Navigation – Plan du site

AccueilNuméros19Implicações, atores e instrumento...

Implicações, atores e instrumentos geopolíticos do turismo. Israel / Palestina: o que nos contam os lugares religiosos

Caroline Rozenholc-Escobar
Traduction de Priscilla Pachi
Cet article est une traduction de :
Implications, acteurs et leviers géopolitiques du tourisme. Israël/Palestine : ce que nous disent les lieux du religieux [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Implications, actors, and geopolitical levers of tourism. Israel / Palestine: what religious places tell us [en]

Résumé

Para contribuir com os debates sobre as implicações, os atores e os instrumentos geopolíticos do turismo, este artigo trata, em particular, do turismo religioso. Para tanto, baseia-se nos primeiros resultados de uma pesquisa em geografia urbana sobre o papel da indústria turístico-religiosa na formação do espaço israelense-palestino e como instrumento geopolítico do posicionamento de Israel e dos Territórios Palestinos no cenário internacional. A análise é direcionada aos lugares que contribuem para produzir este turismo e as circulações materiais e simbólicas transnacionais das quais esses lugares são objeto. São identificados três tipos de lugares - lugares de peregrinação, lugares de substituição e parques temáticos religiosos - neste campo onde a atração turística continua inabalável, apesar das ocorrências de violência. O artigo mostrará como esses lugares, que são agrupados sob o termo de “lugares de mobilidade”, se articulam e produzem o que se qualificará como “mobilidade dos lugares”.

Haut de page

Notes de la rédaction

Artigo revisado por pares

Texte intégral

Introdução

  • 1 A geopolítica é entendida aqui tanto no sentido de relações internacionais engajadas pelas mobilida (...)
  • 2 Recordemo-nos, a título de exemplo, os seis milhões de peregrinos cristãos em Lourdes todos os anos (...)

1Vários autores (Boukhris e Chapuis, 2016; Caron-Malenfant, 2004; Cazes e Courade, 2004; Chiffoleau, 2003; Giblin, 2007; Hoerner, 2007) destacaram a dimensão política ou geopolítica1 do turismo, referindo-se às trocas socio-econômicas assimétricas, que envolvem considerável mobilidade transnacional ou as “representações contraditórias” de um território (Giblin, 2012, p. 9). Mas e o turismo religioso? Hoje, a questão se coloca com acuidade, por dois motivos. A primeira se deve ao volume desse setor específico do turismo2 – ele constitui, no Oriente Médio, a primeira causa de mobilidade (Chiffoleau, 2003) até a eclosão da guerra na Síria – à sua expansão e à sua crescente globalização. A segunda se deve ao próprio fato religioso que, ressurgindo (Davie e Hervieu-Léger, 1996) e em plena reorganização nas cidades (Alsayyad, 2011; Endelstein et al., 2010), se inscreve, igualmente, no cenário geopolítico internacional ao adentrar novamente, às vezes violentamente, nos espaços públicos (Willaime, 2008).

  • 3 A religião bahaïe originou-se na Pérsia no século XIX, mas hoje seu centro espiritual está localiza (...)
  • 4 O rabino Y. Eckstein relata que US $ 1,4 bilhão foram recebidos de doadores cristãos, em favor de I (...)

2Para responder a essa pergunta, devemos primeiro esclarecer o que se entende por turismo religioso. Conforme o antropólogo americano H. Kaell (2014), o turismo religioso pode ser definido como uma vasta indústria lucrativa de lazer e fé onde, como mostram Cohen (1992), Fleischer (2000) e Ron (2009) há trinta anos, “ turistas-religiosos” e “peregrinos” constituem categorias porosas. Porém, para quem se interessa pelo espaço israelense-palestino, essa definição, que reduz o econômico ao lucrativo, não aponta suficientemente a amplitude geopolítica (desenvolvimento local e apropriação territorial) da indústria turístico-religiosa. No entanto, neste espaço onde turistas e peregrinos continuam a vir do mundo inteiro apesar das condições de segurança não garantirem a possibilidade de um conflito armado, um espaço onde os lugares de religião são constantemente produzidos (isto é, criados, transformados ou abandonados) (Hutt, 2012), sejam eles judeus, muçulmanos, drusos, cristãos ou bahaïs3 (Rozenholc, 2017), pode-se questionar sobre o papel desses turistas religiosos na transformação dos lugares que visitam e a forma como se relacionam com os territórios distantes. A. Appadurai (2020) fala de conectividade da mundialização, além da transnacionalização da religião e seus lugares (Argyriadis et al., 2014) - por meio de sua prática, seu engajamento financeiro4 e suas mobilidades.

  • 5 « And we moved the capital of Israel to Jerusalem. That’s for the Evangelicals. You know, it’s amaz (...)
  • 6 Belahassen e Ebel (2009) mostram que a relação entre Israel e os “sionistas cristãos” foi fortaleci (...)
  • 7 « (b)reaking into the Arab tour guide monopoly became one of the Zionist’s biggest challenges (…) T (...)

3J. Feldman e A. Ron (2011) apontam, assim, “a americanização da Terra Santa pelos peregrinos protestantes”, mas também poderia se falar, em contrapartida, da “israelização” da América: quando, em 2016, o católico Jair Bolsonaro , então candidato à presidência, foi batizado no Jordão por um pastor protestante para atrair seu eleitorado evangélico no Brasil ou quando D. Trump afirma ter transferido a capital de Israel para Jerusalém para os evangélicos americanos5. Porém, se esses atores mobilizam a carga religiosa de Israel como instrumento para uma política (re) localizada (no Brasil, nos Estados Unidos), o Estado israelense não fica de fora. Ele não parou, desde que a direita chegou ao poder em 1977, de desenvolver o turismo evangélico americano6, na esperança de conquistá-lo para a causa do país e da colonização judaica na Cisjordânia (Batut-Lucas, 2014). Mas, como mostra K. Cohen-Hattab (2004), essa política que navega entre o soft power (Matelly, 2013) e o ativismo militante é mais antiga. Isso remonta aos primeiros momentos do sionismo político na Palestina obrigatório para entrar, ou mesmo monopolizar o mercado turístico local7. O turismo, e ainda mais o turismo religioso, funciona portanto como uma “plataforma” sobre a qual “ideologias teo-políticas” são manifestadas, distribuídas e consumidas (Belhassen e Ebel, 2009, p. 359) e as “táticas de legitimação pela religião” são desenvolvidas (Bowman, 1992).

I. O turismo em Israel e nos Territórios palestinos

  • 8 M. Le Priol, « Des pèlerinages en Terre sainte solidaires avec la Palestine », La Croix, ed. online (...)
  • 9 Sobre esse assunto, ver a pesquisa de J. Maltz (2018) que mostra, por exemplo, que os evangélicos a (...)
  • 10 E amplamente usado por seu embaixador em Israel, David Friedman. Nomeado em 2016, Friedman também é (...)

4O turismo religioso serve, portanto, como um meio para vários atores locais ou internacionais “promoverem” seus interesses políticos e identitários distintos, até mesmo antagônicos. Este é também o caso dessas ONGs palestinas ou francesas, Sabeel ou o Comitê Católico contra a Fome e para o desenvolvimento, que oferecem "peregrinações à Terra Santa em solidariedade à Palestina" 8ou aquelas, americanas e / ou israelenses, que militam em favor de uma colonização judaica dos Territórios Palestinos9, em particular na Cisjordânia, que elas consideram como o « heartland » bíblico sob o nome de Judéia e Samaria. É com este critério que se pode ler o anúncio, em fevereiro de 2010, da inscrição da tumba dos Patriarcas em Hebron e da tumba de Rachel em Belém no patrimônio nacional de Israel. No entanto, é preciso lembrar que essa colonização, reconhecida pelo governo de D. Trump em novembro de 201910 continua ilegal perante o direito internacional e não encontra unanimidade entre a população israelense.

  • 11 Nos últimos anos, os números voltaram a subir. O Ministério das Relações Exteriores de Israel relat (...)

5Esses exemplos, rapidamente desenvolvidos, mostram que a análise geopolítica não pode ser reduzida apenas às categorias usuais de análise ("judeus" versus "árabes") do Estado israelense. O “nacionalismo metodológico” (Beck, 2002) que estes últimos traduzem não é mais suficiente para dar conta da realidade israelense-palestina para a qual os trabalhadores imigrantes (Berthomière e Rozenholc, 2017; Rozenholc, 2018) e turistas, que se estima em quase quatro milhões por ano, participam, mesmo que apenas em número e diversidade. Quando comparados com a população do país (cerca de oito milhões de habitantes), esses números são significativos. Mas eles são igualmente muito voláteis. As sucessivas crises que incendiaram o espaço israelense-palestino por vinte anos recompuseram profundamente os volumes, as origens geográficas e as filiações religiosas desses visitantes. Durante a segunda Intifada, foi observada uma queda de 37,4% no turismo entre 2000 e 2003 e uma queda nos países de peregrinação “tradicionais” (de 80% para 90% para Itália, Portugal e Polónia entre 1999 e 2002) para o benefício, em particular, dos Estados Unidos e Brasil (Collins-Kreiner et al., 2006) nos países de origem dos turistas religiosos. Há dez anos, essa presença estrangeira em Israel teve, ao contrário, tendência de aumento11.

  • 12 51% em 2017, mas 67% em 2011, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores de Israel.

6O fluxo contínuo, mas variável, de turistas e peregrinos surpreende neste contexto de instabilidade geopolítica. Certamente isso é explicado pelo esplendor, o número e a diversidade dos lugares sagrados existentes, lugares sagrados cristãos, muçulmanos, judeus, drusos e bahaïs que atraem visitantes de todo o mundo e / ou pelo desejo de apoiar essas diferentes comunidades. No entanto, são os turistas e peregrinos cristãos, de todas as religiões e origens geográficas, que dominam a paisagem turística israelense-palestina. Eles sozinhos representam metade das entradas no país12 e até 80% entre 1995 e 2000 (Fleischer, 2000). Este peso se reflete igualmente pela sua diversidade com os católicos (maioria), protestantes (os evangélicos representam 20% dos turistas cristãos) e ortodoxos (russos, gregos e etíopes) e no concomitante aumento dos lugares dedicados dentro de uma Igreja Cristã israelense-palestina, ela própria, extremamente diversificada (Andézian, 2010).

  • 13 Hutt (2012) mostra que muitos locais de religião judaica foram criados a partir de 1948, sem se tor (...)

7Essa "sobre-representação" do turismo cristão em um espaço que, no entanto, é multi-confessional e amplamente dominado pela cultura e pelo calendário judaicos também pode ser explicada pelo fato de não existir, em Israel ou nos Territórios Palestinos, locais de peregrinação judaicos ou muçulmanos de envergadura internacional. Os turistas judeus raramente se definem como peregrinos quando visitam Israel13 e E. Aubin-Boltanski (2005) mostra bem isso em seus trabalhos: a maioria dos lugares muçulmanos, hoje, em Israel e nos Territórios Palestinos se enquadra em uma dimensão local, inclusive quando sua influência simbólica é importante (como é o caso de Jerusalém). Essas peregrinações se encontram, de fato, em grande parte privadas de seu público: tanto pelo boicote a Israel por certos países muçulmanos, pela destruição de muitas aldeias palestinas em 1948, pela dificuldade para as populações árabes israelenses ou palestinas de circularem em Israel e entre Israel e os Territórios Palestinos e as restrições governamentais à entrada de pessoas provenientes de países árabes. Esses locais de peregrinação muçulmanos, as mobilidades que deveriam engajar e o peso de sua identidade, de fato, provocam a desconfiança no governo. Pode-se por outro lado notar que esse também foi o caso para os britânicos e jordanianos que, em sua época, já viam nessas peregrinações muçulmanas uma fonte de potencial instabilidade política (Hutt, 2012). Quanto aos locais de peregrinação cristãos nos Territórios Palestinos, eles também enfrentam dificuldades de acesso para as populações árabes e / ou palestinas que gostariam de visitá-los (ver Andézian, 2012 em Belém), mas também, como em Nazaré, as lutas pelo poder local são iniciadas pela mudança nos equilíbrios demográficos entre muçulmanos e cristãos (Cohen-Hattab e Shoval, 2007).

II. Uma metodologia multisituada, transnacional e comparativa

  • 14 D. Iogna-Prat fala de "trajeto" miniatura e "retroprojeção" para Terra Santa em conexão com relação (...)

8Nesse contexto, e para responder à problemática deste artigo sobre os efeitos da mobilidade internacional nos lugares religiosos, vários campos exploratórios têm sido realizados em Jerusalém, Nazaré, Tiberíades, Haifa desde 2016 (Documento n°1) e em Romans, no Drôme, em 2019. Eles permitiram identificar três tipos de lugares religiosos “produzidos” ou coproduzidos por e para os peregrinos e turistas religiosos: lugares de peregrinação, como em Jerusalém e na Galiléia, que atraem os fluxos de visitantes mais importantes, lugares substitutos , construídos quando os locais de peregrinação não são mais acessíveis, como em Yardenit, ao sul de Tiberíades, que também é um importante destino turístico, e os parques temáticos religiosos, como o de Nazaré, sempre na Galileia. O estudo conjunto desses três tipos de lugares faz parte de uma reflexão sobre as trocas materiais e simbólicas entre lugares religiosos (Bartal et al., 2017; Halbwachs, 1941; Iogna-Prat, 2001) 14e sobre a “mobilidade” transnacional desses lugares. Parte-se da ideia de que, para compreender a dimensão geopolítica do turismo religioso, não se pode limitar a um único espaço ou tipo de lugar, mesmo quando esses lugares não sejam, do ponto de vista de sua profundidade histórica, locais de prática e de conteúdo simbólico, equivalentes ou comparáveis entre si . Trata-se, portanto, de relacionar objetos cuja singularidade é rigorosamente observada (Hayat et al., 2018) sem, no entanto, buscar “oposições binárias entre diferenças e semelhanças” (Werner e Zimmermann, 2003, p. 10). O objetivo é atualizar os processos (Bayart, 2008) e desenvolver um vocabulário que possa descrever as lógicas de interação entre objetos de estudo não de “uns em relação aos outros”, mas de “uns através dos outros” (Werner e Zimmermann, 2003, p. 36). As mobilidades religiosas são, portanto, vistas como o vetor de conexão entre determinados lugares, de sua mobilidade material e simbólica, mas também, à montante, de sua "produção", no sentido proposto por H. Lefebvre (1971), por atores que os percebem, os concebem e os vivenciam.

Documento n°1 : Mapa de localização dos lugares estudados

Documento n°1 : Mapa de localização dos lugares estudados

Caroline Rozenholc-Escobar, 2019

III. Os « lugares de mobilidade » locais coproduzidos pelas mobilidades internacionais

9Essa produção por vezes concorrente, até mesmo antagônica, na apropriação simbólica e material e, a existência desses lugares, é um convite para a continuidade das entrevistas com os seus diferentes atores (habitantes, promotores, peregrinos, turistas, guias, autoridades públicas). Essas entrevistas serão particularmente úteis para compreender esses lugares que, como Jerusalém, atraem fluxos de visitantes extremamente diversos em termos de origens geográficas e afiliações religiosas. Jerusalém é uma cidade densamente povoada e com várias religiões (multiconfessional) - E. Aubin-Boltanski (2005) fala de uma  pluralidade de cidades sagradas em sincronia" – disputadas pelo Estado de Israel e pela Autoridade Palestina. Ela é também eminentemente turística, como evidencia a Via Dolorosa, onde se encontram turistas laicos e religiosos, soldados e policiais armados, comerciantes, habitantes palestinos cristãos e muçulmanos, habitantes judeus ortodoxos, etc. A Via Dolorosa, com um percurso de 500 metros de comprimento, atravessa a cidade velha, do bairro muçulmano ao bairro cristão. Ela é marcada por “estações” que relembram a Paixão de Jesus e, nela destacam-se os lugares sagrados e igrejas, algumas das quais foram construídas no século XIX por potências estrangeiras, como a França, para fazerem valer o seu poder na Palestina (Trimbur, 1998). As últimas cinco das catorze estações da Via Dolorosa encontram-se na Igreja do Santo Sepulcro, um lugar fortemente construído pelo fervor e diversidade dos peregrinos. Alguns peregrinos desmaiam, esfregam objetos (esponjas, fotografias, moedas, etc.) na chamada pedra da unção localizada na entrada da igreja ou acendem velas que eles apagam imediatamente para levá-las consigo para casa (Documento n°2).

Documento n°2 : peregrinas ortodoxas abraçando a pedra da unção, Jerusalém

Documento n°2 : peregrinas ortodoxas abraçando a pedra da unção, Jerusalém

Caroline Rozenholc-Escobar, 2016

  • 15 Duas famílias muçulmanas se revezam e são encarregadas, conforme o statu quo, sobre os lugares sant (...)

10Essas práticas são implantadas em um espaço, ele próprio, administrado de forma concorrencial por seus “coproprietários” gregos ortodoxos, franciscanos, armênios, siríacos ortodoxos, coptas e etíopes15. A isso se acrescenta a configuração dos lugares que obriga as pessoas a ajoelharem-se para tocar o topo do Gólgota ou curvarem-se para entrar na edícula estreita do túmulo de Jesus, empurrados ou puxados pelo monge grego que regula as circulações e os tempos de visita. Esta corporeidade das práticas, combinada ao ambiente sonoro (burburinho dos visitantes e das procissões concorrentes) e olfativa (o incenso e a fumaça das velas) contribuem para "fazer" a singularidade deste lugar ... ainda reproduzido em uma infinidade de Estações da Cruz. Um lugar eminentemente local, a Via Dolorosa, é portanto, um lugar coproduzido por esses usuários locais e pelos visitantes internacionais, e é um lugar “móvel”.

IV. Lugares de mobilidade e mobilidade dos lugares : uma dialética transnacional

11Propõe-se aqui, para qualificar este tipo de lugar onde as mobilidades, sobretudo as internacionais, assumem um papel preponderante, a noção de “lugares de mobilidade” (Rozenholc, 2017; Barrère e Rozenholc, 2018). Essa noção formaliza uma leitura dos lugares pelo “paradigma da mobilidade” (Lussault, 2017) e não mais apenas pela duração e ancoragem, como costuma ser o caso. Esses lugares são “cenas” (Silver e Clarck, 2016), jamais congeladas e inscritas nas lógicas da memória coletiva , são mesmo irreconciliáveis ​​(Hazbun, 2016), de relações e movimentos: esses “estratos” que evocavam o geógrafo M. Roncayolo com relação à outra cidade do Mediterrâneo, Marselha. Essa abordagem dinâmica dos lugares reflete igualmente a ideia de lugares que fazem parte de redes que vão além de suas únicas questões locais e não se reduzem à escala e à dimensão local do território. Ela também permite destacar a força de atração e convergência dos lugares transnacionais.

12Essa ideia de lugar de mobilidade, articulada à ideia de mobilidade dos lugares, já está presente, sob outros termos, em (Topographie légendaire des Évangiles en Terre Sainte) Topografia Lendária dos Evangelhos na Terra Santa (1941), obra que Maurice Halbwachs escreveu, no final da década de 1930, ao retornar da Palestina. Nessa obra, ele traça a história da construção de lugares sagrados cristãos na Palestina, por meio de trocas materiais e simbólicas entre os lugares originais e suas réplicas europeias. Ele se apoia, para sua demonstração, na Via Crucis de Jerusalém (a Via Dolorosa mencionada acima), das quais ele explica a fixação tardia no século XV (o percurso e o número de estações oscilaram ao longo do tempo) pela busca de correspondências entre Jerusalém, o Santo Circuito dos Franciscanos que tinham feito da reprodução mental da Paixão de Jesus um exercício espiritual e suas réplicas europeias. Ele dá como exemplo aquela de Romans.

V. As Vias Sacras européias : lugares de substituição 

13Esta Via Sacra de Romans, conhecida como “Grande Viagem”, está localizada no Drôme. Concebida no século XVI por uma iniciativa privada - a de um comerciante de tecidos, Romanet Boffin no seu regresso da Terra Santa -, ela oferece, numa topografia que lembra, à época, a de Jerusalém, uma substituição desta peregrinação que tornou-se, na época, muito perigosa e muito onerosa. Originalmente consistia (1516) em sete estações e um Calvário construídos no modelo das Estações da Via Sacra de Freiburg (1504) construído sobre o plano de Rodes, ele próprio feito sobre o de Jerusalém16. Reconstruída e transformada várias vezes desde então, hoje tem vinte e uma estações na cidade e termina em um Calvário (de catorze estações, como as catorze estações da Via Dolorosa) e uma capela conhecida como Santo Sepulcro. Algumas dessas estações referem-se a eventos da Paixão, outras a lugares (Monte das Oliveiras, palácio de Herodes, por exemplo). Desde a sua construção, esta Grande Viagem tem tido tanto sucesso que o Papa concede a quem a pratica indulgências equivalentes às concedidas aos peregrinos de Jerusalém. Do ponto de vista da instituição eclesial, Romans não é uma simples réplica, mas um lugar que realiza a Paixão de Jesus. As qualidades homotéticas de Romans são totais: fazer a sua peregrinação é fazer a peregrinação de Jerusalém. No entanto, foi abandonada no século XIX, antes de ser restaurada em 2016 e reaberta aos peregrinos que vagam com tochas na noite da Sexta-feira Santa até as primeiras horas da madrugada (Documento n°3).

Documento n°3 : peregrinação noturna em Romans

Documento n°3 : peregrinação noturna em Romans

Caroline Rozenholc-Escobar, 2019

14Outro exemplo a ser citado é o de Kalwaria Zebrzydowska, um dos locais de peregrinação mais frequentados da Polônia. Localizado à cerca de quarenta quilômetros de Cracóvia, o início de sua construção se deu com a edificação, em 1601, de uma capela construída sobre o modelo do Santo Sepulcro. O interesse desse lugar deve-se tanto pelas suas dimensões (hoje é uma cidade autônoma com quarenta capelas, uma basílica, um convento) e sua geografia também é comparada à de Jerusalém. As colinas são rebatizadas Gólgota, Monte das Oliveiras e Monte Sião ou Moriah e o Rio Skawinka, Cédron. Essa superposição de contextos e de práticas torna esses lugares ativos e os transformam ao inscrevê-los num outro lugar.

  • 17 J. Maltz, 2018, op. cit.

15Esses dois locais de substituição, construídos pelos peregrinos que voltam da Palestina, mostram muito concretamente o papel das mobilidades religiosas internacionais na produção material dos lugares e até da cidade. Eles também exemplificam essa “dialética” dos lugares destacada por estudos transnacionais, e em particular aqueles que focam em práticas e lugares religiosos (Argyriadis et al., 2014). Essa dialética contribui para a “superposição de contextos”, desterritorializados e realocados, que as mobilidades religiosas e, mais amplamente, as circulações internacionais participam em sua produção (Bava 2005; Bava e Capone, 2010; Bennafla, 2005). Pode-se, além disso, tomar como hipótese que ela é um dos motores da produção de lugares religiosos "secundários" e do deslocamento progressivo da peregrinação cristã, e em particular a protestante, de Israel para os Territórios Palestinos; quando a ideia que se tem de um lugar tropeça fortemente em sua realidade; aqui a modernidade de Israel e sua inclusão nas contingências terrenas. O fundador da ONG The Heart of Israel, que organiza a vinda de peregrinos evangélicos aos assentamentos judeus na Cisjordânia, diz: « When they land in Tel-Aviv they often tell me that it isn’t how they imagined Israel. But when they come out here to the settlements, they say this is exactly how they imagined it »17 (Quando eles aterrissam em Tel Aviv, muitas vezes me dizem que não é como eles imaginaram Israel. Mas quando eles vêm aqui para os assentamentos, eles falam que é exatamente assim que eles imaginaram). Essa busca por um lugar, através das representações que dele se faz, contribui, portanto pela presença, do trabalho voluntário nas colônias e dos investimentos financeiros dos peregrinos para legitimar a apropriação de recursos, aqui, territoriais pelos religiosos (Alsayyad, 2011)

16Essa questão de representações, e mais ainda, a importância de relacionar Israel em conformidade com a imagem que alguns visitantes têm dele, também ocorre no Yardenit ("pequeno Jordão" em hebraico), o "lugar oficial" do batismo de Jesus por São João Batista. No entanto, se os peregrinos de todo o mundo nele se reúnem (como J. Bolsonaro em 2016) para serem batizados no mesmo local de Jesus, na realidade, este lugar foi construído do zero pelo governo israelense. Em 1981, o Ministro likud (o partido de B. Netanyahu) do Turismo (A. Sharir e depois G. Patt em 1981) decide compensar o fechamento ao público do "local tradicional" de Qasr el Yahud localizado próximo à Jericó na Cisjordânia. O Estado - avaliando o potencial turístico do local e seus benefícios econômicos para a região - optou então por construir uma réplica a alguns quilômetros de Tiberíades, nas terras do Kibutz Kvutzat Kinneret. Yardenit então emerge do solo, com rampas de cimento para facilitar a entrada na água, anfiteatros para serviços batismais, vestiário, bar, loja e serviço de aluguel de toalhas e túnicas para imersão no rio Jordão. Com mais de 500.000 visitantes por ano segundo seus gestores, o sucesso é inegável. Mas é interessante notar que Qasr el Yahud, fechado por motivos militares em 1967, foi recolocado no mapa dos peregrinos após a visita feita por João Paulo II em 2000. Efeito da geopolítica mundial e das mobilidades internacionais: o local então foi gradualmente reaberto ao público com a reconstrução do acesso ao rio pela Autoridade da Natureza e dos Parques de Israel e com a reorganização do próprio local, sendo liberado, pelo Ministério do Turismo de Israel em 2011.

VI. Os parques temáticos : lugares secundários do religioso

17Há um terceiro tipo de lugar o qual se pode estender a reflexão sobre a dimensão geopolítica e mercadológica e / ou autêntica desses lugares "primários" ou "secundários" do turismo religioso. Trata-se dos parques temáticos religiosos entre eles, o Nazareth Biblical Village, em Nazaré é um exemplo vivo. Meio museu a céu aberto, meio parque temático religioso, em uma cidade que já é um ponto alto do cristianismo, Nazareth Biblical Village abre suas portas em junho de 2000, por iniciativa do diretor médico do Nazareth Hospital (Dr. Nakhle Bishara) e do produtor americano, Sr. Hostetler, que levantará os fundos necessários para sua realização18. Construída num terreno que pertence e é contíguo a este hospital, a NBV oferece a oportunidade de visitar, por cinquenta shekels (cerca de doze euros), uma réplica de uma fazenda e aldeia judia do século I dC, com sua sinagoga “na qual Jesus poderia ter oficiado ”19, trazido à vida por figurantes palestinos e guias voluntários internacionais (Documento n°4). O objetivo deste “museu vivo” é, assim, de ajudar os visitantes a contextualizar as parábolas de Jesus a partir das explicações dadas, durante as visitas, sobre o quotidiano dos aldeões desta época e desta região, como demonstrado por atores agricultores, pastores, carpinteiros ou tecelões. Azeite de oliva, hissopo e mirra, produzidos no local, encontram-se à venda na loja de souvenirs do Village; todos elementos que participam da incorporação e da difusão da experiência de voltar para casa.

Documento n°4 : « Abraham e Sarah » apresentados por um dos guias do Nazareth Biblical Village

Documento n°4 : « Abraham e Sarah » apresentados por um dos guias do Nazareth Biblical Village

Caroline Rozenholc-Escobar, 2018

18Certos comentários deixados na Internet no final dessas visitas refletem a intensidade da experiência produzida e a religiosidade conferida a este lugar que permite, visivelmente, aos visitantes aprofundar a sua compreensão da língua e da “terra de Jesus”, mais do que em outros lugares, certamente mais carregados simbolicamente, mas menos “encapsulados” e mais transformados por 2.000 anos de história. Além disso, os restos de uma prensa de vinho, de um sistema de irrigação e de uma torre de vigia antigos escavados no local são todos elementos que permitem a estes visitantes “viver e ver o tempo e a vida de Jesus ”. Esse lugar fictício compensa assim, para alguns, as decepções que os lugares religiosos podem provocar, num país e numa paisagem onde os sinais da modernidade e do conflito israelense-palestino são onipresentes (Collins-Kreiner et al., 2006). Eles também estão lá se prestarmos atenção a este dispositivo onde os habitantes árabes de Nazaré, cristãos e muçulmanos, interpretam personagens judeus, para encarnar a visão e os valores de um conselho internacional (o Nazareth Trust) localizado na Escócia.

  • 20 É interessante notar que esta forma socioespacial também atrai o Confucionismo (Haw Par Villa em Ci (...)

19Nazareth Village faz parte de um conjunto institucional há muito estabelecido na cidade que reúne o hospital fundado em 1861 por um médico de Edimburgo e que hoje constitui um dos maiores hospitais da região, uma escola de enfermagem (1924), a vila (2000) e um centro de acolhimento para voluntários internacionais, numa mesma visão - “cuidar em nome de Jesus” - tão bem veiculados, respectivamente, pelo viés do cuidado, da educação do que o edutainement religioso. Este conluio e o lugar deste "museu vivo" na cidade questionam os efeitos da difusão nos espaços públicos de um regime espacial específico dos espaços religiosos privados. O sucesso da frequência, da multiplicação e da mundialização desses parques não contribuirão para disseminar formas e valores urbanos específicos, mas genéricos20, onde o sagrado e o profano (Eliade, 1965) se fundem numa "religião vivida" (Bielo, 2016)? As primeiras entrevistas realizadas em Nazaré (2018) com os atores que criaram e operam este local (fabricação e manutenção de edifícios, funcionamento da fazenda, plantações e cuidado de animais, etc.) apontam para dissensões entre cristãos de Nazaré e colaboradores estrangeiros que se definem como “verdadeiros crentes” anabatistas.

VII. A Terra santa nos Estados-Unidos : uma antiga circularidade

20No entanto, os parques temáticos, mesmo os religiosos, não são uma realidade nova. Inventados nos Estados Unidos, alguns são antigos (Palestine Park construído em 1874 ou Holy Land USA construído em 1940), mas a maioria é recente (Heritage USA, Holy Land Experience e Tierra Santa na Argentina) e criados na virada do milênio, ou mesmo muito recente (Ark Encounter inaugurado em 2016) e cada vez mais numerosos. J. Bielo (2016) mapeou os duzentos lugares que “materializam” a Bíblia e dão forma, espaço e matéria ao Antigo e ao Novo Testamentos, bem como aos seus atores humanos ou não humanos, visto que os animais e as plantas também ocupam um lugar importante. É interessante notar que nesses parques não é mais a Via Dolorosa ou Jerusalém que se tornaram móveis e replicadas, mas toda a Terra Santa. Assim, o Palestine Park, construído para ser utilizado no ensino do catecismo (história bíblica e geografia), permite (ia) fazer a peregrinação à Terra Santa sem sair dos Estados Unidos; o Lago Chautauqua, próximo ao qual está localizado, funciona como Mar Mediterrâneo. Assim, o desembarque neste local permite "pisar" numa Terra Santa em miniatura (com cem metros de extensão) e atravessada por um rio parecido ao Jordão. Aqui se encontra a questão do relevo e da topografia, mas também das escalas: uma visão saliente e, literalmente, reduzida de um território que procura apreender como um todo para fins experimentais e práticos, aquilo que Moal-Ulvoas (2016) chama de edutainement religioso (encontro entre educação e entretenimento). O mesmo processo está em funcionamento, nesses últimos dois séculos, na Holy Land Experience (2001) construída em Orlando, a cidade de Walt Disney World (1971) e dos estudios Universal (1991).

21Em seu site da internet, Holy Land Experience se define como um "parque de atrações bíblicas" sobre o Antigo e o Novo Testamento e propõe "lugares para vivenciar " animados por atores e "lugares para ver". Pode-se, assim, passear em um mercado cujos comerciantes utilizam trajes da época, participar da Última Ceia, encontrar Jesus, assistir à sua crucificação e depois sua ressurreição, mas também participar de serviços religiosos e rezar em uma imponente igreja Church of all Nations com dois mil assentos. Entre os "lugares para ver" estão uma reconstrução do Templo de Salomão, uma maquete monumental da Jerusalém antiga ou um Jesus Boat, uma réplica de um barco de pescadores do século I dC encontrado no Lago Tiberíades. Essa réplica levanta a questão do significado dos elementos "autênticos" em uma estrutura fictícia e de sua potência sinedotal. É igualmente o caso dessas pedras escavadas nas montanhas de Israel e expostas para serem "tocadas com amor" porque "elas faziam parte da terra que Jesus habitou, amou e tocou", como indica o painel adjacente. A potência da evocação desses dois artefatos, um autêntico, o outro uma réplica, é convocada para materializar Israel, sua geografia e sua história bíblica. Esses fluxos materiais e simbólicos de Israel para os Estados Unidos se ramificam ainda mais se for considerada a possibilidade que oferece o HLE de enviar itens produzidos localmente para Israel. Na verdade, pequenos papéis coloridos são disponibilizados diariamente aos visitantes para que escrevam suas orações antes de inseri-los entre as pedras de estuque da réplica do Muro das Lamentações de Jerusalém. Esses papéis são então coletados e enviados, uma vez por mês, à Israel para serem colocados entre as pedras do verdadeiro Muro das Lamentações. Para Bielo (2016, p. 10), essas orações materializadas na escrita e no papel forjam um elo entre este museu biblico vivo em Orlando e os locais da Terra Santa que inspiraram as recriações da Flórida. Eles também participam da apropriação cristã desse espaço judaico-muçulmano e das lutas que ele suscita.

VIII. Materialização da Bíblia e confusão das escalas

22Para alguns pesquisadores, esses lugares secundários ajudam a reforçar a incorporação e a afirmação das identidades (Comaroff e Comaroff, 2009). Ao combinar a experiência religiosa ou espiritual a uma dimensão econômica, mesmo comercial, educacional e recreativa, eles oferecem uma "experiência total" (Sun e Uysal, 1994) para a qual contribui a confusão de escalas espaciais (maquetes, artefatos e reproduções em "escala real") e temporal. Pode-se, portanto, passear em “Jerusalém” e em poucos passos chegar a “Belém” ou ver Jesus derramando suas bênçãos na Holy Land Experience enquanto Abraão, com suas ovelhas, e José, em sua bancada de trabalho, cuidam de seus negócios no Nazareth Biblical Village. Nesse desejo de tornar o texto bíblico palpável, parece que é esse hibridismo entre uma experiência física que mescla religião, diversão, piedade, brincadeira, comércio e devoção que faz sentido para os visitantes (Bielo, 2016). Esse hibridismo parece estender ainda mais a filiação que o arquiteto Rem Koolhaas identificou entre os parques temáticos (o de Coney Island) - como forma espacial experimental - e o tecido da cidade (Nova York no início do século XX). Por essa razão, o turismo religioso constitui uma dimensão do urbano a ser reintegrada na análise do desenvolvimento turístico das cidades (Duhamel e Knafou, 2007; Fagnoni e Gravari-Barbas, 2013) em proveito das classes médias (Brosius, 2010). O estudo da Nazareth Biblical Village - como lugar substituto ou complementar e, portanto, secundário, mas produzido nas próprias premissas do religioso originário - mostra que aqui está em jogo algo mais do que a possibilidade de acessar o religioso em um espaço israelense-palestino, onde a segurança não é garantida.

Conclusão : da dimensão geopolítica do turismo religioso

23Em conclusão, este artigo terá permitido mostrar como as mobilidades religiosas (um tipo de mobilidade) produzem diferentes tipos de lugares (lugares de peregrinação, lugares de "substituição" e parque temático religioso), para apontar certas relações materiais e simbólicas que ligam esses lugares e analisar a forma como esses ultimos estão ligados a lugares produzidos alhures (Europa e Estados Unidos, por exemplo). Esses vínculos se constroem por meio de trocas materiais e simbólicas das quais os peregrinos e os turistas religiosos são os vetores ao visitarem os lugares de peregrinação, replicando-os localmente, completando a experiência vivida pela visita, quando é o caso, de parques temáticos religiosos, mas também circulando e multiplicando pela Internet, as imagens e os relatos que fazem deles. O turismo, especialmente o religioso, não é, portanto, uma categoria de atores e práticas não políticas. Ao contrário, ele complementa as categorias usuais do política para operar, também neste espaço, a passagem do "nacionalismo metodológico" ao "cosmopolitismo metodológico" (Beck, 2002) particularmente necessário quando se está interessado nos efeitos transnacionais das mobilidades.

24Este artigo também pretendeu reinscrever o espaço israelense-palestino em uma discussão mais ampla sobre o efeito das mobilidades religiosas, da qual L. Chantre et al. (2014), para a peregrinação, mostram que elas servem sempre ao alcance diplomático, às políticas de influência e ao financiamento das autoridades locais ou nacionais. O turismo religioso, portanto, gera no espaço israelense-palestino como em outros lugares, fluxos que participam "na transformação das relações sociais, das representações, das normas e das instituições" (Boukhris e Chapuis, 2016, p. 2). As mobilidades religiosas, neste caso, são eminentemente geopolíticas, quando elas funcionam como instrumento de alavancagem para o desenvolvimento territorial, econômico e de reposicionamento político dos indivíduos e dos grupos. Como tal, participam, de forma diferenciada e desigual para Israel e os Territórios Palestinianos, da “produção do espaço” (Lefebvre, 1974) - sua percepção, sua concepção e a forma como ele é vivido - e, em particular, do espaço urbano (Deffontaines, 1948; Racine, 1993) que os faz convergir.

Haut de page

Bibliographie

Alsayyad, N. (2011), “The Fundamentalist City?”, in Alsayyad, N. and Massoumi, M. (Ed.), The Fundamentalist City. Reliogisity and the remaking of urban space, Routledge, New-York, pp. 3-26.

Andézian, S. (2010), « Formation des identités palestiniennes chrétiennes. Églises, espace et nation », Archives de sciences sociales des religions, N°149, pp. 189-210.

Andézian, S. (2012), Le sacré à l’épreuve du politique : Noël à Bethléem, Paris, Riveneuve.

Appadurai, A. (2020), “Globalization 2.0 Rethinking Connectivity in an Age of Lockdown”, On-line conference, Van Leer Institute, Jerusalem, October 27.

Argyriadis, K., Capone, S., De la Torre, R. et Mary, A. (2014), Religions transnationales des Suds. Afrique, Europe, Amériques, L’Harmattan-IRD, Louvain-la-Neuve.

Aubin-Boltanski, E. (2005), « Le mawsim de Nabî Mûsâ : processions, espace en miettes et mémoire blessée » in Chiffoleau, S. et Madœuf A. (dir.), Les pèlerinages au Maghreb et au Moyen-Orient. Espaces publics, espaces du public, Presses de l’Ifpo, Beyrouth, pp. 59-80.

Barrère, C. et Rozenholc, C. (dir.) (2018), Les lieux de mobilité en question. Acteurs, formes, enjeux, situations, CIST-Karthala, Paris.

Bartal, R. (2018), “Relics of place: stone fragments of the Holy Sepulchre in eleventh-century France”, Journal of Medieval History, Vol. 44 N°3, pp. 406-421.

Bartal, R., Bodner, N. and Kühnel, B. (Ed.) (2017), Natural Materials of the HolyLand and the Visual Translation of Place, 500-1500, Routledge, London.

Batut-Lucas, K. (2014), « Le pèlerinage et le sionisme chrétien aux États-Unis. Le cas du Christians United For Israel », in Chantre, L., D’Hollander, P. et Grévy, J., Politiques du pèlerinage du XVIIe siècle à nos jours, PUR, Rennes, pp. 89-100.

Bava, S. (2005), « Variations autour de trois sites mourides dans la migration », Autrepart, Vol. 4 N°36, pp. 105-122.

Bava, S. et Capone, S. (2010), « Religions transnationales et migrations : regards croisés sur un champ en mouvement », Autrepart, Vol. 4, N°56, pp. 3-15.

Bayart, J.-F. (2008), « Comparer en France. Petit essai d’autobiographie disciplinaire », Politix, Vol. 3 N°83, pp. 205-232.

Beck, U. (2002), “The Cosmopolitan Society and its Enemies”, Theory, Culture and Society Vol. 19 N°1-2, pp. 17-44.

Belhassen, Y. and Ebel, J. (2009), “Tourism, faith and poolitics in the Holy Land and ideological analysis of evangelical pilgrimage”, Current Issues in Tourism, Vol. 12 N°4, pp. 359-378.

Bennafla, K. (2005), « L’instrumentalisation du pèlerinage à La Mecque à des fins commerciales », in Chiffoleau, S. et Madœuf, A. (dir.), Les pèlerinages au Maghreb et au Moyen-Orient, Espaces publics, espaces du public, Presses de l’Ifpo, Beyrouth, pp. 193-202.

Berthomière, W. et Rozenholc, C. (2017), « Pour une lecture des processus de recomposition des frontières sociales depuis Tel-Aviv », in Latte-Abdallah, S et Parizot, C. (dir.) Israël/Palestine, l’illusion de la séparation, collection Sociétés contemporaines, Presses Universitaires de Provence, Aix-en-Provence, pp. 297-312.

Bielo, J. (2016), “Materializing the Bible: Ethnographic Method for Consumption Process”, Practical Matters Journal, N°9, pp. 10-30.

Boukhris, L. et Chapuis, A. (2016), « Circulations, espace et pouvoir. Penser le tourisme pour penser le politique », L’espace Politique (en ligne), Vol. 28 N°1, pp. 1-20.

Bowman, G. (1992), “The Politics of Tour Guiding: Israeli and Palestinian Guides in Israel and the Occupied Territories”, in Harrison, D. (Ed.) Tourism and the Less-Developed Countries, Belhaven Press, London, pp. 121-134.

Brosius, C. (2010), India’s Middle Class. New Forms of Urban Leisure, Consumption and Prosperity, Routledge, Abigdon.

Caron-Malenfant, J. (2004), « Risque politique et traitement médiatique : vers de nouvelles pratiques en tourisme », Teoros, Vol. 23 N°1, pp. 23-27.

Cazes, G. et Courade, G. (2004), « Les masques du tourisme », Revue Tiers Monde, Vol. 178 N°2, pp. 247-268.

Chantre, L., D’hollander, P. et Grévy, J. (dir.) (2014), Politiques du pèlerinage du XVIIe siècle à nos jours, PUR, Rennes.

Chiffoleau, S. (2003), « Un champ à explorer : le rôle des pèlerinages dans les mobilités nationales, régionales et internationales du Moyen-Orient », Revue européenne des migrations internationales, Vol. 3 N°19, pp. 285-289.

Cohen, E. (1992), “Pilgrimage centers: Concentric and Excentric”, Annals of Tourism Research, V. 19 N°1, pp. 33-50.

Cohen-Hattab, K. (2004), “Zionism, Tourism and the Battle for Palestine: Tourism as a Political-Propaganda Tool”, Israel Studies, Vol. 9 N°1, pp. 61-85.

Cohen-Hattab, K. and Shoval, N. (2007), “Tourism development and cultural conflict: the case of ‘Nazareth 2000’”, Social & Cultural Geography, Vol. 8 N°5, pp. 701-717.

Collins-Kreiner, N., Kliot, N., Mansfeld, Y. and Sagi, K. (2006), Christian Tourism to the Holy Land. Pilgrimage during Security Crisis, Ashgate, Aldershot.

Comaroff, J. and Comaroff, J. (2009), Ethnicity, Inc., The University of Chicago Press, Chicago.

Davie G. et Hervieu-Léger D. (dir.) (1996), Identités religieuses en Europe, La Découverte, Paris.

Deffontaines, P. (1948), Géographie et religions, Gallimard, Abbeville.

Duhamel, P. et Knafou, R. (dir.) (2007), Les mondes urbains du tourisme, Belin, Paris.

Eliade, M. (2005), [1965], Le sacré et le profane, Gallimard, Paris.

Endelstein, L., Fath, S. et Mathieu, S. (dir.) (2010), Dieu change en ville. Religion, espace, migration, L’Harmattan, Paris.

Fagnoni, E. et Gravari-Barbas, M. (dir.) (2013), Métropolisation et tourisme. Comment le tourisme redessine Paris, Belin, Paris.

Feldman, J. and Ron, A. (2011), “American Holy Land: Orientalism, Disneyization, and the Evangelical Gaze”, in Schnepel, B., Brands, G. und Schönig, H. (Eds.), Orient-Orientalistik–Orientalismus. Geschichte und Aktualität einer Debatte, Transcript Verlag, Bielefeld, pp. 151-176.

Fleischer, A. (2000), “The tourist behind the pilgrim in the Holy Land”, Hospitality Management, Vol. 19, pp. 311-326.

Giblin, B. (2007), « Le tourisme : un théâtre géopolitique ? » Hérodote, Vol. 127 N°4, pp. 3-14.

Giblin, B. (2012), « La géopolitique : un raisonnement géographique d’avant-garde », Hérodote, N°146-147, pp. 3-13.

Halbwachs, M. (2008), [1941], La topographie légendaire des Évangiles en Terre sainte, PUF, Paris.

Hayat, S., Lyon-Caen, J. et Tarragoni, F. (2018), « La singularité », Tracés, N°34, pp. 7-21.

Hazbun, W. (2016), “The folds of place: re-visiting questions of travail in Israel/Palestine”, in Isaac, R., Hall M. and Higgins-Desbiolles, F. (Ed.) (2016), The Politics and Power of Tourism in Palestine, Routledge, New-York, pp. 166-177.

Hoerner, J.-M. (2007), « Le tourisme et la géopolitique », Hérodote, Vol. 127 N°4, pp. 15-28.

Hutt, C. (2012), “Pilgrimage in Turbulent Contexts: One Hundred Years of Pilgrimage to the Holy Land”, ID: International Dialogue, A Multidisciplinary Journal of World Affairs, Vol. 2, pp. 34-64.

Iogna-Prat, D. (2001), « La terre sainte disputée », Médiévales, N°41, pp. 83-112.

Isaac, R., Hall, M. and Higgins-Desbiolles, F. (Ed.), 2016, The Politics and Power of Tourism in Palestine, Routledge, New-York.

Kaell, H. (2014), Walking where Jesus Walked: American Christians and Holy Land Pilgrimage, NYU Press, New-York.

Koolhaas, R. (2002), [1978], New York Délire, un manifeste rétroactif pour Manhattan, éditions Parenthèses, Marseille.

Lacoste, Y. (2012), « La géographie, la géopolitique et le raisonnement géographique », Hérodote, N°146-147, pp. 14-44.

Lefebvre, H. (2000), [1974], La production de l’espace, Anthropos, Paris.

Lussault, M. (2017), Hyperlieux. Les nouvelles géographies de la mondialisation, Seuil, Paris.

Matelly, S. (2013), « Le tourisme, un objet géopolitique », Revue internationale et stratégique, Vol. 90 N°2, pp. 57-69.

Moal-Ulvoas, G. (2016), “The Tourism Experience Offered by Religious Theme Parks: Taman Tamadun Islam (TTI) in Malaysia”, International Journal of Religious Tourism and Piligrimage, Vol. 4 N°5, pp. 59-66.

Racine, J.-B. (1993), La ville entre Dieu et les hommes, Presses bibliques universitaires – Anthropos, Le Mont-sur-Lausanne.

Ron, A. 2009, “Towards a typological model of contemporary Christian travel”, Journal of Heritage Tourism, Vol. 4 N°4, pp. 287-297.

Rozenholc, C. (2017), « Penser les mobilités internationales à l’aune des lieux qu’elles produisent. Pistes de réflexions à partir du tourisme religieux (Israël-Europe-États-Unis) », Revue européenne des migrations internationales, Vol. 33 N°4, pp. 179-196.

Rozenholc, C. (2018), Tel-Aviv. Le quartier de Florentine : un ailleurs dans la ville, Créaphis, Verone.

Silver D. and Clarck T. (2016), Scenescapes. How Qualities of Place Shape Social Life, University of Chicago Press, Chicago.

Sun, L.-H. and Uysal, M. (1994), “The Role of Theme Parks in Tourism”, Hospitality Review, Vol. 12 N°1, pp. 71-80.

Trimbur, D. (1998), « Une présence française en Palestine. Notre-Dame de France », Bulletin du Centre de recherche français à Jérusalem, N°3, pp. 32-58.

Werner, M. et Zimmermann, B. (2003), « Penser l’histoire croisée : entre empirie et réflexivité », Annales. Histoire, Sciences Sociales, N°1, pp. 7-36.

Willaime, J.-P. (2008), Le retour du religieux dans la sphère publique, Éditions Olivétan, Lyon.

Haut de page

Notes

1 A geopolítica é entendida aqui tanto no sentido de relações internacionais engajadas pelas mobilidades transfronteiriças quanto pelas rivalidades de poder sobre um território de pequeno ou grande dimensão (Lacoste, 2012, p. 27).

2 Recordemo-nos, a título de exemplo, os seis milhões de peregrinos cristãos em Lourdes todos os anos ou os cem milhões de hindus que se reúnem nas margens do Ganges durante a peregrinação de Kumbh Mela na Índia, organizada alternadamente à cada três anos nas cidades de Allahabad, Haridwar, Ujjain e Nasik.

3 A religião bahaïe originou-se na Pérsia no século XIX, mas hoje seu centro espiritual está localizado em Haïfa, na Galiléia. Todo um complexo se desenvolveu neste local por um século até constituir um dos pontos fortes desta cidade. Trata-se dos chamados "jardins bahaïs ", reconhecido como patrimônio pela UNESCO.

4 O rabino Y. Eckstein relata que US $ 1,4 bilhão foram recebidos de doadores cristãos, em favor de Israel e do povo judeu, por meio da associação filantrópica "International Fellowship for Christians and Jews" com sede em Chicago e Jerusalém (Til Kingdom Come, M. Zinshtein, documentário, 2020).

5 « And we moved the capital of Israel to Jerusalem. That’s for the Evangelicals. You know, it’s amazing with that : the Evangelicals are more excited about that than the Jewish people », https://www.timesofisrael.com/trump-says-he-moved-us-embassy-to-jerusalem-for-the-evangelicals/. Ele fundiu, nesta declaração pública (agosto de 2020, Wisconsin), dois atos fortes de sua administração: o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel em 6 de dezembro de 2017 e a transferência da embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém em 14 de maio de 2018.

6 Belahassen e Ebel (2009) mostram que a relação entre Israel e os “sionistas cristãos” foi fortalecida com a chegada ao poder de B. Netanyahu em 1996 e a criação do grupo parlamentar Christian Allies Caucus em 2004. O CAC atua por meio do Ministério do Turismo para "fortalecer a cooperação entre os líderes cristãos e o Estado de Israel, apoiar a ação das organizações cristãs em Israel e divulgar seu trabalho aos parlamentares" (http://cac.org.il/ site / about /).

7 « (b)reaking into the Arab tour guide monopoly became one of the Zionist’s biggest challenges (…) The Zionist Trade and Industry Department also decided to open a professional course for Jewish tour guides (…) in 1922 » (Cohen-Hattab, 2004, p. 72).

8 M. Le Priol, « Des pèlerinages en Terre sainte solidaires avec la Palestine », La Croix, ed. online de 22 de fevereiro de 2015 e L. Zecchini, « Une Via dolorosa palestinienne et politique », Le Monde, ed. online de 20 de abril de 2011.

9 Sobre esse assunto, ver a pesquisa de J. Maltz (2018) que mostra, por exemplo, que os evangélicos americanos injetaram, por dez anos, quase sessenta e cinco milhões de dólares nessas colônias, “Inside the Evangelical Money Flowing into the West Bank ”, Ha’aretz, ed. online em 9 de dezembro de 2018 ou C. Hutt (2012) sobre o projeto Kol Ha'tor, que acolhe visitantes judeus e peregrinos cristãos em assentamentos judaicos nos Territórios Palestinos.

10 E amplamente usado por seu embaixador em Israel, David Friedman. Nomeado em 2016, Friedman também é presidente da American Friends of Beth El, um assentamento judaico na Cisjordânia.

11 Nos últimos anos, os números voltaram a subir. O Ministério das Relações Exteriores de Israel relatou 3,54 milhões de admissões em 2013, 3,6 em 2017 e mais de 4 milhões em 2018.

12 51% em 2017, mas 67% em 2011, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores de Israel.

13 Hutt (2012) mostra que muitos locais de religião judaica foram criados a partir de 1948, sem se tornarem - incluindo o Muro das Lamentações - locais de peregrinação internacional.

14 D. Iogna-Prat fala de "trajeto" miniatura e "retroprojeção" para Terra Santa em conexão com relação à loca sancta, aqueles "frascos" que continham óleo ou terra de Jerusalém e tinham o formato da cidade. R. Bartal (2018) usa esse termo para qualificar a "exportação" e o reaproveitamento de materiais da Terra Santa e do Santo Sepulcro, principalmente na França, entre 500 e 1500.

15 Duas famílias muçulmanas se revezam e são encarregadas, conforme o statu quo, sobre os lugares santos cristãos de 1767, de abrir e fechar cotidianamente as portas do Santo Sepulcro.

16 « ‘Le Grand Voyage’ », Missão do patrimônio histórico da cidade de Romans, file:///Users/mwf/Downloads/FOCUS-romans-web_light.pdf.

17 J. Maltz, 2018, op. cit.

18 « Mike Hostetler leaves Nazareth », 22 de junho 2005, Come and See. The Christian website in Nazareth, http://www.comeandsee.com/view.php?sid=661.

19 https://www.nazarethvillage.com/

20 É interessante notar que esta forma socioespacial também atrai o Confucionismo (Haw Par Villa em Cingapura), o Budismo (Suoi Tien Park em Ho Chi Minh), o Islamismo (Taman Tamadun Islam na Malásia, o Hui Culture Park na China, um futuro Quran Park em Dubai) e o Hinduísmo (Moal-Ulvoas, 2016).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Documento n°1 : Mapa de localização dos lugares estudados
Crédits Caroline Rozenholc-Escobar, 2019
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/7060/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 38k
Titre Documento n°2 : peregrinas ortodoxas abraçando a pedra da unção, Jerusalém
Crédits Caroline Rozenholc-Escobar, 2016
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/7060/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 6,0M
Titre Documento n°3 : peregrinação noturna em Romans
Crédits Caroline Rozenholc-Escobar, 2019
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/7060/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 5,2M
Titre Documento n°4 : « Abraham e Sarah » apresentados por um dos guias do Nazareth Biblical Village
Crédits Caroline Rozenholc-Escobar, 2018
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/7060/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 6,8M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Caroline Rozenholc-Escobar, « Implicações, atores e instrumentos geopolíticos do turismo. Israel / Palestina: o que nos contam os lugares religiosos », Via [En ligne], 19 | 2021, mis en ligne le 26 juillet 2021, consulté le 20 octobre 2021. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/7060 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.7060

Haut de page

Auteur

Caroline Rozenholc-Escobar

Mestra de conferências em Geografia, UMR 7218 LAVUE, ENSA Paris-Val de Seine

Haut de page

Traducteur

Priscilla Pachi

Universidade de São Paulo

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS - Institut des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search