sobre os desdobramentos para a atividade turística ou seu encerramento. As reflexões aqui propostas dependem também de mudanças no contexto de implementação do turismo e, em particular, da questão da mobilidade. O aumento do seu custo terá um efeito direto na acessibilidade das estações de montanha, por exemplo, integrando os custos ambientais externos, aumentando os custos de transporte e aumentando os riscos naturais das rotas de acesso que vão gerar novas necessidades de segurança, enquanto a concorrência que se intensifica nos territórios mais acessíveis traram necessariamente problemas de competitividade. Por fim, como a trajetória das estações de montanha é condicionada pelo esqui e os esportes de inverno, é necessário prestar especial atenção à sua situação, ou às suas perspectivas de futuro, à luz das mudanças globais que estão ocorrendo

Haut de page

Bibliographie

Bourdeau, Ph. (2009), « De l’après-ski à l’après-tourisme, une figure de transition pour les Alpes ? », Revue de Géographie Alpine | Journal of Alpine Research, 97-3.

Butler, R. W. (1980), “The concept of a tourist area cycle of evolution: implications for management of resources”, The Canadian Geographer/Le Géographe canadien, 24(1), pp. 5-12.

Clivaz, Ch., Gonseth, C., Matasci, C. (2015), Tourisme d’hiver : le défi climatique, Lausanne Presses Polytechniques et Universitaires Romandes.

Corneloup, J. (2017), « Transition récréative et écologie corporelle », Nature et récréation, 5.

Cuvelier, P. (1999), Anciennes et nouvelles formes de tourisme : Une approche socio- économique, Editions L’Harmattan, Paris.

Darbellay, F., Clivaz, Ch., Nahrath, S. et Stock, M. (2011), « Approche interdisciplinaire du développement des stations touristiques », Mondes du Tourisme, Vol. 4-2011.

François, H. (2007), De la station ressource pour le territoire au territoire ressource pour la station. Le cas des stations de moyenne montagne périurbaines de Grenoble, Thèse d’aménagement du territoire, Université de Grenoble Alpes.

Gadrey, J. (1992), L’économie des services, Editions FeniXX.

Guex, D., Crevoisier, O. (2017), « La montagne et l’innovation : du lieu de production au cadre de vie », La montagne, territoire d'innovation, Jan 2017, Grenoble, France.

Langenbach, M., Clivaz, Ch., Tuppen, J. (2017), « Diversification de l’offre touristique des stations de montagne : Approche croisée des processus de diversification par les sports outdoor en Suisse et en France », Juristourisme, n°198, pp. 37-41.

Lapointe, D., Sarrasin, B., Guillemard, A. (2015), « Changements climatiques et mise en tourisme du fleuve St-Laurent au Québec », VertigO - la revue électronique en sciences de l'environnement, Hors-série 23 | novembre 2015.

Salvatore, R., Chiodo, E., Fantini, A. (2018), “Tourism transition in peripheral rural areas: Theories, issues and strategies”, Annals of Tourism Research, V. 68, pp. 41-51.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marc Langenbach, Christophe Clivaz et Hugues Francois, « Reinvenção dos territórios turísticos: que transição para as estações dos Alpes? », Via [En ligne], 18 | 2020, mis en ligne le 27 décembre 2020, consulté le 24 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/5781 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.5781

Haut de page

Auteurs

Marc Langenbach

Mestre de conferências, Universidade-Grenoble-Alpes

Christophe Clivaz

Professour Associado Universidade de Lausanne

Articles du même auteur

Hugues Francois

Pesquisador, INRAE Grenoble

Haut de page

Traducteur

Frederico Couto Marinho

Universidade Federal de Mina Gerais

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search