Navigation – Plan du site

AccueilNuméros18Position de thèseQuando a estrada é mais que um ca...

Position de thèse

Quando a estrada é mais que um caminho: territorialidades produzidas pela Estrada Real, Brasil

Carina Amorim Dutra
Cet article est une traduction de :
Quand la route est plus qu’un chemin : territorialités produites par l’Estrada Real, Brésil [fr]

Texte intégral

1O interesse científico por rotas turísticas é recente e tem sido encabeçado por órgãos supranacionais como a UNESCO em escala global e o Conselho da Europa na escala europeia. No seio da UNESCO, as categorias paisagem (1992) e itinerário cultural (2008) oferecem uma abertura patrimonial a objetos polimórficos e territorialmente amplos. A mudança na escala e natureza dos objetos patrimoniais permitiu o progresso das políticas de patrimônio da UNESCO. Também o Conselho da Europa concede certificação cultural para rotas e itinerários europeus. O reconhecimento do patrimônio das rotas demostra a expansão espacial dos parâmetros patrimoniais (Heinich, 2015) em um contexto de redefinição de fronteiras (Giraut, 2008). No campo do turismo, as novas tecnologias de comunicação, a revolução dos transportes, bem como a descentralização das políticas de gestão territorial características da sociedade “líquida” (Baumann, 2006) tem permitindo a organização territorial turística por meio de vastas dimensões geográficas, atravessando diferentes territórios políticos.

2É o caso dos caminhos turísticos da Estrada Real (ER) no Brasil os quais forneceram a base empírica para a nossa tese. Trata-se de estradas coloniais que datam do século XVI; caminhos abertos pela coroa portuguesa para fins fiscais e transporte de pedras preciosas da região das minas ao Rio de Janeiro. Ao longo dessas estradas, o movimento de pessoas e mercadorias produziu uma grande riqueza patrimonial (c.f. imagem 1).

Imagem 1: Mapa da Estrada Real

Imagem 1: Mapa da Estrada Real

3Parcialmente abandonadas após o esgotamento das minas, as estradas experimentaram um renascimento cultural e turístico na década de 1990, quando a seleção de quatro dessas rotas coloniais deu vida ao Programa Estrada Real (c.f. imagens 2 a 6).

Imagens 2 et 3: Cidades do patrimônio barroco

Imagens 2 et 3: Cidades do patrimônio barroco

IER, s/d. Imagens de Daniel Cerqueira

Imagem 4: A gastronomia típica de Minas Gerais

Imagem 4: A gastronomia típica de Minas Gerais

IER, s/d. Imagem de Daniel Cerqueira

Imagens 5 e 6: Patrimônio religioso

Imagens 5 e 6: Patrimônio religioso

IER, s/d. Imagens de Rodrigo Azevedo et Lucas Nishimoto

4A gestão da ER é realizada pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) por meio do Instituto Estrada Real (IER). Difundido como produto turístico, o ER não apresenta, contudo, uma frequentação turística significativa. Apesar disso, a FIEMG continua sendo a principal financiadora da rota, sendo a responsável pelos funcionários e dependências do IER, pelo marketing territorial e pelas ações de manutenção da estrada que se estende por 1.630 quilômetros.

5Nosso problema de pesquisa surgiu de uma situação que nos parecia paradoxal: apesar do aparente fracasso turístico da ER, que parece pouco interessante aos olhos dos turistas, a FIEMG vem realizando investimentos significativos na rota há mais de 20 anos. O que justificaria esse apoio e interesse ininterrupto da FIEMG? Quais as externalidades produzidas pela rota, difundida como produto turístico, se não é a frequentação turística?

6Analisamos o patrimônio e a promoção do turismo na ER à luz da Geografia Crítica e Radical de tradição anglo-saxônica e brasileira. O aparato conceitual da tese cruza, portanto, os trabalhos de Milton Santos (2012, [1996]) e David Harvey (2001). Embora Santos não tenha teorizado sobre a produção do patrimônio e do espaço turístico, suas reflexões oferecem ferramentas importantes para a compreensão das apropriações atuais em ambas as áreas. Trata-se dos conceitos de forma-conteúdo, rugosidade espacial, psicosfera e tecnosfera. Harvey, por sua vez, nos permite entender o que está em jogo no processo de revalorização territorial do espaço por meio do turismo. Estamos particularmente interessados ​​no conceito de renda monopolista do espaço produzido a partir da mercantilização de qualidades territoriais especiais. Com efeito, a criação da ER permitiu a reapropriação das "obsolescências territoriais" de forma a reposicioná-las no seio da circulação capitalista de serviços e bens. Ao propor uma nova organização do espaço turístico, o ER possibilita, portanto, a reciclagem de objetos geográficos que perderam suas funções primárias. A revalorização das obsolescências por essa nova visão capitalista do espaço produz valor agregado em torno desses "rejeitos" (no caso, as estradas que perderam sua função primária) agora reavaliados.

7Na ER, um sistema de atores está à frente de um sistema de objetos e ações (Santos, idem.). O sistema de ações orienta o desenvolvimento turístico ao longo de um percurso que originalmente era um objeto técnico com finalidades específicas e que, hoje, reúne uma série de espaços que propõem a atividade turística. Assim, a mesma forma espacial foi gradativamente investida de novos conteúdos. O sistema de ações visa, assim, destacar o patrimônio histórico e cultural que Harvey chama de qualidades especiais e Santos chamará de rugosidades espaciais. O controle sobre tais espacialidades distintivas permitiria a certos atores sociais a acumulação da renda monopolista do espaço. O sistema de ações é baseado em uma tecnosfera representada por ferramentas de estruturação, planejamento e divulgação do projeto turístico. Como a difusão da ER é baseada na natureza turística da rota, a tecnosfera busca produzir uma psicosfera capaz de tornar a ER conhecida em todo o Brasil.

8Propomos um segundo caminho teórico através da Geografia Regional. A ER é uma forma de regionalização do espaço turístico. Não se trata de um produto turístico em si, mas da territorialização de toda uma região com vocação ou potencial turístico. A delimitação da rota por marcos e sinalizações, ou a sua representação cartográfica, é uma primeira vertente desse tecido regional. Tais elementos são instrumentos voltados à produção de uma identidade específica ao perímetro circunscrito que o distingue dos espaços vizinhos, bem como de outros produtos turísticos. A reunião de características históricas do passado colonial alimenta a narrativa e a diferenciação espacial na ER. Sendo a distinção territorial o pilar da organização regional na concepção clássica do termo região, a ER torna-se um instrumento de regionalização do turismo.

9Assumimos como hipótese que na ER a proposta de um produto turístico é apenas um dispositivo discursivo facilitador da regionalização do turismo em Minas Gerais. Ainda que a itinerância turística não seja um objetivo primeiro da rota, o turismo continua sendo o objetivo final da ER.

10A metodologia de trabalho baseou-se em dispositivos discursivos, notadamente em entrevistas semiestruturadas e em encontros com os atores; metodologias que permitiram mapear e conectar as diferentes categorias de atores que integram a ER voluntária ou involuntariamente. Durante as entrevistas, uma série de dados secundários foram disponibilizados. O dispositivo discursivo também foi utilizado nos levantamentos com os turistas. Durante o percurso da ER, coletamos um importante material iconográfico, bem como realizamos observações de campo.

11O turismo é espacialmente heterogêneo na ER. Assistimos assim a tensões e paradoxos entre as realidades existentes e aquelas que a estrada tenta concretizar. Enquanto algumas cidades são inscritas na Lista do Patrimônio Mundial, outras são indiferentes a qualquer abordagem patrimonial. Sendo as realidades turísticas dessas cidades também contrastantes, a ER não tem conseguido obter o apoio de todos os atores territoriais, em particular aquele das cidades turísticas; estas estão mais interessadas no turismo no seu próprio território. Ainda que não se oponham claramente a uma nova dinâmica turística, as cidades inscritas na Lista do Patrimônio Mundial também não a legitimam.

12Percurso turístico no plano discursivo por um lado, não frequentado em termos de práticas turísticas, por outro lado: aqui se concretiza a instrumentalização do discurso turístico com vista à construção de uma territorialização imaginada. Ao contrário do que possa sugerir a ausência de turistas na rota, a ER não é um fracasso turístico. Com efeito, o branding de uma região turística identificada na forma de uma marca territorial como estratégia de qualificação espacial é seguramente uma das propostas da ER. O IER estabelece, assim, uma territorialidade imaginada por meio de um discurso de marketing territorial performativo.

13Em conclusão, uma rota turística só existe se ela for percorrida? A resposta dada por nossa tese é não. A ausência de turistas na rota em si não significa que não haja questões políticas, territoriais e, em última instância, turísticas que se apresentam. A ER é claramente parte de uma performance turística, em um jogo territorial que se dá por meio da instrumentalização do discurso turístico.

Haut de page

Bibliographie

Bauman, Z. (2006), La vie liquide, Editions du Rouergue.

Giraut, F. (2008), Conceptualiser le territoire. Historiens et Géographes.

Heinich, N. (2009), La fabrique du patrimoine : de la cathédrale à la petite cuillère,  Éditions de la Maison des sciences de l’homme, Paris.

Estrada Real. Page Facebook. Photos. Disponível em https://www.facebook.com/InstEstradaReal/photos. Acesso em 06 janvier 2021

Santos, M. (2012), [1996], A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção, 4. Ed 7ª. Editora USP, São Paulo

Harvey, D. (2001) A produção capitalista do espaço – Coleção Geografia e adjacências, Annablume, São Paulo, 2001.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Imagem 1: Mapa da Estrada Real
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6327/img-1.png
Fichier image/png, 2,7M
Titre Imagens 2 et 3: Cidades do patrimônio barroco
Crédits IER, s/d. Imagens de Daniel Cerqueira
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6327/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 3,5M
Titre Imagem 4: A gastronomia típica de Minas Gerais
Crédits IER, s/d. Imagem de Daniel Cerqueira
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6327/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 389k
Titre Imagens 5 e 6: Patrimônio religioso
Crédits IER, s/d. Imagens de Rodrigo Azevedo et Lucas Nishimoto
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6327/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 2,4M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carina Amorim Dutra, « Quando a estrada é mais que um caminho: territorialidades produzidas pela Estrada Real, Brasil », Via [En ligne], 18 | 2020, mis en ligne le 27 décembre 2020, consulté le 24 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/6327 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.6327

Haut de page

Auteur

Carina Amorim Dutra

Carina Amorim Dutra é pesquisadora associada do Laboratório EIREST e ao Departamento de Turismo da Universidade Estadual do Ceará/Brasil. Após o mestrado em Sociologia Rural, defendeu sua tese em 2019 no seio da Escola Doutoral de Geografia/

Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne

e do laboratório EIREST sob a orientação de Maria Gravari-Barbas. A autora se interessa por questões territoriais transfronteiriças produzidas pela atividade turística.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search