Navigation – Plan du site

AccueilNuméros19Turismos e Geopolíticas: atores, ...

Texte intégral

1Este número “Turismo e Geopolíticas: atores, desafios, práticas”, acolhido pela Revista Via, reúne artigos que testemunham a importância e a diversidade da atualidade dessas temáticas de pesquisa. E depois que as revistas Téoros1, em 2004, e Hérodote2, em 2007, lhes dedicaram cada uma delas um número especial, não é desinteressante identificar a maneira como os pesquisadores as apreendem hoje. Téoros valorizou, em torno de seu apelo “o turismo mediante o risco da política”, os efeitos e incidências das crises e instabilidades internacionais, incluindo o terrorismo, sobre a oferta e as práticas de um turismo que se tornou mundializado. Hérodote, em “Geopolítica do Turismo” e a escolha do singular para os dois termos, privilegiou as análises sobre os efeitos das desigualdades e das dominações, assim como as questões das “rivalidades de poderes em territórios com dimensões muito diferentes: desde o global e internacional até os distritos turísticos e as estâncias balneares” (Giblin, 2007).

2A chamada para a revista Via convida, pela pluralização dos termos “turismos” e “geopolíticas”, a um tratamento mais amplo da “geopolítica”, esta última não se referindo apenas às relações entre Estados, mas levando em consideração todas as dimensões conflituosas – ideológicas, territoriais, culturais – que o setor turístico gera na elaboração de sua oferta, bem como nas práticas efetivas que suscita.

3Assim, para além da diversidade dos terrenos (China, Laos, Nepal, Ucrânia, Geórgia, Portugal, Israel, França, entre outros), para além dos tipos de turismo – religioso, étnico, memorial, ecológico – ou das práticas – focalizadas nos modos de acomodação ou de visitas -, é possível identificar pelo menos três linhas de força. Estas últimas refletem as dimensões geopolíticas em ação no conjunto do sistema turístico contemporâneo. Elas participam mesmo, precisamente, das evoluções em curso mais significativas: mobilização do social e do cultural como “recursos”, elaboração de narrativas situadas - portadoras de atratividade – na intersecção ideológica e política da História e da Memória, novas atribuições de valores de “autenticidade” e de “identidade”. Os artigos aqui reunidos documentam e exemplificam os processos de um turismo, fato social total, sistematicamente produtor e produto de uma globalização cujas lógicas de mercado são indissociáveis, a todas as escalas, da concepção das ofertas e da motivação das demandas.

41-) A primeira concerne à instrumentalização do setor turístico como soft power. Fazer do turismo uma alavanca de respeitabilidade internacional, ao mesmo tempo acumulando os lucros que ele gera, certamente não é um fenômeno recente (Matelly, 2013). Hoje, a Arábia Saudita ou a China jogam essa carta. Mas outros modos de soft power, mais sutis, também estão em curso, apostando em intenções responsáveis (ética, por exemplo) ou culturais (turismo étnico), que tomam lugar no próprio interior das evoluções do setor turístico.

5É assim que o artigo “Turismo e ‘ecoetnicidade’: os desafios de um soft power ambiental para as minorias da Ásia de altitude (China, Laos, Nepal)” de F. Landy et al., examina a partir de três áreas asiáticas os efeitos induzidos por uma oferta ecoétnica e sua eficácia em termos turísticos. Os autores mostram como a ecoetnicidade pode participar da construção de um imaginário turístico contemporâneo e, em troca, fornecer às minorias uma alavanca útil para negociar direitos com os poderes locais ou buscar apoio de organizações ambientalistas “globais”. Esta “arma dos fracos” (Scott, 1985) é convocada, mais ou menos abertamente, na oferta turística para contrariar situações de marginalização sociocultural ou política.

6O artigo de D. Chevalier e I. Lefort, “Quando o turismo atualiza as memórias”, sublinha como a União Europeia, através dos seus itinerários culturais, promove geopoliticamente uma identidade comum, destinada a elaborar uma nova narrativa, compartilhada, para além das histórias nacionais singulares, e para além das memórias feridas.

72-) A segunda linha de força que reúne estes textos atesta a incontornável combinação multiescalar de conflitos e/ou questões políticas, desde escalas locais ou regionais até escalas internacionais. Em outras palavras, eles exemplificam claramente a maneira como as ofertas turísticas pontuais, localmente territorializadas, se enquadram e ressoam em escalas maiores. Deste modo, o campo turístico ilustra uma inserção geopolítica em todos os níveis, inseparável das questões econômicas e culturais globalizadas. As rivalidades de poder e os conflitos inerentes aí se desdobram e documentam o plural “geopolíticas” desta chamada. E ainda mais porque a declinação contemporânea dos qualificadores temáticos do turismo lhes permite o jogo nas esferas cultural, ecológica, patrimonial ou religiosa, mesmo que obviamente nenhuma dessas denominações opere de maneira autônoma.

8Em uma escala local ou mesmo micro-local, o artigo de Victor Piganiol, “Airbnb ou a geopolítica (globalizada) de uma acomodação turística controversa. Da disrupção ampliada às conflitualidades generalizadas...” mostra a emergência e a existência de novos conflitos, misturando os atores às práticas e as representações por vezes contraditórias – o anfitrião e o turista, o anfitrião e o residente “ao lado”, o turista e o residente permanente – vinculados à implantação da atividade de acomodação Airbnb.

  • 3 Neologismo das palavras education e entertainment (educação e entretenimento).

9Sobre um outro tema eminentemente conflitante, o artigo de Caroline Rozenholc-Escobar, “Implicações, atores e mecanismos geopolíticos do turismo. Israel/Palestina: o que nos dizem os lugares religiosos” ilustra de maneira paradigmática as questões de um turismo dedicado à prática religiosa (a peregrinação), em seus lugares originais e suas duplicatas nos parques temáticos, eles próprios poderosos vetores de transmissão ideológica. Este tipo de oferta marca a pós-modernidade das sociedades do lazer e do edutainment3. Ao terreno israelo-palestino, sempre sob tensões conflitantes, faz eco aquela das jovens repúblicas da Ucrânia e da Geórgia, confrontadas, em seus desejos de abertura turística, com as problemáticas geopolíticas do legado do bloco soviético. O artigo de Nataliia Moroz, “Durante e depois da URSS. Como os estados pós-soviéticos (re) constroem seu setor turístico? O exemplo da Ucrânia e da Geórgia” documenta de forma esclarecedora os desafios de promoção de uma oferta singular, elaborando novas narrativas identitárias visando a atratividade turística.

103-) A terceira temática em questão nesta edição coloca em perspectiva as fortes relações entre patrimônios e contextos geopolíticos. Uma vez que a questão do patrimônio abrange as problemáticas das identidades territorial e ideológica, é evidente que sua mobilização no quadro da fabricação e da promoção das ofertas turísticas só pode se encontrar confrontada com questões políticas e geopolíticas. A inflação patrimonial, em todas as escalas, constitui atualmente um poderoso vetor integrado ao turismo. Esta “patrimundialização”4 turística alimenta novos produtos e novos destinos no seio dos quais a classificação da UNESCO ocupa um lugar muito particular tanto pela sua escala internacional quanto por suas qualificações universais. O artigo de Mark Bailoni, “Desenvolvimento territorial, turismo e proteção de sítios do Patrimônio Mundial: desafios dos conflitos geopolíticos” analisa, em particular a partir do exemplo do vale do Alto Douro, os conflitos gerados pela coexistência de um perímetro classificado pela UNESCO e de um projeto de valor econômico de uma barragem hidroelétrica. As questões de classificação também estão no centro das problemáticas de memórias, exemplificadas no artigo de D. Chevalier e I. Lefort, centrado nas memórias dolorosas.

11Em conclusão, embora o período atual se encontre fortemente marcado pela epidemia da Covid-19 e pela restrição dos deslocamentos (o turismo internacional caiu 82% na Ásia-Pacífico nos primeiros dez meses de 2020, de acordo com a Organização Mundial do Turismo – OMT), pensar o turismo através de todas as suas dimensões geopolíticas, sem dúvida nos convida a refletir sobre as sobreposições de relações antagônicas ou mesmo de fronteiras – estatais, culturais, memoriais, sociais – que configuram as relações de poder e produzem os mundos sociais. É uma das principais qualidades desta edição que nos lembra disso.

Haut de page

Bibliographie

Giblin, B. (2007), « Le tourisme : un théâtre géopolitique ? », Hérodote, vol. 127, no. 4, pp. 3-14.

Matelly, S. (2013), « Le tourisme, un objet géopolitique », Revue internationale et stratégique, vol. 90, no. 2, pp. 57-69.

Sarrasin, B. (2004) « Le tourisme, au risque du politique », Téoros [Online], 23-1 | 2004, Online since 20 November 2017, connection on 12 June 2021. URL : http://journals.openedition.org/teoros/2283

Scott, J. C. (1985), Weapons of the Weak. Everyday Forms of Peasant Resistance, Yale University Press, New Haven.

Haut de page

Notes

1 https://journals.openedition.org/teoros/214

2 https://www.herodote.org/spip.php?rubrique39

3 Neologismo das palavras education e entertainment (educação e entretenimento).

4 Cf os trabalhos de ANR Patrimondi https://anr.fr/Projet-ANR-15-CE27-0010.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Dominique Chevalier et Isabelle Lefort, « Turismos e Geopolíticas: atores, desafios, práticas », Via [En ligne], 19 | 2021, mis en ligne le 26 juillet 2021, consulté le 22 octobre 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/6554 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.6554

Haut de page

Auteurs

Dominique Chevalier

MCF-HDR, Université Lyon1, Laboratoire EVS (UMR5600)

Articles du même auteur

Isabelle Lefort

PU, Université Lyon2, Laboratoire EVS (UMR5600)

Articles du même auteur

Haut de page

Traducteur

Isabella Beil

Universidade de São Paulo

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search