Navigation – Plan du site

AccueilNuméros7Editorial

Editorial

Hervé Théry
Traduction de Hervé Théry et Neli de Mello-Théry
Cet article est une traduction de :
Éditorial [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Editoral [ca]
Editorial [de]
Editorial [en]
Editorial [es]
Editoriale [it]

Texte intégral

  • 1 Esta escolha foi organizada pelo grupo suíço New Open World Corporation (NOWC), os votos foram reco (...)
  • 2 http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/culture/world-heritage/list-of-world-heritage-in-brazil/#c104 (...)

1Pronunciar a palavra “Brasil” geralmente evoca, para interlocutores europeus, imagens que têm a ver, em sua maioria, com as suas principais atrações turísticas : Brasília, a floresta amazônica ou as Cataratas do Iguaçu, as igrejas barrocas de Salvador da Bahia. A mais famosa delas, o Cristo Redentor do Corcovado, foi eleito uma das “novas sete maravilhas do mundo”1. O país tem nada menos que doze sítios inscritos no Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO (incluindo Brasília, em 1987) e sete outros no contexto do patrimônio natural2

  • 3 Untwo 2014 et Le Figaro 2014.

2Apesar desta riqueza, o Brasil não é um importante destino turístico internacional Segundo a Organização Mundial do Turismo, ele ocupava em 2012 apenas o 38° lugar no mundo, em número de turistas (5,6 milhões de turistas) e também em receitas (6,6 bilhões de dólares). Neste mesmo ano a França, primeiro destino mundial, recebeu 83 milhões de turistas e os Estados Unidos estavam na liderança dos gastos com 128 bilhões de dólares3. À escala mundial, o Brasil está, como toda a América do Sul, muito atrás da Europa, da Ásia e do Caribe porque a distância em relação aos grandes países emissores de turistas, aliada à uma imagem de violência endêmica preocupa os potenciais visitantes e produz tais consequências. Isso decorre também da competição com outros países semelhantes, particularmente para o turismo balneário, pois as praias tropicais no Brasil são muito parecidas com aquelas do Caribe ou da Tailândia.

3Isso não quer dizer que o turismo não desempenhe o seu papel na estruturação do país, porque ele se baseia em boa parte em um mercado nacional de 200 milhões de pessoas, cujo padrão de vida e gastos em turismo progrediram muito nas décadas recentes. O turismo nacional ajudou a construir um setor de poderoso e bem estruturado, de vários tipos e em várias regiões do país. A sua versão balnear de massa é obviamente dominante, mas outras formas também estão presentes : cidades históricas como Ouro Preto, no estado de Minas Gerais ; sítios naturais, como os campos de dunas brancas dos Lençóis Maranhenses ; hotéis-fazenda, como as fazendas de café suntuosas do século XIX, no vale do Paraíba do Sul, entre Rio de Janeiro e São Paulo (foto 1).

Foto 1. Atrações turísticas brasileiras

Foto 1. Atrações turísticas brasileiras

De cima para baixo, da esquerda para a direita : a baía da Guanabara (Rio de Janeiro), Ouro Preto (Minas Gerais), os campos de dunas dos Lençóis Maranhenses (Maranhão), fazenda do século XIX no Vale do Paraíba (São Paulo).

©Hervé Théry.

4Nesta edição, dois artigos analisam inicialmente a situação do turismo no Brasil. O primeiro mostra que o turismo doméstico é muito ativo (59 milhões de turistas e 190 milhões de viagens). Ele pode ser analisado precisamente por meio de publicações oficiais, disponíveis on-line. Elas contêm abundantes números que permitem desenhar mapas e ajudam a localizar os pontos fortes e os fluxos induzidos.

5Anderson Pereira Portuguez e Vanda Aparecida da Silva Alves confirmam o papel do turismo nacional em seu artigo “O crescimento da classe média de regiões do interior do Brasil e seu impacto sobre o turismo interno”. Dois processos explicam o recente crescimento da classe média brasileira no interior do país entre 1980 e 2000 : a migração para estas regiões em busca de uma melhor qualidade de vida, especialmente em cidades menores, e o aumento da camada de “C” dos consumidores brasileiros, muitas vezes chamado de “nova classe média”.

6Os artigos seguintes exploram exemplos de destinos turísticos representativos da diversidade das situações neste país-continente.

7Carla Moura de Paulo e Neli Aparecida de Mello-Théry analisam “ Políticas públicas e experiências locais de turismo de paisagens : o exemplo do Pantanal” nesta imensa área úmida (140 000 km2), que é um o paraíso para os observadores de pássaros e outros entusiastas de turismo de natureza. Seu objetivo é destacar a relação entre as transformações no Pantanal, desde que se tornou um destino turístico e as ações de políticas públicas que podem influenciar o processo. Por isso, o texto trata da política de turismo, da sua organização, da sua governança, da sua relação com a política ambiental e analisa o papel dessas políticas no Pantanal, em diversas escalas.

8Marcos Silveira Tarlombani e Adyr Balestreri Rodrigues escolheram o caso de Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina, uma cidade famosa pela sua paisagem ímpar, onde a natureza e urbanismo se unem harmoniosamente, e que tem no turismo uma das suas principais fontes de renda. O artigo, “A urbanização turística no Brasil : o caso de Florianópolis” tem como objetivo apresentar as transformações sócio-espaciais promovidas pelo turismo na cidade, especialmente as que decorrem diretamente do desenvolvimento do turismo.

9Maria Helena Lenzi, no resumo da sua tese “Os usos políticos da paisagem na produção discursiva do turismo na cidade de Florianópolis” sugere que foi em uma situação onde o turismo é essencialmente uma política privada que o conceito de desenvolvimento sustentável foi difundido em Florianópolis. Esta escolha fortalece uma leitura hegemônica da paisagem, legitimada por organizações de desenvolvimento urbano e de turismo, utilizando retoricamente conceitos de discurso ambiental e argumentos baseados no uso consciente e “sustentável” da natureza (em nome das futuras gerações e da própria biosfera). Ela promove não só a publicidade da cidade, mas também estratégias de gentrificação e de expulsão dos pobres e daqueles que não estão de acordo com os parâmetros privados do “sustentável”.

10Em uma nota diferente, completando a tipologia dos casos brasileiros, Diomira M.C.P. Faria, traz uma “ Investigação sobre o visitante de museus de arte – insumos para uma gestão eficiente” O artigo tem como objetivo estudar o turismo cultural com foco em visitantes de museus de arte, uma caracterização sócio-económica dos frequentadores do Museu de Arte Contemporânea de Inhotim, em Minas Gerais, que reúne em uma área de cerca de 100 hectares uma coleção de arte contemporânea e um jardim botânico. Inaugurado no final de 2006, ele recebeu mais de 250 000 visitantes em 2011. Comparando estes resultados com aqueles de museus localizados em diferentes cidades da Espanha, o texto fornece informações úteis para a gestão eficaz das empresas culturais no Brasil.

11A mesma autora, em seu artigo “Da área de mineração para a bacia de cachaça : desenvolvimento e cultura nas áreas de mineração” traça um paralelo entre o norte de Minas Gerais e a região do Nord-Pas de Calais, na França. Estas regiões passaram ambas por ciclos econômicos baseados na mineração. A experiência francesa poderia, assim, contribuir para o desenvolvimento de ações de pre- e pós-processamento dos estabelecimentos de mineração. Um plano de desenvolvimento regional foi elaborado e consiste de uma série de propostas para minimizar os impactos negativos da mineração, explorar potenciais sinergias entre o potencial de produção e outras alternativas. Entre elas está a cachaça, sobre a qual Minas Gerais tem boa fama. Sua produção na região abre alternativas econômicas que podem envolver outras opções para o ordenamento do território, levando à promoção do turismo e à criação de oportunidades para a diversificação econômica e a inclusão social.

12A última seção, “Paraty, vantagens de localização e desenvolvimento do patrimônio histórico” centra-se na cidade de Paraty, no Estado do Rio de Janeiro, um dos locais turísticos mais populares do Brasil, um dos vinte principais destinos no país e um dos cinco melhores para os visitantes franceses e ingleses. O turismo se desenvolveu ali apenas nos últimos cinquenta anos, tendo como principal fator de seu crescimento a sua localização excepcional, as novas estradas que levaram à sua redescoberta e à valorização do seu patrimônio histórico, preservado por um longo período de isolamento.

13Sem esgotar a variedade de tipos de turismo no Brasil, esses poucos casos mostram a sua diversidade e os seus desafios econômicos, sociais e territoriais. Estes textos e imagens são uma primeira abordagem dos potenciais e limitações, efeitos multiplicadores e conflitos do – ou melhor dos – turismos brasileiros.

Haut de page

Notes

1 Esta escolha foi organizada pelo grupo suíço New Open World Corporation (NOWC), os votos foram recolhidos no mundo inteiro pela internet e por chamadas telefônicas gratuitas (num total de mais de 100 milhões de votos). Os sete vencedores foram apresentados ao público em uma cerimônia realizada no dia 7 de julho de 2007, em Lisboa. O símbolo do Rio de Janeiro entra na nova lista de maravilhas do mundo com seis outros locais: a Grande Muralha da China, a cidade helenística de Petra, na Jordânia, a cidade inca de Machu Picchu, no Peru, a cidade maia de Chichen Itza, no México, o Coliseu de Roma e o túmulo do Taj Mahal, na Índia.

2 http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/culture/world-heritage/list-of-world-heritage-in-brazil/#c1048555

3 Untwo 2014 et Le Figaro 2014.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Foto 1. Atrações turísticas brasileiras
Légende De cima para baixo, da esquerda para a direita : a baía da Guanabara (Rio de Janeiro), Ouro Preto (Minas Gerais), os campos de dunas dos Lençóis Maranhenses (Maranhão), fazenda do século XIX no Vale do Paraíba (São Paulo).
Crédits ©Hervé Théry.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/666/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 66k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Editorial », Via [En ligne], 7 | 2015, mis en ligne le 01 juillet 2015, consulté le 29 juillet 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/666 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.666

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

Creda, UMR7227 CNRS-Université Sorbonne Nouvelle - Professor visitante, Universidade de São Paulo (USP)

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search