Navigation – Plan du site

Texte intégral

1O conjunto dos textos reunidos neste número especial pretende analisar o papel que o turismo e o património, e em particular o património mundial, podem desempenhar conjuntamente no desenvolvimento do continente africano, e a sua relação com os princípios, incluindo os injuntivos, do desenvolvimento sustentável.

2Responder a esta questão implica ter raciocínios escalares que não são despojados de obstáculos, de preconceitos e de ideologias. Deste modo, convém analisar esta questão nas suas componentes implícitas e explícitas, antes de propor, eventualmente, novas luzes.

3Com efeito, encontrar uma resposta para esta questão requer que, em primeiro lugar, coloquemos algumas questões sobre a relação existente entre turismo e desenvolvimento ; a relação entre património e turismo ; o papel (supostamente mais marcante) que o património mundial pode ter nesta implicação de desenvolvimento através do turismo… Em segundo lugar, isso implica que questionemos a eventual existência de uma “especificidade africana” na construção dessa tripla relação “património (mundial) – turismo – desenvolvimento”. Como intervêm as especificidades, constatadas ou supostas, do património africano e do (ou dos) património(s) na África ? Como é que essas especificidades patrimoniais afetam o turismo, criando por sua vez condições favoráveis ao desenvolvimento ? Inversamente, de que forma as especificidades do turismo na África contribuem para a emergência de patrimónios enquanto fatores de desenvolvimento ? Por fim, será que podemos analisar, neste contexto, a durabilidade social, económica, ambiental, do desenvolvimento através do turismo e do património ?

4A entrada através do património mundial – e não apenas do património em geral – é privilegiada pela exacerbação nesses locais de tendências que geralmente são observadas em torno do património. O património mundial representa hoje uma importância de tipo “caixa-de-ressonância” das políticas patrimoniais e da forma como são recebidas. Ele situa-se no centro de questões importantes (imagem, marketing local, turismo, etc. mas as questões políticas e geopolíticas são também a ter em conta, uma vez que a lógica do património mundial interfere nas lógicas do Estado) (Bourdeau, Gravari-Barbas & Robinson, 2012). Além disso, permite situar essas questões de forma mais clara com uma abordagem comparativa em relação a outras regiões nas quais a ação da UNESCO desempenha um papel catalisador (Salin, 2002), e abrir uma abordagem por áreas geográficas tendo em conta a confluência de noções, modelos, especialistas e conhecimentos (Istasse, 2011).

5A questão da relação entre património mundial e turismo, e depois entre património, turismo e desenvolvimento, foi explorada ao longo dos últimos anos por um vasto número de publicações. A revista de literatura efetuada pelos autores (Gravari-Barbas & Jacquot, 2008), com base num conjunto de textos, incluindo a análise de vários artigos, estudos e relatórios, colocou em evidência a ausência de uma ligação direta e unívoca entre a inscrição na lista do património mundial e o desenvolvimento turístico, e depois com o desenvolvimento local (Prud’homme, 2008). Assim, torna-se importante identificar e analisar as condições que permitem o desenvolvimento.

  • 1 Com efeito, a distinção muitas vezes feita entre a África subsaariana e os países do Magrebe e Maxe (...)

6A escolha de um número especial consagrado ao património mundial na África assenta na hipótese de que a análise dos casos africanos poderá trazer luzes específicas sobre as questões do turismo, do património e do desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, não se trata apenas de uma entrada “regional”, aliás problemática nas suas limitações continentais1. A natureza dos patrimónios na África, inscritos na lista do património mundial, leva-nos a ter questionamentos específicos relativamente à definição da repartição natureza/cultura ou ainda às origens coloniais de muitos deles (Khadi, 2005). Grande parte dos patrimónios inscritos na lista do património mundial está relacionada com episódios particularmente dolorosos, ligados à colonização ou à escravatura. Coexistem, na mesma lista, heranças dos antigos colonizadores e dos colonizados. Este fato leva-nos a questionamentos específicos quanto à apresentação turística e à interpretação dessas heranças (Dann & Seaton, 2001) e, de uma forma geral, sobre a escrita das relações de poder e de dominação que estão intimamente ligadas, num contexto pós-colonial.

7Este texto introdutório foi organizado em quatro partes. A primeira aborda a noção e os contornos do património e do património mundial na África ; a segunda aborda a questão do turismo e das relações que mantém relativamente ao património, em particular ao mundial, no continente africano ; a terceira explora a relação que o turismo e o património mantêm com o desenvolvimento – é feito um foco especial sobre as implicações das comunidades locais e a capacidade que o turismo e o património têm de criar dinâmicas de empowerment ; a quarta apresenta as temáticas transversais dos textos reunidos neste número.

8Além da apresentação dos textos aqui reunidos, o desafio é de explorar, a partir desses territórios, novas formas de conceber as múltiplas relações que existem entre “património – turismo – desenvolvimento”. Será que estamos perante abordagens que prolongam o que já sabemos sobre o turismo e o património tal como foram construídos nos países do Norte, ou será que podemos detetar, em torno destas noções, um “southern turn” teórico (Comaroff & Comaroff, 2011) ? Sem nos limitarmos ao estetismo de uma diferença patrimonial africana ou ao suposto pragmatismo da realidade turística, pretendemos criar padrões de pensamento que possam permitir uma nova reflexão sobre o paradigma da relação entre património e turismo tal como foi escrito, há mais de dois séculos, no ocidente europeu.

9O património mundial na África : as aporias de uma repartição mundial imperfeita

10A noção moderna de património, definida na bibliografia ocidental ao longo das últimas décadas (Choay, 1992 ; Andrieux, 2011 ; Harrison, 2013), reveste um conjunto de elementos selecionados e articulados que permitem que as sociedades não só concebam e imaginem novamente o seu passado (Ashworth, 2008), mas também representem para si mesmas o presente. Longe de ser o resultado de abordagens e de processos neutros e descontextualizados, o património é o fruto de negociações, de seleções, de renegociações, implicando vários atores em relações de força e de poder (Graham, Ashworth & Tunbridge, 2000). A patrimonialização, enquanto processo de produção de artefactos e mentefactos dotados de valores (afetivos, históricos, simbólicos, económicos…), obedece com efeito a dinâmicas diversificadas em função do contexto social e espácio-temporal (Di Giovine, 2009 ; Orbasli, 2007). Os fundamentos históricos da noção fixam-na claramente no mundo europeu (Babelon & Chastel, 2008 ; Gravari-Barbas Guichard Anguis, 2003). Até há pouco tempo, pareciam desenhar, inversamente, “territórios do vazio” em outros contextos geográficos.

11A África parecia assim escapar à “folie patrimoniale” (Jeudy, 1990) que caraterizou o mundo ocidental na segunda metade do século XX (Choay, 1992), apesar das políticas patrimoniais levadas a cabo no contexto dos impérios coloniais, quer através da proteção de sítios pensados como naturais, tais como as cascatas Vitória (McGregor, 2003), da arqueologia (Galitzine-Loumpet, Gorshenina & Rapin, 2012) ou da identificação dos monumentos históricos e das tradições (Arrif, 1994 ; Girard, 2006). De forma mais ampla, várias análises (Calas, Marcel & Delfosse, 2011) colocam em evidência o déficit da institucionalização do património na África, incluindo em contextos urbanos, a priori mais propícios à patrimonialização : “a maior parte das cidades africanas não tem museus dignos desse nome. Poucos dispõem de um verdadeiro inventário do seu património natural e cultural. Muitos não têm mecanismos de qualificação ou de salvaguarda do património. Muito poucos estão informados acerca da Convenção do património mundial. Aqui, podemos afirmar que há uma fratura, que faz com que a África corra um risco de marginalização como acontece noutros setores da vida económica e social” (Craterre-ENSAG, Convenção França-UNESCO, 2006).

  • 2 Gaston Zossou, discurso selecionado por E. de Roux, Le Monde, 2 de maio de 2001.

12Mesmo que alguns autores insistam na necessidade de conceber o caráter material e imaterial dos patrimónios na sua continuidade (Bouchenaki, 2004) ou na sua coprodução (Goody, 2004) em detrimento da sua oposição, as características diferentes da patrimonialização na África e, a fortiori, as especificidades dos patrimónios africanos, contendo menos monumentalidade, e mais marcados pelo seu lado vivo e evolutivo, são muitas vezes postas em evidência (Gravari-Barbas & Guichard-Anguis, 2003 ; Maurel, 2012). Como salientou o antigo ministro da cultura do Benim2, o património material apenas representa uma pequena parte do património cultural africano : “os Africanos deixaram-se possuir por espíritos em vez de investirem em monumentos. Optaram por ter um património menos tangível no qual dominam a dança, a música, o canto, a narração”. No âmbito da política do património mundial, as diferentes evoluções categóricas (paisagem cultural viva, património imaterial) puderam assim surgir como outras formas de incluir os patrimónios de novas áreas geográficas (Taylor & Lennon, 2010), menos marcadas pela noção de monumento histórico.

13Apesar de uma pluralização da noção de património mundial na tentativa de integrar essas questões interculturais (Gravari-Barbas & Jacquot, 2013), e de uma vontade por parte de várias organizações internacionais de operar um equilíbrio temático e geográfico do reconhecimento patrimonial, a composição e o número de locais do património mundial africano traduzem dificuldades específicas.

  • 3 A África Central é uma das zonas mais afetadas pela inscrição na lista do património em perigo por (...)

14Este último é caracterizado por um número bem menos importante do que o que encontramos na Europa e, em menor grau, na Ásia ou nas Américas ; pelo predomínio de sítios naturais que parece denotar, de forma direta ou indireta, uma certa dificuldade ou reticência em reconhecer os patrimónios culturais ; e por uma certa fragilidade marcada pelo número de sítios do património mundial inscritos na lista do Património em perigo3.

  • 4 A Somália e o Sudão do Sul não assinaram a Convenção do Património Mundial. O Djibuti, a Guiné Equa (...)
  • 5 Caça ilegal, deflorestação, guerra civil, terrorismo, extração clandestina de minerais, perda da bi (...)

15Cento e vinte e oito bens na África, localizados em 37 países4, estão inscritos na lista do património mundial da UNESCO em 2013. O número de sítios varia entre nove para a Etiópia ou Marrocos e zero para catorze países que ratificaram a convenção e que, por enquanto, ainda não propuseram sítios para inscrever (ou tendo-se limitado a inscrever sítios a título indicativo). Os primeiros sítios africanos inscritos na lista em 1978, desde o momento da sua conceção, são culturais : a ilha de Goreia no Senegal e as igrejas escavadas na rocha de Lalibela na Etiópia. A África comporta, aliás, a percentagem mais importante de sítios inscritos na lista do património em perigo, representando cerca de 13 % dos sítios africanos (44 % dos sítios inscritos na lista do património em perigo). As razões para a sua inscrição na lista do património em perigo são várias5, mas globalmente parecem indicar dificuldades em termos de gestão dos bens inscritos.

  • 6 A «Estratégia Global para uma Lista do Património Equilibrada, Representativa e Credível» foi adota (...)

16Embora a UNESCO tenha empreendido ações, ao longo dos últimos anos, para reequilibrar as disparidades regionais de uma lista concebida inicialmente, de acordo com os padrões e por especialistas vindos do mundo ocidental (Harrison, 2013), a situação evolui lentamente, pelo menos do ponto de vista quantitativo. Vários pesquisadores insistem nos desequilíbrios que continuam a caraterizar a lista do património mundial (Frey & Steiner, 2011 ; Frey & Lasse, 2012), apesar das iniciativas tomadas pela UNESCO (sobretudo a “Estratégia Global para uma Lista do Património Equilibrada, Representativa e Credível” elaborada em 1994)6, Steiner & Frey (2011) mostraram que o desequilíbrio não só permaneceu mas, ao contrário, também se acentuou desde a elaboração da estratégia global. Estas dificuldades foram apontadas pela 35ª sessão do Comité do património mundial (2011), consagrada à avaliação da Estratégia Global e da iniciativa PACTe. Aliás, Bertacchini e Saccone (2011) mostram-nos que a inscrição na Lista do património mundial depende de condições institucionais e económicas e que está sujeita a considerações quanto às consequências esperadas pelos Estados e pelos especialistas que participam no processo de seleção. Destacam também o caráter fortemente político da seleção e o papel dos países e dos especialistas que participam no Comité do património mundial (Brumann, 2012). Nesta quase-concorrência para a inscrição na lista à qual se entregaram historicamente os países europeus, e na qual entraram mais recentemente, de forma particularmente ativa, alguns países como a China, grande parte dos países africanos, incluindo os mais turísticos da África, parecem impotentes.

17A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial adotada em 2003 revela uma vontade de contribuir para a evolução destes fatos (Smith & Akagawa, 2009). A iniciativa lançada na reunião de Marraquexe em 1997, aprovada pelas proclamações das obras-primas entre 2001 e 2005, e depois pela aplicação da Convenção de 2003, questiona efetivamente as relações entre património e comunidades, através da preservação das práticas, dos rituais e das tradições que são a base do património imaterial. É um elemento do património africano, a praça Jemaa El-Fnaa em Marraquexe, que contribuiu de forma significativa para a conceptualização da noção de património cultural imaterial (PCI) (Schmitt, 2008). Segundo Loulanski (2006), esta última marca um movimento em direção a uma concepção antropocêntrica e funcional do património, compreendendo três aspetos principais que estão estreitamente ligados um ao outro : dos monumentos aos homens, dos objetos às funções e, por conseguinte, da preservação à utilização e ao desenvolvimento sustentável. O património não se limita apenas aos objetos, e já não tem como objetivo principal a sua preservação material, mas evolui cada vez mais para uma noção que é sinónimo de “tudo o que cumpre uma função de herança cultural” (Muller, 1998, p. 399). Deste modo, o património é cada vez mais associado ao seu contexto social, assumindo uma construção social, produzida e definida por indivíduos e por grupos sociais.

  • 7 Na intenção e no modo de funcionamento, esta lista é muito diferente da do Património Mundial, toda (...)

18Dez anos após a sua ratificação, esta lista “bis”7 reúne poucos bens africanos em comparação com os outros (dezanove inscritos em 2012 para mais de duzentos e cinquenta bens inscritos a nível mundial). Mais do que a lista do património mundial da UNESCO, ela constitui um testemunho pungente da difícil construção de uma política patrimonial em África, tanto nocionalmente como operacionalmente.

19No entanto, esta situação parece hoje evoluir. Com efeito, observamos um reconhecimento cada vez mais ativo, até mesmo militante, dos patrimónios na África. Este é o fruto de vários processos que estão a decorrer, entre os quais a ação da UNESCO, graças à sua vasta projeção internacional, que desempenha certamente um papel central, determinante até – e isto apesar das dificuldades de aplicação “global” dos valores da lista do património mundial referidas acima. Estes intercâmbios transnacionais e especialidades em movimento são igualmente resultantes do desenvolvimento de relações bilaterais reforçadas pela cooperação descentralizada entre sítios do património mundial (Craterre-ENSAG / Convenção França-UNESCO, 2006), por exemplo entre Albi e Abomey, ou o Vale do Loire e o Níger, tornando-se o património num “referente circulante” (Istasse, 2011), uma condição que possibilita esses intercâmbios e adaptações transnacionais. Estas novas realidades patrimoniais são igualmente visíveis através de um número importante de publicações recentes consagradas aos patrimónios africanos, tanto de pesquisadores e universitários (Anderson & Grove, 1987 ; Dieke, 2000 ; Akama & Sterry, 2002 ; Boswell & O’Kane, 2011 ; Calas, Marcel & Delfosse, 2011) como de atores do terreno ou das ONG, em particular do Centro do património mundial da UNESCO (Aveling & Debonnet, 2010 ; White & Vande weghe, 2008 ; Craterre-ENSAG / Convenção França-UNESCO, 2006).

  • 8 Sessão «Cidades africanas e patrimónios» organizada no âmbito da cimeira «Africités III» em Iaundé, (...)

20Várias iniciativas tentam colocar o património no centro das problemáticas sociais, culturais e económicas na África. Em 2003, o Centro do património mundial da UNESCO levou oficialmente a questão do património até às coletividades locais africanas8 marcando assim o interesse crescente das mesmas em relação ao seu património e à sua valorização.

21Evidentemente, a inscrição na lista do património mundial ganhou em visibilidade na África ao longo dos últimos anos, embora de forma geograficamente diferenciada no continente, colocando a questão das relações entre inscrição no património mundial e estratégias turísticas, nomeadamente nacionais… e, em seguida, das instrumentalizações atuais do património mundial a vários níveis escalares.

22O turismo e o património na África : problemáticas, ambiguidades, questões

23São vários os textos que associam o património mundial à problemática do desenvolvimento turístico do continente africano (AIMF, s.d. ; Spenceley, 2005), indicando o papel determinante que o património (a fortiori mundial) pode constituir para o turismo e, além disso, para o desenvolvimento local na África.

  • 9 A este propósito, ver os Barómetros do Turismo Mundial publicados pela OMT.

24Em paralelo, a Organização Mundial do Turismo9 mostra que o continente africano participa plenamente no crescimento do turismo internacional, passando de 10 milhões de turistas internacionais em 1987 a mais de 50 milhões em 2010, com taxas de crescimento à escala continental correspondentes às tendências globais. Assim, verificamos que o turismo internacional em África teve um crescimento de 6 % por ano entre 2005 e 2012 (UNWTO, 2013).

  • 10 Mesmo se o lugar do Zimbabué deve hoje ser relativizado devido ao colapso do país (Mutana e Zinyemb (...)

25No entanto, não nos esqueçamos de que é difícil, se não impossível, falar de forma geral sobre o turismo na África e sobre as suas implicações com o património e o desenvolvimento (Boswell & O’Kane, 2011), devido às situações muito distintas encontradas nos 54 países do continente. Entre os países africanos mais desenvolvidos turisticamente e os que o são menos, ou que não o são de todo, as diferenças são muito mais importantes do que as que podem ser observadas comparativamente entre os diferentes países europeus. Se o Quénia no Leste da África, as ilhas Maurícia e Seychelles no Oceano Índico, Marrocos e a Tunísia no Magrebe, a África do Sul e o Zimbabué10 no Sul ou a Costa de Marfim e o Senegal a Oeste constituem exemplos de uma atividade turística por vezes considerável, outros países, representando uma maioria, ficam aquém dos fluxos turísticos (Dieke, 2000 ; Rogerson, 2007).

26Além disso, como nos lembra Richards (2000), e à exceção dos países do Magrebe, até os países africanos que representam “histórias de sucesso” do ponto de vista turístico, desenvolvem um produto turístico internacional pouco diversificado, limitando-se aos safaris e ao turismo balnear, ou então dirigido a populações turísticas específicas. De acordo com o mesmo autor, mesmo os países como a Costa de Marfim ou o Senegal, que desenvolveram um turismo patrimonial, se destinam a um segmento do mercado essencialmente composto por afro-americanos ou por outras diásporas.

27A questão das implicações existentes entre turismo e património coloca-se de forma específica no continente africano, porque a noção de património e o desenvolvimento turístico conheceram trajetórias diferentes. Tendo o turismo na África passado, em grande parte, ao lado dos grandes movimentos turísticos que caraterizaram a 2ª metade do século XX, acredita-se que ele encarna melhor, daqui em diante, os novos paradigmas do turismo, situando-se nos antípodas do turismo dito de massa. Assim, os escritos e as análises sobre o turismo na África apresentam muitas vezes o seu caráter “sustentável”, “participativo” e “ético”, alertando contra um desenvolvimento do turismo na África que siga o modelo europeu e o desenvolvimento de um sistema turístico baseado na valorização dos recursos patrimoniais monumentais em detrimento de uma abordagem mais ampla e partilhada (Principaud, 2010).

  • 11 Várias publicações institucionais articulam o desenvolvimento turístico com esses objetivos (Rogers (...)

28Deste modo, temos visto emergir uma literatura “prescritiva” do turismo africano, que deveria, para assumir o novo papel que lhe é agora atribuído enquanto motor do desenvolvimento e de redução da pobreza11, assentar nas particularidades do património africano. Aliás, a natureza “viva” do património africano significa que a sua valorização depende da “boa saúde” do artesanato e das tradições, as relações entre turismo e património colocam as comunidades locais num lugar de destaque, através da promoção da capacidade de construção (capacity-building) (Koutra & Edwards, 2012). O desenvolvimento do turismo e do património é geralmente abordado (Spenceley, 2004 & 2005) enquanto possibilidade de garantir o empowerment das populações locais, inscrevendo-se então numa inflexão operada pelas organizações internacionais, quanto à articulação entre turismo, património e desenvolvimento sustentável (Hawkins & Mann, 2007 ; Galla, 2012). Na hipótese de um desenvolvimento turístico que não seja posto em causa pelos desafios económicos, sociais e ambientais contemporâneos e por vir, a África representa, de acordo com várias análises, um potencial de desenvolvimento turístico considerável (Christie, 2001 ; Akama & Sterry, 2002). O turismo empreende então uma missão importante : participar no desenvolvimento económico e social do continente.

  • 12 « Programa sobre o Património Mundial e o Turismo Sustentável » adotado pelo Comité do património m (...)

29O património mundial desempenha, neste processo, um papel crucial, quer pela sua visibilidade quer pelo efeito virtuoso, antecipado e performativo da inscrição, num momento em que o Centro do património mundial articula de forma acrescida o património e os objetivos de desenvolvimento, através da mediação do turismo12 (Gravari-Barbas & Jacquot, 2012). As publicações do Centro do património mundial insistem no que diz respeito às qualidades do desenvolvimento turístico africano assente na cultura e no património e atribuem uma missão ao turismo : « tourism will, therefore, assist in removing existing stereotypes and misrepresentations of indigenous African cultures. In this regard, cultural tourism may well contribute to the promotion of international harmony and cross-cultural understanding » (ATLAS, 2000, p. 14).

30Contrariamente a estas perspetivas sem dúvida portadoras de esperança, porém prescritivas e ainda por acontecer, vários pesquisadores apontam para realidades mais distintas. O turismo, enquanto fenómeno “global”, resulta tanto de iniciativas locais, ou micro-locais, como de realidades impulsionadas pela globalização. Como sublinha P. Urquhart (s.d.) « the growth path of tourism in African countries often depends on the precarious interaction of small businesses with the giants of the global economy and the unpredictable forces of globalization ». Enquanto produto global do capitalismo tardio, o turismo torna-se um fator importante para o investimento estrangeiro na África, potencialmente portador de exclusividades (Akama, 2004 ; Meyer, 2010).

31Na opinião de alguns pesquisadores, os princípios fundadores da UNESCO, que consistem em “contribuir para a paz na mente dos homens” correspondem, in fine, pouco àquilo que se verifica no terreno (Edson, 2004). Segundo Boswell e O’Kane (2011), o turismo e o património, a fortiori mundial, contribuem para transformar o espaço num mosaico de locais de concentração turística ao lado de outros que continuam desconhecidos e muito além das dinâmicas económicas. No contexto do continente africano, isso observa-se em relação ao contexto pós-colonial (Hall & Tucker, 2004) que carateriza grande parte dos patrimónios culturais na África. Os projetos patrimoniais que são realizados num contexto pós-colonial não são exemplos de novos storytellings mobilizados para (re)escrever a história : « In the postcolony, heritage is also an important memory device » (Anheier & Isar, 2011 citado em Boswell & O’Kane, 2011). Deste modo, apesar do fato de revelarem memórias traumáticas, os patrimónios dos territórios dominados continuam a impor-se : « heritage remains vitally important to local senses of self. Even contested (i.e. colonial) heritage cannot be easily erased so that a ‘new’ narrative, which excludes the painful recollection of slavery and colonisation, can be realised » (Boswell & O’Kane, 2011). Este aspeto pode encorajar a necessária reapropriação dos patrimónios traumáticos por parte das populações locais, mas na condição de que as novas narrativas tenham em conta a diversidade das mensagens patrimoniais e dos seus destinatários, tanto locais como estrangeiros.

32Em África, o desenvolvimento do turismo em torno do património mundial está sujeito a várias dificuldades. Primeiramente, o contexto político torna a situação difícil, senão impossível, para o turismo em certas partes do continente africano, incluindo em pontos onde há alguns anos se parecia constituir um cenário de desenvolvimento económico credível e prometedor, como o mostram D. Cissouma Togola e S. Al Karjousli (n° 1/2014), no contexto geopolítico do aumento do terrorismo.

  • 13 A inscrição da cidade de Rabat em 2012 inclui tanto a cidade árabe-muçulmana como a “cidade nova”, (...)

33Em seguida, a coexistência no continente de patrimónios africanos com patrimónios de origem europeia, muitas vezes heranças e relíquias do colonialismo (Addo, 2011), dificulta bastante o desenvolvimento turístico e as suas finalidades. “Uma diferença de conceção fundamental é então estabelecida a este nível entre a conceção de um património europeu cuja base é a herança e a de um património africano que é, em boa parte, repleto de funções, que apenas tem sentido na utilização que dele é feita, ou no simbolismo que transmite” (Ouallet, 2003). Segundo Boswell e O’Kane (2011), os patrimónios indígenas são geridos de acordo com perspetivas de valorização e de gestão turística em concordância com práticas provenientes dos países ocidentais e/ou geridas por atores internacionais, inferindo relações particulares entre o património e as comunidades locais. Porém, também podemos evocar as dificuldades de inclusão dos patrimónios oriundos da colonização (Sinou, 2005) incluindo em países turísticos. A fraca valorização da arquitetura colonial em Casablanca (Cohen & Eleb, 2004) ou na República Democrática do Congo (Robert, n° 1/2014) é um exemplo dessas dificuldades (mesmo se as inscrições recentes no património mundial já não fazem a oposição entre património vernacular e património colonial13).

34Por fim, o desenvolvimento do turismo está sujeito aos imaginários turísticos europeus (Graburn & Gravari-Barbas, 2011 a, b) particularmente dominantes, tendo produzido há séculos representações consolidadas da África e daquilo a que é associada. A literatura, a fotografia, os filmes, contribuíram para a produção de uma imagem estereotipada da alteridade africana. N. Salazar (2009) sublinha que a campanha promocional da Tanzânia « Tanzania – Authentic Africa » consegue englobar as imagens do Jardim do Éden (Adams e McShane, 1996) produzidas por Hollywood, desde Tarzan até África Minha, passando por Gorilas na Bruma, Uma leoa chamada Elsa ou O Rei Leão. De acordo com alguns autores, o desenvolvimento do turismo cultural na África continua a inscrever-se na continuidade e na perpetuidade desses imaginários (Welsh, 2000), com todas as limitações e dificuldades que isso representa, em tensão com a construção de imaginários nacionais através do turismo (Fursich & Robins, 2004 ; Bondaz, 2009).

35Turismo, património mundial e desenvolvimento sustentável

36Neste contexto, o turismo e o património mundial poderão constituir um cenário credível para o desenvolvimento sustentável na África ?

  • 14 A componente ambiental é bem menos desenvolvida aqui devido aos objetivos dos textos reunidos.

37A questão da “sustentabilidade” do desenvolvimento pelo património e o turismo é aqui introduzida a título de reflexão, com base nas problemáticas emergentes no seio de várias organizações internacionais e, em particular, da UNESCO : assim, a política do património mundial é marcada pela crescente integração de questões em torno do desenvolvimento sustentável (por exemplo, com o plano de ação adotado em Paraty em 2010). Tal convergência designa duas coisas : a inserção das iniciativas “rotuladas” como sustentáveis (por exemplo, o programa de turismos sustentável do Centro do património mundial), e a inclusão de critérios que poderiam assegurar a sustentabilidade do desenvolvimento, em particular com uma redistribuição dos recursos e uma implicação das populações14. Deste modo, tomamos em consideração os discursos (prescritivos e injuntivos) e os seus efeitos no terreno.

38No caso da África, o desenvolvimento até hoje modesto do turismo, aliado àquilo que é denominado por “potencial” patrimonial (a diversidade das tradições e das heranças erigidas, a majestade das paisagens), conduziu à emergência de novos discursos e ações apostando no turismo como fator de desenvolvimento (Christie & Crompton, 2001 ; World Bank, 2010, The State of Tourism in Africa, 2010). No entanto, vários pesquisadores estimam que a contribuição do turismo para a economia africana foi muitas vezes sobreavaliada (Mowforth & Munt, 2003 ; Dieke, 2000). A pergunta que se faz é então : quem é que beneficia finalmente com o desenvolvimento do turismo e quem é que recebe os investimentos internacionais nesse continente ? Salazar (2009), a partir de Goodman (2002), lembra-nos que os mecanismos de redistribuição para as populações locais são raros e inoperantes. Por exemplo, as repercussões locais dos seis mil visitantes diários das cataratas de Vitória na Zâmbia, um dos locais turísticos mais importantes na parte Sul do continente africano, são particularmente limitadas, apesar do “enorme potencial” do local : « About than 18 hotels and lodges operate around Victoria Falls and most of them import their food stuffs and supply for guests from Lusaka and neighbouring countries like South Africa » [African World Heritage Fund (s.d.)]. A maior parte dos exemplos de sítios do património mundial mostram-nos que esta situação constitui mais uma regra do que uma exceção.

39Duas dimensões estão presentes nestas análises : a integração do património com um objetivo de tipo pro-growth, com a criação de empregos relacionados, permitindo reduzir os problemas de pobreza, e a abordagem pro-poor, visando eliminar a produção de novas marginalidades ligadas ao desenvolvimento turístico, incluindo em sítios patrimoniais. O seu ponto de encontro (pro-poor growth policies) (Gerosa, 2003) designa as modalidades de inclusão das populações locais frágeis nos projetos de desenvolvimento.

  • 15 UK Department for International Development
  • 16 Esta iniciativa assenta numa crítica aos métodos de desenvolvimento turístico que apenas visam o cr (...)

40Determinados estudos parecem demonstrar empiricamente, e num variado leque de destinos, a validade da tese central do turismo dito “pró-pobre” [admitindo que o setor pode ter ligações estreitas com as populações pobres (Spenceley, 2010), em função das políticas públicas levadas a cabo e dos comportamentos das empresas (Meyer, 2007)]. De acordo com o DFID15(1999), o turismo significativo (2 % do PIB e 5 % do valor das exportações) em 11 dos 12 países com maior número de populações pobres (que vivem com menos de 1 dólar por dia), pode ser um instrumento eficaz de desenvolvimento e de luta contra a pobreza contribuindo para o “redesenvolvimento” dos espaços rurais e urbanos fragilizados se for aplicado numa perspetiva “pro-poor16” (DFID, 1999). Michell e Faal (2007, 2008), no seu estudo sobre as relações entre turismo e pobreza na Gâmbia, estimam que mais de metade do montante total consagrado ao turismo é gasto na Gâmbia – do qual 14 % é recebido pelos pobres. Eles adiantam que a dimensão dos benefícios é explicada pela ocorrência de “pequenos gastos” e pela existência de uma associação profissional de setor informal muito ativa.

41Contudo, as disparidades geográficas que surgem nos efeitos do pro-poor tourism, levam-nos a não recorrer a diagnósticos ou prescrições políticas padrão. As políticas pro-poor parecem muitas vezes insuficientes para alterar as dinâmicas económicas de dominação (Harrison, 2012), de fato, elas estão inseridas em lógicas de liberalização económica em vez de o estarem na criação de políticas redistribuidoras (Schilcher, 2007). Em certos casos, também pode ser identificada uma instrumentalização do “argumento do desenvolvimento local” (Cousin, 2007).

  • 17 Ver o número sobre Alternatives Sud (Alternativas Sul), «Expansão do turismo : vencedores e vencido (...)

42Por outro lado, um conjunto de pesquisas coloca a questão de uma perpetuidade das desigualdades devido à importância dos investimentos estrangeiros e à externalização dos benefícios17, sobretudo à forma através da qual o turismo pode criar situações de marginalidade. As políticas nacionais de desenvolvimento turístico não são necessariamente sinónimo de um desenvolvimento local equilibrado (Sinclair, 1998).

43De uma forma geral, a questão da participação das comunidades locais em projetos de desenvolvimento entra em conflito, segundo Chirikure et al (2010), devido ao fato de elas nem sempre se sentirem contempladas pelos patrimónios suscetíveis de serem valorizados, por causa da longa história de evicções territoriais na África durante as ocupações coloniais, as quais provocaram uma separação das comunidades relativamente aos seus patrimónios. Os pesquisadores sublinham o fato de, no Sul da África, a longa história das deslocações forçadas e o sistema de gestão dos parques nacionais levantarem problemas em termos de identificação das comunidades e dos atores que podem ser associados aos projetos patrimoniais e turísticos.

44Chirikure et al (2010, p. 38) demarcam assim a diferença dos países como a Etiópia, menos afetados pela alienação colonial, em que as comunidades locais de Lalibela ou de Axum continuam a ter relações fortes com o património visto não só como uma mediação com o seu passado mas também como um recurso mobilizável no presente (Bridonneau, neste número).

  • 18 Como nos mostram vários estudos relativos ao turismo de memória, adaptado aos turistas norte-americ (...)

45Para além destas abordagens mais clássicas, a questão dos impactos do turismo merece ser desconstruída. A análise em termos de impactos, sejam eles positivos ou negativos, surge de forma demasiado unilateral (Cazes, 1989 & 1992). Os próprios turistas participam nos processos de valorização : eles não se limitam a consumir o espaço, eles marcam-no através de várias formas de apropriação, com os seus atos, representações, projeções de sentido e de valores18 (Edensor, 1998 ; Gravari-Barbas, 2012). Numa perspetiva antropológica, o turismo permite igualmente legitimar o património aos olhos dos habitantes. Deste modo, em termos de impactos, Hall e Lew (1998) lembram-nos que devemos, antes de mais, operar uma leitura sistémica das relações entre património e turismo, através das suas inter-relações, e compreender em “impactos” a expressão “tourism-related change”, permitindo indicar simultaneamente a interdependência dos fenómenos e a sua multidimensionalidade. Com efeito, o turismo alerta-nos para uma dupla realidade (Sharpley, 2011) : ele apresenta-se tanto como uma atividade plenamente inscrita na economia de mercado, mas também como um fenómeno sociocultural particularmente complexo pois intrinsecamente ligado às problemáticas do desenvolvimento. A economia turística mantém uma estreita ligação com o território, local de expressão da cultura e da sua diversidade, e onde o turista se desloca, produz e consome. Esta relação sistémica património-turismo orientada para o desenvolvimento sustentável implica, no entanto, uma inclusão das populações locais nas “transações” e nos contatos com os turistas.

46Portanto, os trabalhos, nomeadamente de geógrafos, tendem a revisitar os discursos estabelecidos que insistem muitas vezes no papel destrutor do património pelas massas turísticas (Deprest, 1997). O património apenas tem sentido quando é inserido na sociedade (Gravari-Barbas, 2005). A descoberta turística do património constitui um momento do mundo, marcado em particular por uma verdadeira paixão patrimonial (Lazzarotti & Violier, 2007), traduzida num processo de patrimonialização generalizada que abrange objetos cada vez mais variados para os “modernizar”, acreditando apagar o desgaste do tempo que ameaça inexoravelmente os sinais da história.

47Apresentação do número especial Via@ em “património mundial, Turismo e Desenvolvimento” na África

48Os artigos reunidos neste número abordam problemáticas transversais. Várias contribuições podem ser aqui evocadas : A questão do empowerment das comunidades locais está bastante presente (A. Payen ; P. Ouoko & A. Ouallet ; D. Cissouma Togola & S. Al Karjousli ; M. Tchindjang & M. H. Etoga ; I. Cloquet, E. Magnani), e parece representar um dos maiores limiares do desenvolvimento local articulado com o património mundial e o turismo.

49Assim, Ariane Payen mostra-nos que o projeto piloto do ecoturismo comunitário desenvolvido em 2003 pela União Europeia no Parque Nacional de Loango, no Gabão, não conseguiu criar uma adesão local. Pior, apesar dos esforços dos portadores de projetos, e nove anos depois do lançamento das atividades, constata-se que tem havido uma participação decrescente da população local. O autor apresenta uma vasta lista de barreiras que impedem que uma apropriação dos projetos seja feita pelas comunidades locais : investimentos internacionais opacos, falta de condições e de compromissos quanto ao recrutamento dos habitantes, corrida e concorrência entre várias ONG para obter financiamentos e ajudas, etc. Estas conclusões não são diferentes das que são apresentadas por Isabelle Cloquet (neste número), relativamente a um Parque Nacional do mesmo país, inscrito na lista do património mundial (Parque da Lopé). Estes resultados corroboram numerosas análises que nos mostram que os projetos turísticos com “vocação sustentável” apenas apresentam balanços medíocres em termos de implicação e de apropriação das atividades por parte das populações locais (por exemplo Oheneba, 2011).

50No entanto, longe de ser analisada como uma confrontação binária entre o fato de ser “local” ou estrangeiro, a questão das “comunidades locais” é bem mais complexa (Tchindjang & Etoga, n° 1/2014). Os conflitos e a exploração abrangem as diferentes comunidades locais num jogo de múltiplas tensões entre comunidades locais, autoridades locais, governo central e ONG internacionais. Nesta tensão, ninguém consegue atingir os seus objetivos da mesma forma. Apesar do sucesso da noção de comunidade, que ficou conhecida pela sua utilização no Comité do património mundial em Christchurch (Nova Zelândia) em 2007, ou por ter sido destacada na Convenção do Património Cultural Imaterial de 2003, é necessário evitar materializar esta noção ou adotar uma visão romântica e, muito pelo contrário, ficar atento às suas construções e linhas de fraturas e pluralizações (Waterton & Smith, 2010). Enquanto os grupos sociais são deixados para trás, certos habitantes inserem-se por vezes com grande habilidade no jogo local-global que se desenvolve em torno dos sítios do património mundial, como nos mostra M. Bridonneau (neste número) de forma pertinente.

51A análise do papel dos turistas, peça essencial da triangulação entre comunidades locais e atores, menos explorado por estes textos, poderia revelar-se determinante para compreender o que se estabelece na África em torno do património mundial. M. Bridonneau mostra-nos de forma notável a implicação dos turistas empenhados (“engagés”) na economia local – mas também os limites locais intrínsecos desse compromisso.

52Os textos reunidos convidam-nos assim a ficarmos atentos relativamente às capacidades do turismo nos sítios do património mundial que servem de base ao desenvolvimento sustentável. Eles põem em evidência o grande desequilíbrio entre o poder comunicacional do “rótulo” património mundial e as suas realidades no terreno. O território africano revela-se um laboratório extraordinário, mas também doloroso, das dificuldades de inserção de uma “carta de qualidade” ligada ao “rótulo” património mundial. A grande disparidade de situações, as dificuldades de gestão no terreno, a implicação – ou não – das autoridades locais, regionais ou nacionais, geram realidades observáveis muito contrastadas. Neste sentido, o investimento ou não dos atores representa a segunda problemática da criação de um projeto de desenvolvimento em torno do turismo e do património mundial.

53À questão colocada na introdução : “o turismo e o património mundial, na sua implicação mútua e recíproca, poderão constituir um cenário credível para o desenvolvimento sustentável na África ?”, os textos aqui reunidos hesitam em responder afirmativamente. Porém, o que poderemos reter aqui, mais do que uma resposta stricto sensu a essa questão, é o caráter performativo do processo que se implementa. A generalização do discurso virtuoso acerca do desenvolvimento sustentável integra já os dispositivos que colocam o património e o turismo – sustentável – no centro das iniciativas adotadas.

  • 19 Vários trabalhos (Rogerson, 2007 ; Moswete & Darley, 2011) lembram a falta de estudos sobre o turis (...)

54Deste modo, o conjunto dos artigos reunidos neste número propõe a exploração das particularidades, dos avanços e das aporias do turismo “patrimonial” e das suas implicações com o desenvolvimento sustentável no contexto instável e evolutivo do continente africano. Os coordenadores deste número convidam o leitor a ler os textos de forma cruzada, transversal e reflexiva. Mais do que tomar conhecimento com casos de estudo em si interessantes, mais do que identificar as especificidades intrínsecas dos questionamentos sobre o continente africano19, trata-se de considerá-lo como um território-laboratório dos mecanismos induzidos pelo património mundial, que também interroga novamente esta produção, num espaço que representa hoje uma das “frentes pioneiras” do turismo.

Haut de page

Bibliographie

Adams J.S. & McShane T.O., 1996, The myth of wild Africa : conservation without illusion (2nd ed.), Berkeley, University of California Press.

Addo E., 2011, “European heritage and cultural diversity : the bricks and mortar of Ghana’s tourism industry”, Journal of Contemporary African Studies, vol. 29, n° 4, Octobre, pp. 405-425.

African World Heritage Fund, s.D., World Heritage Sites and Sustainable Tourism, Victoria Falls, WH site.

AIMF, s.d. Patrimoine culturel et enjeux territoriaux en Afrique francophone. Appui aux politiques locales.

Akama J. & Sterry P. (ed.), 2002,“Cultural tourism in Africa : strategies for the new millennium”, Proceedings of the ATLAS Africa International Conference, December 2000, Mombasa, Kenya.

Akama J., 2004, “Neocolonialism, dependency and external control of Africa’s tourism industry. A case study of wildlife safari tourism in Kenya”, in Hall M., Tucker H. (dir), Tourism and Postcolonialism : Contested Discourses, Identities and Representations, London, Routledge, pp. 140-152.

Anderson D. & Grove R., 1987, “The scramble for Eden : past, present and future in African conservation”, in Anderson D. and Grove R. (eds), Conservation in Africa. People, policies and practice, Cambridge, Cambridge University Press.

Andrieux J.-Y. (dir.), 2011, Patrimoine. Sources et paradoxes de l’identité, Rennes, Presses Universitaires de Rennes.

Anheier H., Isar Y.R., 2011, Heritage, memory and identity, London, Los Angeles, New Delhi & Singapore, Sage.

Arrif A., 1994, « Le paradoxe de la construction du fait patrimonial en situation coloniale, le cas du Maroc », Revue du monde musulman et de la Méditerranée, vol. 73, n° 1, pp. 153-166.

Ashworth G.J., 2004, “Tourism and the heritage of atrocity : Managing the heritage of the South African apartheid for entertainment”, in Singh, T.V., Tourism seeks new horizons, CABI Basingstoke.

Ashworth G. J., 2008,“Heritage : De ?nitions, delusions and dissonances”, in Almoeda R.& al.(eds.), Heritage 2008. World Heritage and Sustainable Development, 3–9, Lisbon, Green Lines Institute for Sustainable Development.

Aveling C., Debonnet G., 2010, Patrimoine mondial dans le bassin du Congo, Paris, UNESCO.

Babelon J. P., Chastel A., 2008, La notion de patrimoine, Paris, Editions Liana Levi.

Bertacchini E., Saccone D., 2011, “Embracing diversity, correcting inequalities : towards a new global governance for the UNESCO World Heritage”, Journal of Cultural Economics, vol. 17, n° 3, Juin, pp. 278-288.

Bondaz J., 2009, « Imaginaire national et imaginaire touristique, L’artisanat au Musée national du Niger », Cahiers d’études africaines, 2009/1, n. 193-194, pp. 365-390.

Bourdeau L., Gravari-Barbas M., Robinson M., (eds), 2012, Tourisme et Patrimoine Mondial, Laval, Presses Universitaires de Laval.

Boswell R, O’Kane D, 2011, “Introduction : Heritage management and tourism in Africa”, Journal of Contemporary African Studies, vol. 29, n° 4, Octobre, pp. 361-369.

Bouchenaki M., 2004, « Editorial, Définition du patrimoine Culturel Immatériel », Museum Intenational, vol. 56, n° 221 – 222, pp. 6-12.

Brumann Ch., 2012, “The virtues of multilateral ethnography in the UNESCO World Heritage arena”, communication à l’Association of Critical Heritage Studies, Goteborg.

Calas B., Olivier M., Delfosse Cl., 2011, « Patrimonialisations en Afrique », Géographie et cultures, n° 79, pp. 5-10.

Cazes G., 1989, « Le mirage touristique dans les pays pauvres : réflexion à partir de quelques exemples de l’Afrique noire francophone », in Singaravelou P. (dir.), Pauvreté et développement dans les pays tropicaux (Hommage à Guy Lasserre), Bordeaux, CEGET-CNRS, pp. 319-330.

Cazes G., 1992, Tourisme et tiers-monde- un bilan controversé – les nouvelles colonies de vacances ?, Paris, l’Harmattan (coll. Tourismes et Sociétés), tome 2, pp. 176-184.

Chirikure Sh., Manyanga M., Ndoro W.& Pwiti G., 2010,“Unfulfilled promises ? Heritage management and community participation at some of Africa’s cultural heritage sites”, International Journal of Heritage Studies, vol. 16, n° 1-2, pp 30-44.

Christie I.T., Crompton D.E., 2001, Tourism in Africa, Africa Region Working Paper Series n° 12.

Choay F. 1992, L’allégorie du patrimoine, Paris, Seuil.

Cousin S., 2007, « L’argument du développement local par le tourisme », Actes de la Recherche en Sciences Sociales, n° 170, pp 11-13.

Craterre-ENSAG / Convention France-UNESCO, 2006, Patrimoine culturel et développement local.

Deprest F., 1997, Enquête sur le tourisme de masse : l’écologie face au territoire, Paris, Belin.

Dann G.M.S, Seaton A.V., 2001, Slavery, contested heritage and thanatourism, New York, Haworth Hospitality Press.

Di Giovine M., 2009, UNESCO, world heritage and tourism, Lanham, Boulder, New York, Toronto & Plymouth, Lexington Books.

Dieke P.U.C., 2000, “The nature and scope of the political economy of tourism development in Africa”, in Dieke P.U.C. (ed), The political economy of tourism development in Africa, New York, Cognizant Communication Corporation, pp. 1-28.

Department for International Development (DFID), 1999, Tourism and Poverty Elimination : Untapped Potential, London, DFID.

Edson G., 2004, “Heritage : pride or passion, product or service ?”, International Journal of Heritage Studies, vol. 10, n° 4, pp. 333-348.

Edensor T., 1998, Tourists at the Taj, Performance and Meaning at a Symbolic Site, London, Routledge.

Eleb M., Cohen J.-L., 2004, Casablanca, Mythes et figures d’un aventure urbaine, Paris, Hazan.

Eloundou L., Odiaua I., 2012, Patrimoine mondial Africain, une diversité remarquable, Paris, UNESCO.

Frey B., Lasse S., 2011, “World Heritage List : does it make sense ?”, International Journal of Cultural Policy, vol. 17, n° 5, Novembre, pp. 555–573.

Fursich E., Robins M., 2004, “Visiting Africa : Constructions of Nation and Identity on Travel Websites”, Journal of Asian and African Studies, 39, pp. 133-152.

Galitzine-Loumpet A., Gorshenina S. & Rapin Cl., 2012, « Archéologie(s) en situation coloniale, 2, Acteurs, institutions, devenirs », Les nouvelles de l’archéologie, Juin, n° 128.

Galla A. (ed.), 2012, World Heritage, Benefits Beyond Borders, Paris/Cambridge, UNESCO Publishing/Cambridge University Press.

Gerosa V., 2003, Tourism : A Viable Option for Pro-Poor Growth in Africa, Economic Commission for Africa Economic Policy Research Center, Expert Group Meeting, Kampala.

Girard M., 2006, « Invention de la tradition et authenticité sous le Protectorat au Maroc », Socio-anthropologie, n° 19, Les mondes du patrimoine.

Godonou A., Mengin C. (dir.), 2013, Porto Novo : patrimoine et développement, Histoire de l’Art n° 19, Paris, Publications de la Sorbonne.

Goodman R., 2002, “Pastoral livelihoods in Tanzania : can the Maasai benefit from conservation ?”, Current issues in Tourism, n° 5, pp. 280-286.

Goody J., 2004, “The transcription of oral heritage”, Museum International, 56, n° 1-2, pp. 91-97.

Goodwin H., 2008, “Pro-poor Tourism : a response”, Third World Quarterly, vol. 29, n° 5, pp. 869-871.

Graburn N., Gravari-Barbas M., 2011a, “Imagined Landscapes of Tourism”, Journal of Tourism and Cultural Change (JTCC), vol. 9, n° 3, September.

Gravari-Barbas M., Graburn N., 2012, Imaginaires touristiques, Via@, Les imaginaires touristiques, n° 1, mis en ligne le 16 mars 2012.
URL : http://www.viatourismreview.net/Editorial1.php

Graham B., Ashworth G.J. & Tunbridge J.E., 2000, A Geography of Heritage : Power, Culture and Economy, London/New York, Arnold/Oxford University Press.

Gravari-Barbas M., Guichard-Anguis S., 2003, Regards croisés sur le patrimoine à l’aube du XXIe siècle, Paris, Presses Universitaires de la Sorbonne.

Gravari-Barbas M., 2005, Habiter le Patrimoine : Enjeux, Approches, Vécu, Rennes, Presses Universitaires de Rennes, Collection Géographie Sociale.

Gravari-Barbas M., 2012, « Tourisme et patrimoine, le temps des synergies ? », in Le patrimoine, oui, mais quel patrimoine ?, Internationale de l’imaginaire, nouvelle série, n° 27, pp. 375-399.

Gravari-Barbas M., Jacquot S., 2013, « Patrimoine, Tourisme, développement : une triangulation impossible ? », in Gravari-Barbas M., Jacquot S., 2013 (dir.), Patrimoine, Tourisme, développement : une triangulation impossible ? Patrimoine mondial et développement, au défi du tourisme durable (à paraître), Québec, Presses Universitaires de l’Université du Québec.

Hall C.M., Lew A., 1998, Sustainable Tourism : A Geographical Perspective, Upper Saddle River, Prentice Hall.

Hall M., Tucker H. (dir), 2004, Tourism and Postcolonialism : Contested Discourses, Identities and Representations, London/New York, Routledge.

Harrison R., 2013, Heritage, Critical approaches, London/New York, Routledge.

Harrison D., 2008, Pro-poor tourism, a critique, Third World Quaterly, 29, n° 5, pp. 851-868.

Hawkins D.E., Mann Sh., 2007, “The World Bank’s Role in Tourism Development”, Annals of Tourism Research, vol. 34, n° 2, pp. 348-363.

Istasse M., 2011, « Circulation et rencontre du patrimoine et du tourisme dans la médina de Fès : de l’investigation de diverses formes patrimoniales », Téoros, n° 2, pp. 37-46.

Jeudy H.-P., 1990, Patrimoines en folie, Paris, Maison des Sciences de l’Homme.

Khadi el G., Ouallet A., Couret D., 2005, « Le patrimoine moderne dans les villes du Sud, une articulation en cours entre mémoires locales, modernités urbaines et mondialisation », Autrepart, 2005, n° 1, pp. 3-12.

Koutra Ch., Edwards J., 2012, “Capacity-building through socially responsible tourism development : A Ghanaian Case Study”, Journal of Travel Research, 51, n° 6, pp. 779-792.

Lazzarotti O. & Violier Ph., 2007, Tourisme et Patrimoine. Un moment du Monde, Angers, Presses de l’Université d’Angers.

Loulanski T., 2006, “Cultural Heritage in Socio-Economic Development : Local and Global Perspectives”,Environments Journal, vol. 34, n° 2, pp. 51-69.

Maurel Ch., 2012, « L’UNESCO et la promotion des savoirs en Afrique subsaharienne de 1960 à nos jours », in Gary-Tounkara D. & Nativel D. (dir.), L’Afrique des savoirs au sud du Sahara, XVI-XXIe siècle, Acteurs, supports, pratiques, Paris, Editions Karthala.

McGregor J.A., 2003, “The Victoria Falls 1900-1940 : Landscape, Tourism and the Geographical Imagination”,Journal of Southern African Studies, vol. 29, n° 3, Septembre, pp. 717-737.

Meyer D., 2007, “Pro poor tourism : From leakages to linkages. A conceptual framework for creating linkages between accommodation sector and ‘poor’ neighbouring communities”, Current Issues in Tourism, n° 6, pp. 558–83.

Meyer D., 2010,. “Changing power relations : foreign direct investment in Zanziba”, in Mosedale J. (ed.), Political Economy of Tourism : A critical perspective.Contemporary geographies of leisure, tourism and mobility, London, Routledge.

Mitchell J. & Ashley C., 2006, Can tourism help reduce poverty in Africa ?, London, Overseas Development Institute.

Mitchell J., Ashley C., 2007, Assessing how tourism revenues reach the poor, Briefing Paper 21, Overseas Development Institute, Juin.

Mitchell J., Faal J., 2007, “Holiday package tourism and the poor in the Gambia”, Development Southern Africa, vol. 24, n° 3.

Mitchell J., Faal, J., 2008, “The Gambian tourism value chain and prospects for pro-poor tourism”, ODI, working paper 289.

Mutana S., Zinyemba A. Z., 2013, “Rebranding the Zimbabwe tourism product : a case for innovative packaging”, vol. 2, n° 4, April, pp. 95-105.

Moswete N.N., Darley K.W., 2012, “Tourism survey research in sub-Saharan Africa : problems and challenges”,Current Issues in Tourism, vol. 15, n° 4, pp. 369-383.

Mowforth M. & Munt, I., 2003 Tourism and Sustainability : New Tourism in the Third World, London/New York, Routeledge.

Muller M., 1998, “Cultural Heritage Protection : Legitimacy, Property, and Functionalism”, International Journal of Cultural Property, 7, n° 2, pp. 395-409.

Akyeampong O.A., 2011, “Pro-poor tourism : residents’ expectations, experiences and perceptions in the Kakum National Park Area of Ghana”, Journal of Sustainable Tourism, vol. 19, n° 2, pp. 197-213.

Ouallet, A., 2003, « Perceptions et réutilisations patrimoniales en Afrique. Quelques exemples maliens », in Gravari-Barbas M. & Guichard-Anguis S., Regards croisés sur le patrimoine à l’aube du XXIe siècle, Paris, Presses Universitaires de la Sorbonne.

Ouallet A., Tamru B., Couret D., 2005, « Habiter les vieux quartiers d’Addis-Abeba : un patrimoine en risque ? Eléments pour la compréhension des enjeux et des acteurs », in Gravari-Barbas M. (dir.), Habiter le patrimoine, enjeux, approches, vécu, Rennes, Presses Universitaires de Rennes, pp. 297-314.

Orbasli A., 2007, “Tourism and the “Islamic” Town : social change, conservation and tourism in traditional settlements” in Travellers, Pilgrims and Traders : Tourism in the Middle East (ed. R. Daher) Channel View, pp. 161-187.

Poulot D., 1997, Musée, Nation, Patrimoine, 1789-1815, Paris, Gallimard, Bibliothèque des histoires.

Principaud J.-Ph., 2010, « De la difficulté de développerle tourisme solidaire en Afrique subsaharienne. L’exemple (déjà ancien) du « tourisme rural intégré » en Basse-Casamance, Teoros, vol. 29, n° 1, pp. 90-99.

Prigent L., 2011, « Le patrimoine mondial est-il un mirage économique ?Les enjeux contrastés du développement touristique », Téoros, vol. 30, n° 2, pp. 6-16.

Prud’homme R., Gravari-Barbas M., Jacquot S., Talandier M., Henri-Nicot B., et Odzirlik B., 2008, Les impacts socio-économiques de l’inscription d’un site sur la liste du patrimoine mondial : trois études, Rapport, Paris.

Richards G., 2000, “Satisfying the cultural tourist : challenges for the new millennium”, in Akama J., Sterry P. (ed),2002 Cultural tourism in Africa : strategies for the new millennium. Proceedings of the ATLAS Africa International Conference, December 2000, Mombasa, Kenya, pp. 35-41.

Robert Y., 2012, « Enjeux méthodologiques autour de la triangulation « patrimoine-tourisme développement » en République Démocratique du Congo », communication présentée au colloque Le tourisme, moteur du développement durable des sites du patrimoine mondial ?, 1 au 7 juin, Libreville, Gabon.

Rogerson Ch., 2007, “Reviewing Africa in the global tourism economy”, Development Southern Africa, vol. 24, n° 3, pp. 361-379.

Salazar N., 2009, “A troubled past, a challenging present, and a promising future : Tanzania’s tourism development in perspective”, Tourism Review International, vol. 12, n° 3-4, pp. 259-273.

Salin E., 2002, Les centres historiques du Caire et de Mexico : représentations de l’espace, mutations urbaines et protection du patrimoine, thèse de Doctorat, sous la dir. d’Alain Musset, Université de Nanterre – Paris X.
Thèse consultable sur : http://tel.archives-ouvertes.fr/tel-00597908/;
dernière consultation juin 2013.

Sharpley R., 2011, The study of tourism, Past trends and future directions, London/New York, Routledge, Contemporary Geographies of Leisure, Tourism and Mobility.

Schilcher D., 2007, “Growth Versus Equity : The Continuum of Pro-Poor Tourism and Neoliberal Governance”,Current Issues in Tourism, vol. 10, n° 2-3, pp. 166-193.

Schmitt T., 2008, “The UNESCO Concept of Safeguarding Intangible Cultural Heritage : its Backgrounds and Marrakchi Roots”, International Journal of Heritage Studies, vol. 14, n° 2, pp. 95-111.

Sinclair M., 1998,“Tourism and Economic Development : A Survey”, Journal of Development Studies, vol. 34, n° 5, pp. 1–51.

Sindiga I., 1999, Tourism and African Development : Change and challenge of tourism in Kenya, Aldershot, Ashgate.

Sinou A., 2005, « Enjeux culturels et politiques de la mise en patrimoine des espaces coloniaux », Autrepart, 2005, 1, n° 33, pp. 13-31.

Smith L., Akagawa N., 2009, Intangible heritage, London/New York, Routledge.

Spenceley A., 2004, Tourism Certification in Africa : Marketing, incentives and monitoring, Rapport à l’International Ecotourism Society, 29 November.

Spenceley A., 2005, Tourism Certification Initiatives in Africa, rapport à l’International Ecotourism Society.

Spenceley A., Habyalimana S., Tusabe R. & Mariza D., 2010, “Benefits to the poor from gorilla tourism in Rwanda”,Development Southern Africa, vol. 27, n° 5, pp. 647-662.

The State of Tourism in Africa, 2010, vol. 1, n° 1, Publication de la Africa House at New York University (NYU), de la Africa Travel Association (ATA) et de la Banque Mondiale.

Steiner L., Frey B., 2011, “Correcting the imbalance of the Word heritage list : did the UNESCO strategy work ?”,Journal of International Organizations Studies, vol. 3, n° 1, pp. 25-40.

Taylor K., Lennon J., 2010, “Cultural landscapes : a bridge between culture and nature ?”, International Journal of Heritage Studies, vol. 17, n° 6, pp. 537-554.

Teye V. B., Dallen J. T., 2004, “The varied Colors of Slave Heritage in West Africa : White American Stakeholders”,Space and Culture, vol. 7, n° 2, pp. 145-155.

Tunbridge J.E., Ashworth G.J., 1996, Dissonant Heritage, The management of the past as a Resource in Conflict, New York, Wiley.

Urquhart P., s.d., The sustainable development of tourism in Africa, AEREA Studies – Africa, vol. 2, EOLSS (Encyclopedia of Life Support Systems).
Consultable sur : http://www.eolss.net/Sample-Chapters/C16/E1-48-50.pdf;
dernière consultation : juin 2013.

UNESCO, Centre du Patrimoine Mondial, 2011, Rapport final de l’Audit de la Stratégie globale et de l’initiative PACTe, Volume 1, Mise en œuvre de la stratégie globale pour une liste du patrimoine mondial équilibrée, représentative et credible http://whc.unesco.org/archive/2011/whc11-35com-INF9Af.pdf
(dernière consultation : mai 2013)

UNWTO, 2013, Faits saillants du tourisme, édition 2013, Madrid, OMT.

Waterton E., Smith L., 2010, « The recognition and misrecognition of community heritage », International Journal of Heritage Studies, vol. 16, no1-2, pp. 4-15.

Welsh H., 2000, “A critical reflection on cultural tourism in Africa : the power of European imagery”, Cultural tourism in Africa : strategies for the new millennium, Proceedings of the ATLAS Africa International Conference December 2000, Mombasa, Kenya

White L., Vande weghe J. P., Unesco – CAWHFI, 2008, Patrimoine mondial Naturel d’Afrique centrale. Biens existants – Biens potentiels, Rapport de l’atelier de Brazzaville.

World Bank, 2010, Africa Region Tourism Strategy. Transformation Through Tourism : Harnessing Tourism for Growth and Improved livelihoods.

Haut de page

Notes

1 Com efeito, a distinção muitas vezes feita entre a África subsaariana e os países do Magrebe e Maxerreque também se faz no campo patrimonial. As repartições regionais operadas pela UNESCO distinguem “a África” dos “Países Árabes”, entre os quais o Egipto, Marrocos, a Tunísia, a Líbia e a Argélia. Contudo, no contexto desta introdução nós referimo-nos todavia ao continente africano. Se esta divisão regional nem sempre é adaptada às problemáticas patrimoniais, ela pareceu-nos neste caso pertinente pois as diferenças em termos de patrimonialização institucional, que nos interessa aqui de forma particular, são bem menos legíveis do que as diferenças entre tipologias patrimoniais.

2 Gaston Zossou, discurso selecionado por E. de Roux, Le Monde, 2 de maio de 2001.

3 A África Central é uma das zonas mais afetadas pela inscrição na lista do património em perigo por razões relacionadas com distúrbios civis e conflitos armados [6 bens naturais do património mundial situados em zonas de conflito e de pós-conflito na região dos Grandes Lagos (Eloundou & Odiaua, 2012, p. 19).

4 A Somália e o Sudão do Sul não assinaram a Convenção do Património Mundial. O Djibuti, a Guiné Equatorial, a Libéria e São Tomé e Príncipe ratificaram a convenção, mas não submeteram nenhum sítio a inscrição. Angola, o Burundi, as Comores, a Eritreia, a Guiné Bissau, o Lesoto, o Ruanda, Serra Leoa e a Swazilândia inscreveram sítios unicamente na lista indicativa.

5 Caça ilegal, deflorestação, guerra civil, terrorismo, extração clandestina de minerais, perda da biodiversidade, demolições e destruições. Convém sublinhar que o turismo não faz parte das ameaças mencionadas nos relatórios de inscrição. 

6 A «Estratégia Global para uma Lista do Património Equilibrada, Representativa e Credível» foi adotada em 1994, após recomendação da 16ª sessão do Comité do Património Mundial reunido em Santa Fe em 1992, no 20º aniversário da Convenção do Património Mundial. Ela visa “tanto corrigir os desequilíbrios da lista entre regiões do mundo, tipos de monumentos e épocas, como passar de uma visão puramente arquitetónica do património cultural da Humanidade a uma visão muito mais antropológica, multifuncional e global”. Alargada aos bens naturais em 1996, ela fixa como objetivo uma lista representativa, equilibrada e credível.

7 Na intenção e no modo de funcionamento, esta lista é muito diferente da do Património Mundial, todavia a lista torna-se um objeto autónomo, nomeadamente nos seus efeitos taxinómicos e classificatórios, alimentando o paralelo entre as duas listas (Bortolotto, 2011).

8 Sessão «Cidades africanas e patrimónios» organizada no âmbito da cimeira «Africités III» em Iaundé, nos Camarões, em dezembro de 2003. 

9 A este propósito, ver os Barómetros do Turismo Mundial publicados pela OMT.

10 Mesmo se o lugar do Zimbabué deve hoje ser relativizado devido ao colapso do país (Mutana e Zinyemba, 2013).

11 Várias publicações institucionais articulam o desenvolvimento turístico com esses objetivos (Rogerson, 2009), ver por exemplo as recomendações da Oversea Development Institution (Mitchell, Ashley, 2006) que sintetizam essas recomendações.

12 « Programa sobre o Património Mundial e o Turismo Sustentável » adotado pelo Comité do património mundial em 2012; Iniciativa Turismo : « People protecting places» do Centro do património mundial (2013), etc.

13 A inscrição da cidade de Rabat em 2012 inclui tanto a cidade árabe-muçulmana como a “cidade nova”, concebida e construída sob o Protetorado francês de 1912 até aos anos 1930.

14 A componente ambiental é bem menos desenvolvida aqui devido aos objetivos dos textos reunidos.

15 UK Department for International Development

16 Esta iniciativa assenta numa crítica aos métodos de desenvolvimento turístico que apenas visam o crescimento (Goodwin, 2008). Distingue-se também do turismo sustentável e do « community tourism ».

17 Ver o número sobre Alternatives Sud (Alternativas Sul), «Expansão do turismo : vencedores e vencidos, pontos de vista do sul», 2006.

18 Como nos mostram vários estudos relativos ao turismo de memória, adaptado aos turistas norte-americanos (Deye & Tallen, 2004).

19 Vários trabalhos (Rogerson, 2007 ; Moswete & Darley, 2011) lembram a falta de estudos sobre o turismo na África, em comparação com outras zonas geográficas.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Gravari-Barbas et Sébastien Jacquot, « Património mundial, turismo e desenvolvimento sustentável na África: discursos, abordagens e desafios », Via [En ligne], 4-5 | 2014, mis en ligne le 26 octobre 2014, consulté le 20 octobre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/855

Haut de page

Auteurs

Maria Gravari-Barbas

IREST, EIREST, Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne
Cátedra UNESCO Cultura, Turismo, Desenvolvimento

Articles du même auteur

Sébastien Jacquot

Professor de Geografia
IREST, EIREST, Universidade Paris 1-Panthéon Sorbonne

Articles du même auteur

Haut de page

Traducteur

Université Bretagne Occidentale

http://www.univ-brest.fr/btu/

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals