Navigation – Plan du site

AccueilNuméros19Durante e depois da URSS. Como os...

Durante e depois da URSS. Como os estados pós-soviéticos (re)construíram seu setor turístico? O exemplo da Ucrânia e da Geórgia

Nataliia Moroz
Traduction de Frederico Couto Marinho
Cet article est une traduction de :
Pendant et après l’URSS. Comment les Etats post-soviétiques (re)construisent leur secteur touristique ? L’exemple de l’Ukraine et de la Géorgie [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
During the Soviet era and following the collapse of the USSR. How post-Soviet states are (re)building their tourism sector. The examples of Ukraine and Georgia [en]

Résumé

O discurso sobre a geopolítica do turismo nos remete, incontestavelmente, a um dos casos históricos que afetaram o turismo mundial: o turismo na URSS. Este gigantesco país que reuniu 15 repúblicas conseguiu construir uma tradição turística incomum entre o turismo doméstico de massa e o turismo internacional controlado unicamente pela agência INTOURIST.
Após sua dissolução política, os espaços pós-soviéticos, que hoje representam um campo de estudo particularmente instigante, entraram numa nova fase de construção dos seus setores turísticos, que ao mesmo tempo oferecem novos públicos ao turismo internacional. Em termos do turismo doméstico e da hospitalidade, trata-se mais especificamente de espaços em permanente (re) construção devido às mudanças históricas e políticas, mas também aos discursos identitários que marcam também suas respectivas paisagens patrimoniais. Ucrânia e Geórgia tornam-se então dois exemplos emblemáticos no processo de « dessovietização » de suas dinâmicas turísticas por meio da mudança do discurso político que leva, por um lado, à guerra de monumentos e de memórias, mas também à “mitologização” e à “folclorização” de suas áreas turísticas.

Haut de page

Notes de la rédaction

Artigo revisado por pares
Nota aos leitores: todas as citações de textos russos e ucranianos foram traduzidas a partir da da tradução francesa do autor com referência aos textos originais em nota de rodapé.

Texte intégral

Introdução

1A globalização, que se acelerou desde a década de 1990, tem contribuído para o desenvolvimento contínuo da mobilidade, que se tornou parte integrante da vida humana, tanto para o trabalho quanto para o lazer. Além disso, o turismo transformado em “indústria de desenvolvimento” “se ramificou, se diversificou e se multiplicou a ponto de se tornar um dos setores econômicos mais importantes do mundo e um dos que mais crescem”. (Sarrasin, et al., 2012). Além disso, esta atividade quase industrializada depende em primeiro lugar da estabilidade “não só política” “cuja importância muitas vezes excede a dos atrativos naturais e culturais” (Sarrasin 2004b) de espaços e territórios que se posicionam como destinos turísticos.

2O discurso da geopolítica do turismo, sem dúvida, nos remete a um dos casos históricos que afetaram o turismo mundial: o turismo na URSS. Este país gigantesco que reuniu 15 repúblicas conseguiu construir uma tradição turística incomum estudada até hoje nos países pós-soviéticos (Abramov e Tonkoshkur, 2010; Bagdasaryan et al., 2007; Ivanov, 2016; Lysikova, 2011; Orlov e Popov, 2019 ) e no mundo ocidental (Coeuré, 2012; Mazuy, 2002).

  • 1 Discurso da mídia e dos governos dos dois países em questão (Ucrânia e Geórgia). Trata-se da histór (...)

3O espaço pós-soviético representa um campo de estudo particularmente instigante. Assim que escaparam das fronteiras fechadas do bloco comunista, as ex-repúblicas soviéticas tornaram-se “tanto países anfitriões como países emissores de turistas internacionais” (Matelly, 2013), oferecendo assim um grande fluxo de turistas prontos para descobrir novos horizontes que se abriram após décadas fechadas. Ao nível do turismo doméstico e da hospitalidade, trata-se mais especificamente de espaços em permanente (re) construção devido às mudanças históricas e políticas, mas também ao discurso identitário e memorialístico que marca também as respectivas paisagens patrimoniais. Como resultado, os exemplos da Ucrânia e da Geórgia, ambos herdeiros desta tradição turística, mas também se identificando como “irmãos que viveram os mesmos infortúnios históricos1”, serão apresentados a seguir para compreender o caráter paradoxal das mudanças turísticas e patrimoniais desses dois espaços.

  • 2 A empresa pã-soviética de turismo internacional, ou seja, o único operador turístico soviético cria (...)

4Esta publicação visa, portanto, destacar, através de uma abordagem multidisciplinar, alguns aspectos geopolíticos do turismo nos dois países em questão. Além disso, recorremos a abordagem diacrônica para um breve panorama sobre a realidade turística do período soviético. Um parêntese histórico introduzindo esse fenômeno como um soft power político inicia nossa reflexão. Apesar da inacessibilidade de dados estatísticos oficiais relativos ao turismo durante este período, o objetivo de identificar o lugar e o papel dos dois países na dinâmica global do turismo da URSS exigiu o estudo iconográfico dos cartazes INTOURIST2. (documentos considerados hoje como patrimônio material e imaterial do período soviético). Por fim, o período moderno é apresentado por meio da análise comparativa dos discursos políticos, suas interpretações científicas, bem como do conhecimento prático e da observação das pesquisas in loco.

I. Turismo soviético: um soft-power político isólito

5O contexto histórico da transformação da Rússia czarista em uma nova entidade ideológica e o surgimento de um novo gigante na arena política e econômica mundial, sem dúvida, teve suas consequências para a história do turismo em escala mundial. Apesar de muitos debates e críticas, o turismo soviético conseguiu ocupar um lugar especial na história das práticas turísticas ao se caracterizar como uma atividade marcada por uma forte influência ideológica. Isso ainda é presente, apesar dos esforços de dessovietização dos territórios no plano político, das mentalidades e dos comportamentos turísticos que encontramos nas sociedades pós-soviéticas.

  • 3 A data exata da constituição da União das 15 Repúblicas Socialistas Soviéticas é 1940 com a adesão (...)

6Devido à história comum desde a criação da URSS das 15 repúblicas3, o estudo do desenvolvimento da atividade turística nesses territórios permanece indefinido e se limita à análise das tendências gerais emanadas do estado totalitário. O turismo e, portanto, a política patrimonial ditada pelo poder centralizado era então parte dos desenvolvimentos históricos e a encruzilhada de questões geopolíticas em todo o espaço soviético. É quase impossível definir a participação das repúblicas e seus destinos no turismo pan-soviético. Falando mais especificamente da Ucrânia e da Geórgia, esta primeira parte permitirá definir melhor a imagem global das duas repúblicas na promoção do turismo pan-soviético dirigido aos turistas estrangeiros.

  • 4 Traduzido do russo. Texto original: « показательно, что за весь период существования в СССР междуна (...)

7Portanto, o turismo soviético não se limita ao turismo internacional. Além disso, este tipo de turismo, o mais discutido e criticado por seu aspecto puramente ideológico, não é representativo de todo o setor turístico soviético. Em vez disso, é seu caráter geopolítico e, portanto, multívoco, controverso e ambíguo que desperta tanto debate e interesse. “É significativo que durante todo o período de existência do turismo internacional na URSS nenhum simpósio foi dedicado à sua teoria ou à sua história4” (Orlov e Popov, 2019, p. 15).

A. O turismo interno soviético como ferramenta central para a educação das massas

  • 5 “A Amizade dos Povos é uma expressão concebida pelos dirigentes do Partido Comunista para ilustrar (...)
  • 6 Traduzido do ucraniano. Texto original: « молода радянська держава визначила завдання – поставити н (...)
  • 7 Traduzido do ucraniano. Texto original: « Про зняття пам’ятників, що були споруджені на честь царів (...)
  • 8 Traduzido do ucraniano. Texto original: « спорудження барел’єфів, стел, пам’ятників, які стали перш (...)

8Para a elite política soviética, o turismo desde o início representou um soft power com a intenção de unir, educar e nortear populações heterogêneas. Para implantar a nova ideologia marxista-leninista com uma população predominantemente operária e camponesa, o novo poder destaca os pontos fortes do novo projeto político “mais promissor para o país, mais igualitário e modernizador” em termos “do ganho relativo nas condições de vida e de renda” mas também “de infraestrutura, meios de transporte e, especialmente, alfabetização e, de forma mais geral, de investimentos na educação, ciência e na saúde” (Piketty, 2019, p. 679). Em função da ampliação das fronteiras soviéticas, o turismo interno tornou-se parte da propaganda política sendo proclamado como “a amizade dos povos5” o principal instrumento de canalização das massas populares, dando-lhes assim a possibilidade de descobrirem "os outros" - outros povos, mas também seus territórios, paisagens, culturas e tradições, bem como o progresso industrial e técnico a eles associado. Além disso, “o jovem estado soviético definiu a tarefa de colocar a serviço de uma nova sociedade os bens culturais herdados pelo povo de épocas anteriores, formando assim a sua própria cultura proletária6” (Abramov e Tonkoshkur, 2010, p. 113). No entanto, a nova ideologia também visava criar uma nova memória coletiva e apagar, tanto quanto possível, os vestígios e marcas da época anterior. Como resultado, saiu em 1918, o decreto de Lenin “sobre a retirada de monumentos erigidos em homenagem aos czares e seus oficiais, e a preparação de projetos de monumentos para a revolução socialista russa7”, decretando assim a sovietização dos territórios que podem ser resumida na instalação “de baixos-relevos, estelas, estátuas que se tornaram os primeiros objetos de novas visitas guiadas e atividades turísticas8” (Abramov e Tonkoshkur, 2010, p. 114).

9Em geral, o desenvolvimento do turismo soviético ocorre em dois grandes períodos históricos cortados por um evento geopolítico global: antes (1917 - 1939) e depois (1945 - 1991): a Segunda Guerra Mundial. No entanto, esta periodização marca em primeiro lugar a evolução legislativa e consequentemente a mudança dos principais atores - instituições e órgãos responsáveis ​​pelo desenvolvimento e pela atividade turística.

  • 9 Traduzido do russo. Texto original: « стахановца характеризовала "строгая дисциплинированность, уст (...)

10O turismo em si, permaneceu como todos os setores da economia soviética sob controle estatal permanente, se distinguiu pelo aparecimento de formas puramente soviéticas, como o turismo doméstico em massa, excursionismo em massa, o turismo selvagem e o turismo de saúde. O estado desenvolveu um produto turístico único voltado para o consumidor doméstico do bloco soviético internacional. Portanto, foi a oferta que criou a demanda. Os principais valores sociais cultivados ao longo do tempo pela política de estado que acompanha a ideologia marxista-leninista estão agora se tornando eixos-chave da propaganda turística. O impulso foi dado na década de 1930, quando foi necessário formar uma sociedade de trabalhadores estruturada, educada e culta. O Stakhanovista “caracterizado por uma disciplina rígida, sem excesso de conduta, um modelo de organização, limpeza, cultura no trabalho e na vida privada9” (Volkov, 1996) tornou-se então o arquétipo do cidadão soviético ideal. Assim, com o objetivo de educar as massas, o Estado compromete-se a oferecer diversas atividades turísticas com o objetivo de melhorar a saúde, ampliar os conhecimentos ideológicos e culturais e formar os valores da família como célula da sociedade soviética (Cf. Documento 1)

Documento 1: Cartazes turísticos soviéticos destinados aos turistas domésticos

Documento 1: Cartazes turísticos soviéticos destinados aos turistas domésticos

Da esquerda para a direita: Seja um turista, viaje pela terra natal; O turismo é o caminho para a saúde; Descanso saudável para os trabalhadores! Vá de férias em família

Clube de Viajantes, 2014

11Para oferecer as melhores condições de descanso aos trabalhadores, a herança dita “czarista” é requalificada e reconstruída para servir à classe proletária reinante: os antigos palácios aristocráticos são transformados em sanatórios e casas de repouso para o proletariado à beira-mar e de saúde; algumas igrejas e catedrais são desacralizadas e transformadas em salas de órgãos.

12O desenvolvimento turístico das áreas soviéticas do pós-guerra segue a mesma tradição: educação e melhoria da saúde dos trabalhadores e suas famílias como parte do modelo de amizade dos povos. Uma nova dimensão unificadora emerge neste período: a comemoração do heroísmo soviético durante a Grande Guerra Patriótica.

B. Turismo receptivo ou “peregrinação política”?

  • 10 Traduzido do russo. Texto original: « После революции 1917 г. и последовавшей за ней Гражданской во (...)

13Um dos elementos mais enigmáticos do momento comunista que a Europa viveu no século XX” (Coeuré, 2012, p. 9) foi a abertura da fronteira soviética para a recepção de turistas estrangeiros. De fato, em 1920 “a política externa do governo soviético estava voltada para o fortalecimento da imagem internacional do país10” (Voronkova et al., 2016) cujo objetivo era bastante econômico. A industrialização forçada no contexto da Nova Economia Política exigiu fundos financeiros significativos que o Estado decidiu complementar com a renda do turismo internacional, destacando o sucesso da classe proletária na luta por sua liberdade. O processo definido por Ivanov (2016) como “doutrinação de turistas” pretendia “mostrar ao viajante apenas o que você deseja que ele veja” (Tassou, 2019). O objetivo era apresentar aos estrangeiros “capitalistas” à “terra do socialismo triunfante” (Voronkova et al., 2016), que compreende a vida dos trabalhadores e o progresso industrial e técnico - princípios e doutrinas importantes que aparecem ao longo da história do turismo soviético. O segundo ponto forte apresentado foi a sociedade construída sobre os princípios do internacionalismo, com relações interétnicas harmoniosas e amistosas (Cf. Documento 2). Essa imagem demonstrativa de “socialismo triunfante” acabou sendo uma oposição política direta ao sistema e às sociedades que vivenciam a existência de discriminação racial.

Documento 2: Pôsteres INTOURIST "Convite à URSS"

Documento 2: Pôsteres INTOURIST "Convite à URSS"

Da esquerda para a direita: "100 pessoas convidam você a visitar a URSS", Fonte: https://medium.com/​@propagandopolis/​trips-to-the-ussr-1005937bf8a7, acessado em 22 de janeiro de 2020; "Visite a URSS, o país do primeiro cosmonauta"

https://www.alamyimages.fr/​photos-images/​vintage-soviet-intourist-travel-poster-ussr.html, acessado em 22 de janeiro de 2020.

  • 11 Sociedade Pan-Soviética de Relações Culturais Estrangeiras (1925-1958).
  • 12 Traduzido do russo. Texto original: « корректировать их дорожные впечатления приводило к тому, что (...)

14Quanto aos turistas dos anos entreguerras, eram principalmente “militantes comunistas ou simpatizantes” (Aucouturier, 2002) que foram lá para “descobrir um sistema político” (Mazuy, 2002, p. 8; Pattieu, 2009) deste “eldorado ideológico” (Aucouturier, 2002) o estudo do patrimônio e da cultura desses espaços aparece em segundo plano. Essa prática turística, às vezes comparada a uma forma de “peregrinação” (Mazuy, 2002; Tassou, 2019), obviamente permaneceu sob o controle total do Estado sob o olhar atento de duas empresas estatais “VOKS11 e INTOURIST responsáveis ​​pela supervisão de viajantes e seleção dos locais visitados”(Tassou, 2019). No entanto, tendo em conta a desconfiança ideológica dos chamados estrangeiros "capitalistas" e sobretudo o desejo de “fazer correções nas suas impressões de viagem, fez com que o acompanhamento de um guia intérprete soviético fosse uma condição obrigatória para todos turistas estrangeiros, individualmente ou em grupo, mesmo que falassem russo perfeitamente12 (Popov, 2017). Nenhum desenvolvimento histórico ou o abrandamento do regime após a morte de Stalin (1953) mudou esse modelo. Os turistas internacionais, e qualquer que seja o propósito de sua viagem, tiveram que ser monitorados e, portanto, acompanhados e entretidos durante sua estadia.

15Porém, para além da “doutrinação” que em si incluía a herança do triunfo da ideologia e do “orgulho pelo país” (Voronkova et al., 2016), o discurso soviético estendia-se entre outros ao desenvolvimento turístico cultural e folclórico sobre as peculiaridades dos povos soviéticos graças à sua doutrina da "amizade dos povos". Nesse contexto, “o patriotismo soviético funcionava como uma prática de comunicação voltada para a criação de uma nova identidade” (Vorokova et al., 2016). A geografia desta valorização pode ser lida na iconografia dos cartazes promocionais da INTOURIST, hoje considerados verdadeiras obras de arte e objeto de coleções privadas e exposições patrimoniais. Mesmo se aí encontrarmos a realização da missão principal do INTOURIST - a formação da opinião pública nos países capitalistas favorável a URSS - eles permitem identificar os temas turísticos e principalmente os destinos soviéticos oferecidos aos turistas internacionais. Esses documentos iconográficos serviram como alavancas na criação e desenvolvimento dos princípios de marketing turístico soviético, quando a criação de uma imagem positiva do turismo do país foi baseada no desenvolvimento de uma imagem que unia símbolos e marcadores nacionais oficiais e não oficiais, demonstrando o nível de desenvolvimento econômico e cultural. A visualização da atratividade turística do país foi conseguida através da representação do seu espaço geográfico (ver URSS), imagens regionais (Visite o Cáucaso, Ásia Central, Veja a Ucrânia, etc.), urbano (Kiev, Leningrado, Tbilissi, Batum, Baku), natural (Venha e cace na URSS; A Riviera Soviética) e étnica (100 povos o convidam para visitar a URSS ...), ou realizações soviéticas mais importantes (Dniproghès, Aeronáutica ...).

C. Ucrânia e a Geórgia no discurso iconográfico do INTOURIST

16Dada a falta ou inacessibilidade de informações textuais sobre as dimensões geográficas e patrimoniais dos destinos soviéticos, a única fonte para a construção de uma imagem mental da oferta turística soviética se encontra na iconografia do INTOURIST, a maior parte da qual data dos anos anteriores a Segundo Guerra Mundial - período em que a marca ideológica é considerada a mais forte na comunicação e nas práticas do turismo internacional. A representação cartográfica (Cf. Documento 3) revela os espaços com as suas paisagens patrimoniais destacadas. Este é o mapa produzido entre 1929-1934. Essas datas são aproximadas e têm uma explicação histórica: a empresa INTOURIST opera desde 1929, especialmente porque Kharkov foi a capital da RSS ucraniana entre 1919 e 1934. É lógico que certos territórios europeus depois da guerra (Galiza, Moldávia, países Bálticos) ainda não faziam parte do país.

  • 13 Traduzido do russo. Texto original : « место, благоприятное для оздоровления, занятий лечебными пр (...)
  • 14 A barragem foi construída entre 1923 e 1927, inaugurada e colocada em funcionamento em 1927. A está (...)

17De um modo geral, “durante o período soviético, a Geórgia foi uma feliz exceção cultural e econômica” (Radvanyi, 2011, p. 169): a Geórgia foi um dos únicos exemplos do espaço soviético tendo salvaguardado e exportado sua cultura e culinária tradicional. Com efeito, o país apresentou-se como uma pérola cultural, gastronómica e paisagística mantendo o estatuto de um dos destinos preferidos dos soviéticos. No que diz respeito ao turismo internacional (Cf. Documento 3, Zoom 1), a Geórgia surge assim como o país que apresenta uma atratividade litorânea (a orla do Mar Negro), montanhosa (a cadeia do Cáucaso do Sul) e as cidades de Tiflis (Tbilisi) e Kutais - “portas do sul da montanha” (Radvanyi e Thorez, 1976). Os territórios da Abkhazia “com a sua famosa vegetação apresentando certas características subtropicais” (Radvanyi e Thorez, 1976) e Ajaria foram posicionados como “locais propícios à melhoria da saúde com curas e o clima subtropical, natureza exótica e paisagens de montanha. Por essas razões, toda uma infraestrutura de estabelecimentos de spa, hotéis, sanatórios e casas de repouso foram construídas13 (Voronkova et al., 2016). A imagem de um país termal também é reforçada pela presença dos históricos banhos da capital Tiflis (nome histórico de Tbilisi) sem esquecer o aspecto resultante do progresso técnico soviético com Kutais, a segunda cidade industrial do país depois da capital, e Zages, barragem hidrelétrica no rio Kura e seu monumento a Lenin14, um marco do comunismo.

  • 15 A barragem hidrelétrica do rio Dnipro, construída entre 1927 e 1932, entrou em operação em 1932.
  • 16 Edifício administrativo governamental, construído no estilo construtivista em 1928.

18Por sua vez, a Ucrânia permanece marcada por várias dimensões patrimoniais (Cf. Documento 3, Zoom 2): o Sudeste industrial (Donbass, Dnipropetrovsk, Dniprohès15, Krivoy Rog), a capital construtivista (Kharkov com seu prédio administrativo de Gosprom16), o Norte cultural (igrejas e mosteiros em Kiev e Chernihov), o Oeste medieval (fortaleza medieval em Kamenets Podolsk). Além disso, nota-se a paisagem rural (camponeses, casas tradicionais, zona do Dnipro em Cherkassy) - paisagem típica ucraniana que atravessa o país de Norte ao Sudoeste e para em Odessa, o porto marítimo, e nas áreas de reserva natural das estepes do Sul.

Documento 3: Mapa turístico da parte europeia da URSS. INTOURIST, 1930.

Documento 3: Mapa turístico da parte europeia da URSS. INTOURIST, 1930.

Biblioteca nacional da França (gallica.bnf.fr ; consultado em 22 janeiro, 2020)

19Os mesmos aspectos aparecem na iconografia dos cartazes. Espaços ucranianos e georgianos aparecem, portanto, em convites gerais para áreas geográficas (Ver Cáucaso, Ver URSS, Ver Ucrânia) ou cidades (Cf. Documentos 4 e 5). Além disso, os destinos urbanos ainda são mais limitados do que no mapa. As únicas cidades listadas no corpo de pôsteres acessíveis são Tbilisi e Batum para a Geórgia, Odessa, Kharkov e Kiev para a Ucrânia. O simbolismo explícito ou oculto faz alusão ao regime patrimonializado e sua promoção do turismo através das cores simbólicas do comunismo, dos elementos industriais ou dos representantes de populações étnicas camponesas ou operárias. Nesse contexto, as imagens de camponesas ou trabalhadoras com roupas tradicionais com produtos agrícolas locais podem ser interpretadas como anunciando a “feminização das sociedades regionais com costumes patriarcais” (Voronkova et al., 2016) - as transformações engendradas pela política soviética promovem os direitos da mulher e sua atuação nos diversos setores da produção nacional. Resta adivinhar a mensagem transmitida aos turistas. Tratava-se de reforçar mais uma vez a oposição ao mundo capitalista exibindo seus movimentos feministas?

Document 4 : Cartazes INTOURIST : Ucrânia e suas cidades.

Document 4 : Cartazes INTOURIST : Ucrânia e suas cidades.

INTOURIST, 1930 – 1960

Document 5 : Cartazes INTOURIST : Georgia e suas cidades.

Document 5 : Cartazes INTOURIST : Georgia e suas cidades.

INTOURIST, 1930 - 1960

20Obviamente, essas imagens não fornecem o inventário completo das representações turísticas construídas em torno das repúblicas soviéticas. Para isso, seria necessário estudar o discurso textual e iconográfico dos guias turísticos da época. No entanto, esses documentos visuais tiveram forte influencia sobre a escolha dos turistas graças às imagens e slogans cativantes, eles apresentam hoje uma importante riqueza intelectual e artística.

II. Pós-sovietismo: que modelos de desenvolvimento turístico para os territórios ucranianos e georgianos?

A. O turismo nas novas políticas dos Estados independentes

21No espaço pós-soviético, o turismo passou por fortes transformações ideológicas e nacionais após a queda da URSS. No nível social e econômico, “o desmantelamento da União Soviética e de seu aparato produtivo entre 1990-1991 levou, antes de tudo, a uma queda no padrão de vida entre 1992-1995” (Piketty, 2019, p. 693). Apesar do desaparecimento da “Cortina de Ferro”, a persistência da queda do poder de compra impossibilitou que grande parte da população viajasse dentro ou para fora do país. Muitas famílias que se viram separadas pelas fronteiras estabelecidas entre os novos estados independentes preferiram, portanto, deslocar-se para ver os pais, que se tornaram “estrangeiros”, e não embarcar na descoberta de novos horizontes. Além disso, a sociedade vê “a entrada em cena de oligarcas e da forte pilhagem dos bens públicos” (Piketty, 2019, p. 693). Essa nova classe, acompanhada por uma elite política específica, forma uma clientela exigente, atraída pelo turismo de luxo, geralmente baseado em outros países.

22Com a estabilização das economias nacionais enquanto as populações gradualmente recuperavam sua capacidade econômica de viajar, os espaços pós-soviéticos tornaram-se “emissores” turísticos. Os turistas pós-soviéticos do final do século XX - início do século XXI foram integrados aos fluxos turísticos globais, deixando seus territórios em favor de países do “mundo capitalista” até então fechado.

23No que diz respeito ao setor do turismo doméstico e receptivo, os espaços passaram por transformações identitárias e patrimoniais devido às novas políticas de construção nacional a partir de um novo discurso identitário e histórico. Estes últimos tornam-se, portanto, marcadores de identidade integrados na construção de estratégias nacionais de atratividade turística.

24Então, quais são esses discursos?

25Para Titov V., Bushuyev V. e Samokhvalov N. (2015) as novas políticas nacionais que surgiram após a queda da URSS são caracterizadas em primeiro lugar pelas políticas da história definidas como “metamorfose da história existente”. Os pesquisadores chamam a atenção para seu caráter contraditório e conflituoso, muitas vezes explorado em função dos interesses da elite política (Titov et al., 2015). Obviamente, por analogia com a instalação do regime comunista (Abašin, 2012), os governos pós-soviéticos adaptaram os mesmos métodos de influência: “a comparação com o poder político anterior” (Piketty, 2019, p. 679) passando pela “a elaboração de uma ideologia de independência” onde “as referências à história ocupam um lugar central” (Abašin, 2012). Esta política de construção nacional de estados independentes é descrita por Letnyakov D. (2016) e depois Churakov, D. (2018) como baseada no “discurso pós-colonial” acentuado pelo “retorno à Europa”, “as guerras da memória”, “os conflitos de identidades” e “o florescimento do etnocentrismo”.

  • 17 Traduzido do russo. Texto original : « Десоветизация означает замену советских политических интерес (...)

26Como as ex-repúblicas soviéticas não eram etnoculturalmente homogêneas e, além disso, após o colapso da União Soviética, foram forçadas a passar por uma dolorosa transformação social e econômica, as elites desses estados enfrentaram desde o início a tarefa de legitimar o novo estado independente. Para isso, era preciso criar uma nação política com seus próprios mitos e narrativas, para justificar a legalidade de suas fronteiras, para formar um sentimento de solidariedade em torno de uma memória comum. Portanto, compartilhando uma herança comum soviética e visando justificar a reestruturação da vida social e política, os governos pós-soviéticos recorreram à “dessovietização”. Este processo se dá como a “invenção de novas fronteiras da padronização etno-soviético-cultural” (Letnyakov, 2016) através da eliminação da “memória oficial ligada às memórias da era soviética” (Abašin, 2012) e “da substituição dos interesses e símbolos políticos sociéticos por novos elementos nacionais17 (Kuznetsova, 2001). Nesse contexto, os discursos memoriais e as articulações patrimoniais adquirem rapidamente um tom pós-colonial em que a ideia de “padronização cultural” é considerada uma condição necessária para a modernização nacional segundo os modelos dos Estados Nação europeus (Kuznetsova, 2001).

27Dado o caráter pós-colonial identitário das políticas estatais, o turismo nessas ex-repúblicas soviéticas tornou-se objeto de uma nova reestruturação. Este último é caracterizado por dois elementos-chave: a nova memória coletiva politizada e a “folclorização” das imagens e paisagens patrimoniais.

B. Desenvolvimentos do turismo na Ucrânia e na Geórgia: comparações (geo)políticas

28A Ucrânia e a Geórgia apresentam dois exemplos marcantes da difícil mudança em direção aos discursos identitários pós-colonial, onde há certos paralelos (geo) políticos. Como parte desse estado de transição, o setor do turismo se encontra ao mesmo tempo como “testemunha muda” e “arma política” muitas vezes.

29Zonas turísticas - testemunhas silenciosas da política de memória

  • 18 A grande fome na Ucrânia e em Kuban entre 1932 – 1933.
  • 19 O Museu de Tbilisi está localizado na avenida central da cidade, entre a sala da filarmônica e a pr (...)

30A dessovietização, um processo essencial porque “construído em torno da oposição entre dois atores históricos antagônicos, aqueles que sofrem e aqueles que provocam sofrimento, aqueles que são identificados como a "nação" e aqueles que designados como "império"”(Abašin 2012), assume formas muito específicas nos estados em questão. Os novos discursos e políticas de memória histórica são colocados em prática 10 anos após a queda da URSS. Os governos: o de Mikheil Saakashvili (2003) na Geórgia e Victor Yushthenko (2004) na Ucrânia formado após as revoluções coloridas terem escolhido como eixo principal a construção de nações com valores pró-ocidentais. As novas políticas nacionais foram, portanto, propagadas e popularizadas através da criação de panteões de heróis nacionais, lugares e museus dedicados à memória nacional coletiva. Tal política é frequentemente comparada a uma “busca por "genocídios esquecidos"” (Abašin, 2012): a Ucrânia está experimentando uma sacralização do Holodomor18 por meio da criação de memoriais e museus que falam desse período histórico ainda mais que “desde 2006, a Ucrânia e a Geórgia inauguraram museus da ocupação soviética” (Abašin, 2012). No entanto, o termo museu parece ambicioso em ambos os casos. Na realidade, são exposições simples. O da Geórgia, parte integrante do Museu Nacional de Tbilisi, por meio de seu conceito museográfico transmite uma mensagem sobre a história sombria do país. Por sua vez, a exposição ucraniana é um modesto conjunto de documentos colocados à disposição dos visitantes. Da museografia dos dois “museus” é fácil perceber que o de Tbilisi tem mais uma cor ideológica anti-soviética do que o “museu” ucraniano. A localização no espaço urbano19 sublinha a importância atribuída pelo governo georgiano à mensagem que a exposição deve transmitir ao público. Não é o caso do seu homólogo ucraniano, que lembra mais uma exposição organizada no arquivo e não um museu de importância nacional.

  • 20 Na Geórgia: o conflito Abkhaz-Georgiano entre 1992 - 1993 e 2008, a guerra pela Ossétia do Sul em 2 (...)
  • 21 Traduzido do ucraniano. Texto original : « Слід нагадати, що явище «декомунізації» не є прямим нас (...)
  • 22 Traduzido do russo : Вождь пролетариата

31Além disso, conflitos geopolíticos internos e externos com a Rússia que levaram à fragmentação territorial dos países20 e à instalação de “fronteiras de fato” (Bachelet, Duquesney, Merle, 2017; Bachelet, Richard, 2019) contribuíram para a “"dessovietização" radical implementada pelo modelo lituano-polonês21” (Kyslyuk, 2016) sustentada pelas leis “proibição do simbolismo e da propaganda dos regimes totalitários comunistas e fascistas” (votadas em 2011 na Geórgia e em 2015 na Ucrânia). No entanto, se na Geórgia este processo gerido pela elite política ocorreu de forma mais ou menos pacífica, a Ucrânia, que teve um período de dessovietização pacífico até 2015, passa a se desenvolver em um campo de batalha patrimonial que entrou para a história como “Leninopad” ou a "queda de Lenin" - destruição implacácel de monumentos ao “líder do proletariado22”, levando à “vandalização” de outros memoriais soviéticos. Como consequência, certas paisagens urbanas (por exemplo, a Praça da Liberdade em Kharkov) viram grandes lacunas ou ruínas em sua paisagem, prejudicando sua atratividade turística.

32Além disso, como um seguimento lógico das chamadas leis de “descomunização” e com o objetivo de dar as duas ucranias a possibilidade legal de homenagear seus heróis, a elite política ucraniana tomou a decisão de substituir o conceito de Grande Guerra Patriótica “ideologicamente carregado” pela “sua função de consolidar a população da URSS em uma comunidade única” (Letnyakov, 2016) pelo conceito mais neutro: o da Segunda Guerra Mundial. Na verdade, para entrar nos detalhes, a Ucrânia oriental, predominantemente de língua russa, com uma forte memória coletiva da Grande Guerra Patriótica, e a Ucrânia Ocidental, de língua predominantemente ucraniana, historicamente colaboradora fa Alemanha nazista. Neste contexto, o panteão heróico das duas ucrânias encontram-se em oposição e confrontados com a comemoração dos soldados soviéticos no Oriente e dos combatentes nacionalistas anti-soviéticos liderados por Stepan Bandera no Ocidente (a Galícia e territórios limítrofes). Essa fragmentação politicamente instrumentalizada da memória coletiva é ainda mais ampliada pela incorporação de novos elementos memoriais ligados à guerra pela Ucrânia em Maidan e Donbass. A museografia ucraniana e a cenografia memorial são, portanto, objecto de uma coabitação, sobretudo turística, de memórias opostas: soviética versus anti-soviética contemporânea (cf. Documentos 6 a 8).

  • 23 O apelido soviético de Stalin.
  • 24 O nome verdadeiro de família de Joseph Stalin.

33A Geórgia também pode servir como um exemplo de paradoxos memoriais dos patrimônios onde o setor turístico põe suas atrações. Apesar da imagem central anti-soviética incorporada no Museu da Ocupação Soviética em Tbilissi, o país tem um orgulho nacional totalmente oposto. A Pátria do “pai dos povos”23 salvaguarda e promove ao nível nacional o patrimônio diretamente ligado à personalidade de Ioseb Dzhugashvili24. A cidade de Gori (local de nascimento de Stalin) construiu sua atratividade turística graças à casa-museu J. Stalin, bem como ao vagão de trem registrado pelo governo georgiano na lista de patrimônio cultural móvel. De acordo com a INTERFAX (2019), este complexo memorial dedicado ao culto do líder soviético é o local turístico mais visitado da Geórgia.

34À parte esta tensão da herança soviética contra o anti-soviétismo tão visível no turismo, os dois estados nas suas respectivas políticas econômicas apostam no desenvolvimento do setor turístico. Como na década de 1930 do período soviético, os governos depositaram suas esperanças nas receitas que o turismo poderia trazer. Essas esperanças se refletem, portanto, em projetos estratégicos e em suas realizações em nível nacional.

Documento 6: Memória soviética vs anti-soviética em Kharkov

Documento 6: Memória soviética vs anti-soviética em Kharkov

Da esquerda para a direita: Memorial ao Holodomor; Estátua da pátria no memorial da glória, dedicado à grande guerra patriótica.

© Nataliia Moroz, juillet 2019

Document 7 : Memória soviética vs anti-soviética em Kiev

Document 7 : Memória soviética vs anti-soviética em Kiev

Da esquerda para a direita: Kiev, cidade da heroína, Estela da Vitória na Grande Guerra Patriótica na Praça da Vitória; Exposição dedicada aos eventos do Maidan 2013-2014, place de l'Indépendance.

© Nataliia Moroz, novembre 2018

Document 8 : Memória soviética vs anti-soviética no Museu do mémorial « Vysota Konyeva, Solonitsevka, região de Kharkov

Document 8 : Memória soviética vs anti-soviética no Museu do mémorial « Vysota Konyeva, Solonitsevka, região de Kharkov

De cima para baixo: espaço do museu dedicado à ocupação fascista e à libertação de Kharkov durante a Grande Guerra Patriótica; Espaço museográfico dedicado à guerra em Donbass.

© Nataliia Moroz, juillet 2019

35Estratégias nacionais de turismo: uma lição da Geórgia

  • 25 Ex-presidente da Géorgia (2004 – 2013) e ex-governador da régião de Odessa na Ucrânia (2015-2016).

36Os fatos turísticos da Geórgia e da Ucrânia podem ser considerados com soft power no contexto dos discursos pós-coloniais, anti-russos e pró-europeus. Esta hipótese surge do discurso proferido por Saakashvili25 ao parlamento ucraniano em 2016 sobre o desenvolvimento do turismo na Ucrânia (Saakashvili, 2016). Tratava-se de compartilhar experiências e ideias estratégicas no alto escalão do governo. Apesar do status controverso da personalidade de Saakashvili, a Ucrânia em algumas escalas locais (como a cidade de Kharkov) continua a trocar experiências com profissionais georgianos no setor público. Portanto, a análise de seu contexto geopolítico proposto no texto a seguir terá como base o discurso do ex-presidente georgiano (texto do discurso em anexo). Esta escolha metodológica é explicada pelo fato de que a Geórgia experimentou seu boom turístico durante os anos da presidência de Saakashvili, o que também é confirmado pela opinião de cidadãos georgianos durante as conversas quase antropológicas na pesquisa de campo. “Na verdade, nosso 'boom' turístico começou depois da invasão russa em 2008. Tomamos uma decisão filosófica: ou reclamamos para o mundo inteiro que eles nos ocupam, nos oprimem, ou geralmente escondemos todos esses fatos e vamos apenas falar sobre o lado positivo da Geórgia”(Saakashvili, 2016)

37O atual espaço turístico georgiano (o centro e certas áreas periféricas) conheceu uma forma de “folclorização” ou mesmo de “mitologização” para avançar para uma imagem atraente com uma identidade puramente georgiana. “O objetivo é acima de tudo mostrar a Geórgia como um país acolhedor e moderno” (Bachelet e Richard, 2019), mas também um estado europeu com uma longa história anterior às influências russas. Para isso, o mito de Cólquida e suas interações com a antiga Grécia são ativamente colocados no discurso e no palco, traçando assim uma linha de continuidade entre o reino antigo e a Geórgia moderna: em 2000, Tbilisi foi capaz de celebrar o 3000º aniversário do estado nacional (Letnyakov, 2016).

38Parece que objetivos idênticos são destacados em terras ucranianas, com uma diferença: a Ucrânia tem uma grande quantidade de patrimônios e objetos protegidos ao contrário da Geórgia, onde a elite política teve que inventar “todos os centros antigos das cidades, simplesmente porque eles não existiam mais...” (Saakashvili, 2016). “A Ucrânia não é a Rússia” é a declaração crucial da identidade ucraniana vista, entre outras coisas, em comerciais. A mensagem turística reforça a representação do país com identidades civilizacionais e históricas próprias (o Estado de Kiev - o primeiro Estado dos eslavos orientais e a chegada do cristianismo no século XX, o Estado da Galícia, o Estado dos Cossacos etc. ), estilo de vida e mentalidade (a cultura europeia clássica e cultura tradicional e folclórica dos camponeses ucranianos), ou seja, “um país europeu que há 350 anos a Rússia impede de viver na Europa” (Letnyakov, 2016).

  • 26 Referência feita por Saakashvili sobre a visita do Príncipe de Mônaco em Batum (ver no Anexo).
  • 27 M. Saakashvili
  • 28 Referência ao projeto de desenvolvimento da cidade de Anaklia "apresentada em um fórum sobre "a nov (...)
  • 29 O Abkhazie e a Ossétia do Sul.

39A “mitologização” das áreas turísticas está se tornando para a Geórgia o meio político de atrair a atenção dos turistas, mas também da elite política mundial26. As invenções patrimoniais flagrantes e surpreendentes de Sighnahi (MS27: “Eu disse: "Vamos construir uma nova cidade nestas colinas". Agora a cidade parece uma cidade do século XVI”), de Batum (MS: “a praça Piazza, eu a construi do zero como se existisse desde o século 15”) ou a fortaleza de Rabat (MS: “Tudo lá não existia. Nós inventamos e mandamos construir. E agora, é um grande centro turístico” sob a inspiração das fotos da fortaleza de Belgorod-Dnistrovski na região de Odessa) demonstram isso. Esses projetos turísticos, especialmente nas áreas de fronteira, são caracterizados por Bachelet A., Duquesney L. e Merle T. (2019) como uma “teatralização do espaço nacional” visando um objetivo geopolítico: apresentar a Geórgia como “uma vitrine atraente, pacífica e próspera28 não apenas para turistas em potencial, mas principalmente para as populações dos territórios separatistas29, a fim de fazê-los querer se reintegrar com “autonomia política dentro de um sistema federal georgiano” (Bachelet e Richard, 2019).

40O ex-presidente georgiano propôs, portanto, um cenário semelhante à Ucrânia na Ilha das Serpentes, com a criação de uma “Las Vegas” ucraniana: “Sempre temos medo de que isso seja tirado de nós. Basta transformá-lo em um gigantesco centro de jogos: construir ali um hotel de 600 quartos e torná-lo uma marca mundialmente famosa - para que todos saibam que no Mar Negro existe um milagre absoluto” (Saakashvili, 2016). A ilha se encontra no Mar Negro, mais precisamente na zona aquática entre a costa da região de Odessa e a Crimeia anexada à Rússia, poderia dar vida aos ambiciosos projetos georgianos não realizados porque, para o homem político ucraniano da origem georgiana “na luta contra o mesmo império”, “salvar a Ucrânia também significa salvar a Geórgia” (Herbecq, 2017). No entanto, as rápidas mudanças na arena política desses dois estados pós-soviéticos não nos permitem identificar a regularidade das estratégias turísticas. É preciso aguardar os resultados das políticas dos novos governos para poder tirar conclusões sobre a continuidade das ocorrências geopolíticas no turismo dos dois países.

Conclusão

41A cronologia das evoluções estratégicas dos setores turísticos sugere que, desde a independência, a Ucrânia seguiu certos exemplos e lições dadas pelo solo georgiano. O passado soviético comum torna-se um fator importante no surgimento do conceito de povos fraternos, mais sobre o plano político e histórico do que mental e cultural. Os setores turísticos dos dois países seguem, portanto, o mesmo modelo de transformações “do soviético ao pós-soviético” que se caracterizam pela comercialização da atividade, a abertura do turismo internacional prevalecendo sobre o doméstico e a passagem do “modelo patriótico ao modelo hedonista” (Lysikova, 2011). A integração dos discursos pós-coloniais e antiimperialistas em todos os domínios levam freqüentemente a guerras de monumentos que se refletem nas paisagens históricas de certos espaços e locais turísticos ucranianos e georgianos. Por outro lado, esses relatos anti-soviéticos ignoram ou silenciam os efeitos positivos que essa história teria deixado (Abašin, 2012) como legado, especialmente porque hoje aparece uma "tendência em voga de tornar a marca soviética como uma inversão cultural”, incluindo a memória social do turismo soviético e do patrimônio encontrado em arquivos, fotos e cartazes (Lysikova, 2011). Resta saber como esses discursos evoluirão após a crise sanitária global (COVID 19).

42A estratégia de turismo georgiana decorrente do princípio “muitas coisas no turismo são inventadas” (Saakashvili, 2016) vê o reaparecimento da tradição turística soviética. Este último decorre, por um lado, de um produto turístico nacional “fundado nas suas belezas naturais e amplas zonas ecológicas” (Metreveli e Timothy, 2010) porque, apesar dos esforços políticos, “a referência constante a um reino mítico esconde um déficit identitário ancorado na era moderna e, em particular, a ausência de um Estado unificado antes da chegada dos russos”. (Radvanyi, 2011, p. 168)

  • 30 Traduzido do russo. Texto original : « Региональные варианты исторической памяти постсоветской Укра (...)

43A Ucrânia, por sua vez, deve levar em consideração as “peculiaridades regionais da memória histórica30 ​​de seu estado pós-soviético (Kozlov, 2014). Como sua “longa história deixou multiplas fissuras” (Radvanyi, 2011, p. 76) e marcadores territoriais, seria sem dúvida mais criterioso desenvolver conceitos de atratividade turística em torno desse patrimônio histórico, em particular o soviético.

Haut de page

Bibliographie

Abašin, S. (2012), « La Désoviétisation Dans La Politique Mémorielle De L’Ouzbékistan Indépendant. Le Musée De La Mémoire Des Victimes Des Répressions », Revue d’études comparatives Est-Ouest. 2012, Vol. 1 (43), pp. 47-72.

Abramov, V .V.. et Tonkoshkur, M.V. (2010), Histoire du tourisme, manuel [Історія туризму: підруч. ], Kharkov : KNAME, 2010. p. 294.

Aucouturier, M. (2002), « Rachel Mazuy, Croire plutôt que voir? », Cahiers du monde russe. Russie-Empire russe-Union soviétique et États indépendants. 2002, Vol. 43 (43/4), pp. 724-725.

Bachelet, A., Duquesney, L. J. et Merle, T. (2017), « Conflits de souveraineté et frontières contestées. Les États de facto de l’espace post-soviétique », The Journal of Power Institutions in Post-Soviet Societies. 2017, Vol. 18, available at : https://journals.openedition.org/pipss/4303#quotation (accessed 27 January 2020)

Bachelet, A. et Richard, Y. (2019), « La construction de la frontière de facto abkhazo-géorgienne, entre enjeux sécuritaires, politiques et identitaires », L’Espace Politique. Revue en ligne de géographie politique et de géopolitique. 2019, Vol. 36, available at : https://journals.openedition.org/espacepolitique/5691 (accessed 27 January 2020)

Bagdasaryan, V., Orlov, I., Shnayder, Y., Fedulin, A. and Mazin K. (2007), Le miroir soviétique : le tourisme international en URSS en 1930 – 1970 [Советское зазеркалье: иностранный туризм в СССР в 1930-1980-е годы ], Moscou : Forum, 2007. p. 256.

Chometowski, G. (2009), L'Amitié des peuples à travers l'objectif de la caméra soviétique : politique des nationalités et cinéma en URSS de 1928 à 1941, Paris : Institut d'études politiques, 2009. p. 753.

Churakov, D. (2018), «  Les « guerres de mémoire » et des modernes conflits locaux » [ " Войны памяти" и локальные конфликты современности ], Enseignement de l’histoire militaire en Russie et à l’étranger, 2018, pp. 421-431.

Coeuré, S. (2012), Cousu de fil rouge. voyage des intellectuels français en union soviétique: Voyages des intellectuels français en Union soviétique, Paris : Cnrs, 2012. p. 384.

Herbecq, J. F. (2017), « Mikhaïl Saakachvili: le retour de l'ex-président géorgien devenu apatride aura-t-il lieu? », RTBF.BE, avalable at :
https://www.rtbf.be/info/monde/detail_mikhail-saakachvili-le-retour-de-l-ex-president-georgien-devenu-apatride-aura-t-il-lieu?id=9699721, (accessed at 29 January 2020)

INTERFAX (2019), « La wagon persnnel de Stalin a obtenu le statut du patrimoine culturel mobilier » [ Личному вагону Сталина присвоили в Грузии статус движимого памятника культурного наследия ], INTERFAX, avalable at : https://www.interfax.ru/world/689687 (accessed at 26 January 2020)

INTOURIST. (1930 – 1960), «  Affiches « Intourist » destinées aux étrangers, 1930-1960 » [ Плакаты "Интуриста" для иностранцев, 1930 - 1960-e ], Propaganda history, avalable at : https://propagandahistory.ru/1862/Plakaty-Inturista-dlya-inostrantsev--1930-1960-e-g/ (accessed at 20 January 2020)

INTOURIST, (env. 1930), «European part of U. S. S. R. Pictorial map », Bibliothèque nationale de France, avalable at : https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b53121084j, (accessed at 22 January 2020)

Ivanov, А. А. (2016), « Politization of incoming tourism in USSR during the period of the cold war: causes and consequences », [ Политизация въездного туризма в СССР в период холодной войны: причины и последствия ], Service and Tourism : Current Challenges, 2016, Vol. 10 (4), pp. 71-79, avalable at : https://ru.calameo.com/read/004251076d2130b16d4bb (accessed 22 January 2020)

Kozlov S.V. (2014), « Regional variants of the historical memory of post-Soviet Ukraine »

[ Региональные варианты исторической памяти постсоветской Украины ], Values and meanings. 2014, Vol. 6 (34), pp. 20 -31, available at : https://cyberleninka.ru/article/n/regionalnye-varianty-istoricheskoy-pamyati-postsovetskoy-ukrainy (accessed 12 January 2020)

Kuznetsova, S.. (2001), «  Nation-building in the post-Soviet borderlands: The politics of nat. identities/Smith G., Law V., Wilson A. et al.-L.: Cambridge univ. press, 1998.-XIII, 293 p. » Central Asia: 10 years of Independance. 2001, pp. 52-57, available at : https://elibrary.ru/item.asp?id=21632437& (accessed 25 January 2020)

Kyslyuk, K. (2016), « Memorial landscape of Ukrainian culture: the past and the present » [ Меморіальний ландшафт української культури: минуле та сучасність ], Filosovska dumka. 2016, Vol. 3, pp. 90-105.

Letnyakov, D. (2016), « Nation-Building : Identity Policies in Post-Soviet States », Mir Rossii. 2016, Vol. 25 (2), pp. 144-167, available at : https://cyberleninka.ru/article/n/sozdavaya-natsiyu-politika-identichnosti-v-postsovetskih-gosudarstvah (accessed 12 Janvier 2020)

Lysikova, O. (2011), « Tourism as the exploration of space-time: the mobility of collective memory » [ Туризм как освоение пространства-времени: мобильность коллективной памяти ], Theory and practice of social development. 2011, Vol. 7, pp. 95-100.

Matelly, S. (2013), « Le tourisme, un objet géopolitique », Revue internationale et stratégique. 2013, Vol. 2 (90), pp. 57-69.

Mazuy, R. (2002), Croire plutôt que voir?: voyages en Russie soviétique (1919-1939), Paris : Odile Jacob, 2002. p. 325.

Metreveli, M. et Timothy, D. J. (2010), « Effects of the August 2008 War in Georgia on Tourism and its Resources », Tourism, progress and peace. 2010, pp. 134-147.

Moroz, N. (2020), Patrimoines, patrimonialisation, dépatrimonialisation. Quelles images et quelles pratiques touristiques pour l’Ukraine ?, Thèse de doctorat en Géographie, Aménagement, Urbanisme sous la dir. D’I. Lefort. Lyon, 2020, p. 593.

Orlov, I. et Popov, A. (2019), Through the Iron Curtain. See USSR !. Foreign tourists and the ghost of Potemkin villages, Сквозь «железный занавес». Sее USSR!. Иностранные туристы и призрак потемкинских деревень], s.l. : Litres, 2019, p. 490.

Pattieu, S. (2009), « Voyager en pays socialiste avec Tourisme et travail », Vingtième Siècle. Revue d'Histoire. 2009, Vol. 2, pp. 63-77.

Piketty, T. (2019), Capital et idéologie, Paris : le Seuil, 2019. p. 1224.

Popov, A. (2017), « Lost in translation: Intourist's guides and translators and justification of Soviet reality », [ Lost in translation: гиды-переводчики «Интуриста» и оправдание советской действительности ], New literary review. 2017, Vol. 1, pp. 54-65.

Radvanyi, J. (2011), Les États postsoviétiques. Identités en construction, transformations politiques, trajectoires économiques, Paris : Armand Colin, 2011. p. 272, available at : https://www-cairn-info.bibelec.univ-lyon2.fr/les-etats-postsovietiques--9782200271633.htm (accessed 12 January 2020)

Radvanyi, J. et Thorez, P. (1976), « Le tourisme dans le Caucase. In Annales de géographie », Annales de géographie. 1976, pp. 178-205, available at : https://www.jstor.org/stable/23450115?read-now=1&seq=1#page_scan_tab_contents (accessed 27 January 2020)

Saakashvili, M. (2016), « Ukraine peut devenir un paradis touristique", discours de l'ex président de la Géorgie à la Verkhovna Rada d'Ukraine » [ Україна може стати туристичним раєм], Saakashvili Mikeil - page youtubes, 2016, available at : https://www.youtube.com/watch?v=Dqbdtm7ao88&feature=youtu.be&fbclid=IwAR08EACRHkKdsDWI0x4vncci_ylfyQKYG8l05bPl434gefL2mIK0gLxWMsM (accessed 12 January 2020)

Sarrasin, B. (2004a), « Le tourisme, au risque du politique », Téoros. 2004, Vol. 23-1, pp. 3-4.

Sarrasin, B. (2004b), « Risque politique et tourisme : Nouveautés et continuités », Téoros. 2004, Vol. 23-1, pp. 12-22.

Sarrasin, B., Tardif, J. et Arreola Flores, G. (2012), « Tourisme et lutte contre la pauvreté : de la confusion des termes à la construction d’un discours scientifique ? », Téoros. 2012, Vol. 31-2, pp. 51-59, available at : https://journals-openedition-org.bibelec.univ-lyon2.fr/teoros/2329#quotation (accessed 11 January 2020)

Tassou, B. (2019), « André Gide et le tourisme en Union Soviétique », Histoire à la BNF. 2019, available at : https://histoirebnf.hypotheses.org/8131 (accessed 20 January 2020)

Titov, V.V., Bushuyev, V ;V. and Samohvalov, N.A. (2015), « Historical policy in the former Soviet Union states: an attempt of conceptual understanding », [ Историческая политика в государствах бывшего СССР: попытка концептуального осмысления ], Social and humanitarian knowledge, 2015, Vol. 2, pp., available at : https://cyberleninka.ru/article/n/16567348 (accessed 12 January 2020)

TRAVELERS’ CLUB. (2014), «USSR posters about Tourism » [ Плакаты СССР о туризме ] available at : http://kp74.ru/plakaty-sssr-o-turizme.html (accessed 11 January 2020)

Volkov, V.V. (1996), « La conception de la culturalité, les années 1935 – 1938 : la civilisation soviétique et le quotidien de l'’poque stalinienne » [ Концепция культурности, 1935-1938 годы: советская цивилизация и повседневность сталинского времени ], Revue sociologique. 1996, Vol. 1-2, pp. 194-213.

Voronkova L. P., Afanasiev O.E., Marmer L.I. (2016), « Historical posters of « INTOURIST » at sources of forming tourist image of the country » [ Исторические плакаты «Интуриста»: у истоков формирования туристского имиджа страны ], Service and Tourism : Current Challenges,. 2016, Vol. 10 (4), pp. 41-61, avalable at :

https://ru.calameo.com/read/004251076d2130b16d4bb (accessed 22 January 2020)

Haut de page

Annexe

ANEXO

Discurso do Sr. Saakashvili (ex-presidente da Geórgia e ex-governador da região de Odessa) sobre o desenvolvimento do turismo ao governo ucraniano em Verkhovna Rada em 2016 (parlamento ucraniano)

Texto do discurso traduzido da tradução francesa do autor

“A Ucrânia tem um potencial turístico incrível.

A Geórgia sempre foi um país em guerra, em provocações, em conflitos. Na verdade, nosso boom do turismo começou após a invasão russa em 2008. Tomamos uma decisão filosófica: ou reclamamos para o mundo inteiro que eles nos ocupam, nos oprimem, ou acostumamos a esconder todos esses fatos e apenas falar sobre o lado positivo da Geórgia; ou nos concentramos no futuro ou pensamos em como parecer vítimas miseráveis dessa agressão..

E há muitas dessas vítimas no mundo - todos estão cansados ​​disso: a pequena Geórgia, até mesmo a grande Ucrânia - todo mundo fica entediado se nada de positivo for oferecido.

Portanto, quando temos Lviv, Chernivtsi, Odessa, há Kiev, há Chernihiv, há Poltava, você pode fazer uma viagem de um dia de Kiev a Chernihiv ou Poltava. Mas para isso é necessário fazer o centro de Poltava - está bem preservado, mas sempre pode ser melhorado.

Vou te dizer uma coisa: na Geórgia, nós inventamos todos os centros antigos, simplesmente porque eles não existiam antes.

Pegamos o pequeno vilarejo nas montanhas de Sighnaghi e eu disse: "Vamos construir uma nova cidade nessas colinas". Agora, a cidade parece uma cidade do século 16. Todo mundo se esqueceu de que a cidade é realmente nova. Chamamos de cidade do amor onde você pode se casar 24 horas por dia, por isso conseguimos atrair multidões de visitantes. As pessoas não se importaram. Queriam acreditar que a cidade existia desde o século XVI e que era possível organizar e celebrar um casamento 24 horas por dia (MS mostra fotos da cidade nos slides). Os telhados vermelhos - nada disso existia. Havia apenas um terrível sovkhoz soviético miserável, a população local estava indo embora. Agora, o custo de apartamentos e casas aumentou 100 vezes como resultado do desenvolvimento - é isso que o turismo traz. Aqui está Sighnaghi.

Batum (mostra fotos de Batumi). Na verdade, Batum era praticamente uma cidade pequena, uma cidadezinha decadente da era soviética, ninguém a desenvolveu. Como fizemos isso? Tudo foi simples: acreditamos que a cidade tinha perspectivas, organizamos a parceria público-privada. Dissemos às empresas: “Estamos construindo estradas, vamos trocar todos os esgotos e encanamentos, estamos fazendo de tudo. Estamos dando a você o terreno de graça. Se você deseja construir um hotel 5 estrelas, nós até mesmo pagaremos pelo trabalho. Se você deseja construir um pequeno hotel, o terreno é gratuito para você. Você quer um terreno específico? Basta pagar ao morador, construir ali um restaurante, organizar a hospedagem no segundo ou terceiro andar desse morador para que ele viva em melhores condições e não como antes, em um barraco no meio do pântano ”. É preciso ter uma política pública.

O que é política pública? É quando vocês mesmos acreditam em seu país, quando o amam. Nós mesmos irradiamos esse amor.

Para onde vai a elite política ucraniana nas férias? Ela está indo para Zatoka, que está em péssimas condições? Claro que não ! Aqueles que estão bem de vida não vão para lá. Sejamos honestos! Inventam pretextos para não ir e preferem descansar em Mônaco, essa cidade chata e monótona. Na verdade, o que há para fazer em Mônaco se não observar todos esses rostos habituais? Isso é verdade!

Lembro-me muito bem do momento em que trouxe o Príncipe Albert para Batum - bem, eu viajei com ele para muitos locais georgianos - às 21h ele se sentou na Piazza Square (a praça que eu tinha acabado de inventar 3 anos atrás, eu a construí do zero como se ela existisse desde o século 15), ele ficava lá a noite toda até as 6 da manhã bebendo vinho e não queria ir a lugar nenhum. Batoum é muito mais interessante do que Mônaco, eu entendo isso.

Construímos tudo para não querer ir a lugar nenhum. E foi nessa época que acreditamos que o país tinha perspectivas. Então vocês tem que fazer o mesmo!

O que eu teria feito? Em primeiro lugar, eu teria definido as áreas turísticas. Pegue o centro de Odessa como exemplo. Isso é patrimônio mundial! Ele se viu nas mãos de bandidos que o destruíram sistematicamente. O prédio dos relatórios de Roussov, por exemplo, (MS mostra a imagem no slide) está quase destruído. É um tesouro global, não deve estar nas mãos e na gestão de tomadores de decisão desonestos! É, portanto, necessário e sem nenhuma ambigüidade criar as zonas turísticas e retirá-las das mãos dos bandidos!

(…)

Expropriar a fortaleza de Bielgorod - Dnistrovsk, que foi entregue às autoridades locais, que também são da máfia. A propósito, o que eles podem fazer lá?

Mostre a fortaleza de Rabat na Geórgia (MS mostra as fotos nos slides). Tudo isso não existia. Nós a inventamos e construímos. E agora é um grande centro turístico. Durante a construção desta fortaleza, tirei as fotos de Bielgorod - Dnistrovsk e copiei muitos elementos. As pedras das paredes que você tem são reais!

Muitas coisas são inventadas no turismo. Dubrovnik, por exemplo. Parece que sempre esteve lá. Aliás, foi Tito quem o inventou.

E, portanto, devemos fazer o mesmo! Portanto, temos que retomar todo esse patrimônio e criar uma autoridade central e temos que avançar para o desenvolvimento. Por exemplo, temos de criar boas estradas ladeadas por vinhas que conduzam às praias de Odessa. 50 km de praias! Você não encontra uma extensão de praia assim na Europa, praias com um clima marítimo suficientemente seco durante 4 ou 5 meses por ano! Precisamos atrair investidores para lá. Você tem que desenvolver uma indústria de jogos lá. A Ilha da Serpente, por exemplo. Sempre tivemos medo de que ela seja tirado de nós. Basta transformá-la em um gigantesco centro de jogos: construir ali um hotel de 600 quartos e torná-lo uma marca mundialmente famosa - para que todos saibam que no Mar Negro existe um milagre absoluto. É fácil ! Mas para isso é preciso ter vontade política AQUI (falando do governo, do parlamento).

Eu fui a Transcarpática. Nenhum ministro ucraniano pôs os pés lá nos últimos anos. Existe, por exemplo, um complexo maior do que Borjom. Exceto que o Borjom é conhecido em todo o mundo. E você removeu a licença do aeroporto de Uzhgorod e ninguém está lidando com este problema. O parlamento ucraniano se parece com o Triângulo das Bermudas, qualquer um que venha aqui desaparece na Ucrânia, e a Ucrânia não existe mais para ele. E para desenvolver o país basta ter vontade e visão fortes. Temos que acreditar que isso é possível, e na Ucrânia, eu te digo, é 100% possível, você só tem que amar o país, porque sem amor nada pode ser feito. A Ucrânia tem tudo menos um cérebro em seu governo. Espero que chegue à Ucrânia um novo governo, que acredite no seu país, que o ame e o desenvolva.

Um grande obrigado a todos.

Texto original do discurso em russo, datilográfado a partir do vídeo no canal youtube oficiel de Mikheli Saakashvili,

« В Украине сногсшибательнейший потенциал туризма.

Грузия была все время воюющей страной, были провокации, были конфликты. Реально, у нас бум туризма начался после российского вторжения в 2008 году. Мы приняли философское решение: или мы жалуемся всему миру, что нас оккупируют, нас угнетают, в нас стреляют, или мы вообще замалчиваем все эти факты и говорим только о позитивной стороне Грузии; или мы ориентируемся на будущее, или мы думаем, как выглядеть очень жалкими жертвами агрессии.

А этих жертв столько в мире – они всем надоели; маленькая Грузия, даже большая Украина – от нее все устают, если ничего позитивного не предложить. Поэтому, когда у нас есть Львов, Черновцы, Одесса, есть Киев, есть Чернигов, есть Полтава, можно сделать дневной тур из Киева в Чернигов или Полтаву. Но для этого надо сделать центр Полтавы - он неплохо сохранился, но можно сделать лучше.

Я вам так скажу, в Грузии мы все выдумывали центра старых городов, их не было. Мы взяли маленькое горное селение Сигнахи и я сказал : «Давай вообще построим новый город на этих холмах». Сейчас он выглядит как город 16 века. Все забыли, что он там не стоит с 16 века. Назвали его городом любви, что там можно жениться круглые сутки. И повалили люди. Им было пофиг. Им хотелось верить, что он с 16 века там стоит и всегда там женились 24 часа в сутки. (показывает картинки города) Красные крыши – ничего этого не было вообще. Там был ужасный захудалый советский совхоз, люди оттуда сбегали. Сейчас стоимость квартир и домов возросла ровно в 100 раз в результате развития – это, к слову, что приносит туризм. Это Сигнахи.

Батум (показывает картинки Батуми). На самом деле Батум был практически пгт, захудалый меленький городишко советского времени, никто его не развивал. И как мы сделали? Мы сделали все очень просто : мы поверили, что там есть перспектива. и мы сделали паблик прайвет партнершип. Мы говорили бизнесу : «Вот мы проводим дороги, мы меняем полностью канализацию, мы все делаем, мы даем вам бесплатно землю. Хотите строить 5 звездочную гостиницу, мы еще вам за это доплатим деньги… Хотите строить маленькую – просто бесплатно. Хотите забрать эту землю, просто заплатите этому жителю, постройте там ресторан, на втором – третьем этаже постройте ему дом, пусть он там живет, потому что он жил там в бараках на болоте». Надо иметь государственную политику.

Что такое государственная политика? Это когда ты сам веришь в свою страну, сам любишь ее. Мы сами излучали, что мы страну любим.

Где украинская элита отдыхает? Она отдыхает в Затоке, которая в ужасном состоянии? Конечно, практически нет! Те, которые серьезные, они там не отдыхают, давайте скажем честно, они выдумывают способы, чтобы отдохнуть в ужасном, скучном, мерзком Монако, правда. Это так, потому что, что там в Монако делать, кроме как смотреть на одни приевшиеся рожи? Правда!

Я хорошо помню, когда я привез принца Альберта в Батум, ну я с ним проехал по многим местам Грузии, он просто сел в 9 вечера на главную прощадь Пьяццу, которую я просто придумал за 3 года до этого, с нуля построил так, как будто она тоже стояла там с 15 века, и он там сидел до 6 утра, пил вино и никуда не хотел уходить. Батум намного интереснее чем Монако, я его понимаю. Мы построили все такое, что нам не было интересно никуда ездить. И это, когда мы сами поверили, что в стране есть перспектива. Так надо это делать!

Что бы я сейчас сделал? Во-первых, я бы обьявил туристические зоны. Например, центр Одессы. Центр Одессы – это мировое наследие. Он попал в руки абсолютных бандерлогов. Они методично разрушают центр Одессы. Например, дом Руссова (показывает картинку) – разрушено. Это мировое сокровище, это не может быть просто в руках какого-нибудь жулика девелопера. Надо объявить туристические зоны, изъять из их рук все это однозначно.

Или например Каменец Подольский . 80 км от Черновцов. Это один комплекс.

Изъять Белгород – Днестровскую крепость, которую передали местным бандитским властям. Ну что они могут там сделать?

Покажите крепость Рабат ( Грузия ) ( показывает слайд), Вот этого всего на месте не было, мы все это выдумали и построили. И это сейчас большой туристический центр. Когда я строил эту крепость, я взял фотографии Белгород - Днестровского и копировал многие вещи. У вас эти камни настоящие.

Многие вещи в туризме выдуманы. Дубровник, например. Вроде он есть и всегда был. На самом деле его Тито придумал. И так надо делать. Поэтому надо это имущество забрать, создать центральный орган, и надо развивать. Надо вывести, например, на одесские пляжи дороги. 50 км пляжей… нет больше в Европе оставшихся пляжей с таким сухим морским климатом в течении 4 – 5 месяцев в году. Привести туда дороги, окруженные виноградниками, привезти туда инвесторов и развить. Игорный бизнес развить. Например, есть остров Змеиный. Все время боимся: отнимут или не отнимут, высадятся или не высадятся… . Остров Змеиный надо просто сделать большим игорным центром. Построить гостиницу на 600 номеров и сделать мировой бренд: все будут знать, что в Черном море есть абсолютное чудо. Запросто. Но для этого надо иметь политическую волю здесь (в парламенте, в правительстве).

Я был в Закарпатье. Там не было ни одного украинского министра за последние несколько лет. Там есть, например, комплекс, который лучше, чем Боржоми. Только Боржоми все знают, его никто не знает. У Ужгородского аэропорта отобрали лицензию, и никто этим вопросом не занимается.

Украинский парламент как Бермудский треугольник, то кто сюда попадает, пропадает для Украины, а Украина исчезает для них. И чтоб развиваться, надо просто иметь сильную волю и виденье. Надо верить, что это возможно, а в Украине это 100 % возможно, надо любить свою страну, потому что без любви такие вещи не делаются. Надо ощущать свою землю, и тогда никто ее у нас не заберет. В Украине есть все, кроме мозгов у правительства. Надеюсь, на новое правительство Украины, которое поверит в свою страну, которое будет ее любить и развивать.

Щиро дякую! »

Haut de page

Notes

1 Discurso da mídia e dos governos dos dois países em questão (Ucrânia e Geórgia). Trata-se da história soviética comum interpretada atualmente como a ocupação dos países pela União Soviética e o apoio recíproco durante os eventos (geo) políticos nos Estados independentes, em particular as revoluções coloridas (a Revolução das rosas na Geórgia em 2003 e a Revolução Laranja na Ucrânia em 2004 e conflitos territoriais internos (Abkhazia (1993, 2008) e Ossétia do Sul (2008) na Geórgia, Crimeia e Donbass (2014) na Ucrânia) e os territórios perdidos (Crimeia pela Ucrânia e a Ossétia e Abkhazia pela Geórgia) e, portanto, as aspirações e medos geopolíticos como o desejo de estar na Europa e de se distanciar da Rússia, etc…..

2 A empresa pã-soviética de turismo internacional, ou seja, o único operador turístico soviético criado em 1929 que tinha "então duas linhas principais de operação: a criação e promoção de circuitos turísticos para turistas estrangeiros e a organização da sua nos destinos da URSS (N. Moroz, 2020, p. 134).

3 A data exata da constituição da União das 15 Repúblicas Socialistas Soviéticas é 1940 com a adesão dos países bálticos e da Moldávia. Além disso, a constituição da URSS e suas fronteiras foi realizada progressivamente entre 1919 e 1945. Por exemplo, a RSS da Ucrânia juntou-se à URSS em 1922 sabendo que os territórios ocidentais (Galiza, Transcarpatie, Bukovine) foram definitivamente reconectados entre 1939 e 1945 enquanto a Geórgia se tornou uma república socialista soviética em 1936.

4 Traduzido do russo. Texto original: « показательно, что за весь период существования в СССР международного туризма не было проведено ни одной конференции, посвященной его теории и истории »

5 “A Amizade dos Povos é uma expressão concebida pelos dirigentes do Partido Comunista para ilustrar a transformação da política de nacionalidades na URSS em meados dos anos trinta. Essa Amizade dos Povos defendida por Stalin às vésperas da adoção da nova Constituição Soviética de 1936 marcou, segundo ele, o fim das dissensões interétnicas graças à construção do socialismo. Do ponto de vista político, essa expressão foi percebida pelos líderes bolcheviques como uma metáfora que permitia a unidade de repúblicas e regiões nacionais na mesma comunidade política ”(Chometowski, 2009).

6 Traduzido do ucraniano. Texto original: « молода радянська держава визначила завдання – поставити на службу новому суспільству культурні цінності, що були успадковані народом від попередніх епох, створивши при цьому свою пролетарську культуру ».

7 Traduzido do ucraniano. Texto original: « Про зняття пам’ятників, що були споруджені на честь царів і їхніх слуг, і виготовлення проектів пам’ятників Російської Соціалістичної революції ».

8 Traduzido do ucraniano. Texto original: « спорудження барел’єфів, стел, пам’ятників, які стали першими об’єктами нових революційних виставкових екскурсій і туристських заходів ».

9 Traduzido do russo. Texto original: « стахановца характеризовала "строгая дисциплинированность, устранение распущенности","подлинный стахановец должен быть образцом чистоты, опрятности, культурности и на работе и в своем личном быту" ».

10 Traduzido do russo. Texto original: « После революции 1917 г. и последовавшей за ней Гражданской войной, ни о каком туризме не могло быть и речи. Но в 1920-е гг. отношения с Западом начинают меняться. Внешнеполитический курс Советского правительства был направлен на укрепление международного престижа.»

11 Sociedade Pan-Soviética de Relações Culturais Estrangeiras (1925-1958).

12 Traduzido do russo. Texto original: « корректировать их дорожные впечатления приводило к тому, что сопровождение советским гидом-переводчиком было обязательным условием для всех иностранных туристских групп и индивидуальных туристов, даже если они прекрасно владели русским языком »

13 Traduzido do russo. Texto original : « место, благоприятное для оздоровления, занятий лечебными процедурами на фоне субтропического климата, экзотической природы, горных ландшафтов. Для этого в регионе создавалась сеть курортных лечебных учреждений, санаториев, курортных гостиниц, домов отдыха ».

14 A barragem foi construída entre 1923 e 1927, inaugurada e colocada em funcionamento em 1927. A estátua de Lenin, uma das maiores estátuas (altura 17 metros) instalada em 1927 e desmontada em 1991.

15 A barragem hidrelétrica do rio Dnipro, construída entre 1927 e 1932, entrou em operação em 1932.

16 Edifício administrativo governamental, construído no estilo construtivista em 1928.

17 Traduzido do russo. Texto original : « Десоветизация означает замену советских политических интересов и символов новыми национальными »

18 A grande fome na Ucrânia e em Kuban entre 1932 – 1933.

19 O Museu de Tbilisi está localizado na avenida central da cidade, entre a sala da filarmônica e a praça central, em um dos principais roteiros turísticos da cidade. O museu ucraniano é difícil de identificar nos mapas turísticos de Kiev.

20 Na Geórgia: o conflito Abkhaz-Georgiano entre 1992 - 1993 e 2008, a guerra pela Ossétia do Sul em 2008, como consequência da proclamação da república autônoma da Ossétia e a instalação da fronteira entre a Abkhazia e a Geórgia (Bachelet, A. & Richard, Y., 2019). Na Ucrânia: a guerra civil precedida por tensões de Maidan em 2013, resultando na guerra em Donbass com o desejo da região de proclamar a autonomia e a anexação da Crimeia à Federação Russa em 2014.

21 Traduzido do ucraniano. Texto original : « Слід нагадати, що явище «декомунізації» не є прямим наслідком ухвалення низки відповідних законів у травні 2015 року. Покволом воно відбувалося впродовж усього періоду незалежності, являючи собою щось середнє між «ресовєтизацією» за білорусько-придністровськими зразками і радикальною «десовєтизацією» за литовсько-польськими моделями »

22 Traduzido do russo : Вождь пролетариата

23 O apelido soviético de Stalin.

24 O nome verdadeiro de família de Joseph Stalin.

25 Ex-presidente da Géorgia (2004 – 2013) e ex-governador da régião de Odessa na Ucrânia (2015-2016).

26 Referência feita por Saakashvili sobre a visita do Príncipe de Mônaco em Batum (ver no Anexo).

27 M. Saakashvili

28 Referência ao projeto de desenvolvimento da cidade de Anaklia "apresentada em um fórum sobre "a nova rota da seda" chinesa. (...) Ela deveria ter um porto de carga, uma marina, arranha-céus, uma estação ferroviária, um aeroporto, uma zona residencial, um distrito comercial e uma praia equipada com balneários e hotéis de luxo. Em 2011, Mikhail Saakashvili inaugurou o primeiro hotel na praça de Anaklia. O litoral foi desenvolvido e um centro de lazer aquático foi construído no lado georgiano da fronteira. Mas o projeto foi finalmente abandonado”. (Bachelet, A. e Richard, Y., 2019)

29 O Abkhazie e a Ossétia do Sul.

30 Traduzido do russo. Texto original : « Региональные варианты исторической памяти постсоветской Украины »

Haut de page

Table des illustrations

Titre Documento 1: Cartazes turísticos soviéticos destinados aos turistas domésticos
Légende Da esquerda para a direita: Seja um turista, viaje pela terra natal; O turismo é o caminho para a saúde; Descanso saudável para os trabalhadores! Vá de férias em família
Crédits Clube de Viajantes, 2014
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,7M
Titre Documento 2: Pôsteres INTOURIST "Convite à URSS"
Légende Da esquerda para a direita: "100 pessoas convidam você a visitar a URSS", Fonte: https://medium.com/​@propagandopolis/​trips-to-the-ussr-1005937bf8a7, acessado em 22 de janeiro de 2020; "Visite a URSS, o país do primeiro cosmonauta"
Crédits https://www.alamyimages.fr/​photos-images/​vintage-soviet-intourist-travel-poster-ussr.html, acessado em 22 de janeiro de 2020.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 916k
Titre Documento 3: Mapa turístico da parte europeia da URSS. INTOURIST, 1930.
Crédits Biblioteca nacional da França (gallica.bnf.fr ; consultado em 22 janeiro, 2020)
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Document 4 : Cartazes INTOURIST : Ucrânia e suas cidades.
Crédits INTOURIST, 1930 – 1960
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 1,5M
Titre Document 5 : Cartazes INTOURIST : Georgia e suas cidades.
Crédits INTOURIST, 1930 - 1960
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 1,0M
Titre Documento 6: Memória soviética vs anti-soviética em Kharkov
Légende Da esquerda para a direita: Memorial ao Holodomor; Estátua da pátria no memorial da glória, dedicado à grande guerra patriótica.
Crédits © Nataliia Moroz, juillet 2019
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Document 7 : Memória soviética vs anti-soviética em Kiev
Légende Da esquerda para a direita: Kiev, cidade da heroína, Estela da Vitória na Grande Guerra Patriótica na Praça da Vitória; Exposição dedicada aos eventos do Maidan 2013-2014, place de l'Indépendance.
Crédits © Nataliia Moroz, novembre 2018
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 721k
Titre Document 8 : Memória soviética vs anti-soviética no Museu do mémorial « Vysota Konyeva, Solonitsevka, região de Kharkov
Légende De cima para baixo: espaço do museu dedicado à ocupação fascista e à libertação de Kharkov durante a Grande Guerra Patriótica; Espaço museográfico dedicado à guerra em Donbass.
Crédits © Nataliia Moroz, juillet 2019
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/6779/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Nataliia Moroz, « Durante e depois da URSS. Como os estados pós-soviéticos (re)construíram seu setor turístico? O exemplo da Ucrânia e da Geórgia », Via [En ligne], 19 | 2021, mis en ligne le 26 juillet 2021, consulté le 22 octobre 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/6779 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.6779

Haut de page

Auteur

Nataliia Moroz

ATER no Departamento de Turismo, UFR Tempos e Territórios, Universidade de Lyon 2, Doutora em Geografia, UMR 5600 – Ambiente, Cidade, Sociedade

Haut de page

Traducteur

Frederico Couto Marinho

Universidade Federal de Minas Gerais

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search