Navigation – Plan du site

As raízes do Enoturismo no Brasil

Vander Valduga et Rosa Maria Vieira Medeiros
Traduction(s) :
Las raíces del Enoturismo en Brasil [es]
Les racines de l’œnotourisme au Brésil [fr]

Résumé

A imigração italiana no Brasil se constituiu num dos maiores movimentos imigratórios mundiais no final do século XIX. Suas consequências identitárias, territoriais e econômicas foram e são significativas, principalmente para o Estado do Rio Grande do Sul, que recebeu o maior contingente de imigrantes. O presente trabalho objetiva analisar o contexto social, político e econômico estadual a partir da imigração italiana e enfatiza o papel do enoturismo nesse contexto de formação regional e de reterritorialização desse imigrante. A pesquisa histórica e documental permitiu a constituição de um corpus documental, que foi tratado a partir da metodologia de análise de conteúdo. Os resultados sugerem que o Estado brasileiro se apoiou em diversas atividades que remetiam à identidade do imigrante italiano, entre elas a vitivinicultura, visando à sua fixação em território brasileiro. O Estado objetivava dar eco às suas ações regionais e buscava apoio político e econômico local. Com isso mantinha uma relação de autonomia e de dependência da população imigrante e dos empresários locais. Entre as atividades fomentadas pelo Estado estavam os eventos de cunho regionalista, que pelas peculiaridades de produção vitivinícola, acabavam gerando demanda de visitantes de todo o país. A partir desse movimento iniciado nos anos 1930 é que se poderia situar as raízes do enoturismo no Brasil.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos. Boa safra também de turistas. Dispo (...)

1No contexto mundial de expansão da atividade turística, uma das manifestações culturais e gastronômicas desse fenômeno tem sua face revelada no contexto das regiões vinícolas. O turismo do vinho ou o enoturismo é uma atividade marcante em diversos países europeus como a Itália, França, Espanha e Portugal (Darmaillac, 2009 ; Castaing, 2007 ; García et al, 2010), e países da Oceania, como Austrália e Nova Zelândia (Hall et al, 2004). É marcante ainda nas regiões vinícolas dos Estados Unidos, Nova Zelândia, Chile, Argentina, Uruguai e no Brasil. No contexto brasileiro, o turismo do vinho tem manifestações pontuais naregião nordeste (Zanini, 2007 ; Galvão, 2006) e é consolidado na região sul do Brasil, especificamente numa região vinícola de colonização europeia, sobretudo de italianos estabelecidos no final do século XIX. Diversos trabalhos com diferentes abordagens investigaram essa prática e sugerem que a atividade é consolidada, além de ser desenvolvida de forma organizacional há cerca de 40 anos (Falcade, 2001 ; Soares, 2004 ; Valduga 2007 ; Lavandoski, 2007, Tonini, 2008). Somente o Vale dos Vinhedos, roteiro de enoturismo entre os municípios de Garibaldi, Bento Gonçalves e Monte Belo do Sul e que foi a primeira região demarcada com Denominação de Origem do Brasil recebeu, em 2011, mais de 228 mil pessoas. Esse roteiro teve um incremento médio anual de visitantes entre 10 e 15 % nos últimos 10 anos (Aprovale, 2012)1 e tem uma oferta diversificada de produtos, com mais de 30 vinícolas que oferecem visitação, além de restaurantes, hotéis, pousadas, ateliês, queijarias e uma paisagem que o diferencia de outras regiões vinícolas mundiais, conformando um mosaico de vinhedos com diferentes formas de condução, entre espaldeiras modernas, latadas centenárias, plátanos que sustentam os vinhedos e taipas antigas de pedra basalto.

  • 2 Organização social de interesse público e privado responsável pela condução das Políticas Públicas, (...)

2O roteiro do Vale dos Vinhedos está situado num contexto histórico e geográfico de colonização italiana, numa região denominada de Região Colonial Italiana (RCI). Do ponto de vista do turismo e de sua organização política e territorial, esse espaço foi denominado de Região Uva e Vinho pelo Ministério do Turismo em meados dos anos 1990, órgão brasileiro responsável pelo planejamento do turismo no Brasil. Na região,30 municípios se caracterizam pela presença de atividades turísticas ligadas ao vinho e estão organizados desde 1986 sob a governança da Associação de Turismo da Serra Nordeste (Atuaserra)2.

3Nesse contexto, foi feito um recorte espacial e temporal para o presente estudo. Do ponto de vista espacial, a figura 01 apresenta as regiões de colonização italiana no Rio Grande do Sul e delimita a Região Colonial Italiana (destacada em verde) como área de estudos. Como escala temporal, foi considerado o período entre os anos 1870, década inicial da imigração italiana até os anos 1950, fase que marca as bases da formação regionalista no Estado do Rio Grande do Sul.

Figura 1. Áreas de colonização italiana no RS

Figura 1. Áreas de colonização italiana no RS

V. Valduga

  • 3 Disponível aqui. Acessado em 11/12/12.
  • 4 Disponível aqui. Acessado em 11/12/12.
  • 5 Festas de abertura da colheita das uvas.

4O enoturismo é expressivo nessa região e tem seu momento maior na realização de festividades como a Festa da Uva em Caxias do Sul, realizada desde 1931, e que na edição de 2012 recebeu mais de 800 mil pessoas3. No município de Bento Gonçalves é realizada desde 1967 a Festa Nacional do Vinho – Fenavinho, que na edição de 2011 recebeu 78 mil pessoas4. Boa parte dos municípios produtores de uvas e vinhos realizam suas festas da vindima5 com programações culturais, artísticas e exposições. O município de Garibaldi dedica sua festa máxima ao espumante, na Festa Nacional do Champanha, realizada desde 1981 para homenagear a bebida produzida desde 1913 no município.

5Dentre todos os municípios vinícolas brasileiros, o que mais se destaca é Bento Gonçalves pela série de atividades e monumentos ligados ao vinho, como igrejas, pórticos, hino da cidade, festividades, entre outras características. As figuras 2 e 3, 4 e 5 ilustram um pouco a representatividade patrimonial do vinho e sua associação a outros elementos como a religiosidade.

  • 6 Devido a uma estiagem durante a sua construção nos primeiros anos do séc. XX, ao invés de água na c (...)

Figura 2. Igreja feita com vinho, Bento Gonçalves6

Figura 2. Igreja feita com vinho, Bento Gonçalves6

V. Valduga

Figura 3. Pórtico de Bento Gonçalves

Figura 3. Pórtico de Bento Gonçalves

F. Mazzotti

Figura 4. Igreja de São Bento, Bento Gonçalves

Figura 4. Igreja de São Bento, Bento Gonçalves

V. Valduga

Figure 5. Paisagem típica com vinhedos, Bento Gonçalves

Figure 5. Paisagem típica com vinhedos, Bento Gonçalves

V. Valduga

6O município se destaca no enoturismo regional também por ter 05 roteiros organizados dedicados ao vinho e a enogastronomia e o município recebe mais de 800 mil pessoas por ano, para uma população de 107 mil pessoas, segundo a Secretaria de Turismo Municipal.

7É consenso entre os autores (Falcade, 2001 ; Valduga, 2007 ; Lavandoski, 2007, Ribeiro, 2002 Tonini, 2008) que a prática do enoturismo tem suas origens nessa região e que sua vitivinicultura tem uma significativa influência cultural da imigração italiana.

8A partir da delimitação espaço/temporal e da compreensão regional emerge a seguinte questão de pesquisa : que variáveis sinalizam para a eleição do vinho como vetor de patrimonialização territorial e como recurso na turistificação da área de estudos ?

9Nesse sentido, objetivou-se analisar o contexto social, político e econômico regional a partir da imigração italiana, com ênfase ao papel do enoturismo nesse contexto de reterritorialização e formação regional imigrante. O trabalho objetiva, também, identificar os principais agentes desse processo histórico que permitiram a patrimonialização do vinho na região.

10Aperspectiva de patrimonialização territorial e de turistificação dos espaços visaelucidar a compreensão desses processos no caso estudado. Ao focalizar o patrimônio e o turismo nos processos territoriais, emerge o jogo das elites sociais na imposição de sua visão de mundo ou a sua autoridade social, nos termos de Pierre Bourdieu (2000) e, nesse contexto, as questões políticas constituem a tessitura que vai permear essa análise.

Do espaço social à turistificação: uma síntese

11O projeto da globalização, a partir da compreensão de sua inevitabilidade forçou a um achatamento das análises espaciais numa forte tendência de transformar espaço em tempo e geografia em história. O reconhecimento das diferentes simultaneidades do espaço ficou mais restrito a espaços acadêmicos, espaços artísticos e culturais(Massey, 2008 ; Garcia Canclini, 2003). Pode-se dizer que o próprio turismo, de uma pasteurizaçãomoderna acelerada, retoma o reconhecimento das heterogeneidades espaciais a partir da focalização nas experiências individuais e coletivas dos sujeitos a partir de espaços regionalizados mais reticulares (Fratucci, 2000), pois o turismo expõe as diferentes territorialidades que se confrontam nos lugares turísticos (Knafou, 2001).

12Nesse sentido, multiplicidade e espaço são elementos co-constitutivos e o espaço, doravante, trata-se da esfera da produção contínua e da reconfiguração da heterogeneidade, sob todas as suas formas – diversidade, subordinação e interesses conflitantes (Massey, 2008). O espaço é hierarquizado e isso decorre da hierarquização dos poderes estabelecidos, que, em síntese, tornam regiões e territórios espaços de possibilidades e de probabilidades tanto de manutenção do status quo quanto de alteração (Raffestin, 1993).

13A análise territorial assume posição privilegiada pela conotação e pelos jogos de poder que a constituem. O território é o lócus das identidades e dos embates fronteiriços em sentido amplo, e os movimentos de desterritorialização e de reterritorialização são processos relacionados e fundamentais para a compreensão de vetores que envolvem mobilidade populacional (Deleuze e Guattari, 1976). A vida é estruturada territorialmente no espaço banal, entre o espaço de vida e o espaço vivido pelos sujeitos, é o espaço de reconhecimento e identificação social (Di Méo, 1996), que tem referentes tanto materiais quanto imateriais e, dentre eles, encontram-se os processos de patrimonialização ou de territorialização do patrimônio (Gravari-Barbas, 1995).

14Um bem, atividade, valor ou função torna-se patrimônio a partir da perda de seuvalor de uso essencial e o patrimônio é um vetor, um catalisador da função territorial, pois funda uma memória comum, especialmente quando há interesse em fixar um determinado grupo a um território (Di Méo, 2004 ; Gravari-Barbas, 1995). O patrimônio torna-se o estado na qual se encontram imersos os objetos quando são submetidos a certos tipos de operações gestuais, escriturais, cognitivas, semânticas, jurídicas e financeiras.Pode-se dizer que ele assume uma conotação menos rígida, uma vez que requer um mínimo de cooperação para ser admitido coletivamente, embora sua dialética sempre permaneça(Heinich, 2009).

15A dialética do patrimônio pode ser intensificada a partir do uso que se faz dele, como o turístico, por exemplo, o que pode se converter numa relação nem sempre harmoniosa em decorrência das diferentes territorialidades que se dão no lugar turístico e dos diferentes tipos de relacionamentos entre turismo e território no processo de turistificação (Landel, 2004).

16Alguns territórios podem ter uma harmonia forçada para se tornarem turísticos, outros, podem evidenciar a presença do turismo em espaços-receptáculo, numa espécie de turismo sem território e podem, evidentemente, existir os territórios turísticos, isto é,territórios inventados e produzidos pelos turistas, mais ou menos retomado pelos operadores turísticos e planejadores (Knafou, 2001). Nesse conjunto de relacionamentos, existe o poder subversivo do turismo, que é a de distorção da utilização dominante do lugar e o poder de conquista do turismo, isto é, a incorporação de novos territórios ao lugar turístico (Knafou, 1991).

17É fundamental citar a intencionalidade dos agentes na turistificação, tanto da população local quanto de operadores e agentes de planejamento, pois os chamados recursos territoriais como o patrimônio, por exemplo, podem ser conduzidos/destinados aos usos do turismo numa lógica de co-constituição ao mesmo tempo em que, muitas vezes, para o patrimônio ser validado, é necessário o “olhar do outro”, e o turismo cumpre essa função historicamente pelo seu papel na comunicação (Lazzarotti, 2003). Em síntese, processos de patrimonialização, ainda que não tenham intencionalidade do ponto de vista da turistificação – mas podem ter intencionalidade na reterritorialização – são vetores territoriais que podem levar à turistificação de espaços. Nesse sentido, a formação regionalista em diversos países, sobretudo nas primeiras décadas do século XX tem obedecido à mesma lógica no que se refere aos vetores territoriais como a patrimonialização ancorada em produtos locais, na culinária,no folclore, entre outros aspectos associados. Umdos casos mais expressivo de formação regionalista intencional e ancorada em bases locaisé o do regionalismo francês, conforme analisam Laferté (2002) e Lavenir (1999). O turismo, em última análise, permite endossar as práticas sociais internas dos agentes na sua imposição de visão de mundo no complexo jogo territorial que suporta o tecido social. Nesse contexto foi analisado o caso proposto a fim de buscar resposta à problemática sugerida inicialmente.

A vitivinicultura no Estado do Rio Grande do Sul e o turismo

  • 7 […] os moradores da vila de São Paulo têm já muitas vinhas; e há homens nela que colhem já duas pip (...)
  • 8 A sesmaria foi um sistema de doação da posse de terras instituído pelo governo português e implanta (...)

18A vitivinicultura brasileira iniciou em São Paulo, na então Vila de São Paulo, conforme registro de Gabriel Soares de Souza no Tratado Descritivo do Brasil em 1587 (Souza, 1587, p. 166)7. Na expedição de Cristóvão Colombo no final do século XV estava também Brás Cubas, explorador português que é considerado por vitivinicultores e outros profissionais do vinho o primeiro vitivinicultor brasileiro. Ele recebeu terras no reino de Piratininga e, em 1540, deu inicio à exploração da sesmaria8 denominada Jeribatiba ou Jeribatuba (atual município de Santos), onde plantou árvores frutíferas e também vinhedos.

19As variedades de uvas plantadas na capitania eram portuguesas da classe vitis vinifera. Ainda no contexto de São Paulo, a vitivinicultura foi intensificada nas fazendas como uma atividade secundária em relação à produção cafeeira, especialmente a partir de 1880. Entre os anos de 1830 e 1840 o cultivo da videira isabel foi desenvolvido nos quintais urbanos e chácaras suburbanas, nos bairros periféricos da capital e em Mogi das Cruzes, acrescidos, com o tempo, das localidades de São Roque e Jundiaí. No ano de 1886, a produção paulista atingiu o volume de 12.600 hectolitros e, em 1890, a produção saltou para 17.500 hectolitros (Almanach, 1891). Mais tarde, a produção paulista teve lugar em São Roque. A videira foi introduzida pelo fundador Pedro Vaz de Barros em meados do século XVII, por volta de 1655. Em sua fazenda, introduziu mudas de videirasimportadas e elaborou vinhos para o consumo doméstico.

20No Rio Grande do Sul – RS, a introdução da videira é um tema controverso. No período colonial (1500-1822), Portugal havia imposto a proibição da criação de indústrias às colônias, além do cultivo de frutas nas regiões de clima temperado. O intuito era de não competir com o mercado interno e, especificamente em relação às videiras, o Alvará de D. Maria I, das Cartas Regias de janeiro de 1789, proibia o cultivo de videiras no Brasil. De fato não havia interesse em constituir na colônia uma produção agrícola de policultura. O que norteava as políticas europeias era o seu próprio mercado, aqui baseado na cana-de-açúcar, portanto, a colonização teve um caráter extremamente mercantilista e sem incentivo para as pequenas propriedades, era uma civilização açucareira. Mas isso não foi suficiente para extinguir outras atividades agrícolas, pois, nas reduções jesuíticas no RS, havia o cultivo de vinhas e a produção de vinhos (Valduga, 2011).

21As correntes imigratórias do RS tentaram desenvolver a vitivinicultura, como os franceses em Garibaldi e Pelotas, e os alemães, na região central do estado. No entanto, a vitivinicultura em escala comercial somente iniciou a partir de 1875, com a chegada dos imigrantes italianos no RS. Entre 1875 e 1889, os imigrantes italianos já somavam 41.500, e até 1914 entraram mais 32.500 (Pellanda, 1950). De 1875 a 1900 entraram no Brasil 1.040.815 imigrantes italianos (Sá, 1950). Os imigrantes italianos ocuparam encosta do planalto do RS, área denominada posteriormente de Região Colonial Italiana, e que deu origem a um tipo de sociedade diferente da brasileira do período, isto é, de pequena propriedade, com uma média de 24 a 30 hectares por família, com trabalho familiar livre e de base policultora. A base policultora visava ao fornecimento de alimentos para os emergentes núcleos urbanos brasileiros da época.No entanto, a vitivinicultura logo assumiu papel de destaque na produção agrícola regional por diversos motivos, entre os quais estava o domínio tecnológico por um número significativo de imigrantes, o incentivo estatal na especialização produtiva e na possibilidade de reterritorialização dessa massa de imigrantes, além dos fatores religiosos, uma vez que a maioria dos imigrantes era católica e existe uma simbologia do vinho na liturgia cristã (Valduga, 2011 ; Ribeiro, 2002).

  • 9 Documentação do Arquivo Histórico Municipal de Garibaldi (AHMG). 01 de dezembro de 2004. Organizad (...)

22O vinho na área de colonização italiana tornou-se o principal produto a partir de 1885, masenfrentava problemas logísticos devido às péssimas condições das estradas. Somente em 1910 foi inaugurada a estrada de ferro ligando alguns municípios da região colonial italiana a Porto Alegre, capital do Estado, e isso iria facilitar o escoamento da produção e o transporte de passageiros9. Até então, havia uma dependência comercial regional em relação à região central do Estado, que se constituiu num corredor comercial, servindo de entreposto e que, posteriormente, fazia as mercadorias chegarem a Porto Alegre. Com a ligação direta do trem da região para a capital, essa dependência comercial foi rompida e isso favoreceu os comerciantes urbanos, que mais tarde, quase na sua totalidade, se tornaram industriais do vinho e de outros setores, formando a elite urbana regional (Pesavento, 1983).

  • 10 Gottselig C. W, 1933, Grande Album de Montenegro, Montenegro, AHMG.

23Nos entornos das estações férreas foram construídos os primeiros hotéis a partir de 1920, o que permitiu à região se tornar um destino turístico de veraneio, num movimento denominado de “Veraneio na Serra”. O Veraneio na Serra era uma atividade que levava visitantes, sobretudo de Porto Alegre a alguns municípios da região colonial italiana pelas condições climáticas mais amenas no verão. Esta atividade ocorria nos municípios de Garibaldi, Desvio Blauth, Bento Gonçalves, Veranópolis, Cotiporã, Nova Prata e Caxias do Sul, e era incentivada por recomendações médicas. Os hotéis ofereciam, além das refeições, atividades de lazer e entretenimento como passeios de barco, contato com animais, colheita de frutas da estação, entre outras atividades10. Ainda não havia ligação do turismo com a vitivinicultura, embora, nas três primeiras décadas do século XX, diversas exposições foram realizadas tanto localmente quanto na capital do Estado.

  • 11 Detalhes em Rodrigues J., 1972, Subsídios para a história da uva e do vinho, Caxias do Sul, monogra (...)

24O Estado apoiava a realização de feiras e exposições agroindustriais e em 1901, foi realizada a Exposição Industrial de Porto Alegre, em que diversos produtores da região estiveram presentes. O destaque foi para o município de Caxias do Sul, que participou com 30 produtores de vinhos (Pesavento 1983), mas esta não foia primeira exposição no Estado. A primeira exposição data de 21 de abril de 1899, em Pelotas, na região sul, denominada 1° Exposição Agrícola Estadual. Entre os produtores de vinhos, apenas participaram os de Pelotas11.

  • 12 Relatório do Intendente Affonso Aurélio Porto – 1913 (p. 17), AHMG. Grafia do original.

25As primeiras exposições não tiveram caráter festivo, ao menos até o final da primeira década do século XX e eram eventos de pequeno porte sempre incentivados pelo Estado. A primeira Exposição de Uvas de grande porte para a realidade regionalda época foi realizada no município de Garibaldi, nos dias 24, 25 e 26 de fevereiro de 1913, sob a administração do intendente municipal Affonso Aurélio Porto12. Realizada nos salões do Club Borges de Medeiros, teve a presença de 133 expositores de uvas e 20 expositores de vinhos. Durante o evento foram realizadas conferências por enólogos aos vinicultores.

  • 13 Gobbato C., 1922, Manual do viti-vinicultor brasileiro, Porto Alegre, Officinas Graphicas da Escola (...)

26Com o aumento da produção vinícola urbana, que oferecia melhores condições e vinhos de melhor qualidade do que os produzidos pelos agricultores, a produção rural começou a sofrer grande concorrência, momento em que muitos comerciantes começaram a rejeitar a produção do vinho artesanal, e os agricultores passaram a se organizar frente às adversidades. Nesse contexto, por volta de 1910 começou o movimento cooperativista vinícola para fazer frente aos industriais urbanos, o que acabou porampliar a produção a outra escala, chegando, em 1918, a 90 milhões de litros13. A organização das cooperativas vinícolas é obra dos imigrantes italianos, mas não o movimento cooperativista no Estado, que teve outras iniciativas antes, com os imigrantes alemães (Giron, 1987). No entanto, a organização em cooperativas não se deu ao acaso, foi consequência de uma crise na ruralidade ocasionada pela dependência comercial dos colonos italianos em relação aos comerciantes urbanos de vinhos e demais produtos. Os comerciantes urbanos recebiam o vinho dos colonos, cobravam dos consumidores à vista e pagavam aos colonos até um ano depois da compra, mas, muitas vezes, os colonos não recebiam, pois os comerciantes alegavam que o vinho havia estragado ou que não haviam conseguido vendê-lo.

27O Estado também foi fomentador do cooperativismo e, em revanche, começou um movimento dos comerciantes e das indústrias privadas urbanas difamando os vinhos das cooperativas, além de incêndios criminosos que destruíram os equipamentos de algumas cooperativas. Os industriais criaram então a Confederação dos Produtores de Vinho para fazer frente às cooperativas e, com isso, os governos que apoiavam o cooperativismo mudaram de lado (Giron, 1987). Em 1915, já nenhuma cooperativa mantinha as atividades na região e o cooperativismo somente foi retomado nos anos 1930. O setor vitivinícola sofria com crises frequentes, e uma das mais graves se deu entre 1915 e 1918, especialmente pela falsificação dos vinhos gaúchos em São Paulo e no Rio de Janeiro, e pelos altos impostos do governo federal sobre o vinho. Algumas empresas buscaram uma diferenciação, como a Peterlongo de Garibaldi. Em 1915, a empresa começou a utilizar um novo processo de fermentação do vinho na própria garrafa, seguindo o método francês Champenoise, e iniciou a produção de espumantes no Brasil (Valduga, 2011).

28O Rio Grande do Sul era o maior produtor de vinhos do Brasil, porém, não tinha força política no poder central, que era dominado pelo setor agrário industrial paulista. Para superar as crises da vitivinicultura, era necessária uma política governamental que estimulasse avanços técnicos na produção primária e a partir daí foram criadas escolas e estações experimentais. No Estado foram criadas cerca de 20 estações experimentais e a principal estação ligada a vitivinicultura foi criada em Caxias do Sul em 1921, sob a direção do enólogo francês Louis Esquier. Entre 1921 e 1984, foram introduzidas e experimentadas 1951 variedades de uvas na estação de Caxias do Sul visando aadaptação e melhoria da produção (Paz e Baldisserotto, 1997).

29As três primeiras décadas do século XX foram marcadas pelas disputas entre industriais e agricultores, pela organização produtiva e pela definição da matriz produtiva regional. No campo cultural, a identificação social da coletividade a partir da influência religiosa, estatal e da definição da base produtiva promoveu uma reterritorialização pacífica desses imigrantes italianos. Foi um período marcado pela dialética estatal, isto é, ao mesmo tempo em que o Estado fomentava as atividades vitivinícolas, num processo de reterritorialização, criava uma dependência coletiva dessa atividade, sobretudo de agricultores.

O contexto socioeconômico e as raízes do enoturismo

  • 14 O gaúcho, conhecido como o habitante do Rio Grande do Sul ganha um sentido regional no país, difere (...)
  • 15 Por outro lado, os descendentes de italianos eram chamados de gringos, designação que permanece até (...)

30No caso do Rio Grande do Sul, tanto colonos imigrantes quanto gaúchos14 são produto de uma constituição identitária que tem suas bases no passado comum e numa herança de valores que estão presentes na língua, na história e na cultura e mais do que isso : nas semelhanças imaginadas, resultado dos interesses do grupo, que tenta se transformar naquilo que acredita ser. A italianidade, como sentido identitário, era reforçada pela diferenciação em relação à cultura do gaúcho e do brasileiro, que para o italiano era sinônimo do negro15, além das próprias forças operadas no interior do conjunto social, como a produção agrícola, a religiosidade, os valores e as crenças (Giron, 2007).

31A região começou a ter maior expansão econômica e a ganhar visibilidade a partir dos anos 1930, especialmente no contexto da industrialização, que foi incrementada por eventos como a realização da primeira “Festa das Uvas” de Caxias do Sul, em 1931. A inserção da região no contexto estadual e nacional, operado por muitas transformações no seio dos núcleos coloniais foi mostrada com maior vigor no âmbito das comemorações do Cinquentenário da Colonização Italiana, em que foram organizadas comissões nas sedes coloniais do Estado visando à “Exposição do Trabalho dos Italianos e seus Descendentes no Rio Grande do Sul” (Ribeiro, 2002, p. 78). Agora era fundamental mostrar a evolução da colônia e a riqueza produzida nela pela indústria e pelos seus agricultores, sendo possível, portanto, num grande evento folclorizado : a Festa da Uva.

  • 16 Enólogo e intelectual italiano que se estabeleceu no Brasil em 1912.Gobbato formou-se em Viticultur (...)
  • 17 Disponível no AHMJSA.

32Conforme citado, o cenário presente na década de 1930 foi de expansão da produção, de conflitos entre colonos e industriais e de afirmação da colônia como geradora de riqueza e de poder. Na Itália, em 1931, foi celebrada, pela segunda vez a festa da uva, decorrente de uma superprodução nacional de uvas, da ordem de 06 bilhões de kg. Segundo Celeste Gobbato16, que se encontrava em Roma, em publicação no jornal Correio do Povo de 11 de setembro de 193117, “todos os recantos da Itália celebraram a festa da uva, exigida pelo patriótico governo nacional da península e aceita entusiasticamente pela população toda”. Complementa que, na Itália, o evento teve a presença de carros alegóricos, uvas penduradas na rua e grande movimentação.

  • 18 Jornal Correio do Povo, 02 de março de 1931, AHMJSA.

33O idealizador da Festa das Uvas, assim chamada a primeira edição, foi o coletor estadual Joaquim Pedro Lisboa. Esse primeiro evento teve um propósito pedagógico, no sentido de levar ao maior número de colonos italianos os novos conhecimentos da área, além de tentar fazer com que eles abandonassem o cultivo da uva Isabel, uva de origem americana e considerada de qualidade inferior. Somente assim seria possível competir com os vinhos importados. Gobbato, no discurso de abertura18 do evento evidenciou essa intencionalidade citando que a festa demonstrou sua utilidade para “estimular os viticultores a abandonar o fetichismo da Isabel, limitando sua cultura à área considerável que ela já ocupa, para aproveitar outras videiras de qualidade superior”. Gobbato enfatizou ainda os encantos da região com suas montanhas pitorescas tomadas por parreirais para os turistas.

  • 19 Cópia da Ata Nr°119 da Associação dos Comerciantes de Caxias, AHMG, caixa 38, 1931

34A primeira edição foi realizada em 08 de março de 1931, nos salões do clube Recreio da Juventude, em Caxias do Sul e foi mais um exposição de uvas do que propriamente uma festa. O caráter festivo viria na segunda edição, a de 1932. A Festa da Uva foi o primeiro grande evento regional a gerar interesse nacional. Os municípios vizinhos foram convidados a expor na festa e auxiliaram na organização, além das cooperativas vinícolas que destinaram parte dos lucros à organização da Festa. A Associação dos Comerciantes de Caxias, encarregada da organização, deliberou em Ata de 15 de novembro de 1931 que “concorrem com cinco réis por litro de vinho exportado pela Sociedade Vinícola e Cooperativas Agrícolas e demais exportadores de vinho, de 15 de novembro até a data do encerramento da Festa da Uva”19, para a sua organização. Assim, é oportuno afirmar que os municípios produtores de vinho dessa colônia italiana financiaram a realização da Festa da Uva de Caxias do Sul, uma vez que a empresa“Sociedade Vinícola” era a maior compradora de vinhos de toda a região e as cooperativas congregavam os colonos agricultores.

  • 20 Jornal da Manhã, Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 1932. Correspondências expedidas pela comissão (...)

35O Estado apoiava a realização da Festa da Uva e suas iniciativas iam além do apoio à industria privada, representada pela Sociedade Vinícola. A Sociedade tinha sede em Porto Alegre, Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Garibaldi, entre outrosmunicípios, em 1932, exportou mais de 20 milhões de litros de vinho, numa produção estadual de 81 milhões de litros. Uma segunda forma de apoio estatal ao evento foi anunciada em jornais regionais e nacionais. “Afim de incentivar a maior convergência possível de turistas e amadores, o general Flores da Cunha, mandou conceder as pessoas que desejem visitar a exposição um abatimento em suas passagens por estrada de ferro”20.

36Na abertura do evento, o Interventor do Estado, General Flores da Cunha, esteve presente, e seu discurso foi permeado pela filosofia positivista, em que constava a ideia de progresso, a ordem e o engrandecimento moral, etc. A Festa da Uva de 1932 foi o ponto de partida para as demais festas ligadas ao vinho que ocorreriam mais tarde, mas foi, principalmente, onde se estabeleceu os moldes para as demais festas da uva e o início da folclorização e patrimonialização da vitivinicultura. A de 1932 foi composta pela exposição de uvas, exposição industrial, corso alegórico, festejos populares e foi palco também da realização do 1° Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia, evento de caráter científico em que esteve presente o embaixador da Itália. A organização da Festa da Uva esteve a cargo principalmente de uma elite intelectual, política e econômica urbana, ansiosa para mostrar o progresso material da colônia e deixar para trás o isolamento, os anos de privação e miséria das primeiras décadas da colonização.

37Pelo seu caráter de exclusividade no contexto econômico agrícola estadual, a Festa era cobiçada e tornava-se um grande evento político ao mesmo tempo, e de uma maneira que atingisse praticamente a totalidade da população regional, uma vez que nela estavam agregados os resultados da produção industrial e agrícola, além dos valores construídos coletivamente, tanto em espaço urbano quanto rural. Pode-se dizer que o evento tornou-se patrimônio da comunidade, pois, assumido coletivamente e com intencionalidade, funcionou como um catalisador da função identitária (Di Méo, 2004), isto é, houve a identificação do grupo ao território, ancorando um passado de trabalho e projetando um futuro com base nos mesmos princípios e ideais, fundado numa memória comum. Pelo porte da Festa da Uva, especialmente a partir da realizada em 1932, que atingia multidões de todo o Estado não necessariamente em presença física, mas, também, via jornais e boletins, houve uma aceitação coletiva que permitiu o “olhar do outro” (Lazzarotti, 2003), endossando as práticas internas regionais sob um discurso progressista repleto de significados.

38“Quem vem da planície diz mal de nós pela rudeza do inverno desabrido. Verdade – as chuvadas sem fim dos dias tristes ; verdade – os dias cinzeos de garôa e bruma de Julho e Agosto, verdade – as neves que vestem de noiva as casinholas pobres, e as geadas frias que desgostam e irritam as madrugadas límpidas de Setembro e Outubro.

  • 21 Trecho de uma crônica escrita por Olmiro de Azevedo, letrado de Porto Alegre e um dos divulgadores (...)

39Que importa, entretanto, tudo isso ? Quando é de tudo isso que brota, como um grito, o esplendor da Primavera, e estúa, como a realização de uma promessa, a fartura milagrosa do verão…”21.

  • 22 Ofício expedido pelo presidente do evento Joaquin Pedro de Lisboa ao prefeito de Garibaldi em 05 de (...)

40Na edição de 1933 teve papel central a escolha da rainha da festa, com voto popular. A escolha da rainha se tornaria, nas edições seguintes, um importante evento paralelo, ampliando a escala temporal do evento em si e mobilizando um contingente de visitantes e turistas sem precedentes na colônia, especialmente a partir da edição de 1934. Nessa edição, praticamente toda a diretoria foi composta por industriais do vinho, tendo a frente o idealizador da Festa da UvaJoaquim Pedro de Lisboa. A partir dessa edição, não era mais necessário o financiamento regional do evento, apenas o “indispensável e valioso apoio moral22” dos prefeitos dos municípios vizinhos.

  • 23 Ofícios enviados em 14 de fevereiro de 1950. AHMG, caixa 90, 1950.

41Uma das maiores edições da Festa da Uva foi a inaugurada em 25 de fevereiro de 1950, realizada em conjunto com as comemorações do 75° Aniversário da Colonização Italiana no RS, que, nesse caso, funcionou como o elemento unificador regional, dada as condições políticas da época. Entre 1938 e 1949, nenhuma Festa da Uva foi realizada, especialmente por causa da Segunda Guerra que afetou a região por algumas medidas nacionalistas ditadas pelo Estado Novo brasileiro, como a proibição da fala dos dialetos dos imigrantes. Na edição de 1950, os municípios foram convocados a participar pelo mesmo idealizador da festa de 1931, Joaquin Pedro de Lisboa. Bento Gonçalves e Garibaldi prontamente responderam, apoiando a realização do evento. Em ofício expedido pela Comissão Coordenadora da Festa da Uva, foisolicitado às prefeituras dos municípios produtores a doação de “vinhos de classe”, e no caso de Garibaldi, “inclusive champagne23”.

  • 24 Ofícios enviados às prefeituras da região em 31 de janeiro de 1950. AHMG, caixa 90, 1950.
  • 25 Ofícios enviados em janeiro de 1950 aos municípios produtores de uvas. AHMG, caixa 90, 1950.

42A edição de 1950 apresentou algumas particularidades em relação às demais festas, como a presença de um “Pavilhão Histórico Cultural”, além da tradicional Feira e Exposição Agroindustrial. Nessa exposição foram expostos passaportes, cartas trocadas entre imigrantes e familiares na Itália, artefatos do cotidiano, de maneira a resgatar alguma memória perdida, possivelmente em decorrência das ações do Estado, que visavam a um nacionalismo imposto por decretos e também unir passado e presente, pois se tratava de artefatos e materiais comuns. Percebe-se o interesse em patrimonializar a uva e seu produto máximo, o vinho, especialmente pela perda da função essencial (Gravari-Barbas, 1995), no que se refere aos artefatos do cotidiano. Estes objetos foram disponibilizados pelas famílias de imigrantes e descendentes da região24. A cada município produtor, nesse caso, 10 municípios participantes, foi demandada pela comissão a escolha de uma Rainha da Festa da Uva25, não ficando mais restrito a Caxias do Sul o evento de escolha. Todavia, essa prática não foi mantida posteriormente e essa edição da Festa foi marcada pela escolha de uma rainha de Bento Gonçalves, única edição em que foi escolhida uma candidata externa ao município de Caxias do Sul. Essa edição marcou ainda uma ruptura na tradicional programação cultural do evento. Foi incorporada uma programação “erudita”, com apresentações de óperas, tenores, apresentações de bailarinos, música portenha, entre outros, intercalando com o folclore local.

43No Rio Grande do Sul, em 21 de março de 1935, foi fundado o Touring Club do Brasil (Sociedade Rio-Grandense de Turismo), com sede em Porto Alegre, 12 anos após a sua fundação do Rio de Janeiro. O Touring teve ampla atuação na arquitetura do turismo estadual e regional, e o leitmotiv foram as comemorações estaduais do Centenário Farroupilha, sob o governo do general Flores da Cunha, que também foi Presidente do Conselho de Honra do Touring. O diretor e secretário do Touring Club era Clio Fiori Druck, jornalista do Diário de Notícias de Porto Alegre. O jornal Correio do Povo noticiou em 19 de setembro de 1935 a presença de “mais de 15 mil forasteiros”, por ocasião das comemorações, que teve, até o final do evento, cerca de 45 mil visitantes. A mobilização popular e a exposição da região por ocasião da Festa da Uva favoreceu a difusão do turismo e a primeira meta turística do Touring foi Caxias do Sul, onde o vinho, a metalurgia e as malhas eram a atração. Caxias do Sul foi, assim, o primeiro ponto turístico do Estado afora Porto Alegre a despertar interesse nacional e a gerar interesse turístico.

44O espaço regional analisado, no conjunto de suas probabilidades (Raffestin, 1993) e simultaneidades (Massey, 2008) e na intencionalidade de seus agentes sociais, foi transformado em território turístico (Knafou, 1991) a partir da utilização dominante do lugar no caso, a dualidade entre vitivinicultura/turismo, que teve suas bases estruturadas ainda nas primeiras décadas do século XX. Se poderia dizer que, nesse contexto, a homogeneidade territorial e o caráter de diferenciação regional em relação ao contexto brasileiro permitiram a existência desse processo patrimonial ligado à vitivinicultura, uma vez que a cooperação mínima, ainda que, muitas vezes, sem se dar conta da condição de sujeitos no processo de patrimonialização, é condição para o patrimônio ser admitido coletivamente (Heinich, 2009). A influência estatal no processo de reterritorialização, no estabelecimento de uma dualidade, isto é, de autonomia e dependência em relação ao conjunto social de imigrantes e na patrimonialização territorial a partir dos elementos do espaço de vida e do espaço vivido (Di Méo, 1996) local, marcaram profundamente esse espaço do ponto de vista da turistificação, que, atualmente, está ancorada no patrimônio do vinho e no legado do conjunto de imigrantes italianos.

Conclusão

45A partir do cenário descrito e das diversas variáveis que interferiram territorialmente, pode-se inferir que a eleição do vinho como vetor de patrimonialização e como recurso turístico obedeceu a diversos fatores como : características culturais da imigração italiana ; o conhecimento tecnológico da atividade ; o fomento do Estado na atividade como possibilidade técnica à colônia, a partir do reconhecimento do vinho como “lugar comum” dessa coletividade ; o incentivo do Estado aos eventos locais a fim de mostrar a produção e “endossar” as atividades a partir do “olhar de fora”, em sentido patrimonial (Di Méo, 2004, Gravari-Barbas, 1995). Contudo, fica evidente o papel do Estado no fomento da atividade vitivinícola, que, além de objetivar a produção de alimentos para os núcleos urbanos emergentes, devia fixar esses agricultores ao território. Essa fixação se deu,principalmente, a partir da dependência econômicacriada pelo arcabouço estatal, mas, também, pela valorização das atividades dos imigrantes. Assim, a partir desse conjunto de fatores e agentes, e da folclorização da principal atividade econômica regional que atingia seu esplendor na Festa da Uva, pode-se situar os anos de 1930 como o período radical do enoturismo brasileiro, especialmente por advir de uma organização inicial e ter este propósito evidenciado na documentação. Nesse período também iniciou as atividades o Touring Club, importante vetor de territorialização do patrimônio e um dos principais responsáveis pela formação desse território turístico (Knafou, 2001), ou no que se poderia denominar de território do vinho. Contudo, o jogo político que emerge no processo de organização do espaço tem diversas variáveis que interferem e no caso estudado, refletem a presença da dinâmica do enoturismo como possibilidade territorial, isto é, o enoturismo carrega um longo processo geográfico e histórico que teve suas bases assentadas na hierarquização do espaço durante seu período de ocupação.

Haut de page

Bibliographie

Almanach do Estado de São Paulo para 1892, 1891, Oitavo Anno, São Paulo, Editora Companhia Industrial de São Paulo.

Bardin L., 2009, L’analyse de contenu, Paris, Presses Universitaires de France.

Bertho Lavenir C., 1999, La roue et le stylo : comment nous sommes devenus touristes, Paris, Editions Odile Jacob.

Bourdieu P., 2000, O campo econômico, a dimensão simbólica da dominação, São Paulo, Papirus.

Garcia C.N., 2003, Consumidores e cidadãos, conflitos multiculturais da globalização, Rio de Janeiro, UFRJ.

Castaing Y., 2007, Oenotourisme, mettez en valeur votre exploitation viticole, Paris, Dunod.

Deleuze G., Guattari F., 1976, O anti-édipo, capitalismo e esquizofrenia, Rio de Janeiro, Imago.

Di Méo G. (ed.), 1996, Les territoires du quotidien, Paris, L’Harmattan.

Di Méo G., 2004, “Composantes spatiales, formes et processus géographiques des identités”, Annales de géographie, Paris, Armand Colin, n° 13, pp. 339-362.

Falcade I., 2001, “O espaço geográfico e o turismo na região da uva e do vinho no nordeste do Rio Grande do Sul”, Encontro estadual de geografia, Caxias do Sul, n° 21, pp. 39-53.

Fratucci A. C.,2000, “Os lugares turísticos, territórios do fenômeno turístico”, Geographia, v. 2, n° 4, pp. 121-133.

Galvão P. L. De A., 2006, Enoturismo e as dinâmicas sócio-espaciais no Vale do São Francisco – PE, Dissertação, Programa de Mestrado e Doutorado em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

García J.R. et al, 2010, “Turismo del vino em el marco de Jerez. Um Análisis desde la perspectiva de la oferta”, Cuadernos de Turismo, n° 26, pp. 217-234.

Giron L.S., 1987, “O cooperativismo vinícola gaúcho : a organização inicial”, in De Boni L. A.(ed.), A presença italiana no Brasil, Porto Alegre, Est.

Giron L.S., 2007, “Identidade : região e valores”, in Giron L.S, Radunz R. (eds.), Imigração e cultura, Caxias do Sul, Educs, p. 39- 60.

Gravari-Barbas M., 1995, “Le “sang” et le “sol”, le patrimoine, facteur d’appartenance à un territoire urbain”, Géographie et culture, n° 20, pp. 55-68.

Hall C. M. (ed.), 2004, Wine tourism around the world, development, management and market, Oxford, Hardcover.

Heinich N., 2009, La fabrique du patrimoine, de la cathédrale à la petite cuillère, Paris, Éditions de la maison des sciences de l’homme.

Knafou R., 1991, “L’invention du lieu touristique, la passation d’un contrat et le surgissement simultané d’un nouveau territoire”, Revue de géographie alpine, v. 79, n° 4, pp. 11-19.

Knafou R., 2001, “Turismo e território : por uma abordagem científica do turismo”, in Rodrigues, Adyr A. B. (eds.), Turismo e geografia, reflexões teóricas e enfoques regionais, São Paulo, Hucitec.

Landel P. A, 2004, “Invention de patrimoines et construction des territoires”, Colloque Ressource Territoriale, Le Pradel, Mirabel, p. 1-19.

Laferté G., 2002, “La production d’identités territoriales à usage commercial dans l’entre-deux-guerres en Bourgogne”, Cahiers d’économie et sociologie rurales, n° 62, pp. 66-95.

Lavandoski J., 2008, A Paisagem na Rota Enoturística Vale dos Vinhedos (RS), sob a Perspectiva do Visitante, Dissertação, Programa de pós-graduação em Turismo, universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul.

Lignon Darmaillac S., 2009, L’oenotourisme en France, nouvelle valorisation des vignobles, Ed. feret.

Massey D., 2008, Pelo espaço, por uma nova política da espacialidade, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

Olivien R. G., 2006, A parte e o todo, a diversidade cultural no Brasil-nação, Rio de Janeiro, Vozes.

Paz I. N. & Baldisserotto I., 1997, A estação do vinho, história da estação experimental de viticultura e enologia – EEVE- (1921-1990), Caxias do sul, Educs.

Pellanda E., 1950, “Aspectos gerais da colonização italiana no Rio Grande do Sul”, in Bertaso H. D. & Lima M. de A. (eds.), Álbum comemorativo do 75° aniversário da colonização italiana no Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Revista do Globo, pp. 33-64.

Pesavento S. J., 1983, RS, agropecuária colonial e industrialização, Porto Alegre Mercado Aberto.

Ribeiro C. M. P. J., 2002, Festa e identidade, como se fez a festa da uva, Caxias do Sul, Educs.

Sá M. de., 1950, “Aspectos econômicos da colonização italiana no Rio Grande do Sul”, in Bertaso H. D. & Lima M. de A. (eds.), Álbum comemorativo do 75° aniversário da colonização italiana no Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Revista do Globo, pp. 75-104.

Silva L. O, 1996, Terras Devolutas e Latifúndio, efeitos da lei de 1850, Campinas, Unicamp.

Tonini H., 2008, “Políticas públicas e turismo, enoturismo no Vale dos Vinhedos/RS”, Pasos, revista de turismo y patrimônio Cultural, v. 6, n° 2, pp. 213-229.

Valduga V., 2011, “Uma história do vinho no Brasil”, in Possamai Ana M. de P., Peccini R. (eds.), Turismo, história e gastronomia, uma viagem pelos sabores, Caxias do Sul, Educs, pp. 115 – 126.

Valduga V., 2011, Raízes do turismo no território do vinho, Bento Gonçalves e Garibaldi – 1870 a 1960 (RS/Brasil), Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS

Zanini T. V., 2007, Enoturismo no Brasil : um estudo comparativo entre as regiões do Vale dos Vinhedos (RS) e do Vale do São Francisco (BA/PE), Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Turismo. Universidade de Caxias do Sul.

Haut de page

Notes

1 Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos. Boa safra também de turistas. Disponível aqui. Acessado em 25 de maio de 2012.

2 Organização social de interesse público e privado responsável pela condução das Políticas Públicas, planejamento e captação de recursos federais e estaduais na área do turismo para 30 municípios que configuram a Região Turística Uva e Vinho. Está sediada em Bento Gonçalves.

3 Disponível aqui. Acessado em 11/12/12.

4 Disponível aqui. Acessado em 11/12/12.

5 Festas de abertura da colheita das uvas.

6 Devido a uma estiagem durante a sua construção nos primeiros anos do séc. XX, ao invés de água na composição da argamassa foi utilizado vinho. Estudos recentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul atestaram a veracidade da utilização do vinho da argamassa da construção.

7 […] os moradores da vila de São Paulo têm já muitas vinhas; e há homens nela que colhem já duas pipas de vinho por ano, e por causa das plantas é muito verde, e para se não avinagrar lhe dão uma fervura no fogo[…]. Grafia mantida do original.

8 A sesmaria foi um sistema de doação da posse de terras instituído pelo governo português e implantado no Brasil. Previa a doação de terras a membros do exército, a pessoas ligadas a corte ou por algum mérito, com o interesse de tornar estas terras produtivas. Para isso os posseiros tiveram incentivos como o fornecimento de mão-de-obra escrava como forma de equilibrar os custos com o desmatamento. Boa parte dos posseiros se tornou proprietário das terras e latifundiário posteriormente (Silva, 1996).

9 > Documentação do Arquivo Histórico Municipal de Garibaldi (AHMG). 01 de dezembro de 2004. Organizado por Elenita Girondi Koff.

10 Gottselig C. W, 1933, Grande Album de Montenegro, Montenegro, AHMG.

11 Detalhes em Rodrigues J., 1972, Subsídios para a história da uva e do vinho, Caxias do Sul, monografia, Acervo do Arquivo Histórico Municipal de Caxias do Sul João Spadari Adami (AHMJSA), Caxias do Sul.

12 Relatório do Intendente Affonso Aurélio Porto – 1913 (p. 17), AHMG. Grafia do original.

13 Gobbato C., 1922, Manual do viti-vinicultor brasileiro, Porto Alegre, Officinas Graphicas da Escola de Engenharia, AHMG.

14 O gaúcho, conhecido como o habitante do Rio Grande do Sul ganha um sentido regional no país, diferentemente do sentido nacionalista adotado na Argentina e no Uruguai, países limítrofes do Estado. O gaúcho do estado é o campeador, que lida com o gado e que posteriormente seu sentido foi ampliado a todo habitante do estado (Olivien, 2006).

15 Por outro lado, os descendentes de italianos eram chamados de gringos, designação que permanece até hoje na região e de uma maneira geral, para estrangeiros europeus no Brasil.

16 Enólogo e intelectual italiano que se estabeleceu no Brasil em 1912.Gobbato formou-se em Viticultura e Enologia pela Scuola di Conegliano e doutorou-se em Ciências Agrárias na Universidade de Pisa. Foi intendente de Caxias do Sul de 1924 a 1928 e um dos agentes tutelados no Brasil pelo governo italiano durante o fascismo. Seus escritos tinham grande eco na colônia, especialmente por redigir em italiano, por ser católico, língua mãe da maioria da população e sua atuação política foi marcante em toda a região colonial italiana.

17 Disponível no AHMJSA.

18 Jornal Correio do Povo, 02 de março de 1931, AHMJSA.

19 Cópia da Ata Nr°119 da Associação dos Comerciantes de Caxias, AHMG, caixa 38, 1931

20 Jornal da Manhã, Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 1932. Correspondências expedidas pela comissão central da Festa da Uva de 1932, AHMJSA. Grafia mantida do original.

21 Trecho de uma crônica escrita por Olmiro de Azevedo, letrado de Porto Alegre e um dos divulgadores da Festa da Uva, in Antunes D. P., 1950, Documentário Histórico de Caxias do Sul Comemorativo do 75° Aniversário da Colonização, Caxias do Sul, Artegáfrica, AHMJSA. Grafia mantida do original.

22 Ofício expedido pelo presidente do evento Joaquin Pedro de Lisboa ao prefeito de Garibaldi em 05 de janeiro de 1934. AHMG, caixa 42, 1934.

23 Ofícios enviados em 14 de fevereiro de 1950. AHMG, caixa 90, 1950.

24 Ofícios enviados às prefeituras da região em 31 de janeiro de 1950. AHMG, caixa 90, 1950.

25 Ofícios enviados em janeiro de 1950 aos municípios produtores de uvas. AHMG, caixa 90, 1950.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Áreas de colonização italiana no RS
Crédits V. Valduga
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/727/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura 2. Igreja feita com vinho, Bento Gonçalves6
Crédits V. Valduga
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/727/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figura 3. Pórtico de Bento Gonçalves
Crédits F. Mazzotti
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/727/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 4. Igreja de São Bento, Bento Gonçalves
Crédits V. Valduga
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/727/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figure 5. Paisagem típica com vinhedos, Bento Gonçalves
Crédits V. Valduga
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/727/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Vander Valduga et Rosa Maria Vieira Medeiros, « As raízes do Enoturismo no Brasil », Via [En ligne], 6 | 2014, mis en ligne le 01 décembre 2014, consulté le 26 mai 2020. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/727 ; DOI : https://doi.org/10.4000/viatourism.727

Haut de page

Auteurs

Vander Valduga

Professor e pesquisador do Departamento de Turismo da Universidade Federal do Paraná. Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Rosa Maria Vieira Medeiros

Professora e pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals